segunda-feira, 30 de setembro de 2013

E o time da Tuna para o Seletivo para 2014?

No sábado, conversei com o atacante Pelezinho, um garoto de 17 anos, que desde o ano passado já era para ter sido lançado no time principal da Tuna, pelo menos para ganhar cancha, pois tem vontade de acertar, é voluntarioso. Pelezinho está feliz. É um jovem humilde que esperançosamente, trabalha para ganhar seu espaço no time principal. "Estou treinando, mas não sei como vai ser. Vai depender do professor Lecheva", diz o jovem, que já há algum tempo vem mostrando que é bom de bola.
Pergunto se já chegou algum jogador para o time. "Tá chegando devagar. Um lateral que estava no Paragominas e outros jogadores que não sei bem o nome", diz o atleta, demonstrando que os jogadores que já chegaram para reforçar a Tuna não são lá essas coisas todas.
Confesso, mais uma vez, que estou preocupado. Mas, vamos aguardar. Talvez, para a diretoria e os homens que fazem o futebol da Tuna, ainda seja cedo para a chegada dos atletas que realmente formarão a equipe que vai participar da primeira fase do Parazão 2014.
Minha opinião, que todos dizem que é sempre divergente: não concordo com o que está sendo feito. Já era para a Tuna ter uma equipe, pelo menos uma base, do que poderá ser o time que participará a partir do dia 27 próximo, do Seletivo.
Mas vamos torcer. Vamos arregaçar as mangas e incentivar o professor Lecheva e os jogadores que estão aí e os que por acaso chegarem.
Mas insisto em dizer que não sou falso nem hipócrita, por isso não nego que não acredito  no projeto que está sendo montado em cima da hora. Mesmo porque sei que é da maneira que está funcionam como um simples "remendo numa roupa estragada". Explico: quem quer ganhar, quem não quer somente participar, se prepara, como as equipes que estão na Segundinha, porque todos sabem que as dificuldades são grandes, mas se não formatarmos um time competente, seremos, mais uma vez, meros participantes do processo. 
E isso, com certeza, cruzmaltino que ama a Tuna, que tem comprometimento como torcedor, como sócio, não quer.

sexta-feira, 27 de setembro de 2013

Águia tem missão difícil, mas não impossível

Não vejo como tarefa difícil o Águia vencer as duas partidas dentro de casa, sair da zona de rebaixamento e até chegar entre os quatro primeiros colocados. O time de Marabá é praticamente imbatível dentro de seus domínios e mesmo que tenha perdido seu principal homem de ataque e artilheiro, o atacante Júnior Timbó, que transferiu-se para o ABC de Natal, Galvão espera vencer logo domingo seu primeiro jogo de dois que fará em casa: contra o Baraúnas e contra o Treze de Campina Grande, no dia 06 de outubro. Vencendo a primeira partida a equipe marabaense chegará aos 28 pontos e com certeza já vai melhorar sua condição na tabela. Se conseguir ganhar a segunda partida em casa, contra o Treze, o Águia certamente já voltará para o G-4.
O adversário do Águia do próximo domingo, o Baraúnas, está praticamente rebaixado. Com apenas 13 pontos, a equipe de Mossoró (RN) não tem mais chance de classificação. Pelo que mostrou até o presente, será um adversário fácil para o time de Gavão. 
Já contra o Treze, adversário do time marabaense dia 6 de outubro,  será um jogo mais difícil para o Águia, "mas não impossível", segundo o próprio Gavão. "Para a vaga de Júnior Timbó teremos o Flamel ou mesmo o Wando, que está voltando. Se não puder entrar agora, com certeza também o Danilo já poderá voltar contra o Treze", garante Galvão.
Porém, o jogo realmente que vai decidir a permanência e até mesmo a classificação do Águia será a última partida, contra o Luverdense. A equipe de Mato Grosso está em terceiro lugar, com 28 pontos. É um adversário perigosos, mas se o Águia tiver bons resultados em casa e conseguir pelo menos um empate fora, com certeza  não cairá e poderá até estar entre os quatro primeiros do Grupo A. 

