quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Pato nunca chegará a ser um Ganso!

Se existe um jogador brasileiro que não acredito -aliás, nunca acreditei!- chama-se Alexandre Pato. É um jogador que pode-se dizer que não passou de uma promessa. O Milan aloprou quando adquiriu o jovem Pato do Internacional, depois de uma  bela exibição contra o Palmeiras, mas o "possivelmente genial" jogador,  não passou de uma grande promessa e o Milan quer livrar-se urgentemente do enorme peso enquanto é tempo.
Pato: não passou de uma promessa
Pato fez poucas boas exibições nestes seis anos de Milan, vivendo mais lesionado do que realmente apto para jogar e isso, temos que reconhecer, atrapalhou muito sua carreira. Prefere mais ser "sex simbol", namorando belas garotas, filhas de milionários -como ele-, mas jogar bola que é o seu ofício, neca, neca.
Se for confirmada a notícia de que em janeiro o jogador estará no Corínthians, devo dizer que a meu ver não será muito positivo, não. Como já postei acima, o jogador é meio "de vidro", vive mais contundido do que realmente apto para o futebol. Não tem aquele arranque que o bom centro avante deve ter. 
Tem qualidades sim,mas de um jogador normal, sem aquele diferencial de um Ronaldinho Gaúcho quando surgiu dando uma serie de "banhos de cuia" em Dunga, e continuou pelo menos durante 10 anos mostrando um bom futebol na Europa e ainda no Brasil, embora sem o mesmo brilho de antes.
Um time de guerreiro, que sem estrelas ganhou um título mundial invicto, que não baixou a cabeça e venceu o milionário Chelsea, deveria pensar em um jogador mais raçudo, mais identificado com o torcedor corintiano, com o perfil de jogadores como Guerrero, Emerson Sheyk, etc.
O investimento que o Coringão quer fazer é muito alto. Não vale a pena. Vou torcer para que não dê certo. Esse Pato não chegará nunca a ser nem um Ganso!

Três mil vetos e uma grande omissão

O jornalista político Alberto Dines, escriba do site "Observatório da Imprensa", publicou excelente artigo em que trata da descoberta, semana passada, dos mais de três mil vetos que há pelo menos 18 anos dormitam e que já deveriam ter sido examinados pelo Congresso. Segundo Dines, o verdadeiro "atentado ao Estado de Direito" que são esses vetos não examinados, nunca sequer foram denunciados pela Imprensa, nem pelos repórteres que cobrem o Congresso, o que mostra que os editores dos grandes veículos de comunicação só são interessados em manchetes sensacionalistas, ou, como bem escreveu o conceituado jornalista, "espetaculosas". 

Alberto Dines
(Do Observatório da Imprensa)

Quando há duas semanas descobriu-se que havia mais de três mil vetos presidenciais na fila para serem examinados pelo Congresso – alguns datados de 1994! – flagrou-se a natureza e dimensões do leviatã burocrático nacional.
A surpresa foi geral, mas a reação do responsável por este formidável atentado ao Estado de Direito foi kafkiana.
Para permitir a urgência na apreciação do veto de Dilma Rousseff à distribuição dos royalties do petróleo, o chefe de Legislativo, o inventivo e sempiterno José Sarney, determinou que os vetos fossem examinados simultaneamente: mandou imprimir um catatau de quase 500 páginas para ser distribuído a cada um dos deputados e senadores onde seriam anotados os respectivos votos, item por item, e depois depositados em “urnas” de madeira, verdadeiras caçambas que os funcionários carregariam nos ombros.
A farsa merecia ser incluída numa novela em quadrinhos sobre a República dos Equívocos. Não deu tempo: os chargistas estão assoberbados, nossos melhores satiristas já se foram, outros estão de licença médica e o recesso natalino não pode ser atrasado. Fica para a próxima.
Escancarou-se simultaneamente a incapacidade da nossa mídia em exercer a sua função fiscalizadora.
Aquele que foi chamado de Quarto Poder e hoje se comporta como se fosse o undécimo, não conseguiu enxergar a gigantesca ilegalidade que está sendo praticada consecutivamente há 18 anos. Nem se esforçou.
Três mil vetos presidenciais pendurados, sem solução, constituem uma aberração institucional que não pode ser varrida para debaixo do tapete.
Se nossos repórteres políticos já não cobrem o Congresso, por que continuam ser credenciados para esta missão?
É óbvio que há em Brasília profissionais conscientes, ansiosos para exercer a vigilância sobre um poder que no passado foi o principal aliado da imprensa na denúncia de abusos. Os porteiros das redações é que desistiram do jornalismo de formiguinha, teimoso, tinhoso, anônimo e eficaz.
Os editores querem aparecer, brilhar, produzir manchetes espetaculosas, de preferência sopradas ou vazadas pelas autoridades ou arapongas.
Não têm tempo nem ânimo para estimular as novas gerações de repórteres a meter a mão na papelada, devassar os “atos secretos” e driblar os arrogantes assessores de imprensa a serviço do mau jornalismo.
Não se cobrem as sessões, não se cobra assiduidade dos representantes do povo, não se examinam os relatórios produzidos pela descomunal burocracia a serviço das duas casas do Parlamento.
Os três mil vetos em suspenso são os ícones de um Legislativo inepto e viciado. São também um atestado de uma imprensa desnorteada, desfibrada, alheia ao seu compromisso de servir a sociedade e a democracia.

quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Tuna perde para o Paysandu Sub-19

O time da Tuna profissional decepcionou na revanche com o Sub-19 do Paysandu que se prepara para a Copa São Paulo. Sob sol de quase 40 graus, os meninos do time bicolor conseguiram vencer a Tuna por 2 a 1. E o mais triste e preocupante para os cruzmaltinos: o único gol da da Tuna foi marcado pelo zagueiro Hallysson, de cabeça, o que mostra que o ataque da Águia formado por Hálice e Fabinho não funcionou mais uma vez, estando "invicto" em fazer gols.
Tenho insistido aqui neste espaço, que o time da Tuna, visão deste escriba, não está preparado para enfrentar os bons times que farão parte do Parazão 2013, como Santa Cruz de Cuiarana, Paysandu, Remo e Paragominas.
Já postei aqui que achei importante a contratação de Samuel Cândido, um excelente profissional, sem dúvida alguma. Mas ela deveria ter sido precedida de alguns jogadores de qualidade que pudessem ajudar na formação de uma equipe competitiva, para que o time não faça feio no Campeonato.
Samuel quis o segundo jogo com o Sub-19 do Paysandu na esperança de que com o time completo, desbancar os garotos bicolores. Não deu certo. O time da Tuna demonstrou que não está no ponto.
Já postei também N vezes das carências do time luso. Não adianta ter um bom técnico sem ter bons jogadores. Ou se contrata um time para se fazer bonito, ou o futuro será ruim para nós torcedores cruzmaltinos.
Mesmo sem ainda ter os atacantes que o time mostrou que precisa -já que Hálace e Fabinho não estão se entendendo-  a Tuna tem outro jogo programado para o próximo sábado, quando receberá no Estádio do Souza o selecionado do município de Colares, atual da Copa dos Clubes Campeões do Interior, a partir das 10h. Vamos esperar que op time já tenha algo novo para mostrar.

Dona Canô


Dona Canô se foi. A matriarca dos Velloso (com dos "eles") viveu bem, 105 anos, mas para quem a conheceu e conviveu com sua bondade e grandeza espiritual, foi pouco.
Dona Canô era uma simpatia. Quem conheceu ou pelo menos ouviu falar de suas histórias, muito famosas em Santo Amaro, de sua alegria, de sua bondade e extrema devoção religiosa, não pode esquecer  há mais de 30 anos. Nas duas vezes em que fui a Santo Amaro da Purificação, no Recôncavo baiano, tentei encontrar Caetano e ela, Dona Canô. Caetano encontrei algumas vezes, mas Dona Canô não cheguei a ver.
Fomos de carro eu, Deusvildo (Vi) e o Marcos, dois amigos engenheiros que como eu eram "caetanistas". Atravessamos a velha ponte de ferro, construída por D.Pedro, que dá acesso à velha e bonita Santo Amaro e vimos de perto a beleza do Rio Subaé, imortalizado numa canção de Caetano e interpretada por ele e por Maria Betânia.
Quando chegamos à terra dos Vellosos fui o primeiro a perguntar onde morava Caetano. Todos conheciam o compositor que revolucionou a música brasileira com o Tropicalismo. Caetano viveu toda sua infância na cidade do Recôncavo e ainda hoje, aos 70 anos, tem amigos de infância. Me apontaram a casa, estava fechada e nem insisti em ir lá. Admirei de longe. Os conhecidos do artista falaram bem dele, de sua simplicidade mas, fizeram questão de enaltecer a grandiosidade da matriarca Dona Canô, figura querida e respeitada por todos seus conterrâneos de Santo Amaro.
Mulher forte, determinada, amiga de todos, Dona Canô  estava internada e sentindo a presença da morte, preferiu morrer em casa, na companhia dos oito filhos, frutos do casamento que durou mais de 50 anos de convivência com seu Zeca.
Em documentário sobre Maria Betânia dirigido pelo cineasta Andrucha Waddington  (já exibido algumas vezes pelo Canal Brasil, da SKI), as cenas em que Dona Canô aparece são inesquecíveis, com a grande matriarca baiana cantando e mostrando ao mundo que seus filhos Caetano e Maria Betânia, execelente cantores, receberam as primeiras -e talvez as mais importantes- lições de canto em casa, através dos ensinamentos de Dona Canô, que apesar de ser a humildade em pessoa, querida por todos,  tinha uma linhagem fina, pois  recebia muito bem e adorava tocar piano, instrumento que tocava desde mocinha.
O Blog homenageia Dona Canô em vídeo em que ela canta com o filho Caetano Veloso acompanhando ao violão. Observem a afinação de Dona Canô e como a matriarca dos Vellosos tinha ritmo e ótima interpretação em clássicos da música de seresta brasileira. Bonita também a interpretação dos dois juntos e a enorme sensação de felicidade e verdadeira declaração de amor e agradecimento de Caetano à sua mãe.

