quarta-feira, 30 de dezembro de 2015

Nossa missão na Garagem Náutica


Fachada pintada da Garagem Náutica
Neste 31 de Dezembro termina nosso mandato como Diretor Náutico da Tuna  Luso Brasileira, função que desempenhamos ao longo de 22 meses, juntamente com os companheiros Gerardo Monteiro e Mário Mangas.

Quadro da Tuna com atletas de 1919 que recuperamos
A princípio quero agradecer ao Gerardo e ao Mário pela coragem de entrar comigo nesta briga de recuperar a Garagem Náutica, que vinha de um período dos mais tristes, com o prédio completamente abandonado, a rampa caída, banheiros sucateados, necessitando de pintura interna e da fachada (externa); quase sem atletas e com uma modesta participação nas regatas dos anos anteriores e tendo, durante todo o campeonato de 2013, ganho apenas dois pontos, o que para os cruzmaltinos e para os amantes do belo esporte náutico foi uma tristeza, misturada com vergonha.
Ao assumirmos sentamos e planejamos o que iríamos fazer primeiro,  já que além do que era necessário mensalmente para manutenção da garagem, como café da manhã dos atletas, transporte,
dinheiro para consertos de barcos (uma grande carência da Tuna), tínhamos que resolver a situação das dívidas com a FEPAR, ligação de água e luz (cortadas), e uma verba  mensal para pagamento de inscrição e transferência de atletas,  pagamento da anuidades atrasadas da FEPAR, já que não poderíamos fazer inscrição de atletas nem de barcos enquanto não resolvêssemos pagar o atrasado.
Com o apoio dos amigos da Confraria, GBs, Beneméritos, associados, torcedores e amigos entramos em campo. Criamos um Carnê que no princípio rendeu mais de mil reais mensais. Conseguimos reaver com a Mirela a colaboração mensal com biscoitos, massa para sopas e bolachas. Com a panificadora Pão Dourado conseguimos 30 pães diários. Com os amigos da Confraria Levi Alves e nosso diretor Mário Mangas conseguimos uma Cafeteira grande, uma Máquina de jato dágua e mais uma televisão de 29 polegadas, acompanhada de controle e antena.
O associado e ex-diretor Jaime Eiras, mesmo morando em outro estado,  nos mandou durante um grande período uma quantia mensal que ajudava no café da manhã, que ficou adubado com leite, pão, manteiga e bolachas.
O carnê deu certo até um período. Mas não sobrava para as inscrições de atletas nem pagamento do atrasado nem da anuidade atual da FEPAR, em torno de 5 mil reais por ano. Também não dava para fazer nada de melhoria na Sede, como pintura, reforço na rampa, etc.
Decidimos, ainda no ano passado,  fazer um fluxo de caixa com uma feijoada, o que no primeiro ano nos rendeu em torno de mais de 6 mil reais de lucro. Pagamos tudo que tínhamos que pagar e ainda compramos um barco do sr. José Augusto Morgado, um 2 X reversível, por 5.000,00 (cinco mil reais).
Também iniciamos a reforma geral dos dois banheiros, masculino e feminino, com piso, pinturas, vasos, pias, mictório e seis chuveiros, tudo novo, quase todo material fruto de doações de amigos. Pagamos praticamente só a mão de obra, além do material para a pintura. Modestamente, as reformas e os dois banheiros ficaram excelentes.
Nossos diretores Gerardo e Mário fizeram a proposta e resolvemos ampliar os trabalhos, fazendo também uma nova instalação hidráulica, pintura e colocação de azulejos em toda a Copa. Ficou muito bonita. Na oportunidade, recuperamos um quadro de antigos remadores de 1919, que estava abandonado na Sede Social. A recuperação ficou linda e para todos os cruzmaltinos foi uma grande honra rever o quadro na parede.
Pintamos toda a frente da Sede, uma vez que a pintura velha, com mais de cinco anos, estava desbotada e sem vida. Usamos as cores tradicionais da nossa Tuna: o Verde e o Branco, com frisos vermelhos.  Colocamos uma grande bandeira que está lá a tremular no mastro lá em cima, doada pelos amigos Zé Maria, Salatiel, Avelino e  Cauby.
Empolgados com as obras, embora já sem dinheiros, resolvemos fazer uma decoração na entrada da Garagem. Pintamos e colocamos um antigo barco como se fora um grande abajur decorativo. Fizemos uma inauguração com a presença de vários tunantes, colaboradores e a diretoria do Clube.
Essas obras foram feitas graças o dinheiro que conseguimos com a realização de uma Rifa de um televisor que nos foi repassado ao preço de custo pelo diretor Mário Mangas. Junto a isso, conseguimos pagar tudo com as arrecadações mensal dos Carnês e com a Feijoada de 2015, que nos deu um lucro de R4 6050,00 (seis mil e cinquenta reais).
Nossa performance nas águas da Baía do Guajará nos dois anos não foi excelente, mas  também não foi das piores. Disputamos todas as cinco regatas de 2014, e as quatro de 2015. Participamos da Copa Norte e Nordeste que foi realizada em Belém e ajudamos no título de Campeão do Pará. Não podíamos competir financeiramente com Remo e Paysandu que trouxeram em todas as provas atletas de fora -até da Argentina!-  por valores altíssimos e pagando salários homéricos aos atletas regionais. Ou seja, ninguém quer remais mais sem ganhar. Pra Tuna isso não dá. Nós, até as passagens que dávamos aos nossos atletas era dinheiro suado.
Galera torcendo. À frente o amigo Carlito
Foram dois anos de muita luta, mas o resultado está sendo satisfatório. Pegamos a sede Náutica a ponto de fechar, o que não aconteceu por causa do empenho do diretor técnico José Wildemar, o Lindão, que a duras penas foi mantendo. No período em que dirigimos organizamos a infraestrutura do prédio da melhor maneira possível, para dar uma melhor condição aos atletas, sem custo para a Tuna, que em quase dois anos, nos repassou apenas a quantia de 2 mil reais. Para que todos tenham uma idéia, só com passagens se fôssemos pagar de todos os atletas, seria em torno de 600 reais mensais, mais despesas com café da manhã e o restante da manutenção, dá em torno de quase 2 mil reais. Tivemos que conseguir o resto das despesas com muito trabalho deste escriba, Gerardo Monteiro, Mário Mangas e o apoio inconteste dos abnegados.
Saímos de cabeça erguida, já entregamos nossa prestação de contas dos três semestres (até Junho/2015) e este semestre vamos concluir para entregar já em Janeiro para a diretoria que entra.

Nova geração de remadores da Tuna
Estamos somente aguardando documentação de quitação da FEPAR para fecharmos com chave de ouro. Semana passada recebemos do remador José Morgado a quitação do barco que compramos para a Tuna e nos despedimos certos do dever cumprido. Na oportunidade, agradecemos ao presidente Charles Tuma pela confiança.
Queremos deixar claro que continuamos cada vez mais cruzmaltinos, e que continuaremos lá torcendo pela Tuna nas regatas desse ano que se inicia.
Era isso que queríamos mostrar aos nossos amigos cruzmaltinos e a todos os colaboradores que nos ajudaram durante nosso mandato. Se faltou alguma coisa, depois a gente mostra, mas penso que o principal foi colocado.
Muito obrigado.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Chapa 2 - Mário Mangas e Marcos Moraes: dois autênticos cruzmaltinos!

Mário Mangas e Marcos Moraes: estes sim, são cruzmaltinos!
Na quarta feira, 09 de Dezembro, das 15 às 21 horas, na sede social, associados da Tuna Luso Brasileira  terão a oportunidade de mudar a história do tradicional clube cruzmaltino do Pará.
Depois de muitos anos, uma chapa formada genuinamente por cruzmaltinos, sócios que são apaixonados torcedores e frequentadores semanais do Clube, estarão disputando as eleições presidenciais com o intuito de fazer as necessárias mudanças para o Clube e Time Tuna Luso Brasileira voltar a crescer.
A "Chapa 2 -100% Cruzmaltina", através dos candidatos Mário Mangas e Marcos Moraes, presidente e vice, juntamente com todos os seus diretores,  tem o comprometimento de fazer a Tuna realmente crescer. Não somente em um ou dois setores, mas em sua totalidade. Desde o Social, o planejamento é trazer de volta os grandes bailes carnavalescos, belas promoções na Boate, atrações para a juventude, grupos musicais,  cantores regionais e nacionais, criação de um Salão de Jogos;  apoiando de verdade os esportes amadores -Natação, Vôlei, Tênis, Basquete, Futsal, Futebol feminino, Esporte náutico, Boxe, Judô e outros-  até o futebol profissional, onde a Tuna, infelizmente tem decepcionado sua legião de torcedores e simpatizantes, a partir de Janeiro de 2016 o planejamento é resgatar, dar a volta por cima. 
Os membros da "Chapa 2 -100%  Cruzmaltina"  que  contam com uma vasta simpatia de associados torcedores da Tuna, trabalham incessantemente com dignidade e respeito  para vencer a batalha das eleições. Apaixonados pela Tuna, defendem que é obrigação de todos dirigentes cruzmaltinos lutar para que a Águia do Souza honre sua trajetória de 112 anos. "Temos que trazer de volta nossos momentos de glória no social, nos esportes amadores e no futebol profissional, gritam em uma só voz Mário Mangas e Marcos Moraes.
Você que é sócio Proprietário ou Remido da Tuna; você que conhece a trajetória do centenário clube luso brasileiro na parte social, nos esportes amadores, - clube que revelou o atleta de Tiro ao Alvo, Guilherme Paraense, o primeiro brasileiro a ganhar uma medalha de ouro numa olimpíada- que torce pelo futebol bi campeão brasileiro da Águia do Souza, tem tudo para mudar o quadro triste de nosso Clube na quarta feira, 03 de Dezembro, a partir da 15 horas, até às 21, votando pra vencer na "Chapa 2 - 100%  Cruzmaltina".
É a Chapa da vitória, formada por verdadeiros cruzmaltinos, conhecidos tunantes, que vão trabalhar com respeito, com dignidade e muito amor pela Tuna Luso Brasileira.
Votem na "Chapa 2- 100% Cruzmaltina".  Está na hora da Tuna ser dirigida por cruzmaltinos, aquele que dá amor,  sangue pelo seu Clube do coração. Por isso peço que votem em tunantes originais, verdadeiros e conhecidos cruzmaltinos:  Mário Mangas e Marcos Moraes.