Ibope: Dilma dispara sobre Marina e tucanos

A campanha da direita mais radical contra a presidenta Dilma, ao que parece, não está surtindo efeito. A nova pesquisa Ibope publicada ontem mostrou que os opositores de Dilma não estão conseguindo convencer ninguém e com isso ficando para trás na corrida presidencial, pois enquanto todos eles caíram, da última pesquisa para cá, a presidenta Dilma subiu oito pontos percentuais.
Dilma corre firme rumo ao segundo mandato
A candidata Marina Silva, que até o momento não tem partido, pois ainda não conseguiu registrar sua Rede Sustentabilidade, caiu seis pontos, já que na última pesquisa estava com 22 por cento dos votos agora está com apenas 16, o que mostra claramente que a candidata do Grupo Natura não vai conseguir deslanchar como estavam apostando seus financiadores.
Mas o grande fracasso da pesquisa foi o percentual conseguido pelos tucanos. Ainda em dúvidas se lançam o veterano -inclusive em derrotas- José Serra ou o playboy mineiro Aécio Neves, o tucanato amargou decepção dupla, pois nem um nem o outro peessedebista conseguiu deslanchar. Serra não passou dos 12 pontos percentuais, enquanto Aécio -que ontem estava em vinhetas na TV tentando convencer alguns incautos- não passou de 11 por cento.
Numa mostragem sob hipóteses de um possível segundo turno Dilma bate em todo mundo: com Marina a surra vai de 43 a a 26 por cento. Já sobre os dois tucanos -Serra e Aécio- a peia é bem maior: 45 contra 21 por cento.
Esta subida de oito pontos percentuais da Presidenta Dilma, quando todos os outros candidatos caíram, vertiginosamente, mostra que o povo brasileiro vem cada vez mais apoiando as decisões do Governo. Primeiro o programa "Mais Médicos", que foi aprovado pela população brasileira em quase sua totalidade. Segundo, as últimas decisão da presidenta, primeiro de não ir aos Estados Unidos e segundo a denúncia e cobrança ao governo dos Estados Unidos na ONU sobre o caso de espionagem no Brasil.

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Tuna arrasa o Viana: 6 a 0. "Pri" fez 3

Com três gols de Priscila, dois de Cássia e um de Kekê, a Tuna Luso Brasileira futebol feminino venceu o Viana em seus próprios domínios por 6 a 0.
A Tuna fez uma excelente partida, graças aos treinamentos que a técnica Aline fez no longo tempo de preparação da equipe. Concatenada, obedecendo o esquema desenvolvido pela "Coach", a Tuna não tompu conhecimento do Viana, que vem mostrando neste certame brasileiro que não se preparou para os desafios de ter que jogar partidas dentro e fora de casa, pois em dois jogos já sofreu 17 gols.
A Tuna agora está na liderança absoluta, com seis pontos e um saldo de sete gols.
As jogadoras da Tuna já retornaram a Belém, e amanhã à tarde farão um leve treinamento físico, segundo a técnica Aline.
O próximo jogo das meninas da Águia do Souza será contra a equipe do Pinheirense,  no dia 2 de Outubro, às 15 hora, no Francisco Vasques.

quarta-feira, 25 de setembro de 2013

E nós, aonde vamos?