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Valeu pelo esforço, meninas!

Não se pode tirar os méritos da equipe de futebol feminino da Tuna Luso Brasileira que não conseguiu ganhar o título ontem no Mangueirão, quando depois de empatar em 1 a 1 com a Esmac no tempo regulamentar, perdeu por 4 a 3 nas penalidades máximas.
O time feminino, comandado pela competente técnica Aline Costa, em todas as partidas do Campeonato teve que enfrentar uma verdadeira odisséia para conseguir valores para pagamento de passagens, compra de medicamentos, vitaminas e até para hospedagem em hotéis para a equipe se concentrar na véspera dos jogos. Vencer todas essas barreiras e ainda chegar à final e ser vice campeã não é vergonha para ninguém,
Os torcedores cruzmaltinos -dentre os quais este escriba se inclui- lógicamente ficaram tristes pela perda do bicampeonato. Mas, entende  e até  elogia o esforço do grupo comandado por Aline. A equipe vencedora, a Esmac -Escola Madre Celeste- é bem aplicada, competente e venceu por méritos. Tem para ter sucesso, um boa infra-estrutura, o que lhe dá cacife para estar sempre na ponta nas disputas, tanto no Futebol de campo como no Futsal. As duas -Tuna e Esmac- são as grandes rivais pela competência de ambas as equipes.
O escriba, seguidor do trabalho das meninas no futebol feminino e torcedor de estar sempre presente em todos os jogos, parabeniza a técnica Aline Costa e as jogadoras. E diz com todos os brios cruzmaltinos: "Perder uma batalha não significa nada para o tamanho de uma guerra. Virão outras e estaremos sempre prontos para apoiar e dar moral ao grupo". Parabéns pelo empenho. Parabéns pela luta! Podem crer que valeu!

Boas Festas do genial Assis Valente


A Música Popular Brasileira -e o Brasil- devem muito ao compositor baiano Assis Valente. Nas c ido em Santa Amaro, a terra de outro baiano ilustre Caetano Veloso, Assis tem que ser melhor revisitado por, pesquisadores, críticos e, principalmente, por quem gosta da boa música brasileira.
Digo que tem que ser revisitado porque Assis Valente foi um dos aristas mais injustiçado do Brasil, já que tem uma vasta e rica obra, gravada elos maiores cantores do passado como Francisco Alves, Carlos Galhardo por sua musa Carmem Miranda, mas mesmo assim morreu pobre, endividado embora com centena de músicas gravadas e eternizadas.
Me deu na telha falar sobre Assis valente pelo momento que estamos vivendo, o Natal. Assis, além  autor de músicas sobre carnaval, São João e Natal deixou, sobre o último tema, uma das ´músicas mais gravadas, mais tocadas e a mais perfeita em termos de criatividade e crítica à burguesia e ao consumismo escondida na figuram do "bom velhinho" Papai Noel.
"Boas estas", letra rica em poesia critica e perfeita em harmonia, é mais ou menos um retrato do que foi a  difícil vida de Assis Valente, jovem pobre mas que desde garoto teve inclinação para a música e para a artes plásticas, tendo sido ilustrador desde os 14 anos, de publicações como a revista "Shimmy", de cunho erótico e da famosa "Fon-Fon".  Mas seu forte mesmo foi a música, tendo feito marchas e sambas, princpalmente.
Assis Valente teve uma vida atribulada de problemas, principalmente existenciais e financeiros. Tentou o suicídio duas vezes, e na terceira conseguiu seu intento, com 47 anos e uma larga antologia musical, dentre as quais as famosas "Camisa Listrada", "Recadinho de Papai Noel, "Brasil Pandeiro", uma belíssima e atualizada crítica aos EUA, redescoberta no início dos anos 70 pelos "Novos Baianos",  "O mundo não acabou", sobre a mesma tolice que inventaram sobre o da 21 de Dezembro e a eternizada "Boas Festas".
Para os seguidores e navegantes, nesta véspera deste Natal uma das mais bonitas obras de Assis Valente.
A letra e a canção interpretada -direto do fundo do baú!- pelos Novos Baianos. Curtam, é presente de Natal do Blog.


Boas Festas

(Assis Valente)
Anoiteceu, o sino gemeu
E a gente ficou feliz a rezar
Papai Noel, vê se você tem
A felicidade pra você me dá
Eu pensei que todo mundo
Fosse filho de Papai Noel
E assim felicidade
Eu pensei que fosse uma
Brincadeira de papel
Já faz tempo que eu pedi
Mas o meu Papai Noel não vem
Com certeza já morreu
Ou então felicidade
É brinquedo que não tem

sexta-feira, 21 de dezembro de 2012

Brasil faz justiça aos campeões do mundo

Nada mais justo que a premiação e pensão que o Governo federal está dando, a partir de janeiro próximo, aos campeões, bicampeões e tricampeões brasileiros de futebol.
Grandes atletas, verdadeiros gênios da bola,  que proporcionaram muitas alegria aos milhões de brasileiros com as três copas do  mundo que conquistaram em uma época em que o futebol não deixava ninguém milionário como hoje, os campeões do mundo, hoje senhores na faixa de 70 a 80 anos, vibraram com a notícia e agradecem ao Governo pela sensibilidade de proporcionar-lhes uma velhice mais tranquila, embora tenhamos que reconhecer, que o reconhecimento demorou muito.
Dos campeões daquela época de ouro, alguns já faleceram, como os goleiros Castilho e Félix (Copas de 58 e de 70); o meio de campo Didi  (Copas de 58 e 62), o ponteiro direito Garrincha e o centro avante Vavá (ambos de 58 e 62). Nesse caso, a viúva ou os filhos menores de 21 anos receberão a premiação de 100 mil reais em cota única e a pensão de 3.916,20, paga pelo INSS.
O ministro dos Esportes, Aldo rebelo, em seu pronunciamento falou da importância dos heróis das três copas para o Brasil, lembrando que "o Brasil não pode permitir que aqueles que ajudaram a tornar o nome de nosso país respeitado em todo o mundo, e suas famílias, passem por dificuldades".
Já o ministro Garibaldi Alves, da Previdência, em sua fala foi enfático ao dizer que "quem nos deu as alegrias que eles nos deram merece muito mais do que estamos fazendo". Os benefícios já haviam sido aprovados pelo Congresso neste ano, mas faltava a regulamentação. 
O lateral esquerdo Nilton Santos, considerado o melhor lateral de todos os tempos, é um dos atletas bi campeões que passa por dificuldades, tendo inclusive que colocar à venda alguns de seus troféus como atleta. Agora, com certeza, estes problemas poderão ser resolvidos.

Cametazinho pode ir já para a Ponte Preta

A ida de Cametazinho (Tiago Cametá) para a Ponte Preta é uma questão de tempo. Ou o atleta vai logo agora, ou espera o término de seu contrato, em fevereiro. 
A verdade é que o Remo perde mais um valoroso atleta -que surgiu no Futsal da Tuna e que depois migrou para o clube azulino-, simplesmente por não valorizar a prata da casa. Cametazinho e mais uma dezena de jogadores despontaram este ano no Remo e boa parte dos garotos não foi aproveitada no time principal, já que só entravam quando era para para "tapar buraco".
Cametazinho, que vem tentando através de seu empresário já há vários meses renovar seu contrato com o Remo, considera-se um jogador desprestigiado pelo time azulino. "Eles não valorizam a base. Além de ganharmos menos que os que vêm de fora, também os dirigentes não fazem questão de renovar nossos contratos". O jogador, que além de atuar na lateral direita joga também no meio campo, garante que os atletas que são revelados aqui, têm um tratamento é diferenciado". Mesmo assim, o jogador diz não ter mágoas do Remo,  mas que tem que aproveitar o bom momento que vive no futebol.
"Se tivessem renovado meu contrato, agora ganharia Remo e eu, mas não quiseram, então agora de uma maneira ou de outra eu vou sair", diz um Cametazinho  um pouco tímido, mas que sabe o que quer em seu futuro. 
"A Ponte Preta está na Série A, e vou lutar para ser titular e ganhar prestígio como outros jogadores paraenses que já saíram daqui e se deram bem", diz o jovem, que é considerado por muitos técnicos como o melhor lateral de Belém.

Tuna e Esmac decidem o título no Feminino

"Será um jogo de vida ou morte. Temos que entrar em campo para vencer e vencer". Foi assim que a técnica Aline Costa expressou sua vontade e da equipe de futebol feminino da Tuna Luso Brasileira para o jogo com a Esmac no próximo domingo, às 9,30h, que decididirá o título de campeã do ano de 2012, no Mangueirão.
Será uma partida realmente de vida ou morte. A Tuna é campeã do Primeiro Turno e a Esmac sagrou-se no último domingo campeã do Segundo. A partida de domingo será única e quem vencer levará a taça de campeã do ano.
Para a Tuna, a partida tem um significado bem maior. A equipe de futebol feminino cruzmaltino ganhou o título do ano passado e se vencer domingo conseguirá o inédito título de bicampeã paraense.
Aline Costa está com três jogadores contundidas, mas garante que hoje elas farão um avaliação na clínica e tudo indica que poderão jogar. "Elas já falaram que entram em campo até de muletas, o que demonstra a vontade de vencer da equipe, pois ninguém quer ficar de fora dessa importante partida", disse a t[ecnica Aline Costa.
A Tuna feminina já está concentrada em um hotel da cidade.

quinta-feira, 20 de dezembro de 2012

Mas... nem tudo está perdido!