quinta-feira, 26 de novembro de 2015

Porque somos candidatos na Tuna


Depois de intensos 15 dias de trabalho, ontem por volta das 17:50h demos entrada do registro da "Chapa 2 -100% Cruzmaltina" para disputar as eleições da Tuna Luso Brasileira.
Confesso que para os idealizadores da Chapa: este escriba, Mário Mangas, Ismar Araújo, Marcos Paulo, GB João Rito, GB Arnaldo Abílio,  Benemérito João Guilherme, Francisco "Ferrrete" Gonçalves, Raimundo Getúlio, Levi Alves, Mangabeira e todos os membros da Confraria; de verdadeiros torcedores cruzmaltinos, líderes de torcidas, associados, enfim, pessoas que sentem o sangue vermelho, verde e branco correr pelas veias, registrar a "Chapa 2 - 100% Cruzmaltina", foi uma verdadeira epopeia.
Independente de seus afazeres profissionais diários, todos os companheiros se comprometeram em trabalhar unidos,  participando de reuniões para debater ideias de como fazer a montagem da chapa, o planejamento de procurar nomes valorosos num objetivo único de realmente juntar pessoas comprometidas com a história secular da Tuna nos esportes amadores, no social e no futebol profissional.
Mário Mangas e Marcos Moraes, da Chapa 2
Hoje, passada a emoção de ter conseguido o primeiro objetivo, que foi registrar os nomes de  Mário Mangas  presidente e Marcos Moraes vice: "Chapa 2 - 100% Cruzmaltina", passamos a trabalhar a segunda parte do projeto. Agora  é a corrida à procura de votos. Votos de pessoas comprometidas com a Tuna, que querem a volta do glorioso Clube e time Tuna Luso Brasileira  às disputas dos esportes amadores como Vôlei, Basquete, Tênis, Futsal, Natação, ao esporte Náutico e, principalmente, ao futebol profissional.
Sim. Somos todos apaixonados pelos esportes da Tuna. Somos de uma época não muito distante em que disputávamos pelos menos 10 esportes olímpicos e mais o futebol profissional. De um período recentes em que nossas categorias de base revelavam grandes craques que despontavam, alimentavam a equipe profissional da Águia e ainda aos nossos dois rivais, Remo e Paysandu, sem falar nos que partiam para voos mais altos e brilhavam em clubes do Brasil e do mundo, como Giovani, Ganso, Marlon, Paulinho, Pikachu (que surgiu na Tuna e agora vai embora) e muitos outros.
Não faz muito tempo, participávamos de elegantes festas em nossos salões e na nossa  boate; bailes carnavalescos, infantis, de jovens e de debutantes, enfim período em que nos orgulhávamos de ser a Elite do Norte.
De repente as coisas foram se esvaindo na Tuna. Hoje o Clube outrora campeão regional 10 vezes no futebol profissional; primeiro ganhador do Norte de dois títulos nacionais da Série B e Série C; maior revelador de talentos do futebol do Norte e Nordeste, verdadeira fábrica de craques,  infelizmente está relegado a um secundário plano de lanterna da Segunda Divisão em 2015.
O primeiro clube a ter uma boate própria em Belém, o mais elegante da Almirante Barroso  se conforma em abrir seus salões para festas populares com treme terra ou para bailes sem muitos atrativos nas domingueiras. É muito pouco ou quase nada para quem em 112 anos foi sucesso em todos s setores esportes e foi chamado de Elite do Norte!
Nós da "Chapa 2 - 100% Cruzmaltina" queremos mais. Queremos realizar em nossos salões grandes eventos estaduais, nacionais e se possível internacionais.
Queremos voltar a disputar e lutar para brilhar nos campeonatos amadores em todos os esportes. Queremos que nossas categorias de base de futebol voltem a brilhar, ganhando títulos e com isso revelando grandes talentos para o Brasil e para o mundo.
Não podemos aceitar, suportar, nossa equipe de futebol profissional, com toda a sua bela história, de repente ser humilhada, escorraçada dentro de casa por uma modesta equipe do interior por 5 a 0.
O coração doeu, as lágrimas rolaram. Mas vamos lutar para isso não mais acontecer!
Os que acabaram nosso futebol profissional, que o colocaram na lanterna da segunda Divisão; os que acabaram como nosso campeoníssimo Futebol Feminino, não podem continuar nos humilhando e manchando nossa história. Estamos prontos para o bom combate!
E para tirar os que não têm comprometimento com nossa história seja no social, nos esportes amadores e no futebol profissional, o caminho é apoiar, trabalhar  e votar Mário Mangas presidente e Marcos Moraes vice: "Chapa 2 -100%  Cruzmaltina".
Contamos com você, sócio remido e sócio proprietário que esteja em dias com suas obrigações com o Clube. Você pode fazer o seu, o meu, o nosso clube volta a brilhar.

terça-feira, 20 de outubro de 2015

Tuna perde um de seus ilustres torcedores

Hoje o dia não começou bom para este escriba e para toda a nação cruzmaltina. Por volta das 7 da manhã, recebi a triste notícia do falecimento do amigo-irmão
Carlos Olympio Pampolha, o querido Carlito.
Torcedor dos mais apaixonados e verdadeiro símbolo da Tuna Luso Brasileira, com mais de 40 anos de associado e pelo menos 60 de paixão pela Águia do Souza, Carlito, como era chamado carinhosamente pela sua vasta legião de amigos, se foi por volta de 2:15h da madrugada, na Beneficente Portuguesa, onde estava hospitalizado já há alguns dias.
Minha convivência com Carlito era antiga, igual ao período em que sou sócio da Tuna, tipo 33 anos.  Ele, figura fina, educada, de pouca conversa mas de grande conhecimento e de cultura ímpar, era sempre o amigo pronto para ajudar com uma boa conversa, um bom conselho, também um apaziguador de ânimos.
Da Tuna sabia de tudo: passado, presente e um apostador do futuro do clube que aprendeu a amar e fazer questão de sempre demonstrar isso.

Carlito, em foto de seu perfil: alegria e bom humor
Ultimamente residindo em Mosqueiro, lugar que considerava um paraíso, Carlito ou Cacá, como também era chamado, era aquele companheiro que sempre estava procurando um ou outro cruzmaltino de seu circulo de amizades para saber novidades sobre o time, sobre o clube, sobre a Tuna, ou mesmo sobre algum amigo que estava ausente ou com problema.
Carlito era companheiro de nossa Confraria. Quando estava em Belém ligava sempre para saber:"tem reunião amanhã na Confraria?", e logo confirmava sua presença.
Veterano das arquibancadas nos jogos da Águia, Carlito expunha toda sua paixão quando falava da Tuna de outras épocas, ao mesmo tempo que lamentava o fraco e não competitivo time que a Cruz de Malta tem formado nos últimos anos.
Sabia tudo do nosso clube de coração. Conhecia e era ativo participe da história gloriosa da Tuna Luso Brasileira, desde o futebol, passando por outros esportes; do Estatuto do Clube e de assuntos da Assembleia Geral, do Conselho Deliberativo e da Diretoria Executiva, inclusive já tendo passado por todos os três setores com competência e lisura.
Na nossa gestão, em 2007 e 2008, Carlito foi Diretor Administrativo, função que desempenhou com competência, honra, honestidade e brilhantismo. Atualmente era Conselheiro e Secretário do Conselho Deliberativo. Era para estar presente na reunião que se realiza hoje, onde seria homenageado com a Benemerência, que a meu ver Carlito já merecia há muitos anos pelos brilhantes serviços que prestou à Tuna.
Nossa família cruzmaltina está desfalcada. E um grande desfalque. Carlito se foi. Mas sua presença de torcedor fervoroso e vibrante, amigo fiel e companheiro  querido, ficará para sempre entre nós. Que Deus conforte a sua família e aos seus muitos amigos. Descanse em paz Carlitinho!

segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Tuna desclassificada. Os erros se repetem!