Não sei qual o trabalho que está sendo feito pelo técnico Lecheva para formar o time da Tuna para a primeira fase do Parazão 2014. Na realidade, o que se sabe é que o material humano que a Lusa tem para entrar em campo a partir do dia 27 de Outubro até o presente é fruto de sua categoria Sub-20, mesclado talvez por dois e no máximo cinco atletas sem expressão.
Como cruzmaltino estou preocupado. Creio que não somente eu, mas a maioria, pois as equipes que estão jogando a Segundinha, pelo que estão apresentando, estão bem estruturadas, algumas mais que as outras, mas a maioria com condições de disputar o Parazão.
Como sairão somente duas classificadas, que se juntarão com Parauapebas, Castanhal, Independente, São Raimundo, Águia de Marabá e Tuna, que formarão as equipes da Primeira Fase do Parazão 2014, seria interessante que a Comissão Técnica da Águia do Souza começasse a negociar com os atletas. Tenho certeza que numa "peneira", sobrarão alguns que poderão ser usados por Lecheva.
É complicado tudo isso. Não gosto da sistemática do presidente atual que não se preocupa em formar uma equipe competitiva. Gosta mais de holofotes, pois se tivesse responsabilidade em formar uma equipe, teria começado a trabalhar já há algum tempo e antes de contratar um técnico, pensaria em garantir alguns jogadores que estão na Segundinha e que se apalavrariam se suas equipes não conseguissem a classificação. Mas preferiu trazer de primeira o técnico que fez um bom trabalho no Paysandu, com a certeza de que com o gesto ganharia a simpatia de alguns torcedores e, principalmente,  mídia.
É a maneira egocêntrica de trabalhar, despreocupadamente, aliás, perdão, preocupado sim em mostrar "sua equipe" na TV e nos jornais e dizer que vai trabalhar com "a base". E pensar que no proncípio do ano, em entrevista de meia página num jornal local, "disse que faria um time para ganhar o título do ano...!
Temos que sonhar e esperar o menos pior, que é pelo menos disputar o Parazão 2014. Mas, sinceramente, é uma pena ver nossa Tuna assim!

Fora da zona. Mas todo cuidado é pouco!

Não importa como foi, o importante é que o Paysandu conseguiu vencer o Chapecoense, equipe vice líder do Brasileiro da Série B, por 2 a 1, na Curuzu e saiu da zona. Pelo menos por ora.
Insisto que fazer o dever de casa é o que importa em qualquer competição. O Paysandu venceu, chegou aos 27 pontos e agora é torcer para que as equipes que podem fazer o time voltar para a zona, percam.
E isso não está difícil. As duas equipes que ameaçam a volta do Paysandu à zona nesta rodada, são América do Rio Grande do Norte e Atlétíco Goianiense. Os dois enfrentam Palmeira e \icasa, respectivamente, fora de casa, o que significa maiores chances de vitória tanto para o Verdão Paulista, como para a equipes de Juazeiro do Norte.
Ora, perguntarão alguns torcedores mais apressados: "será que vamos ficar nessa de sempre torcer contra outras equipes para não ficar na zona?"
Claro que sim. O Paysandu venceu ontem, saiu da zona, mas  vai ter que continuar a rebolar. Cada jogo será decisivo;  um mais importante que o outro. Será uma terrível luta para evitar a queda.
Mesmo porque, nas duas últimas partidas dentro de casa -contra o Atlético Goianiense e a Chapecoense- o Paysandu conseguiu somente quatro pontos; se consegue seis, estaria bem mais tranquilo.
Os dois próximos compromissos serão contra o Guaratinguetá e São Caetanos, equipes do interior paulista.
O Guaratinguetá está um pouco melhor que o Paysandu na tabela, em 13º lugar, com 30 pontos. Já o São Caetano está pior, com apenas 23 pontos, na vice lanterna.
A meu ver, as equipes ameaçadas de queda para a Série C estão entre a 13ª colocada até a vigésima. São oito equipes, dentre as quais o Paysandu e as quatro equipes que estão em sua vida nos próximos dias: Guaratinguetá, São Caetano, Atlético Goianiense e América (RN). 
É trabalhar com seriedade para sair desta situação, livrando-se, logicamente desses quatro inimigos diretos.