Acho balela esse papo de profissionalizar o futebol. O futebol já é profissional. Temos que defender é  uma melhor e mais séria infra estrutura, isso é lógico. Mas não posso aceitar uma diretoria contratar um profissional de gestão qualificado, como o Paysandu contratou agora, para ganhar um bom salário (não sei quanto), e depois ter problemas com Justiça. 
Ora, esse profissional que chegou vai ficar meio zonzo quando analisar a bronca feia que o Luiz Omar está deixando (só uma, com o Arinelson e o Jobson,  está beirando os seis milhões). Tendo uma infinidade de problemas jurídicos, de Justiça do Trabalho, de salários e premiações atrasadas, o profissional de gestão que chegou, mesmo vendo os problemas e a casa desarrumada,  vai querer receber o dele direitinho, como também os jogadores recém-contratados. Mas e os antigos, que não recebem faz três ou quatro meses, quando vão receber o passado? Remo e Paysandu, segundo a Imprensa, em problemas de Justiça do Trabalho de anos. 
O Tourinho, para quem não sabe, está trabalhando na Tuna. Eu sou contra, pois o rombo que ele deixou no Paysandu não o qualifica para trabalhar na Tuna. Falaram na época que ele chegou, que o salário seria de 12 mil mensais. Um sócio chegou a perguntar ao presidente mas eles respondeu um básico "não te interessa".
Pois é. O Tourinho, soube, conseguiu a Big Ben para patrocinar a Tuna. A grana é uma merreca (gosto do termo!), tipo 15 mil reais. Três ele ganha de comissão. Mas já ajuda, temos que reconhecer.
Agora eu pergunto: por que ele para a Tuna só conseguiu 15 mil com a Big Ben, se para o Paysandu a mesma empresa deve dar mais de 100 mil? Outra: por que ele não consegue outros patrocinadores para totalizar pelo menos uns 100 ou 150 mil  mensais?
Respondo: porque trabalhar com time de massa, como Remo e Paysandu é fácil. Com a Tuna, que tem uma torcida pequena é difícil, muito difícil.
Só para lembrar: o Vasco da Gama está vivendo uma de suas maiores crises em toda a sua história. Tem infra estrutura, mas o que os problemas que o espertalhão do Eurico Miranda diexou, faz com que até hoje o Roberto Dinamite -que sabemos é uma pessoa séria, ética e competente- não consiga tirar as certidões negativas do Clube e receba pagamento de patrocínios que por isso estão suspensos. O reflexo está no time de futebol, que perde jogadores, perde partidas e perde a credibilidade perante os patrocinadores e torcedores.
Por isso, caros navegantes e seguidores, profissionalizar pessoal que trabalha com futebol é muito fácil da boca pra fora. Ao vivo é muito pior. Vocês vão sabe o que espera o Vandik; Já o Cabeça, que brigou para a ditadura no Remo continuar e ele não sair, é porque o negócio lá é feio. Feio mesmo. 
O que tem de acontecer com equipes que não têm muitos torcedores, que conseguem lotar os estádios e com isso ajudam na negociação da mídia dos uniformes de suas equipes, é encontrar pessoas que queiram trabalhar com seriedade e comprometimento, sem querer só aparecer. Mas é importante, a meu ver, que essas pessoas torçam pela equipe, porque trabalhar de graça, sem torcer, é estranho e pode ser perigoso. Muito perigoso.

Samuel tem só 22 dias para armar um time

A antológica frase "treino é treno e jogo é jogo", do grande mestre da "folha seca" Didi, poderia ser usada por Samuel Cândido, técnico da Lusa, sobre o escore do "match" treino de ontem entre Tuna e Paysandu Sub-19.  2 a 2, que a meu ver é preocupante, pode perfeitamente não tirar a tranquilidade do técnico cruzmaltino Samuel Cândido, pois sendo o primeiro treino "valendo", dois gols foram feitos e já pode ser uma sinalização de que quando começar o campeonato os jogadores estarão bem. Deus queira!
Apesar de ser apenas um treino, pouco significativo para quem ainda está em preparação, minha preocupação é de que está "em cima" o início do Campeonato e pelo que foi mostrado ontem a Tuna ainda não tem um time que possa fazer frente às feras que terá pela frente. Falta identidade, um time base que possamos dizer que a Tuna não vai apenas "fazer barulho" ou "dar trabalho", mas fazer uma campanha coerente com sua história, respeitando e honrando o nome Tuna Luso Brasileira.
O Campeonato já começa no dia 12 de Janeiro. O tempo é curto para arranjar mais jogadores, mesmo porque no final de ano muitos jogadores viajam para suas cidades de origem, outros saem de férias e no retorno já estão apalavrados com alguma equipe. Quer dizer, a situação é por demais complicada.
Mas esperamos que Samuel esteja trabalhando para a chegada de alguns atletas. Afinal a defesa está carente, principalmente o goleiro e o miolo de zaga, que espera-se com a entrada de Alan e os zagueiros Hallyson e Preto Barcarena fique melhor composta. Já Sinésio foi uma boa aquisição, pois ainda é um dos melhores  laterais que temos, pois além de marcar bem é um bom ala. Já o ataque com Hállace e Fabinho, dois jogadores com o mesmo estilo, velocistas e ambos baixinhos, penso que não vai conseguir render muito, principalmente quando encontrar uma defesa alta, como é a da maioria das equipes.
O ideal é conseguir um ou dois atacantes mais altos, que possam disputar as bolas de cabeça que chegarem na área. Um centro avante para fazer dupla com Fabinho ou mesmo Hállace seria o ideal, embora seja necessário também um meia que possa lançar para os dois homens de área..
Insisto que falta pouco tempo. Tipo 22 dias. O primeiro jogo da Tuna será dia 12 contra o Águia de Marabá, no Zinho Oliveira. O técnico Galvão sempre forma uma equipe boa,  que se prepara bem em todos os campeonatos.
Samuel sabe que o time que treinou ontem não é nem de perto o ideal. É muito carente. Mas não podemos
relaxar. É importante que cheguem pelo menos uns seis ou oito jogadores. Vou bater novamente na tecla: quem cair vai demorar muitos anos para voltar. E eu não quero que seja a Tuna uma das vítimas!

Caos no trânsito. A culpa é da Ctbel!

A polêmica que tomou conta da cidade desde a implantação do Belém Rotativo só tende a aumentar. No início da semana os flanelinhas começaram a vender os cartões de estacionamento e, segundo orientação de um dos funcionário da empresa que explora o serviço, autorizado.
Foi na terça-feira que fui surpreendido com um papel como se fosse uma multa no para-brisa do carro. Procurei um rapaz fardado que me observava perto do carro e ele me adiantou que o papel não tinha valor como multa. "É só educativo" pois, segundo ele, só iria funcionar mesmo a partir do final de semana. "É só procurar os flanelinhas que eles têm o cartão", completou o funcionário a este escriba.
Sinceramente como sou muito aberto a estes avanços. Acho que é sinal de que estamos partindo para a modernidade. Acho válido porque uma empresa que cobra estacionamento tem o dever de cuidar do veículo, tanto de possíveis roubos como até da ação de vândalos que adoram riscar carros, secar pneus, etc. Serve também para organizar a questão e estacionamento no centro da cidade.
Mas sabendo de como vai funcionar o serviço, temos que observar o grande transtorno que será causado, pelo menos inicialmente. Já imaginou estacionar seu carro perto de seu trabalho e depois de duas horas  e ter pago três reais, ter que sair desesperado à procura de uma nova vaga, onde terá que pagar mais três reais e seguir na "via-crucis" até o final de seu expediente, totalizando no final do dia 15 reais? É muito complicado, porque nem todos trabalhadores podem ficar se ausentando de seu trabalho de duas em duas horas e também não será fácil encontrar vagas no centro da cidade com facilidade. Tem dias que rodamos, rodamos e ao final temos que estacionar dois ou três quilômetros do local de trabalho.
Respeito a idéia do Duciomar, que foi o autor da novidade. Mas, penso, as coisas não podem ser feitas assim abruptamente. Tem que ser feito o serviço, aprovo. Mas tem que ter uma fórmula que não prejudique tanto as pessoas. Primeiro é a situação dos flanelinhas, que ainda não está bem explicada; segundo, essa história de que de duas em duas horas tem-se que sair vai ser uma loucura. Muitos deixarão de ir trabalhar em seus veículos. Melhor voltar à velha bicicleta.
Aproveito o gancho para dizer que ontem a situação do trânsito em Belém estava um caos. Não se sabe se por conta já do Belém Rotativo ou das mudanças que a sra. Margareth, da Ctbel, implantou em várias ruas da cidade. Foi um dia de cão para quem quis chegar em sua casa cedo. Eu mesmo saí por volta das seis da tarde da empresa e só cheguei em casa às 20,30h. E  a distância que moro do centro da cidade é de menos de cinco quilômetros. Tudo bem que a afobação natural do Natal tenha contribuído com o engarrafamento, , mas que foi esquisito foi.
Tudo isso acontecendo e o Belém Rotativo ainda nem começou a funcionar. Aliás começou para os flanelinhas, que estão vendendo vagas desde terça-feira ao valor de até três reais a hora. Culpa de quem entregou os cartões fora do tempo correto para eles. Ou seja, o Duciomar é desorganizado mesmo. Começou assim e termina assim.

quarta-feira, 19 de dezembro de 2012

Venda de Pikachu é uma incógnita

Pelo que tem publicado a Imprensa, o presidente do Paysandu, Luiz Omar Pinheiro já deve estar arrependido de ter negociado o lateral Yago Pikachu com um grupo de investidores. Luiz Omar ao que parece, tem procurado evitar falar até com o eleito Vandik Lima sobre o assunto, uma vez que até o presente o presidente não explicou nem mesmo a seus companheiros de diretoria o real valor da venda e como foi -ou será- feito o pagamento.
Foi infeliz Luiz Omar, quando vendeu Pikachu para investidores. Um jogador jovem, de grande valor como o lateral bicolor, não era para ser negociado da maneira que foi, às pressas, sem a família do jovem atleta saber e, o pior:  só entrou até agora nos cofres bicolores a quantia de 200 mil reais. Uma merreca.
Vandik e parte do pessoal que acompanha a procissão do Cirio perguntam: qual o valor da negociação?; como o negócio foi feito?; quando vão pagar o restante?; a transação foi por todo o liberatório do jogador ou fica uma percentual para ele ou para o Paysandu?
São perguntas que todos fazem porque Yago Pikachu  é um dos melhores jogadores revelados nos últimos temposem nosso Estado. E tudo indica que não é fogo de palha, porque é bom marcador, excelente apoiador, chuta bem e forte e é um atleta focado em sua carreira, o que lhe garante futuro como profissional da bola. Então, é importante que Luiz Omar e sua diretoria, antes que termine seu mandato, levante a cabeça e explique toda a história da negociação de seu maior patrimônio: Yago Pikachu.
Afinal, Luiz Omar Pinheiro tem um nome a zelar.