Ontem foi mais um dia de sofrimento para a nação cruzmaltina.  Mais um jogo, mais uma derrota, desta feita tirando definitivamente todas as chances da  Tuna Luso Brasileira da disputa do próximo  Campeonato paraense, o de 2016;
Para a apaixonada torcida da Tuna, que ainda tinha um fio de esperança de que vencendo a fraca representação do Bragantino e torcendo por outros resultados combinado poderia ver o clube nas disputas do Parazão, a derrota por 1 a 0 foi uma grande decepção.
Era voz uníssona no estádio Francisco Vasques e depois dentro das dependências do clube, que há muito não se via uma equipe tão ruim tão apática e, para alguns, "tão medíocre" como a deste ano.
Este escriba, torcedor sadio dá Águia do Souza, desde o princípio fazia questão de dizer que achava muito difícil o sucesso, e era quase certo que a Tuna não conseguiria a classificação. Explico: a maioria das outras equipes se prepararam com bastante antecedência, com investimentos, que embora se saiba não foram tão altos, pelo menos deixavam claro que tinham interesse de brigar por uma daas vagas, "não entraria na competição para fazer número", como certa feita me falou um dos dirigentes da Desportiva, que encontro sempre numa agência bancária.
Nosso time foi formado na marra, sob a direção de elementos que se sabe não têm comprometimento com a história centenária da agremiação Tuna Luso Brasileira. São pais de pretensos atletas que não conseguiram emplacar em time nenhum e que além de não torcerem pela Tuna (são fanáticos por uma daquelas duas coisas que não vale a pena citar o nome!), têm como único interesse aparecerem e arrumarem uma vaguinha para seus filhinhos num time de nome como é a Tuna.
Ganharam (pela segunda vez!)) o aval da diretoria, que já demonstrou que não quer nada com os esportes do Clube, principalmente com o futebol, e, com raríssima exceções, levaram um amontoado de jovens aspirantes a jogadores, sem qualidade, e fizeram talvez um dos piores times da Tuna de todos os tempos.
Quando vi o time jogar pela primeira vez sob o comando de Carlos Lucena, contra o fraco Vila Rica, e perder mais de cinco gols no primeiro tempo e no segundo apagar e escapar da derrota por um triz, vi que infelizmente nós estávamos fadados a mais um ano fora do Parazão.
Como todos os cruzmaltinos, confesso que torci, fui a todos os jogos, mas tinha pouca esperança de classificação, porque quem conhece um pouco de futebol, sabe que sem planejamento, sem quase nada de investimento, sem comprometimento, não se pode conseguir sucesso.
Tiraram o Lucena como desculpa mas sabiam que de nada adiantaria. No mesmo dia falei com o Lucena e com o Zé Carlos. Fui direto quando disse: "professor Zé Carlos, milagre ninguém faz.  Com esses atletas aí nem o Mourinho, Luxemburgo ou qualquer outro vai conseguir muita coisa, não".
O estrago está feito mais uma vez. É impossível você querer sucesso no futebol sem planejamento, sem comprometimento. sem respeito e sem amor pelo clube.
Desrespeitaram, mais uma vez, os 112 anos da Tuna Luso Brasileira. Parece que não sabem que a Tuna é Bi Campeã brasileira e conhecida em todo o país como time de futebol, revelador de craques. A Tuna tem tradição como formadora de craques, não de perna de pau!
Como não têm interesse em investir em futebol, por não torcerem, por não terem comprometimento, colocaram, pela segunda vez, como membros da diretoria de futebol, pessoas descomprometidas, sem amor, sem respeito pelo clube Todos três ainda usam camisa da Tuna por cima da do clube que torcem!
Sinceramente, não acredito que torcedor de Remo ou Paysandu possa fazer algo como diretor da Tuna. Quer aparecer?, procura fazer algo pelo seu time!
Quarto ano sem futebol. Os erros do ex-presidente, que é Paysandu, estão sendo copiados por essa gestão, que por não querer futebol, está matando de tristeza e decepção os cruzmaltinos!
Chega de tanto sofrimento; chega de tanta tristeza; chega de tanta vergonha!

sexta-feira, 16 de outubro de 2015

Tuna estréia Romário contra Bragantino

Vitória. É o que interessa à Tuna na partida do final de semana contra o Bragantino (antes, marcada para Sábado, mas agora confirmada para Domingo), 10 horas da manhã, no Estádio Francisco Vasques.
Segundo o técnico cruzmaltino José Carlos Pereira, a Tuna para essa partida vai entrar com somente duas modificações.  Vitor volta para a lateral direita, já que é o único de origem na posição, e o centro avante Yuri, que teve três oportunidades e não conseguiu marcar nem tampouco agradar à Comissão
Zé Carlos: "E vencer para tentar a classificação"
Técnica nem à torcida, cederá seu lugar à Romário.
"Não conseguimos outro atacante, como pleiteávamos, então teremos que trabalhar com o material que temos.Vamos começar a partida com o Romário, que esperamos seja a solução para os gols que estão faltando no nosso time", disse Zé Carlos. Romário está empolgado e quer acertar. O jogador tem, talvez por causa do nome, a simpatia da torcida, que pode ser a grande incentivadora do jogador em sua estréia como titular na Águia do Souza.
Outra novidade será a presença de Romeu no banco. O atleta, jovem mas bastante experiente, está um pouco sem ritmo, mas Zé Carlos já garantiu que se precisar vai colocá-lo como meia, e com certeza ele poderá dar um toque diferenciado neste setor do time. 
A Tuna se vencer chegará aos cinco pontos, mesma pontuação de Desportiva e Vênus. Vai ter que torcer para as duas equipes não vencerem suas partidas, sendo o melhor para a Águia que a Desportiva perca para o Castanhal e o Vênus empate com o Vila Rica. Infelizmente é uma situação complicada, com muitas contas, muita matemática, mas o passo principal para a Tuna é vencer o Bragantino e depois o Vênus.

quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Vamos lá, Tuna. Nós estamos com você!

Nossa Águia tem  que voar. Bem alto!
O que dizer de uma equipe que para se classificar depende de si e dos outros? Triste e lamentável, não e? Mas esta é a situação da Tuna Luso Brasileira, que disputando a Segundinha para tentar ascender à Primeira Divisão do Campeonato Paraense, está em quarto lugar em seu Grupo, com apenas dois pontos, atrás de equipes como Vênus (4 pontos); Desportiva (4 pontos) e Castanhal (7 pontos), que está em primeiro lugar.
Os dois últimos colocados são Bragantino e Vila Rica, ambos sem chances de classificação.
Uma situação difícil e só nós mesmos -que somos torcedores apaixonados e que não medimos distância nem tampouco situação para apoiar nosso clube! -estamos com a esperança de que ainda chegaremos lá e disputaremos o Parazão em 2016.
Mas não podemos esconder que é uma situação muito complicada. Tudo porque não fizemos o dever de casa em nossa primeira partida, contra o Vila Rica, quando perdemos vários gols no primeiro tempo e não conseguimos reeditar as mesmas oportunidades de gols no segundo, terminando por só conseguir um modesto empate de 0 a 0.
A fraca exibição contra a Desportiva que causou a derrota da Águia, deixou a situação vexatória, ao ponto do time ter que vencer o Castanhal para pensar em ascender ao Parazão 2016.
Como só conseguiu o empate, depois de dominar boa parte do jogo e estar vencendo até perto dos 40 minutos, a Tuna agora depende de duas vitórias -contra o Bragantino e Vênus-, além de torcer por três tropeços da Desportiva (pode ser até uma derrota e dois empates) e do Vênus, que são os seus dois ameaçadores, ambos com 4 pontos, sendo que a Desportiva tem um jogo a menos. 
Agora mais do que nunca a Tuna p
recisa de nosso apoio. De nossa torcida, de nossos gritos, incentivos. Necessitamos nos unir nessa corrente pra frente na difícil luta pela classificação.
Começando logo no jogo de Sábado, contra o Brangantino. A partida será no Souza e a pedida é todos lá. Vamos encher o Souza, torcer com todas as nossas forças, todo o nosso amor pela nossa querida Tuna Luso Brasileira.

quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Zé Carlos pode fazer duas estreias na Tuna

O técnico Zé Carlos Pereira, que assumiu na segunda-feira  a direção técnica da equipe da Tuna, sabe perfeitamente que está com alguns problemas para arrumar o time que enfrentará o Castanhal no Sábado, 15,30, no Maximino Porpino.
"Vamos fazer o que for possível, mas devo adiantar que não será nada fácil. Perdemos nosso melhor jogador, o meia atacante Araújo, que em campo fazia a diferença. Quebrou a clavícula e só volta ao futebol no próximo ano. Na realidade só temos para o ataque o Yuri e o Romário, este último ainda pesado e a meu ver sem condições de disputar uma partida inteira".
De acordo com o técnico, a Tuna tem muitos jogadores mas a maioria é volante. "Só temos um lateral, o Victor e se não colocarmos ele vamos ter que improvisar". Segundo Zé Carlos, é possível  fazer a estréia do lateral Sub-20 Marcinho, um baixinho que jogou todas partidas pela equipe que disputou a Copa Norte pela Tuna.
"Já pedi para regularizarem ele e o atacante Jean, que está treinando no clube mas não está regularizado.  Se der, vamos talvez fazer duas estréias, Marcinho e Jean contra o Castanhal".
Sobre contratações ele não vê muitas chances. Além do problema financeiro, ele acha que o momento é complicado para arranjar jogadores a essa altura do campeonato. "Todo jogador regular e bom está em algum clube.Não adianta a gente especular porque é difícil", disse. 
Mas Zé Carlos, mesmo com com um time a seu ver limitado, tem muita confiança na equipe. "Ninguém se surpreenda se trouxermos uma vitória de Castanhal. Vamos entrar para vencer. É muito importante o incentivo da torcida, porque a equipe está motivada, quer e eu quero mais ainda essa vitória".