Tuna feminina em campo hoje no Maranhão

O time de futebol feminino da Tuna Luso Brasileira volta a campo hoje à tarde pelo Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, contra a equipe do Viana, da cidade do mesmo nome, no Maranhão.
É a segunda partida da Tuna no Brasileiro Feminino. Na primeira, a Águia do Souza venceu o Iranduba (AM) por 2 a 0 e se conseguir um bom resultado hoje, já estará na liderança da competição.
O jogo terá início às 16h, e a técnica Aline Costa, que viajou com o time na manhã de ontem para a cidade de Viana, contará com toda a equipe titular que esteve em campo na primeira partida.

A justa cacetada que Dilma deu nos EUA

Foi um dos maiores momentos da história diplomática nacional – se não o maior – o discurso de Dilma ontem na ONU.
A justa, exata, forte pancada na espionagem americana simboliza um país que cansou de se colocar de joelhos perante a predação americana.
Os Estados Unidos abusaram da paciência não apenas do Brasil – mas do mundo. Se fosse um filme, eles fariam o papel de policial – mas um policial que, nos bastidores, é um criminoso intensamente perigoso.
24set2013---a-presidente-do-brasil-dilma-rousseff-discursa-durante-assembleia-geral-da-onu-organizacao-das-nacoes-unidas-em-nova-york-nos-eua-a-executiva-brasileira-disse-que-a-espionagem-1380034825451_615x300
Dilma não deu mole ao governo americano na ONU
A fala de Dilma consagra, também, o bravo Snowden, o jovem americano que sacrificou uma vida mansa no Havaí para expor ao mundo um esquema de espionagem planetário de extrema delinquência.
Não é de hoje que a política externa americana é um horror. Leia – recomendo vivamente – “A História do Povo Americano”, de Howard Zinn.
Nas Filipinas, no México, em Cuba, na Coreia, na Guatemala, no Irã, no Vietnã, no Iraque, no Afeganistão, em tudo que é lugar em que se meteram os Estados Unidos levaram praticamente desde sua independência destruição e exploração. Com sua política predatória sistemática no Oriente Médio, os americanos acabaram por se tornar uma fábrica de terroristas: jovens islâmicos em quantidade crescente se revoltam, se radicalizam e, desesperados, morrem e matam em seu ódio aos Estados Unidos.
É tal a raiva que os americanos despertam no mundo árabe que cresceram lá extraordinariamente, nos últimos meses, atentados de soldados locais treinados por tropas ocidentais. Teoricamente aliados, tais soldados simplesmente se viram e atiram contra forças americanas, britânicas etc.
No próprio Brasil, os americanos tiveram participação expressiva – com a famigerada CIA — no golpe militar que acabaria transformando o país no campeão mundial da iniquidade.
Os horrores americanos apenas se tornaram mais claros hoje graças à disseminação ampla de informações pela internet.
É neste quadro novo que entra o Wikileaks, que mostrou a guerra do Iraque como ela é, e não como os americanos fingiam que era.
E é aí também que brilha Snowden.
Snowden, caçado, ajudou as pessoas a entender melhor o mundo. De quantas pessoas se pode dizer o mesmo? (Diário do centrop do mundo)

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Será que existem "deuses do futebol?"