Jornalistas realizam confraternização na Tuna








Sábado último, o Sindicato dos Jornalista do Pará -SINJOR- realizou  sua tradicional confraternização de fim de ano, oportunidade em que reuniu jornalistas e assessores de comunicação que atuam na Imprensa do Pará. O local escolhido pela presidente do SINJOR, Sheila Faro, foi o Castelinho da Tuna Luso Brasileira, que devidamente decorado recebeu os profissionais de Imprensa em torno de comes e bebes durante toda a tarde de sábado. A confraternização dos jornalistas é uma festa tradicional onde os colegas aproveitam para por os papos em dia, tomar tomar uma cerveja entre um assunto e outro, curtir uma boa música ao vivo e até presenciar alguns colegas que são dotados da arte e do talento de dançar ensaiarem passos de pagode, samba e brega. 
A presidente Sheila Faro, que fez questão de cumprimentar seus colegas de trabalho de mesa em mesa, na oportunidade recebeu uma camisa com sua foto estampada, presente do jornalista, artista gráfico e cartunista J. Bosco. A festa foi bastante animada e só terminou por volta das 18h. 
As fotos mostram a alegria e descontração dos jornalistas na bonita confraternização na Tuna Luso Brasileira.

terça-feira, 18 de dezembro de 2012

De amor ao clube e demagogia

A decisão de Juninho Pernambucano em não renovar seu contrato com o Vasco da Gama, optando por  jogar por uma equipe americana põe mais uma vez por terra a história de "amor à camisa".  Já foi discutido que os jogadores atuais pensam mais nos cifrões do que propriamente no sucesso da equipe que defendem, embora muitos deles tenham surgido na base do clube ou então tenham feito sucesso na carreira depois de vários anos defendendo determinada equipe. 
Inegável dizer que é fato a identificação de jogador com clube. Isso é perfeitamente natural que exista, mas isso não significa dizer que o jogador vá ter que jogar sem receber seus salários em dia ou até jogar de graça pela equipe. São raríssimas as situações em que isso acontece.
Sinceramente, defendo que os jogadores têm que pensar no seu futuro, mas defendo também que têm que jogar com vontade, com determinação, treinar. Mas na hora do pagamento tem que receber o salário, pois têm suas obrigações.
Por defender essa tese da responsabilidade mútua, acho demagogia o jogador beijar escudo,  ajoelhar-se e rezar ao vencer uma partida ou ganhar um título, como se fora um torcedor comum. Para este escriba isso "não cola"
Sérgio, sinônimo de respeito à Tuna
Casos de amor existem, como por exemplo, Edmundo com  o Vasco. O jogador pode até ter tido brigas com o Vasco do mesmo hoje chamado "ingrato" Juninho Pernambucano,  mas o Animal sempre deixou claro seu amor pelo Clube da Colina. Chegou até  perder pênaltis, lembram?
Já não se pode dizer a mesma coisa de Romário. Mesmo que o Baixinho tenha sempre mostrado uma grande ligação com o Vasco, e recebido a reciprocidade,  tendo ganho até estátua  em São Januário,  na verdade vive fazendo ingratidões verdadeiras e até "trairagens", pois abre a boca e fala que o clube lhe deve milhões, que a diretoria é incompetente, desrespeita a grande figura de Roberto Dinamite e ainda briga para receber com juros e correção monetária -segundo ele- o que o clube lhe deve.
Já postei várias vezes aqui que não sou saudosista de nada e nem gosto da palavra saudade, mas temos que reconhecer que o jogador de 20 ou 30 anos atrás era mais apegado à equipe. Sem as demagogias muito em moda hoje, mas na verdade gostava. Eram muitos os atletas que demonstravam carinho, respeito e gratidão pelos clubes que os projetaram a partir da base ou onde eles despontaram para o mundo futebolístico.
Jogadores como Pelé, Zico, Júnior, Raí, Roberto Dinamite, Zé Augusto inegavelmente têm uma grande identificação e com certeza um grande respeito e gratidão pelas equipes que os projetaram. 
A história me faz lembrar o zagueiro Sérgio, em 2008, se não me falha a memória. Sérgio chegou com este escriba na Tuna e disse que queria jogar o campeonato paraense de graça, no intuito único de a ajudar o clube que o projetou para o futebol.  E o zagueirão que começou nas categorias de base da Tuna e jogou pela Águia do Souza, Remo, Paysandu e outras equipes do estado, cumpriu o prometido.
Não sei se Sérgio torce pela Tuna. Ele pode ser torcedor de Remo ou Paysandu, mas com certeza também torce, respeita, ama e é muito grato ao time que o revelou: Tuna Luso Brasileira.  

Ainda falta muito para a Tuna formar um time

Embora a diretoria de futebol da Tuna venha fazendo um grande alarde sobre o time de 2013, acho que os atleta que até o presente foram apresentados não estão dizendo muita coisa, não.
Hallyson, que foi zagueiro da Águia do Souza em 2007, seu irmão Hálace, que jogou também na mesma época e o zagueiro Preto Barcarena, que foi revelado pela Tuna e que jogou com os dois irmãos, não podem ser consideradas grandes contratações. Ainda é pouco para enfrentar as feras que vêm por aí.
Entendo até a empolgação do diretor de futebol e do próprio presidente, que domingo anunciou que o goleiro Alan estava chegando para a Tuna. Essa sim, é uma excelente contratação. Mas temo que ver, como já postei ante, que o Parazão de 2013 não vai ser mole. Vai ser um Campeonato completamente diferente pelo menos dos cinco últimos.
É só analisarmos as equipe do interior e Remo e de Paysandu. Por exemplo, o que dizer do time do Santa Cruz de Cuiarana? É uma equipe que podemos considerar uma fortíssima candidata ao título regional. Não vale usar o velho preconceito de que o time do senador tucano é um amontoado de velhos jogadores que já passaram por todas as equipes do Pará. Sem essa. O time tem os melhores jogadores do estado, alguns na faixa etária dos 30 anos, que é a ideal em termos de experiência, de responsabilidade.
O que dizer da também estreante equipe do Paragominas? Excelente, podem ter certeza. Além do time ser bom, a Comissão Técnica é competente e determinada, graças à organização de sua diretoria, que procura cumprir à risca as responsabilidades com salários e outras questões.
O Remo, que é a equipe que esta lutando para ganhar o título e participar da Série D, é uma equipe que pelo que se vê, estará bem armada em 2013. Fazia tempo que não via contratações mais ou menos pé no chão, embora ache que o técnico tem um salário altíssimo (falam entre 50 e 60 mil mensais, não sei o real).
Samuel pode formar uma boa equipe
A contratação de jogadores que o responsável técnico Flávio Araújo está indicando é positiva e mostra que o Remo  é com certeza  um sério candidato ao título. Leandro Cearense pode fazer a diferença no ataque.
O Paysandu é outro que não vai dar mole em 2013. Agora na Série B, o time bicolor vai ter que formar uma boa equipe para justamente fazer a base para quando chegar no Campeonato Brasileiro não decepcionar. Já postei aqui que o Paysandu tem que fazer um time para pelo menos não cair. Não adianta pensar em subir em 2013. Tem que lutar para não cair, mas só com essa idéia -não cair- já dá para fazer um bom time para o Paraense.
Mostrando a realidade das outras equipes, acho que o que a Tuna está fazendo ainda é pouco. Principalmente porque temos que reconhecer que o nosso Sub-20 não é ainda uma realidade. No máximo três ou quatro jogadores poderão ser aproveitados. Nada mais que isso. Então, é necessário contratar três jogadores para a defesa, entre zagueiros e laterais; uns três ou quatro jogadores para o meio de campo; uns três meias; uns dois bons atacantes e se o goleiro Alan foi contratado, trazer mais um bom goleiro. Ou seja  a Tuna precisa de pelo menos mais 12 jogadores.
Se conseguir formar esse elenco -não precisa nem ser de medalhões, pois esses atletas nós temos aqui mesmo no nosso mercado local-, pode ter certeza de que dá para a Tuna formar um time que pelo menos vai lutar para não cair. Se o diretor de futebol diz que tem entre 70 e 100 mil para gastar por mês, dá para fazer isso. Mas se pensa em trazer quatro gatos pingados e investir na meninada, pode ter certeza, vai sofrer muito no Campeonato. Afinal, como postei na última nota sobre a Tuna:  Samuel não faz milagres!