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Zé Carlos: "Estou pronto para o desafio"

"O técnico Zé Carlos, que ano passado passou pela Tuna e deixou o clube praticamente classificado, quando foi substituído por Charles Guerreiro, volta a Tuna com a incumbência de salva a Águia do souza.
Zé Carlos tem a difícil missão de salva a nossa Tuna
A missão de Zé Carlos, segundo suas próprias palavras, é das mais difíceis, pois o elenco não é dos melhores e a Tuna em duas partidas somou apenas um ponto.
"Aceitei voltar pra Tuna porque além de ser profissional e gostar de desafios, sou sócio do clube e gosto muito dessa agremiação", foram as palavras do técnico Zé Carlos ao assumir hoje à tarde o comando técnico da Tuna Luso Brasileira.
Zé Carlos é um estudioso do futebol. Nessa sua terceira passagem pela Tuna chega num momento difícil, mas diz que vai fazer o possível para que a Tuna chegue lá.
"Temos que ter consciência que o nosso elenco é limitado, com muitos atletas novos. Mas não é impossível. Vamos começar a trabalhar agora mesmo e tentar reverter o jogo. Quero o apoio de todos, principalmente da torcida, para que possamos juntos levar a Tuna de volta ao lugar de onde ela nunca deveria ter saído", disse.
Zé Carlos fará amanhã cedo o primeiro treino com seus novos comandados.. Nós cruzmaltinos, continuamos esperançosos e estamos torcendo pela nossa equipe e pelo sucesso do novo técnico da Tuna.

Zé Carlos assume no lugar de Lucena

Não dá para falar muito do jogo de ontem. Mesmo porque, a Tuna não jogou. O time foi fraco do início ao fim. A defesa, desfalcada de dois zagueiros, foi uma tristeza. E os dois laterais, o direito e o esquerdo, pouco fizeram para ajudar o meio de campo. Sobre o meio de campo, Dudu mais uma vez não mostrou a beleza do futebol que o projetou há seis ano na Tuna, ao lado de Japonês. Lento e sem criatividade, ao ponto de ser substituído logo pelo técnico Lucena.
Zé Carlos: "vou dar tudo de mim, mas não será fácil"
A Tuna jogou a segunda partida e ainda não fez um gol. Ontem o ataque da Águia foi mais uma vez uma tristeza.  O centro avante Yuri não conseguiu finalizar uma jogada e Araújo, que melhorou o time quando Lucena o recuou pra o meio, após saída de Dudu, contundiu-se, quebrando a clavícula e está fora do campeonato.
Esta é a nossa realidade. Desde o princípio, tipo Julho, Agosto, tenho dito e postado que temia a sorte da Tuna pela falta de investimento, contrato com bons jogadores, pelo menos uns quatro ou cinco, para mesclar com a meninada. 
Como cruzmaltino roxo e apaixonado (como todo cruzmaltino!) o meu alerta nunca chegou a tirar minha esperança de classificação. Temos que ter consciência de nossos limites, mas não podemos jamais nos dispersar e deixar de viver o sonho belo da classificação. O time não é o que queríamos, já perdeu duas boas oportunidades de ficar bem, mas mesmo assim, ainda confiamos, ainda temos aquela nossa velha confiança,  ainda vale ter fé!
Os outros nossos concorrentes diretos na chave, Castanhal, Vênus e a própria Desportiva, estão bem. Bragantino é o saco de pancadas e o Vila Rica foi goleado ontem.
Se fizermos nossa parte, vencendo os próximos jogos, temos chance de entrar, penso, nem que seja com a segunda vaga. É vencer o jogo de Sábado contra o Castanhal (que o supervisor Fernando Chipelo, o Chipelinho, disse que iria tentar antecipar para sexta), vencer os demais e correr para o abraço.
Hoje, perto do meio dia, recebi uma ligação dizendo que o Lucena iria cair, e que um de dois nomes conhecidos e que já passaram pela Tuna, já estava na agulha para substituir o Cabo. Agora recebo a confirmação: Zé Carlos é o no técnico da Tuna.  Mas não sou cruel de culpar o Lucena. Vejo que faltou mais uma vez comprometimento de preparar uma equipe com antecipação, tipo a partir de Janeiro ou mesmo até Março. Sabíamos que equipes como o Castanhal, Águia, Desportiva, São Raimundo e até o Pinheirense estavam se preparando já há tempos.
A hora é de apoiarmos, seja quem for o técnico e o time que entrará contra o Castanhal. Tenho esperança, repito, e acho que devemos ir firmes e torcer pelo nosso querido clube em Castanhal. Fé no que virá!

sexta-feira, 2 de outubro de 2015

Tuna pronta para a primeira vitória!

Essa Águia tem que voar sempre. E cada vez mais alto!
Embora o resultado da primeira partida - 0 a 0 contra o Vila Rica, domingo passado- tenha deixado torcida e Comissão Técnica muito preocupada, a Tuna Luso Brasileira tem que esquecer e pensar somente em vencer o jogo de domingo contra  a equipe da Desportiva e as próximas partidas que virão.
Como time grande, ganhador de dois títulos nacionais, além de um dos clubes mais antigos do País, a Tuna não pode se deixar levar por coisas pequenas. É entrar em campo com personalidade e vencer.
É muito importante que a Tuna entre em campo domingo com sua melhor formação. Carlos Lucena tem que se impor contra quem quer mandar mais que o técnico e lançar uma equipe que possa fazer bonito, para vencer e dar alegria aos torcedores, pois tem que pontuar para conseguir a classificação.
Se o meio de campo Romeu estiver apto a jogar, penso que seria uma boa para a Tuna. Mas vai depender de sua forma física, porque nós sabemos que o atleta (que é primo do meia Rogerinho, surgiu no Remo, mas apareceu mesmo na Tuna, no time do 2007/2008) tem talento de sobra.
Lucena já deixou claro que a Desportiva, mesmo sendo estreante na Segundinha, é uma equipe perigosa, pois é formada por novos jogadores e de repente pode surpreender. "Não vamos entrar brincando. Vamos tentar logo fazer gols, mas sabemos que nosso adversário merece todo o respeito e é importante que todos saibam que o nível das equipes é bom", falou o técnico cruzmaltino.
Se vencer, dependendo do resultado das demais equipes do seu grupo, a Tuna poderá até assumir a liderança. É brigar para chegar nas cabeças, conseguir a classificação e mostrar que a Águia está muito viva e louca pra alçar vôos mais altos.

segunda-feira, 28 de setembro de 2015

Tuna empata em casa. Resultado muito ruim!

Há tempos que não via o Estádio do Souza com um público tão bom e comprometido com o clube, tanto que não se importou com o sol escaldante de quase 40 graus e ficou até o fim da partida de estréia da Tuna Luso Brasileira contra a fraca equipe do Vila Rica.
Digo que o Vila Rica é uma equipe fraca, mas temos que reconhecer que com muito empenho e garra segurou a Águia do Souza, que não conseguiu fazer a torcida cruzmaltina, sedenta, gritar gol. Ficou entalada até o final da partida, depois do meio dia.
Não adianta culpar a equipe, alegar que falta um "matador", ou que o Lucena errou. A realidade é visível: o time é limitado. E além do  mais mostrou que não tem um bom preparo físico, pois até que jogou bem no primeiro tempo, perdeu pelo menos três boas oportunidades. Mas na segunda etapa foi uma lástima. Jogou mal, mostrou cansaço e por sorte não aconteceu o pior, ou seja, para a atuação da Águia no segundo tempo, o empate foi um grande resultado.
Além do limite da equipe, do cansaço notório de alguns jogadores (como Dudu e Yuri), a Tuna teve contra si o fraco lateral direito Vitor, que soube é filho do diretor de futebol Rosivaldo, só entrou em campo porque é filho do chefe, porque mostrou que nem como reserva tem vaga.
É a velha política que continua funcionando na Tuna. A diretoria põe pessoas na diretoria de futebol que além de não torcerem pelo clube,  ainda estão na função para lançarem seus filhos como atletas. 
Fernando Chipelo, o Chipelinho, me informou ontem que chegou a alertar o presidente Charles sobre a situação. Mas a providência não foi tomada. Vitor enjoou de jogar mal e como os diretores de futebol exercem um poder (lamentável, isso!) sobre Lucena, o técnico pouco pode fazer. 
Insisto em dizer, nossa situação não é boa, pois falta dinheiro, boas contratações e,  com isso,  logicamente uma equipe mais competitiva.
A realidade mostra que temos que lutar com as armas que temos. Mas acredito que se derem liberdade para o Lucena trabalhar, ele poderá conseguir com urgência dois ou três atletas que muito poderão ajudar a salvar a Tuna nessa Segundinha. Em outras épocas ele fez isso.
Mas é extremamente necessário que os diretores que não torcem pelo clube, como os que estão na direção de futebol da Tuna, esqueçam seus filhos como jogadores de futebol e garantam o futuro deles na escola, na universidade. Certamente será muito melhor para eles. E para a Tuna!

sexta-feira, 25 de setembro de 2015

Lucena aponta o time que vai entrar domingo

Um papo de pouco mais de 15 minutos com o simpático técnico e amigo Carlos Alberto Lucena (o Cabo Lucena, para os íntimos), me deixou um pouco aliviado com relação ao time. Se não é a equipe dos nossos sonhos, é o que a Tuna dispõe no momento.
Vamos apoiar a Tuna e o Lucena
"O meu time é esse. Queria com certeza formatar um time bem melhor, talvez um pouco mais caro, mas com certeza com jogadores mais experientes, embora prefira trabalhar com os mais jovens, mas é importante a gente ter na equipe jogadores experiente. mas que a torcida da Tuna, pode ter certeza que vamos fazer o impossível para chegarmos lá. A luta é árdua, as 12 equipes estão todas querendo a classificação, mas vamos nós vamos brigar e vamos ter fé para a gente vencer". Foi com essas palavras que Lucena me atendeu.
Segundo Lucena, o titular do gol será o goleiro Lino, com passagem pelo Clube do Remo. Na lateral direita Vitor, na zaga a dupla Roque e Diego Azevedo. Na lateral esquerda Rafael Vieira, que veio do Nacional de Manaus. No meio de campo Lucena vai usar Daniel (bom jogador que parece surgiu no Paysandu e que já teve passagem por várias equipes); Tetê (que veio do Ferroviário, do Ceará), Dudu (que nós já conhecemos, pois surgiu na Tuna fazendo dupla com o Japonês); e Formiga (Sub-20). No ataque Yuri e Araújo (ex Paysandu). 
Lucena terá na regra três Neto (ex-Luverdense), Alex Darlan e Romário, que foi autor de dois gols no último amistoso. Sobre Romário, Lucena disse que é um bom jogador, mas Yuri está em melhores condições e era quem vinha treinando. Mas o atacante poderá entrar o decorrer da partida. Outro que poderá entrar, dependendo de sua regularização, é o meia Romeu, que já jogou pela Águia.
O time da Tuna não está repleto de nomes conhecidos, o que é importante, pois pelo menos não receberá por parte da Imprensa o discriminatório nome de "sucatão". É um time jovem, com novos jogadores. A luta é difícil, árdua, mas não impossível.
Vamos lá, torcer e brigar pelo nosso querido time, amigos cruzmaltinos!