Lulu Santos -quem diria!- virou fã de Daniel

Lulu e Daniel. O sertanejo conquistou o roqueiro
Muito interessante -para não dizer decepcionante- a declaração do cantor e compositor pop Lulu Santos de que se tornou amigo e fã do sertanejo Daniel. Para quem há mais ou menos 20 anos comprou uma grande briga com os cantores e duplas sertanejas, Lulu mostra que a força da Rede Globo ou -quem sabe?- a idade serviu para muitas coisas, e uma delas ao que parece foi mudar o pensamento estético-musical do roqueiro e fazer com que a convivência entre os opostos -o rock e o sertanejo- que todos imaginavam impossível,  com a "Globalização" pode acontecer.
Este escriba, na época,  foi um dos que vibrou pela corajosa posição que Lulu Santos tomou, principalmente  quando disse "que a música sertaneja era a anti-música, oportunista, não dizia nada com nada, era um retrocesso".
Gostei da posição do Lulu na época, porque no início dos anos 90 a música que aparecia na mídia do Brasil  era insuportável. A  MPB já tinha conquistado seu espaço no mercado nacional, a música pop lutava para conseguir sobreviver e chegar a algum lugar, mas a mídia de Rádio, Televisão e Jornais passou a investir pesado no popularesco que entrou no mercado fonográfico desbancando todo mundo.
E foi assim que no mesmo momento em que o país foi tomado por uma onda violenta de cantores de "pagode", com vários grupos surgindo com suas danças e roupas estilo janota, bem arrumadinhos, a música "sertaneja" com suas duplas foi entrando também e com apoio geral da mídia conseguiu inclusive uma maior fatia do gosto popular.
A cultura nacional foi afetada, artistas de quilate e de talento foram praticamente esquecidos e os pagodeiros e sertanejos entraram de vez e conseguiram tomar conta do mercado que, infelizmente, até hoje ainda detém uma grande parte.
Lulu brigou, esperneou, mas não teve jeito. As duplas proliferaram, os pagodeiros, idem e nem mesmo a música baiana com seus modismos anuais conseguiu deter a avassaladora onda de "artistas" e costumes, principalmente sertanejos, que nesses últimos 20 anos tomaram conta de uma grande parte do mercado musical nacional.
Oportunisticamente, criaram os vários tipos de sertanejo, como o "Sertanejo romântico", Sertanejo de raiz",  "Sertanejo country" e o "Sertanejo universitário". Pior é que esse tal de "universitário" nunca se forma, já deve ter jubilado várias vezes.
Guerra perdida, hoje Lulu Santos bem mais maduro, mais calado, já diz que virou amigo de Daniel. Não se pode dizer com certeza que Lulu  rendeu-se ao "talento" sertanejo do cafona Daniel, que antes fazia dupla com o falecido João Paulo, ou se a mídia Global corrompeu a cabeça do grande guitarrista e versátil roqueiro. O que se sabe é que de crítico contumaz do movimento Lulu virou amigo de fé camarada do sertanejo, ao ponto de ganhar uma viola de presente de seu "amigão" Daniel, enquanto que o sertanejo passou a usar até meias coloridas em homenagem ao amigo Lulu. 
Falam até as línguas mais afiadas que depois dessa declarada grande amizade, com troca de figurinhas e coisa e tal, Lulu pensa em retribuir o presente recebido -uma viola- dando uma de suas guitarras ao sertanejo. Ninguém duvide. A Globo tudo faz para destruir e construir ídolos.

segunda-feira, 17 de dezembro de 2012

Tite seria um dos bons nomes para a Seleção

Os campeões do mundo Tite e Guerrero. Desculpem, mas ambos são do Timão!
Em mais ou menos dois anos no comando do Coríntians Tite conquistou três títulos para o Timão. Primeiro o Brasileirão de 2011, e posteriormente a Copa Libertadores e o Mundial de Clubes. Um período relativamente curto para tão importantes vitórias, o que demonstra a competência e o comando profissional e tático que Tite tem sobre seu elenco.
Em novembro, quando o técnico da Seleção Brasileira Mano Menezes foi demitido, Tite foi um dos nomes lembrados pela Imprensa para substituir seu conterrâneo gaúcho. De pronto disse que não queria, pois estava focado em jogar a final do mundial no Japão e não queria desviar a cabeça dessa grande responsabilidade com a nação corintiana. Tite, na oportunidade,  agiu correto em não aceitar ser candidato a substituir Mano. Se demonstrasse interesse, talvez tivesse que viver a decepção de ter seu nome rechaçado pelo presidente José Maria Marin, que imagina-se já tinha tratado tudo antecipadamente com Scolari, já que os dois -Scolari e Marin- são típicos de negócios assim.
Este escriba era um dos que torcia para que o técnico da Seleção  fosse outro mais moderno. Só não queria de maneira nenhuma o tal Felipão. Elemento sem nenhum preparo profissional e social, além grosso, arrogante e  que por vencer uma Copa do Mundo em que os adversários eram na maioria medíocres, ficou se achando, e assim ganhou fama, foi para Portugal, não teve sucesso; depois para o Chelsea, pouco fez, perambulou e retornou para o Palmeiras. Na equipe verde foi uma decepção. Conseguiu jogar o time do Parque Antarctica para a Série B, e quase não sai da equipe, brigando para receber sua rescisão. Quer dizer, a própria dignidade do gauchão é duvidosa, pois o certo seria se não estava fazendo uma boa campanha, entregar o lugar dignamente e evitar o pior, já que o Palmeiras é uma grande e respeitada equipe e no seu comando Scolari fez inimizades com jogadores, com diretoria e até com a Imprensa.
Felipão foi para a Seleção. Mas na verdade, o lugar era para ser ocupado por quem tem comprovada competência. E no momento quem está mostrando essa competência e talento para dirigir nosso selecionado é quem faz sucesso como Abel Braga, Tite e o professor Vanderley Luxemburgo.
Por que um deles não está no comando da Seleção? Porque, certamente não são de esquema, não fazem parte do grupinho de ditadores que comandam a madrasta do nosso futebol, a CBF.
Abel, campeão carioca, é respeitado pelos jogadores e querido pelos dirigentes do Fluminense, por isso não interessa deixar o Pó de Arroz;  Luxemburgo, mesmo que tenha colecionado inimizades porque não aceita interferência de dirigentes e curiosos em seu trabalho, vai muito bem obrigado no Grêmio, onde conseguiu formar uma grande equipe; e Tite, campeão da Libertadores e agora do Mundo, o mais jovem dos três, imagino que nem pensa em deixar o Timão, principalmente agora.
Temos que torcer pelo nosso selecionado. Temos que trabalhar para que a taça de Campeão do Mundo fique aqui. É muito difícil isso com Felipão. Particularmente, não sou muito otimista.
Mas se fosse um Abel Braga, um Tite ou o mestre Vanderley Luxemburgo, acho que não daria nem para discutir. Pelo trabalho moderno que os três estão fazendo, a taça do mundo teria muita chance de ficar no Brasil.

Valeu Timão! Coríntians conquista o mundo!

O Timão é Bi Campeão do Mundo.  O secador que se dane! 
O Coríntians é Bi Campeão Mundial com todas as honras, com todas as glórias. Não foi à toa que quase 40 mil fiéis  "loucos por ti Coríntians!" se deslocaram para o Japão com a certeza de que ajudariam a trazer  para o Parque São Jorge seu mais importante título: o Mundial de Clubes da Fifa 2012.
Agora, certamente, muitos contrários à grande vitória do Curingão vão dizer que o Coríntians ganhou "porque o goleiro Cássio pegou todas as bolas", ou porque "o Chelsea não jogou bem como na partida anterior, contra o Monterrey". Tudo balela! Venceu e em cima do milionário inglês Chelsea. Toma-te!
O Coríntians ganhou o título mundial porque mereceu vencer dentro de campo. É Bi Campeão do Mundo porque o Brasil tem, se não o melhor futebol do mundo, com certeza tem um dos melhores. Não tem essa de Chelsea, Barcelona, Real Madri e outros.  São boas equipes, mas ainda têm que ralar muito para chegar ao nível do Brasil. Temos cinco títulos mundiais, nenhum ganho no Brasil, então não temos porque temer nenhuma seleção e nenhum time do mundo.
Semana passada cansei de ouvir provocações; todos os dias era a mesma ladainha. A situação piorou  depois do jogo do Chelsea com o Monterrey do México. Chegaram a buzinar que o Coríntians iria levar uma surra do time inglês. Com meus botões, sabia que o Timão não levaria surra alguma. Mesmo porque o Coríntians é um time experiente. O jogador mais novo, Romarinho, Tite não botou para jogar.
Acompanho o Curingão no seu dia a dia e sei que o time saiu do Brasil focado, determinado a ganhar o título mundial. A experiência e a responsabilidade dos jogadores, juntos à humildade e a sabedoria do técnico Tite, que só se arvorou a dizer que estava no páreo quando venceu o Al Ahly e viu que o Chelsea ganhou do Monterrey mas em campo, para quem conhece, não mostrou ser esse bicho papão todo.
Confesso que estou feliz, muito feliz  com a vitória do Timão. Sempre acreditei no Coríntians. Sei que mesmo que o "Time de apaixonados"  não tenha o melhor elenco do Brasil; que não tenha tantos craques  a nível internacional e de seleção Brasileira, como outras equipes como o Fluminense, por exemplo, o Coríntians tem diferenciais que poucas equipes no mundo têm:  comando, determinação e responsabilidade. Muita responsabilidade.
Agora com o Timão no topo do mundo, Tite, o técnico campeão mundial, que certa feita disse que o bocudo, deselegante, mal educado e boçal Felipe Scolari "falava muito", chega ao patamar dos grandes técnicos. Com humildade, serenidade e mostrando sempre que não é preciso ser muito "garganta" nem boçal para vencer. Também não é preciso ter times milionários. É necessário sim, trabalhar sério, o técnico ter nos jogadores companheiros de trabalho, embora cobrando de cada um responsabilidade e empenho. Foi assim que o Cortíntians chegou lá. Esse título, com certeza será inesquecível para todos os torcedores coritntianos mas, principalmente, para os jogadores e Comissão Técnica  Parabéns, Conríntians, e que venham mais titulos para o Timão Bi Campeão do Mundo.
É isso que os enlouquecidos, os apaixonados corintianos querem.
Salve o Coríntians!

sexta-feira, 14 de dezembro de 2012

Dilma dispara com 78% de aprovação

Segundo pesquisa Ibope/CNI divulgada hoje, 78% dos brasileiros aprovam o modo de governar da presidenta Dilma Rousseff (PT). O índice subiu um ponto percentual, já que era de 77% em setembro. Houve uma queda no índice dos que desaprovam Dilma, que caiu de 18% para 17%. De acordo com o levantamento, a aprovação do governo Dilma manteve-se em 62% dos entrevistados que o consideram “bom” ou “ótimo”. É o mesmo percentual registrado em setembro pelo mesmo Ibope.O índice dos que consideram o governo “regular” se manteve em 29%. O percentual dos que classificam o governo como “ruim” ou “péssimo” também continua em 7%.
Dilma é hoje, ao lado de Lula, a maior liderança do país
O índice de confiança na presidente Dilma Rousseff também se manteve igual à última pesquisa, em 73%. Consideram que o restante do governo Dilma será ótimo ou bom 62% dos brasileiros, mesmo percentual verificado em setembro, na última pesquisa CNI/Ibope. Passou de 24% para 25% o índice dos que consideram que o restante do governo será regular, e permanece em 7% o percentual dos que acreditam que os próximos dois anos serão ruins ou péssimos. A pesquisa foi realizada entre dos dias 6 e 9 de dezembro de 2012. Foram ouvidos 2.002 eleitores com mais de 16 anos em 142 municípios. A margem de erro é de dois pontos percentuais. (A partir de informes do portal GI Brasília).