sexta-feira, 18 de setembro de 2015

Quarta regata poderá decidir tíitulo do ano

A quarta regata pelo Campeonato Paraense de Remo acontecerá neste domingo, 20, nas águas da Baía do Guajará.
Tuna, Remo e Paysandu estarão com suas equipes a partir das 8 horas da manhã prontas para mais este embate no esporte náutico.
Atletas da Tuna com o técnico Lindão
A contrário do que aconteceu nas outras regatas deste ano, o Master vai remar também no domingo. Segundo o presidente da FEPAR, Luciel Caxiado, reunir todas as categorias num dia só, como acontecia anteriormente, foi a maneira que ele e sua diretoria encontraram para fazer a festa mais bonita e também economizar com a equipe de árbitros e organizadores que trabalharão somente um dia, em vez de dois.
Tuna e Paysandu só disputarão quatro provas cada. O Remo, ao contrário, garante que disputará todos os páreos. Se isso acontecer a equipe azul terá todas as chances de terminar essa quarta regata já como campeão do ano, uma vez que a equipe azulina term uma diferença de pontos muito grande sobre Paysandu e Tuna, e basta ganhar tipo três provas a mais que será a campeã do ano.
Se isso de fato acontecer já é quase certo que não haverá a quinta regata, prevista para o mês de novembro, pois nem Tuna tampouco Paysandu irão participar.
Como aconteceu na regata passada, o presidente da FEPAR, Luciel Caxiado, oferecerá um café da manhã para os dirigentes, técnicos e convidados especiais na Estação das Docas. 

Qual o time da Tuna para a estréia dia 27?

A minha preocupação com o time da Tuna Luso Brasileira continua e agora maior ainda. Estamos há exatos 10 dias da estréia da equipe no Campeonato Paraense da Segunda Divisão, até o presente ninguém sabe com qual time a Tuna  vai estrear.
A última conversa que tive com o técnico Carlos Lucena, há pelo menos três semanas, ele falou que tinha 11 jogadores que davam para formar um bom time. Não quis aprofundar se era uma equipe competitiva, mas deixou transparecer que era uma equipe base, sem reservas e não era "essas coca colas todas". Pelo menos é o que eu pressenti.
E daí pra cá não se divulga nada sobre a Tuna. Aqui e ali um jogador veterano sem muita qualidade e nada mas.
Pelo que andou postando nas redes sociais há poucos dias, o técnico Sub-20,  Gledson Marabá, a situação no futebol da Tuna não é das melhores. Segundo ele, muitos elementos palpitando, querendo de qualquer maneira interferir no trabalho, tanto no dele como no profissional, querendo botar seus filhos e protegidos, demonstrando mais uma vez que são os mesmo que estiveram ano passado e que retornaram -não se sabe como conseguem!- para tentar novamente algum sucesso pessoal, pois sabe-se que nenhum desses "dirigentes" torcem pela Tuna.
Como apaixonado pelo meu clube, vou aguardar a estréia da Tuna dia 27 e simplesmente torcer muito e vibrar. Por ora, é o que me resta, pois estou cansado de esperar notícias por contratações que me deixem ter pelo menos uma pouco de esperança na classificação. Afinal, são 12 equipes, e delas só se classificam duas para o Parazão 2016. Equipes como São Raimundo, Águia, Castanhal, Gavião e outras estão mostrando suas contratações, algumas até de peso para a Segundinha. Daí, minha tristeza de ter que, além de suportar as gozações, conviver com o fantasma do (grande) perigo de não conseguir chegar no pódium da classificação ao Parazão.

sexta-feira, 11 de setembro de 2015

Concluída rampa da garagem náutica

A  mova rampa, ampliada, vista do Arapari
Depois de alguns dias de intenso trabalho, por causa das marés, quarta-feira foram concluídos os trabalhos da nova rampa da Garagem Náutica da Tuna Luso Brasileira.
Por idéia do carpinteiro náutico, Ednaldo Carvalho, que fez os trabalhos, ampliamos o tamanho da rampa, que era de quatro para seis metros, o que com certeza facilitará o trabalho de descida e subida dos remadores conduzindo os barcos. 
Foi uma obra planejada e fechada entre este escriba-diretor e os diretores Mário Mangas e Gerardo Monteiro, após as necessidades que enxergamos e nas conversas com o técnico Lindão.
Para conseguirmos  fizemos o movimento da feijoada, que felizmente foi de sucesso e serviu para suprir pequenas dívidas com as regatas e Copa Norte e para iniciar os trabalhos da rampa. 
A conclusão do trabalho foi conseguida graças ao apoio que recebemos de importantes companheiros, que são GBs, Beneméritos, diretores, torcedores, associados e membros da Confraria, que com a colaboração mensal ensejaram o trabalho.  
Na verdade foi tudo fruto de muita luta, muita força de vontade, que sem o apoio  dos grandes colaboradores não conseguiríamos, pois enquanto fazíamos a rampa estávamos também pagando passagens de ônibus de atletas, inscrição de regata, transferência de atletas  e outros gastos mensais como café da manhã, que é muito importante. 
A todos nossos amigos colaboradores sinceros agradecimentos. Aos amigos da Confraria, que nunca falham no apoio e aos diretores Mário Mangas e Gerardo Monteiro pelo empenho, dedicação, colaboração financeira a gente só tem é que agradecer, pois todos trabalham e têm seus negócios, mas não esquecem do compromisso com a nossa Garagem. 

Este restante de ano aiinda teremos duas regatas e com certeza a Runa vai participar, como fizemos nas três primeiras e na Copa Norte, onde juntamente com os outros dois representantes locais ganhamos o título para o Pará.
Testando e sentindo que o trabalho está perfeito
Como sempre tenho colocado,  vencer o poder econômico dos dois concorrentes é difícil, pois transformaram o belo esporte náutico em amadorismo marron, com investimentos altos inclusive em salários de atletas, o que consideramos isso uma apelação e um desrespeito ao esporte tradicional de nosso estado. Mas vamos mudar as regras do jogo, propondo alteração no estatuto da FEPAR e prendendo o atleta de base por um período maior no clube formador. É uma maneira de salvar este esporte centenário e bonito no Pará.
Mas esses pequenos problemas não tiram nossa garra, nossa vontade de lutar. Nossa idéía e meta agora é sensibilizar os cruzmaltinos melhor aquinhoados, para que doem para nossa gloriosa Tuna Luso Brasileira, barcos e remos. Não é tarefa fácil, sabemos, mas acreditamos no amor pela Tuna. Se nós temos amor, coertamente outros também têm, por isso  temos certeza que alguma coisa conseguiremos. 
Mais uma vez nosso sincero muito obrigado a todos. Somos Tuna; eternamente Tuna!

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Mestre Laurentino precisa de ajuda

O "jovem" Laurentino: anos depois tornou-se figura conhecida internacionalmente
Em 1991, no 1º  Grito do Campo, este escriba fotografou, em plena Presidente Vargas, esta extrovertida figura que depois de alguns anos tornou-se músico reconhecido, interpretando rock pelo Brasil e pelo mundo.
Mestre Laurentino, conhecido como o primeiro roqueiro do Brasil, na época não usava os vistosos óculos escuros, nem as camisas de caxemira brilhosa, tampouco tinha os dedos apinhados de anéis como hoje. Mas já andava na companhia de sua inseparável gaita.
O mestre estudou só até a quinta série. Trabalhou na roça, como técnico de manutenção de aviões e explorando madeira. 
Músico autodidata, com mais de 60 anos de carreira, Laurentino teve suas músicas gravadas por grandes nomes do circuito nacional, como Gilberto Gil, Otto e Tom Zé. Já tocou por vários palcos do país afora e hoje é considerado o roqueiro mais antigo do Brasil. E tudo isso na humildade, pois se considera pequeno e diz que os outros, quando o elogiam, não têm razão.
Perto de fazer 90 anos, mestre Laurentino mora em Outeiro. Tem 16 filhos, que vivem mundo afora. Ele vive com quase 20 cachorros e com Maria, companheira há 16 anos, que cuida de tudo dele, inclusive dos trajes, criados por ele mesmo.
O menino pobre de Ponta de Pedras, no Marajó, adotado por uma família de Belém, ganhou da mãe a primeira gaita. Ele se orgulha ao dizer que ela tem mais de cem anos.
O rapazinho marajoara adorava rádio. Curtia jazz e tinha ouvido bom. Aprendeu a tocar no quintal de casa, sozinho. E conta que tinha ídolos do rock: Elvis, Rita Lee, Roberto Carlos, Erasmo, entre outros.
Não demorou muito começou a compor. E foi com uma crítica genuína ao jeito americano de ser que ele estourou.
Laurentino passou a ser conhecido e a fazer shows pelo Brasil já perto de fazer 70 anos. Ele ganhou os palcos do Brasil e do mundo, muitas vezes acompanhado pelo pessoal do Coletivo Rádio Cipó. 
Atualmente, o mestre se apresenta ao lado dos "Cascudos", banda formada para tocar com ele. A rapaziada enlouquece com o vovô roqueiro.
Laurentino hoje aos 91 anos está doente e necessitando de apoio. Um grupo de amigos, dentro os quais a cantora Dona Onete está organizando uma promoção para o próximo dia 7, segunda-feira, para angariar fundos parra o artista. de entidades, amigos.
É importante que além dos artistas, amigos da arte, pessoas comuns e, principalmente entidades ligadas à cultura, apoiem o veterano artista paraense. Se tem que fazer, que se faça agora!