Cametazinho assina pré-contrato com a Ponte

O lateral direito Thiago Cametá, do Clube do Remo, assinou hoje um pré contrato com a Ponte Preta, equipe que já vinha "namorando' o jogador desde outubro. Cametazinho, como é conhecido, já viajou para São Paulo onde fará exames médicos e só retornará para Belém possivelmente a segunda-feira, para se reapresentar em sua equipe.
Ontem foi dia de burburinho no Clube do Remo,. O empresário de Cametazinho tentou durante todo o dia falar com a diretoria do Remo no sentido de discutir a situação do jogador, que está já há alguns meses sem receber salários, e de posse do convite da Ponte Preta desejava fazer possíveis acertos para sua liberação.
Segundo informes de fontes fidedignas, Sérgio cabeça não quis receber o empresário do jogador, tampouco discutir o assunto, já que alega que Cametazinho se ausentou por alguns para  viagem ao exterior para testes. 
Como não conseguiu falar com o presidente remista, foi acertado que o jogador, que tem contrato com a equipe azulina até final de fevereiro, assinaria um pré-contrato com a Ponte Preta e após o término de seu contrato com o Remo deixaria de vez Belém para residir em São Paulo.
A diretoria do Remo, que em 2012 perdeu vários jogadores, poderá perder mais um, pois mesmo que a multa rescisória de Cametá seja de 600 mil, o empresário do atleta alega que ele não recebe salários já há vários meses.
Cametazinho é um dos melhores jogadores da região na sua posição, lateral esquerda, embora jogue também de volante. 
Jogador diferenciado, hábil e oriundo do futsal cruzmaltino, Cametazinho tem tudo para brilhar no futebol paulista, seja na lateral direita ou até no meio de campo. Com apenas 20 ano,s é mais um atleta que vai embora e talvez sem deixar nada nos cofres dos times locais.

Os 100 anos de Luiz Gonzaga





Ontem só postei uma pequena matéria. Problemas pessoais me obrigaram a ficar ausente da empresa e do Blog. Peço desculpas aos caros amigos e seguidores. Tudo resolvido. Agora, me penitencio por não ter colocado nem que fosse já tarde da noite, quando ao me livrar dos problemas tive mais um compromisso (a missa pela formatura de meu filho caçula, o Victor Hugo), uma pequena homenagem ao Rei Luiz Gonzaga.
Gonzagão, o Rei do Baião e de outros ritmos regionais do Nordeste, nasceu num dia 13 de dezembro, há 100 anos passados. Tive o privilégio de vê-lo várias vezes, assistir shows. O primeiro foi em um circo, na minha infância. Fotografei "Seu Luiz", como seus músicos o chamavam e conversei com ele, certa feita quando veio a Belém a convite, se não me engano, de Carlos Santos.
Não vou me alongar falando de Luiz Gonzaga. Acho que o depoimento que vários músicos brasileiros da geração de 60 e 70 fizeram sobre sua obra e sua importância na formação de cada um deles já é o suficiente. 
Gilberto Gil, Caetano Veloso, Raimundo Fagner, Belchior, Ednardo, Alceu Valença, Dominguinhos, Chico Buarque de Hollanda, Geraldo Azevedo, Capinam, Jards Macalé, João Bosco e mais e mais nomes de nossa vasta legião de compositores e cantores admitem que beberam na fonte criativa de Luiz Gonzaga.
Seu filho, Luiz Gonzaga Júnior, cantor e compositor, um dos ícones de sua geração, mesmo com todos os problemas que passou na infância e adolescência por não ter sido criado pelo pai, falou a este escriba e que já postei certa feita: "meu pai é o maior artista deste país". E não era coisa de filho, não. Eram palavras de quem conhece arte.
O Blog, em homenagem ao centenário de Seu Lua, posta uma dos mais bonitos e importantes momentos da carreira de Seu Luiz. A despedida de Luiz Gonzaga do cenário musical. Os últimos momentos de sua vida como artista. Com depoimentos de grandes nomes da música brasileira, como de seu amigo Sivuca, esse foi o último show de Gonzagão. Curtam., vale a pena.  Presente do Blog.

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

Tigre: foi melhor pipocar e voltar para casa!

É complicado, muito complicado defender ou atacar o São Paulo ou o Tigre da Argentina na confusão generalizada que aconteceu ontem, no Morumbi. O time argentino, inferiorizado em campo perante à boa atuação do São Paulo, quando resolveu abri a "caixa de ferramentas", como se diz no linguajar futebolístico. Em qualquer bola dividida os desesperados argentinos apelavam. Uma das mais discutidas agressões aconteceu justamente com o craque Lucas, que ontem fazia sua última partida pelo São Paulo, comprado que foi pelo PSG, e queria porque queria vencer a partida contra o Tigre e ganhar a Sul-Americana.
Lucas levou a falta, mostrou o rosto ensanguentado, saiu para ser medicado, voltou, mas não deixou por menos: ao final do primeiro tempo tirou o algodão usado para paralisar o sangue na narina e mostrou ofensiva e debochadamente ao jogador argentino. Aí foi que começou o quiprocó.
A imprensa brasileira diz que os argentinos queriam invadir o vestiário sampaulino para brigar com os jogadores brasileiros; a da Argentina apregoou em todos os seus jornais que o Brasil apontou até arma de fogo para os jogadores do Tigre.
Não vou entrar no mérito aqui do que aconteceu no vestiário. Coisa estranha e até ridícula, a meu ver, uma disputa que poderia ser sadia, mas que por causa da eterna briga entre argentinos e brasileiros virou uma tremenda palhaçada, e podem crer, por parte principalmente dos jogadores e dirigentes do Tigre, pois não acredito que os atletas do São paulo iriam partir para o porradal no vestiário argentino. 
Bem mais fácil a idéia de "guerrear" ter partido deles. Conheço bem os portenhos.
Mesmo que insistam em dizer que o título não valeu. Que foi uma vergonha. Sejamos sensatos. Elementar, meu caro! Perdendo de 2 a 0 no primeiro tempo em campo brasileiro, com os jogadores com os nervos à flor da pele, completamente dominados, certamente aquele placar poderia chegar aos 5 a 0 fácil, fácil.
Foi melhor o pobre "animal" ferido pipocar e voltar para casa dando uma de vítima. Com certeza, se não "corre", a peia poderia ter sido bem maior.

quarta-feira, 12 de dezembro de 2012

Tricolor pega Tigre para "papar" título

Depois da vitória do Coríntians hoje, a grande pedida é torcer para que o São Paulo vença o Tigre e conquiste a Copa Sul-Americana. Nosso futebol está precisando de mais títulos mundiais e se o São Paulo conseguir passar pelo time argentino poderá ser o início de uma semana de vitórias que pode culminar com dois títulos importantes: o do tricolor hoje e o do Curingão, domingo.
O jogo de hoje para os torcedores do São Paulo tem uma grande importância, ou melhor um grande significado. O jogador Lucas, uma das grandes revelações de nosso futebol, estará fazendo sua última partida pelo tricolor, time que o revelou e que ele gosta muito. Lucas disse que quer se despedir dos colegas de clube e da torcida sampaulina com o título da Sul-Americana. Uma boa para quem já há quase cinco anos não põe a mão numa taça.
O paraense Paulo Henrique Ganso não entra de saída, já que o técnico Ney Franco está com o time definido já há tempos e não quer mexer no esquema tático. Mas é quase certa sua entrada no decorrer da partida.

Sobre Loco Abreu, Finazzi, Mendes, etc.

Dirigentes de futebol do Pará às vezes sofrem de "terríveis ataques" com nomes até indefiníveis pela literatura médica. Onde já se viu trazer Viola para o futebol paraense? Pois é, um louco, se não me falha a memória ano passado, trombeteou para a Imprensa que iria trazer o veteraníssimo Viola para jogar na Tuna. A notícia até alimentou alguns setores da Imprensa que gostam de fofocas, pois isso, infelizmente, chama a atenção do torcedor, nem que seja para criticar ou rir.
Agora, a dita cuja notícia que o Remo está querendo trazer Loco Abreu, outro veterano jogador, que foi praticamente mandado embora pelo Botafogo, porque já deu o que tinha de dar; tendo sido emprestado pelo alvinegro ao Figueirense, mas não aprovou e agora de volta ao Bota o técnico Osvaldo Oliveira já declarou que "no meu time ele não tem vaga". Mas estão dizendo que o Remo tem muita grana e quer.
Será que nossos dirigentes nunca vão aprender? Será que para provar que está se fazendo algo de bom tem-se que fazer uma idiotia tamanha, que é trazer um jogador que quer ganhar 170 mil reais, igual ao que ganha todo o plantel, e talvez para não jogar nadica de nada?
Loco Abreu não tem mais espaço em um clube grande brasileiro, mas para onde for vai querer ganhar como jogador de Série A. Não temos nenhum time de Série A no nosso estado, só o Paysandu que está na B, mas creio que Vandik não vai fazer a "locura" de pensar em contratar um "bonde" como Loco. Por que então o Remo fazer tamanha bobagem?
Parece que os exemplos dos finazzis, dos mendes, dos fábio oliveiras ainda são poucos para alguns dirigentes.
Melhor mesmo é quem não tem série, como Remo e Tuna, trabalhar com o material humano que cabe em seu orçamento. E parar de espalhar tolices na Imprensa!