Laurentino e Calibre em uma apresentação cantando seu sucesso:  Lourinha americana"

quinta-feira, 3 de setembro de 2015

Tuna precisa contratar para a Segundinha

O resultado de  Tuna 7 x 0 São Raimundo ontem no Souza, não deixa de animar a nós torcedores cruzmaltinos que estamos esperando ansiosamente para ver a estréia do time, ou seja na vera, quando for valendo mesmo: "na hora em que a onça for beber água"
Embora Lucena, com seu jeito bonaçhão e cabeça sempre gelada, tenha até excesso de confiança, eu quero ver é na hora, em que estiver valendo ponto.
Não fui muito a favor do que o Cabo Lucena falou sobre a situação dos atletas. Não se admite que até o presente alguns jogadores não tenham contrato assinado e estejam jogando e treinando na base da amizade, da confiança.
A meu ver, Lucena, pelo que eu conheço, não gosta também muito disso -embora ele tenha, como empregado do clube, que concordar.
Jogador sem contrato a qualquer momento poder ir embora, pois para ele, uma segurança e qualquer quantia a mais é importante.
Outra situação que me preocupa é a do Estádio Francisco Vasques. O Campeonato começa já no dia 27  e até o presente não foram liberados seus laudos pelos Bombeiros e pela FPF, o que nos deixa com perigo de, se não sair a tempo, jogarmos nossas partidas fora de casa.
Muitos time estão se preparando muito bem. Acho que a concorrência será  muito grande, pois são 12 equipes para somente duas se classificarem. Vai ser uma guerra muito desleal, pois nossa grana é curta e os juízes muitas vezes são tendenciosos e nessas horas quem "grita mais alto" tem mais chance de levar. 
Não é novidade que eu não tenho nenhuma simpatia pelos caras que estão no nosso futebol, porque sei que não torcem pela Tuna, principalmente por isso que não acredito neles. Mas temos que torcer, embora veja que eles não estão se movimentando com nenhuma contratação de peso, como zagueiros, meias e atacantes.
Temos que correr atrás porque as outras equipes estão se preparando. A preocupação é grande, por isso temos que abrir os olhos, pois se acontecer de ficarmos mais um ano fora do Parazão vai ser de lascar, manos!

segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Tuna: tristeza também com a base

Findo a Copa Norte de Futebol Sub-20, penso que o técnico da Tuna Luso Brasileira, Carlos Lucena, tem muito pouco a aproveitar de nossa jovem equipe. No máximo quatro atletas e a meu ver nenhum com condição de ser titular.
É triste, lamentável, mas é a nossa realidade. Principalmente para quem é de uma geração já não muito nova como a deste escriba, em que todos os anos via a Tuna revelar de dois a cinco bons atletas. 
Hoje, nossas categorias de base não revelam ninguém e já há algum tempo não conseguem ganhar título algum.
Não sei, na realidade, se é falta de uma política errada dos que comandam o futebol geral dentro da Tuna, ou se a coisa está feia mesmo em termos de safra para não aparecerem craques ou mesmo bons jogadores, como os que foram revelados há poucos anos como Paulinho, Cleo, Ganso, Japonês, Dudu, Marlon, Thiago Cametá, Halace, Halison e outros que estão jogando nos muitos clubes do Pará, do Brasil e do mundo, como os irmãos Hálace e Halison, que atualmente jogam na China.
Na minha modesta avaliação, penso que a diretoria tem que rever a política posta em pratica nas categorias de base e até nas escolinhas, principalmente cobrando mais comprometimentos de diretores e dos profissionais que atuam como técnicos. É importante que não haja política de protecionismo, e que alguns jogadores sejam melhor avaliados, sem muita pressa e com um cuidado e até uma cautela maior. É importante lembrar, que o técnico de futebol, além do orientador profissional de bola, tem que trabalhar a parte física, o psicológico, o emocional e até a parte familiar do atleta. 
Nas partidas do Sub-20 vi jogadas infantis, como o zagueiro, sozinho, chutando a bola de qualquer maneira, podendo fazer uma jogada que resultasse em um lance mais produtivo para a equipe.
Acho que a

Tuna sub 20 não está bem. Fast campeão

A Tuna a meu ver não foi bem na Copa Norte Sub 20 de Futebol. Com três jogos dentro de casa a Águia só venceu uma partida, e isso de uma equipe sem nenhuma qualidade técnica, a do Vasco do Acre. O escore, podem crer, não me deu muitas esperanças nem expectativas de que o time estava bem. Fazer oito gols em um time sem técnica, não é muita coisa.
E a minha cisma veio no segundo jogo, contra o Santos do Amapá. A Tuna só conseguiu empatar, sem muito brilho. O resultado deixou este pobre escriba-torcedor desconfiado. mas mesmo assim fui ao terceiro jogo. Com um grupo de velhos e jovens cruzmaltinos estava lá, gritando, brigando, quase chorando, principalmente na segunda etapa, quando vi a equipe estar vencendo de 2 a 0 o Fast do Amazonas e deixar a equipe empatar e por pouco na vencer.
Faltou, a meu ver, no terceiro jogo contra o Fast, além de atletas de qualidade para saber segurar o placar, mas, principalmente, o dedo do técnico cruzmaltino, que não soube mexer, tampouco alimentar taticamente o time luso brasileiro quando vencia por 2 a 0.
Explico isso melhor: a Tuna na segunda etapa só foi à frente uma vez, quando chutou uma bola sem perigo nenhum para a meta fastiana. A Tuna ficou atrás, recuada, na defensiva, permitindo ao adversário toda a ousadia, e a certeza de que "vai dar". E o Fast se jogou com toda vontade para a frente e por pouco não marcou três ou mais gols na Águia. 
O Fast me encheu os olhos, assim como o Santos-AP. Ambas são equipes de qualidade e poderiam com certeza emprestar alguns de seus jogadores para a Tuna disputar a Segundinha. Mas tudo tem a ver.  Segundo comentários que ouvi, ambas possuem um incentivo financeiro muito bom, ao contrário da Tuna, que sabemos muitos dos atletas nem contrato possuem, o que é uma tristeza.
Sobre o resultado da final de ontem, achei justíssimo. Fast 2 Paysandu 0. Ganhou o melhor e como a Tuna não chegou lá, o título está em bom lugar.  

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Tuna Sub-20 pega o Paysandu na Curuzu

Assisti o jogo de ontem entre Tuna e Fast, do Amazonas, pela Copa Norte Sub-20.  Sinceramente, como me decepcionei com a apresentação da Águia na segunda etapa da partida. Depois de estar vencendo por 2 a 0 na primeira etapa, o time entrou completamente apático para o segundo tempo, sendo pressionado a todo momento pelos atacantes do Fast, ficando o ataque, meio de campo e defeza da Lusa baratinados.
Nessa batalha entre defensores e atacantes, o técnico da Tuna. Marabá, gesticulava, pedia para a equipe ir á frente, mas nada conseguia. 
A pressão do Fast resultou em dois gols rápidos, empatando a partida e ameaçando até de vitória, o que seria um desastre para a Tuna, uma vez que perderia até o segundo lugar, pois ficaria com quatro pontos, empatando com o Santos-AP, que ganharia a vaga pelo saldo de gols.
A Tuna conseguiu a classificação a custo muito elevado e o pior: pega o Paysandu amanhã na Curuzu, às 15,30h. Um castigo, embora não seja impossível vencer os bicolores, mas seria bem mais fácil se o adversário fosse o São Raimundo. E no Souza.


segunda-feira, 17 de agosto de 2015

Prestação de Contas da Garagem Náutica -Janeiro a Junho de 2015

Como fazemos semestralmente, estamos publicando nossa Prestação de Contas da garagem Náutica do período que compreende os meses de Janeiro a Junho do corrente ano. Foi um período difícil, porque fizemos obras de pintura, concluímos os dois banheiros, a Copa, além de outras problemas que tivemos que solucionar, como transferências de atletas, despesas com regatas, café da manhã de atletas, etc. E tudo  com recursos que conseguimos com doações de abnegados companheiros cruzmaltinos que ajudam com os carnês e com apoio. São gente que ama e quer o melhor da Tuna, que não aceita por hipótese alguma a nossa Garagem fechar. Grande Beneméritos, Beneméritos, Conselheiros, associados, torcedores, todos unidos em prol de nossa Náutica. Mas enfim conseguimos fechar as contas, graças ao que conseguimos com a Feijoada, que nos deu um lucro de pouco mais de 6 mil reais. E ainda compramos a madeira para fazer a rampa, que ainda não foi iniciada por problemas de maré alta, mas penso que este mês finalizamos.
Lamentavelmente, alguns companheiros não estão colaborando cm os carnês, que são nosso sustentáculo. Precisamos segurar literalmente o barco, para não afundar. 
Mas agradecemos a todos pelo que estamos conseguindo. Vocês, colaboradores, GBs, Beneméritos, Conselheiros, membros da Confraria, torcedores, são a razão do nosso sucesso. Muito obrigado, em meu nome e dos companheiros Mário Mangas e Gerardo Monteiro.








quinta-feira, 30 de julho de 2015

Eleição da FEPAR será dia 13 de Agosto

Ontem, véspera da eleição da FEPAR (Federação paraense de Remo), que seria hoje, através de documento passado aos clubes filiados e credenciados a votar,  o presidente Luizomar Costa apresentou proposta para adiar para o dia 13 de Agosto o pleito que elegerá seu sucessor.
Segundo Luizomar, que procurou este escriba e os outros dirigentes náuticos ontem e fez a proposta devidamente documentada, o motivo do adiamento é que ele terá que viajar para o Rio de Janeiro amanhã, dia 31, portanto fica muito apertado o tempo para possíveis trâmites e discussões pós eleição, como também a prestação de contas que ele está arrumando e pretende entregar após a eleição, juntamente com o cargo.
A justificativa de Luizomar foi aceita pelos clubes e pelos candidatos, uma vez que quando registraram suas chapas, devido o pouco tempo para o pleito, não deu para apresentar suas propostas aos clubes que praticam remo no Pará.
Até o presente três chapas já se credenciaram para o pleito, mas comenta-se que existe a possibilidade de uma chapa de consenso com nomes que têm história e estão dispostos a trabalhar em prol do esporte náutico paraense.
Espera-se que agora tudo corra a contento, pois Luizomar disse que já está providenciando o edital para publicação com todos os detalhes, inclusive local. da eleição.

quinta-feira, 16 de julho de 2015

Perigo: Segundinha pode ter até 20 clubes

Somente no próximo dia 14 de Agosto vindouro a FPF definirá quantas e quais equipes participarão da Segunda Divisão.
São pelo menos 20 equipes, de acordo com o Congresso Técnico que aconteceu no último dia 13, quando 19 equipes estiveram presentes e apresentaram documentação de regularidade junto à FPF.
Temos que dar todo apoio ao Lucena
Na segunda reunião com os representantes das equipes acontecida ontem,  ficou decidido que somente no dia 14 de Agosto será definido o número de clubes que disputarão o torneio da Segunda Divisão.
A quantidade de equipes que possivelmente disputarão a Segunda Divisão  preocupou este escriba e a muitos cruzmaltinos, que sabem que a concorrência será muito grande, pois poderão participar do torneio 20 clubes ou mais, já que serão as equipes que participaram da antiga Segundinha ano passado e as que disputaram a desfeita Primeira Fase do Parazão, ou seja, juntos, serão possivelmente 20 ou até mais clubes.
Além das equipes de menor expressão, mas que poderão vir fortalecidas, a Segunda Divisão deste ano terá times de qualidade como Ananindeua, Castanhal, Águia, Gavião, que certamente serão empecilhos para a chegada da Tuna à Primeira Divisão, já que serão classificadas apenas duas equipes. 
Será uma luta das mais árduas e só será premiada com a classificação quem estiver realmente com uma equipe de qualidade.
Segundo Carlos Lucena, a Tuna vai entrar para fazer bonito e conseguir uma das vagas, embora ele saiba que não será uma tarefa fácil.
Para conseguir sucesso a Tuna vai necessitar de uma fundamental apoio da diretoria do clube, que tem que priorizar o futebol cruzmaltino, hoje tão carente e precisando dar alegria à sua torcida.
Após a reunião do dia 14 de Agosto, quando serão definidas as equipes e as chaves, no dia 19 seguinte haverá uma nova reunião do Conselho Técnico, quando será distribuída a tabela do torneio.
O início da Segunda Divisão está previsto para o dia 19 de Setembro, portanto um mês após a distribuição da tabela dos jogos.

terça-feira, 14 de julho de 2015

Uma seleção "brasileiramente" brasileira!

Uma das coisas que sempre falo quando o assunto é seleção brasileira, é a falta de critérios nas convocações. Hoje, nossas seleções são sempre formadas por jogadores que atuam fora do país, principalmente na Europa, há tempos o maior palco das grandes equipes mundiais.
Claro que reconheço que hoje, os melhores jogadores do mundo atuam na Europa, isso é fato. Mas é fato também que os jogadores que são convocados para a Seleção Brasileira, em sua maioria, não conseguem quando atuam pelo escrete nacional, reeditar as mesmas atuações que têm em seus clubes.
Aí é que vem minha maior critica. Os brasileiros são bons de bola em seus clubes, porque muitas vezes as equipes jogam em função deles ou vice versa. Mas na Seleção são quase sempre um desastre.
Fora aqueles casos em que, inexplicavelmente, alguns jogadores bem "normais", são convocados. É o caso de um Fernandinho, um Firmino, um David Luiz, um Thiago Silva e muitos outros.
São muitos, com certeza, que não têm talento suficiente para vestir a jaqueta amarelinha, outrora tão honrada por atletas como Pelé, Zico, Garrincha, Rivelino, Carlos Alberto, Romário, Bebeto, etc.
No domingo, assisti a um jogo da seleção Brasileira Olímpica e vibrei com o talento e, principalmente, o empenho dos garotos.
Combinando raça com talento e disciplina tática, os garotos do Brasil venceram facilmente o Canadá por 4 a 1, com seriedade e competência.
E o time é formado só por garotos na faixa dos 18 a 22 anos, todos, que eu saiba, atuando no Brasil, sem muita marra e as elocubrações naturais dos nossos atletas milionários que atuam na Europa e, deixam claro, tanto faz perder como ganhar.
Vou defender sempre uma seleção brasileira formada por jogadores que atuam no Brasil. Uma Seleção que seja escolhida por técnico ou técnicos brasileiros que têm talento suficiente para formar uma boa equipe, sem precisar "importar" jogadores sem talento e os que são bons de bola, não têm amor à camisa.
Uma seleção que seja convocada sem política, sem negociatas, fazendo com que o atleta nacional jogue com alma, com garra, sem a  necessidade de mostrar na TV o cabelo mais bonito, a tatuagem maior e mais bem feita. Jogue por amor ao país, pra vencer. É a história de "por o amor á pátria no bico da chuteira".
Não gosto de saudosismo, mas é importante lembrar, que desde que o Brasil passou a ser um dos maiores celeiros de jogadores que atuam na Europa, nossa Seleção nunca mais foi a mesma.
Os caras saem pirralhos daqui ou então em plena formação, com 17, 18 anos. Daí até se naturalizam europeus, perdem o feeling de jogar pelo Brasil sem ser para aparecer para os outros. Isso tem que mudar. Os brasileiros têm que aparecer para o Brasil, para os brasileiros, que são amantes de futebol!
Quem lembra da seleção de 2002, a última a ganhar um título mundial? Talvez lembre de alguns poucos. Mas da maioria, um monte de perebas misturado com poucos craques, poucos devem lembrar.
Mas a de 82 e a de 70 (a melhor de todos os tempos), até quem não alcançou se lembra do nome dos jogadores.
Pois é. Engraçado que todos eles (ou pelo menos 80 por cento) atuavam no Brasil.

sexta-feira, 10 de julho de 2015

Sub-20: Tuna entrará em campo pra vencer

A palavra de ordem "é vencer e ganhar o título"
A equipe de futebol Sub -20 da Tuna enfrenta o Paysandu amanhã, 9,30h, no estádio do Souza, na partida de volta da decisão do Campeonato da categoria.
No jogo passado, na Curuzu, a Tuna jogou bem o primeiro tempo mas no segundo, demonstrando um certo cansaço, entregou o ouro nos minutos finais, perdendo o jogo por 2 a 0.
Para nós cruzmaltinos, carentes de um  time profissional que alivie nosso sofrimento de anos e anos sem sequer disputar o Parazão, uma vitória dos garotos amanhã que se reverta no título, será sem dúvida,  uma alegria imensa.
Confesso que estou confiante, embora temeroso (dá pra entender?).
É isso, confiante de que precisamos de uma vitória; temos que vencer a partida e ganhar esse título. Mas temeroso porque vejo uma certa dificuldade de nossa equipe, que em dado momento  cansa e demonstra inoperância nas finalizações. Isso acontece talvez por termos,  também, uma certa carência no meio de campo, onde os meias não estão conseguindo fazer a bola chegar nos atacantes.
No jogo passado, quando fomos derrotados por 2 a 0, o técnico Marabá, durante um certo momento da partida,  recuou muito o time, dando a impressão que o escore de 0 a 0 era bom para a Tuna. 
Na partida de amanhã a Tuna não pode jamais fazer isso. Tem que entrar em campo decidida a fazer gols e se possível no início do jogo. Se conseguir furar o  bloqueio do Paysandu, que tem uma defesa claudicante, que mostrou muitas indecisões, é partir para fazer o maior número de gols possíveis.
Se no decorrer da partida ficar caracterizado que a decisão será em penalidades máximas, o técnico tem que ter em campo jogadores que possam definir os penais, para não ter que improvisar.
A Tuna tem uma partida muito importante. Decisiva em todos os sentidos, apesar da equipe já estar classificada para a Copa Norte Sub-20. Para os garotos, seus familiares, o técnico Marabá e principalmente para a torcida cruzmaltina, esse título é importante. Muito importante.
Estarei presente, pois quero comemorar, gritar pelo meu clube. Vamos todos lá, galera tunante!

sexta-feira, 3 de julho de 2015

Tuna a um passo da final do Sub-20 de futebol

Equipe de futebol Sub-20 e Comissão Técnica da Tuna Luso Brasileira
Embora a Imprensa não noticie: as emissoras de Rádios, TVs e nem os jornais, a equipe de futebol da Tuna Luso Brasileira Sub-20 está na semi-final do Campeonato da categoria e joga a partida de volta, amanhã, contra o Castanhal, no estádio do Souza.
É lamentável e até vergonhoso que ninguém divulgue isso. As emissoras de rádios, que tem em sua grade de programação esportes várias vezes por dia; as TVs e os jornais não falam que existem quatro equipes disputando as semi-finais do Campeonato Paraense de Futebol Sub-20 e amanhã sairão as duas finalistas.
De um lado jogarão Paysandu e Desportiva e do outro Tuna e Castanhal. As equipes vencedoras estará classificadas para disputar a grande final.
A Tuna está bem preparada e é importante que a torcida cruzmaltina tão carente de futebol, vá ao Souza prestigiar a equipe Sub 20,que poderá ser base da equipe profissional que disputará a Segundinha.


quarta-feira, 24 de junho de 2015

Na Sede Náutica, a luta continua!