CBF "vendeu" locais de sedes da Copa 2014

De todas as acusações que o ex-jogador e atualmente deputado Federal Romário fez ao ex-presidente da CBF Ricardo Teixeira, a última de ter recebido propina dos estados interessados em sediar a Copa do Mundo, foi a mais séria. Romário disse que a maioria dos estados que ganharam o direito de sediar jogos da Copa do Mundo pagaram propina alta a Ricardo Teixeira, acabando e vez aquela questão furada de critérios, que Teixeira e membros da Fifa usaram.
Nessa história toda, segundo Romário, que fez outras sérias acusações em audiência pública na Comissão de Turismo e Desporto da  Câmara dos Deputados, Ricardo Teixeira praticamente leiloou as sedes dos jogos de 2014, pois "na lei de Ricardo Teixeira quem pagou mais ganhou o direito de sediar os jogos".
O Baixinho atacou também o atual presidente da CBF, José Maria Marin, que foi convidado para ir a audiência, cujo principal assunto a ser debatido era a situação dos estados que não sediarão a Copa do Mundo, mas faltou e não mandou representante.
"A CBF é uma instituição de corruptos e cheia de ladrões. É bem a cara do presidente não estar presente e não mandar representante", disse o ex-jogador da Seleção Brasileira.
Com essa denúncia de Romário, a história inventada pelos preconceituosos de que  a governadora Ana Júlia  não teve cacife para fazer do Pará uma sede, vai de águia abaixo. Com certeza  a governadora tenha achou  melhor não entrar na máfia da CBF, três anos depois denunciada por Romário.

Coríntians espera adversário de camarote

Como este escriba alertou, o Al Ahly do Egito não foi um adversário fácil para o Coríntians, hoje pela manhã em Toyota, no Japão. O clube egípcio entrou em campo bem à vontade, tentando ecidir logo o jogo,  mas logo foi envolvido pelo Coríntians, que com um melhor controle de bola a partir dos 15 minutos da primeira etapa, passou a levar mais perigo ao gol adversário.
Mas nois dois tempos, o jogo entre Coríntians e Al Ahly foi fraco, na verdade dada do esperado, pelo menos por parte dos torcedores coríntianos. Foi notório que o time paulista sentiu a temperatura baixa, pois em nenhum momento da partida conseguiu formatar um tipo de jogo que demonstrasse um grande superioridade sobre o adversário. Os jogadores corintianos demonstraram estar com a "roda presa", nem marcavam nem atacavam bem. Sentiram com certeza a baixa temperatura.
Mesmo assim, aos 30 minutos o Coríntians conseguiu fazer o único gol da partida. A jogada surgiu a partir de um escanteio cobrado pelo meia Douglas. O próprio Douglas aproveitou o rebote e lançou para a área. Guerrero escorou com tranquilidade para o canto direito do goleiro Ekrami.
Na segunda etapa o Al Ahly entrou melhor e decidido a empatar ou até virar o jogo. Encurralou praticamente o Coríntians, mas não teve competência para furar a defesa alvinegra.
As substituições efetuadas por Tite pouco influiram no ataque corintiano, que no segundo tempo não funcionou. Jorge Henrique e Romarinho, os dois atacantes que entraram no lugar de Emerson e Douglas, não renderam no ataque, foram mais defensores, embora Romarinho procurasse se mexer o máximo na tentativa de abrir espaços para Guerrero.
Ao que parece, o Coríntians sentiu o frio de zero grau que fazia no estádio, pois os jogadores brasileiros pareciam estar com a perna presa e sem muito pique para acompanhar  a equipe egípcia.
O placar de 1 a 0 favorável ao Coríntians garantiu o time brasileiro na final, que acontecerá no final de semana. O adversário do Curingão pode ser o inglês Chelsea ou o Monterrey do México, equipe que está afinada e promete ser um calo para as pretensões da equipe dos brasileiros Ramires e Oscar.
O importante é que o Coríntians venceu e agora que venha o Chelsea ou o Monterrey!

terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Amanhã é o grande dia. Vamos lá, Timão!

O Timão do Coríntians é nossa Nação amanhã no Japão!
Vamos com calma, Coríntians! Este escriba sabe que é muito grande a ansiedade para enfrentar um dos maiores e mais famosos times do mundo, o Chelsea. Mas é muito importante que a equipe do técnico Tite se conscientize de que tem primeiro que jogar e vencer o Al Ahly, do Egito, amanhã, para então pensar no grande adversário do torneio, que é o Chelsea.
Não adianta dizer que o adversário é fraco, sem história no futebol mundial. Sem essa. Nada de pensar no próximo adversário sem ainda ter vencido o adversário do presente, que é o time egípcio. É  fato que o Al Haly não é uma grande equipe. Mas é bom ser previdente. De repente pode até surpreender. Não quero nem lembrar de surpresas que já presenciei em futebol! Principalmente porque numa competição de nível internacional, não podemos pensar que existe adversário fraco. Adversário fraco não se classifica. E Al Ahly está lá, também pronto para enfrentar o Timão brasileiro.
Mas uma coisa tem que ser bem esclarecida. Os coríntianos não querem pegar outro adversário que não seja o Chelsea. Se vencer amanhã, os corintianos vão até torcer para que o Monterrey perca.
"Queremos pegar o Chelsea, mano!".
O primeiro jogo do Coríntians será em Toyota, e a equipe e o técnico Tite esperam uma temperatura muito baixa, talvez a mais baixa já enfrentada pela equipe brasileira em toda a sua história. Mas isso não é motivo de preocupação para os corintianos, que esperam o apoio maciço da torcida alvinegra que chega a todo momento no Japão e espera votar da Terra do Sol Nascente com mais um título: o de Bi  campeão mundial.
Vamos lá, Coríntians! Amanhã tu serás o Brasil!

Samuel chegou à Tuna. Já as contratações...

Samuel Cândido já se apresentou na Tuna. O técnico chegou à Toca da Águia domingo. Segundo um dirigente cruzmaltino, o acerto foi mais ou menos nas bases que este escriba publicou: em torno de sete mil  reais mensais. 
Foi uma excelente contratação. Reputo Samuel Cândido como um dos mais competentes técnicos do Estado e de toda a região. Vencedor e capaz de fazer excelentes campanhas até quando está à frente de equipes medianas, Samuel já teve outras passagens memoráveis pela Tuna, de onde foi jogador de destaque, por muitos anos coordenou as categorias de base e foi técnico do time profissional por várias ocasiões.
Mas feliz pela contratação de Samuel Cândido, não posso deixar de ficar temeroso. Samuel para fazer um grande trabalho, necessita de jogadores. De preferência, bons jogadores, para que a Tuna possa fazer frente às boas equipes que estão no Parazão 2013. É importante que façamos a observação de que além dos tradicionais e fortes adversários da Tuna que são Remo e Paysandu, que sabemos estão preparando boas equipes, temos mais pelo menos três adversários do interior que estão preparados para por a mão na taça.
Samuel é muito bom, mas precisa de jogadores
Assim, se a Águia do Souza não fizer algumas contratações boas para que Samuel possa desenvolver um bom trabalho, talvez tenhamos que amargar mais um ano sem a competitividade que tanto nós cruzmaltinos sonhamos  pois, é bom que se saiba que o Campeonato Paraense de 2013 mais uma vez não será um campeonato em que já se imagina quem serão os finalistas. Como os dois últimos, será difícil para todas as equipes, principalmente para as três da capital, que amargam anos sem ganhar um título, principalmente a Tuna e o Remo, que perdeu o último em seus próprios domínio para o Cametá.
Sinceramente, temo muito pela sorte da Tuna. Até o momento não vejo contratações que possam despertar  a certeza de que faremos pelo menos uma campanha regular. É fato que oriundo do Sub-20 tem pelo menos  sete ou oito garotos que têm futuro. Mas precisamos de jogadores para o presente, o futuro pode ser em 2014 ou 2015. Além desses garotos, que imagino que somente dois ou no máximo três possam ser titulares, temos que ter atletas que possam enfrentar Remo, Paysandu e principalmente o Paragominas e o bicho papão Santa Cruz.
Quem tiver a infelicidade de "cair" no próximo ano, podem anotar por favor: vai ralar e demorar muito para voltar à Primeira Divisão. A concorrência é cada vez maior.
Samuel, que espero tenha sucesso como técnico da nossa querida Tuna, seja bem vindo, pois conheço sua competência, sei que é muito bom. Mas vale lembrar: mesmo que tenha muito talento, não conheço nenhum milagre seu!