Nossa bandeira não pode parar de tremular
Como cruzmaltino, se pudesse, disputaria e venceria em todos os esportes, até cuspe à distância. Como hoje nosso clube não está no futebol, que é o esporte que eu mais gosto, e estou dando minha contribuição, juntamente com Mário Mangas,  Gerardo Monteiro e os membros da Confraria, à Garagem Náutica, desde que assumimos estamos preparando o espaço para que as vitórias venham. Mas, como os outros companheiros, tenho pressa, quero logo vencer!
Nestes um ano e quatro meses na garagem fizemos muito dentro da realidade econômica que temos. Com apoio de muitos colaboradores, principalmente os que ajudam com um carnet mensal, e da Diretoria, conseguimos colocar portas de ferro novas,que substituíram as velhas e quebradas grades;  refazer toda a Copa; reformar (praticamente refazer) dois banheiros, masculino e feminino; pintar toda a frente da garagem com as cores da Tuna, inclusive portas e janelas; tirar infiltrações; comprar e colocar telhas novas;  gradear a porta da frente, protegendo a entrada contra invasores e mais pequenos serviços como retirada de mato na frente do prédio por mais de duas vezes.
Conseguimos comprar um barco, um Dois Com, do remador Morgado; através do amigo e ex-jogador da Tuna Bosco, ganhamos 12 garrafões de água mineral por mês; com o GB Alírio Gonçalves conseguimos 20 litros de gasolina semanalmente; Do membro da Confraria Levi, ganhamos uma máquina de jato d'água e um televisor de 29 polegadas com o controle remoto.
E com a pequena mas importante arrecadação mensal com os carnets, muitas outras coisas estamos fazendo em prol do esporte náutico da Tuna. Como passagens de ônibus para os atletas e um café da manhã de qualidade, com bolachas, biscoitos (da Trigolino), café, leite e uma boa quantidade de pães doados diariamente pela Panificadora Pão Dourado, de nossa propriedade. Agora estamos começando a construção da nova rampa, que esperamos em um mês concluir.
É pouco ainda. Falta muito para concluirmos nosso modesto projeto para a Garagem. Precisamos de barcos, de remos e de um  recurso mensal que nos permita dar uma ajuda de custo a pelo menos alguns atletas mais carentes, tipo uns seis ou oito, uma média de 200 reais mensais. 
Se compararmos os 200 reais que queremos dar para cada atleta, com o que nossos adversários fazem dá até para rir. Eles, além de levarem nossos atletas com promessas de salários que chegam até a 3 mil reais mensais, ainda trazem remadores de fora, como o Paysandu fez na última regata, trazendo um argentino e uma atleta do Botafogo. E é porque eu lutei para que houvesse um limite nessas importações, já que na última regata do ano passado o Paysandu trouxe 12 atletas de fora, entre argentinos e cariocas. Particularmente acho uma afronta ao esporte e aos atletas paraenses
É uma luta árdua. Só quem está lá, quem gosta, quem ama, quem sofre, sabe onde o sapato aperta. 
Poucos sabem o trabalho social que é o esporte de remo, pois os remadores, em sua maioria, são jovens da periferia, de bairros humildes como Jurunas, Estrada Nova, Guamá, Terra Firme, etc.
As autoridades, Governo e Prefeitura,  não ajudam em nada. A Sejel da Prefeitura prometeu  para nós uniformes e o café da manhã, mas o secretário nem sequer atende nossas ligações. E isso custa uma merreca comparando com os gastos que a Sejel tem com outros esportes.
Mas vamos continuar na briga. Esse desabafo é para melhorar nossa cabeça, que fica cheia de perturbações por não ganharmos. Na realidade há explicações, mas como disse no princípio, sou daqueles tunantes ranhetas, apaixonados, que não querem perder.
"Quero sempre vencer; sempre empunhar e colocar minha bandeira verde e branca no topo. E podem crer. Vamos conseguir".

segunda-feira, 22 de junho de 2015

Remando contra a maré!

Ontem na regata em que Tuna, Remo e Paysandu participaram, vencida pelo Paysandu, tive (vou usar a primeira pessoa) todos os motivos para sair irritado e triste da estação, ao ponto de ter que me isolar durante umas duas e refletir sobre muitas coisas.
Tenho me dedicado, juntamente com meus companheiros Gerardo e Mangas, do que podemos dizer "salvação" da garagem náutica, que estava completamente abandonada, ao ponto de em 2013, ao longo de cinco regatas, ter conseguido apenas duas duas vitórias.
Sem barcos, sem remos, sem atletas, sem apoio, o técnico Lindão fazia o que podia, e podia pouco, por isso a coisa caminhava parra o fechamento.
Quando o Charles e o joão ganharam, convidaram-me para assumir a garagem, conversei com meus amigos da Confraria e eles falaram que me ajudariam.
Conversei que sei que para manter a garagem com café da manhã, que engloba pão, bolacha, café, leite, manteiga, mais passagens de Ônibus de atletas, anuidade paga à FEPAR,  inscrição nas regatas, transferências  de atletas e outras coisas pequenas, chega-se pelo menos a 2 mil reais mensais. (só para manter, isso sem adquirir barcos, remos, etc.).
A Tuna sempre se manifestou que não poderia ajudar com nada, ou seja, tenho que me virar, porque para o esporte náutico não existe dinheiro.
Bolamos um Carnet e com apoio dos amigos, fizemos um trabalho para arrecadar entre 600 e 700 mensais. Conseguimos bolachas, biscoitos e macarrão com a Trigolino e minha panificadora passou a doar 30 pães diários. A princípio foi dando para manter com dificuldades,  mas com o tempo, muitos deixaram de colaborar, porque as coisas foram ficando difíceis e nessas horas os supérfluos têm que ser sacrificados.
Mesmo assim, fomos em frente. Conseguimos com o GB Alírio Gonçalves, fizemos uma feijoada ano passado e com o que arrecadamos compramos um barco, 2 com, do remador Morgado, com a sobra pintamos toda a frente da Sede náutica.
Este ano formamos uma equipe maior, mas perdemos alguns atletas para Remo e Paysandu, que continuaram a cooptar atletas nossos, agora com benesses maiores: salários. Foram vários, o último deles o Waldonilton, recebemos 2 mil reais por mês (ontem ganhou duas provas pelo Remo).
Tentei mostrar à diretoria que se não déssemos pelo menos uma ajuda de custo, tipo de 200 reais para alguns atletas, sempre iríamos participar, mas vencer era um pouco difícil.
Não recebi retorno e está aí o resultado. Ontem embora tenhamos sido inscritos em sete provas, só participamos de quatro e vencemos duas. Uma atleta pegou uma virose e passou duas semana sem treinar. Se eu tivesse um apoio maior, poderia ter resolvido o problema dela em uma semana e ela teria remado ontem. Outro atleta ontem durante a regata, passou mal em plena prova. E o Oito, que estava certo que iríamos remar, não deu porque o atleta que passou mal era justamente o oitavo que entraria no Oito Gigantes.
É muita dificuldade, muita luta e muito amor, podem crer. Para que todos tenham idéia da situação, para participarmos de uma regata, temos que desembolsar em torno de 2500 reais com taxas à FEPAR. O Clube diz que não pode ajudar com nada e ontem na Regata não tinha sequer um diretor da Tuna, a não ser eu presente. Nem sequer ligaram para desejar sorte à equipe. Ou seja, parece que não existimos. É complicado, manos!
Mas não vou desistir fácil, pelo menos por ora. Vou iniciar os trabalhos da construção da rampa, com o que temos da feijoada, e concluir.  Vou esperar a chegada do companheiro Gerardo, conversar com ele e o Mário Mangas e ver o que vamos fazer, o que é melhor. 
Sinceramente estou muito triste, sofrido, porque sou apaixonado e dedicado mas vejo que os apoios não existem e isso desestimula a qualquer um.  Enquanto nossos adversários trazem atletas de fora (Paysandu ontem trouxe um argentino, que venceu a prova, e uma atleta do Botafogo), nós não temos como ajudar um atleta com 200 reais mensais!. 
Pelo desabafo, peço desculpas aos cruzmaltinos, sócios da Tuna, seguidores do Blog, amigos, mas não consigo ficar calado.
Nossa história poderia ser diferente, com apoio o sucesso viria em todos os esportes onde em 112 anos fizemos o nome da Tuna. Mas a realidade é bem diferente. Salvar dá para salvar, mas ganhar títulos está bem difícil!