Flamel não quis vestir azul

Flamel e Couto: grana falou mais alto
A decisão dos craques Ratinho e Flamel de permanecerem na Segunda Fase do Parazão no Santa Cruz de Cuiarana, chutando a proposta do Clube do Remo, deixa cada vez mais evidenciado o que falou a este escriba um conhecido nome do futebol paraense: "O Santa Cruz tem pelo menos 700 mil para gastar mensalmente no Campeonato. Vai gastar uma parte na ampliação do estádio e o restante, pelo menos 400 mil mensais, é só para o futebol", disse o ex-dirigente, deixando mais ou menos claro que o time do senador tucano vai entrar na briga para vencer, ou seja, o Santa Cruz surgiu no futebol paraense para ganhar e não para fazer número.
O Santa Cruz de Cuiarana, venceu a primeira fase do Parazão 2013 por puro merecimento. Não teve essa de  ganhar no grito, não, apesar do senador Mário Couto ter soltado o verbo contra o presidente da FPF, coronel Antonio Carlos Nunes,  em pleno andamento do campeonato (e estranhamente o presidente Nunes nada respondeu e sequer comentou).
O técnico do santa Cruz, Mariozinho, um apaixonado estudioso do futebol, e que graças a grande oportunidade que recebeu de Couto está ampliando seus conhecimentos técnicos e  táticos, tem à sua disposição os melhores jogadores do Pará. Atletas conhecidos de todos nós e que sempre são esnobados pelas duas principais equipes locais, que ainda preferem seguir a cartilha dos técnicos importados e trazerem para suas fileiras os "bondes" que chegam aos montes.
Além de fazerem seu ofício com competência, os atletas do Santa Cruz devem receber em dia seus salários, por isso preferem ficar no "Sal" cheios de grana, com o vidão que pediram a Deus.
No caso de Flamel, que vinha brilhando ultimamente pelo Águia de Marabá, a oferta do Santa Cruz de Cuiarana para ficar com seus concurso deve ter sido mais que ótima, excelente, pois o jogador, de 30 anos, que começou na Tuna, nem discutiu em permanecer em Salinas e de uma só vez,  esnobou dois azulões: o Águia de Marabá e o Clube do Remo.

segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

O intenso brilho de nossas cantoras

O Pará sempre foi um dos estados brasileiros onde mais aparecem cantoras. E grandes cantoras. Entre artistas populares que fazem sucesso com o tradicional brega, com ritmos mais dançantes como o "arrocha", ou as que preferem interpretar canções de nossa MPB, as divas paraenses são famosas no cancioneiro nacional já há décadas. Como exemplo podemos citar a mais famosa delas, Fafá de Belém, que bilha no cenário nacional e internacional há pelo menos 30 anos.
Jane Duboc, é outra grande cantora paraense com destaque nacional. Jane é filha do escritor Hilmo Moreira, e apesar da pouca divulgação de seu nome entre nós, é reconhecida no Brasil e no exterior como uma das grandes cantoras nacionais. Jane foi um das impulsionadoras da carreira de Leila Pinheiro no sul do país.
Quase contemporânea de Fafá, a bossanovista Leila Pinheiro é outro grande nome de destaque nacional. Leila tem gravações no Brasil e no exterior, e mesmo que não seja uma cantora muito popular entre nós, é considerada pelos compositores,arranjadores e até seus colegas cantores de MPB uma de nossas maiores intérpretes.
As cantoras mais modernas que "bombam" em nossa capital são muitas. O espaço não dá para enumerar nem a metade,  mas destaco algumas como Simone Almeida, cantora de altíssimo nível, afinada e já com alguns anos de estrada e de sucesso. Intérprete de voz delicada Simone a meu ver já deveria ter "estourado" no país, dado seu talento perfeito. 
Leila é respeitada pelo músicos....
Mais ou menos da mesma geração de Simone Almeida,  Andréa Pinheiro é outra cantora de destaque pelo talento como cantora, intérprete e compositora. Andréa, que já realiza shows interpretando os grandes   nomes  nacionais além de nossos maiores compositores, como Waldemar Henrique, sempre  faz turnês pelo Pará  e por estados vizinhos, sendo reconhecida como grande cantora por suas apresentações também em vários estados do sul do país.
Liah é o brilho do momento
A performance da cantora Lucinha Bastos nos palcos do Pará e do Brasil é sempre festejada por quem gosta da boa música. Cantora jovem mas que tem de carreira quase o que tem de vida, pois começou desde criança, Lucinha no palco é sempre fantástica. Com voz aveludada e cheia de traquejos técnicos, a interpretação de Lucinha é inconfundível. Na visão deste escriba, é a cantora que mais se identifica com o Pará, graças a um repertório opcional rico de paraensismo sem ser piegas, e com uma interpretação sempre cheia de criatividade, bom gosto, o que mostra o grande estilo e personalidade dessa grande cantora.
Sophia é sensualidade e talento
Temos mais dezenas de excelentes cantoras paraenses que residem em Belém e que cantam não somente em bandas, mas que fazem shows em teatros, casas noturnas e até em bares. Muitas têm anos e anos de carreira e são reconhecidas como grandes cantoras.
...  Jane é voz e talento inconfundíveis
Já a nova geração de cantoras paraenses é da pesada. Ritmos paraenses e latinos são apresentados com talento e beleza, numa mistura que só nos orgulha. Lia Sophia é uma delas, que apesar de haver nascido na Guiana francesa, reside no Pará desde criança. A cantora teve a feliz ousadia de há alguns anos gravar um CD com os mais famosos bregas. Bombou! Deu show e mostrou que um bom arranjo e uma interpretação podem mudar a concepção de qualquer música; Gaby Amarantos, que começou na Igreja, como as grandes divas do rock e da "soul music" americana, é simpatia, charme e presença de palco, além da voz de jazzística; Luê Soares, filha do grande homem do "Pavulagem", Júnior Soares e agora Liah Soares, nos dão a certeza que as nova divas da música paraense estão dando prosseguimento aos nomes que surgiram há 10, 20 ou 30 anos passados.
Gaby é um "furacão" no Brasil
Gaby Amarantos é coqueluche nacional, graças ao sucesso que conquistou com sua música em uma novela global. Humilde, nascida no  bairro do Jurunas, Gaby é uma figura simpática que faz questão de sempre mostrar orgulhosamente suas raízes.  Cheia de vida e com uma carreira grande e vitoriosa pela frente. Gaby, podem anotar, pela voz e personalidade que tem, vai ser uma das maiores cantoras de nosso estado e do país.
A jovem mas veterana cantora Lia Sophia é de um talento fantástico. Canta com perfeição qualquer ritmo, é afinada e tem uma presença de palco que  demonstra sua personalidade como intérprete pronta para conquistar inicialmente um público mais jovem, mas com talento suficiente para festejarmos o talento de uma grande cantora. Sophia emplacou sucesso em novela da Globo e isso impulsionou sua carreira, pois apareceu em dezenas de programas à nível nacional, o que a fez merecidamente ser mais uma paraense a brilhar no cenário musical brasileiro.
Luê Soares, que além de cantora é musicista, toca violino e ainda compõe. É outra grande cantora que brevemente poderá estar nos estúdios nacionais gravando e bombando nas emissoras de TV. Luê, que nasceu em ambiente musical, pois é filha do compositor e cantor Júnior Soares, um dos fundadores do "Pavulagem", grupo onde a Luê cantava,  apesar de ser uma das mais jovens cantoras do Pará, tem talento e cancha para ser uma de nossas grandes divas.
Liah Soares é o mais novo nome de nossa música a trilhar por estes brasis. Já experiente, só agora Liah mostra sua potente e afinada voz para o público. Ontem Liah deu mais um passo para conseguir projeção nacional ao chegar à final do programa global "The voice Brasil", graças à performance que teve quando interpretou a música de Roberto e Erasmo Carlos "Se você pensa". Liah deu um show interpretativo, o que para quem acompanha o programa não é novidade, porque semanalmente vem apresentando canções de estilos diferentes mas sempre com um arranjo genial e um toque interpretativo genial, que casam perfeitamente com sua afinada voz. 
No Liah poderá presentear o Pará com mais um troféu como vencedora do programa "The voice...", além de trazer na sua bagagem a certeza de ter ganho o reconhecimento crítico de fantástica cantora que é e de que nosso estado está cada vez mais muito bem representado no celeiro nacional com nossas grandes cantoras.
Essas mulheres paraenses, cantoras, verdadeiras divas do Pará, mostram que nosso celeiro musical feminino só tende a crescer. Temos mais centenas de maravilhosas cantoras que brilham em bandas e na noite paraense. Mas que necessitam pelo menos da primeira grande chance para mostrar ao Brasil e ao mundo nossos talentos: a grande qualidade musical feminina do Pará.

Tuna feminina vence e faz final com Esmac

Com a vitória de 7 a 0 contra oTime Negra, no sábado pela manhã, a Tuna é finalista do Segundo Turno do Campeonato Feminino de Futebol. A partida foi realizada no campo do Souza, com um pequeno público, mas mesmo assim, sem público, as menina cruzmaltinas deram um show. Os gols fora, de Cíntia 3, Lause 1  e Cássia 3.
A equipe que será adversária da Tuna será a mesma do Primeiro Turno, a a equipe da Esmac, dirigida pelo técnico Mercy Rodrigues. A Esmac pegou o Sport Belém ontem no campo do São Francisco, em Curuçambá e aplicou uma goleada de 10 a 0. O fato lamentável da partida foi o Sport Belém que entrou em campo só com sete atletas, já que as outras não se apresentaram. A partida já havia inciado quando duas outras atletas chegaram e entraram. Mesmo assim, o jogo teve que terminar mais cedo, aos 30 do segundo tempo, já que o Sport Belém a essa altura já perdia por 10 a 0, limite para uma partida de futebol.
Dirigentes e o técnico do Sport Belém saíram de Cuiruçambá irritados e garantira que no próximo ano a equipe feminina não mais vai disputar o campeonato. "É muito difícil trabalhar com quem não tem responsabilidade. Não vou ficar me aborrecendo com quem não tem compromisso. Isso é que dá irresponsabilidade, perder feio por falta de atletas que não chegaram", desabafou José Maria, técnico do Sport Belém.
O jogo final entre Tuna e Esmac ainda não tem local definido, embora a técnica cruzmaltina Aline Costa acredite que a Esmac vai querer levar a partida  para o Mangueirão. A data também ainda não está definida,  mas tudo eva a crer que será no domingo pela manhã. Se a Tuna vencer o Segundo Turno será campeã "Arrastão", porque já venceu o Primeiro.