A frase "enquanto há vida, há esperança" é válida, embora não em todas as ocasiões. Já deixei bem claro que não acredito na permanência do Paysandu na Série B. Se torcesse pelo time bicolor já teria jogado a toalha, pois vejo a situação como difícil, dificílima, c[para ser mais claro.
Mas, é aquela história, O torcedor tem sempre um pingo, uma pontinha de esperança da equipe não cair. 
Tudo bem. É u direito de cada.
Hoje, conversando com alguns amigos, dentre os quais dois tunantes e três do Paysandu e três do Remo, eles discutiam que estou errado em achar que o time vai cair. Dei minhas explicações, eles fizeram as contas e chegaram a um denominador: hoje, dia 23 de Setembro,  é o Dia D.  O Paysandu tem que ganhar hoje, não pode sequer empatar. Se não acontecer a vitória hoje, pode tirar o cavalinho da chuva que a equipe vai pro beleléu. É S[erie Cna certa no próximo ano.
No papo, dei a oportunidade para eles, mas apontei uma falha técnica no raciocino dos meus amigos: Como pode se esperar sucesso de uma equipe que jogou com dois dos piores times e não ganhou, sequer empatou?
América e Atlético Goianiense são equipes a meu ver inferiores ao Paysandu. Mas o time bicolor não venceu. Será que eles podem esperar uma vitória de quem está tão bem colocado como a Chapecoense?
Quem sabe, não é? Mas continuo com minha opinião e respeitando a de meus amigos. Mas com uma ressalva: se o Paysandu conseguir vencer hoje -que como torcedor do futebol paraense espero- vou passar a acreditar naquela estória de que realmente "existem deuses do futebol".

O cansativo calendário de nosso futebol

É comum, jogadores de futebol brasileiros que atuam ou atuaram na Europa, reclamarem do nosso calendário. São duas ou três competições disputadas simutâneamente, e isso, além de prejudicar as equipes, prejudica ainda mais os técnicos e jogadores.
Sábado último, assistindo ao jogo entre Fluminense e Coritiba pelo Campeonato Brasileiro, ao final do espetáculo, por sinal, uma parida muito bem disputada, o jogador Rafael Sobis desabou na grama. Caiu e parecia desfalecido. Todos correram, o árbitro tentou chamar o pessoal da maca, mas ao final os colegas conseguiram reerguer o atleta.
Esbaforido, mostrando um cansaço que atrapalhava ate sua voz, Sobis respondeu algumas perguntas dos repórteres. "É cansaço mesmo, cara. Todos os jogos a gente termina assim. Não há quem aguente. Jogamos duas vezes por semana, viajamos quase que diariamente, sem tempo para treinar, só pode dar nisso", desabafou o jogador que foi um dos que mais correram na partida.
Sobis a meu ver tem toda razão. A gente parando para pensar, é realmente muito difícil uma equipe ter pique suficiente para aguentar a maratona de jogos, viagens, treinamentos praticamente "dentro do avião". A ten dência é todos ficarem quebrados, angustiados por passarem tanto tempo longe de suas famílias, sem poder acompanhar sequer a evolução da vida dos filhos.
A vida do técnico é igual ou pior. Muitos assumem e não têm condições de fazer um treinamento específico, criar jogadas novas, experiementar sistemas táticos, um dilema.
Com o problema, muitos jogadores estão decididos a mudar o calendário brasileiro. Alex, Ronaldinho Gaúcho, Alexande Pato são alguns dos linha de frente que estão trabalhando para mudar a situação. 
É necessário um repensar realmente, no que concerne ao calendário do nosso futebol. Campeonatos regionais que acabaram recentemente, Brasileiros das Séries A, B, C, e D, Copa do Brasil, Libertadores que começa brevemente, Sul Americana, enfim um monte de competições que fazem com que os jogadores de futebol  parem somente um mês ou dois por ano.
O salário de parte dos jogadores é bom. Mas o trabalho muito cansativo. Não somente pelos treinamentos, mas pelo excesso de viagens, mudanças climáticas e a ausência de seus lares. É realmente preciso que seja feito algo para mudar o calendário o nosso futebol. E urgente.  

Direita truculenta


Jair Bolsonaro, deputado federal pelo Partido Progressista (PP) agrediu fisicamente o senador Randolfe Rodrigues do PSOL. Segundo o psolista, a agressão foi um soco. Bolsonaro afirmou apenas que “foi um toquezinho por baixo”.
Já na entrada do 1° Batalhão de Polícia do Exército – local onde funcionava o Destacamento de Operações de Informações-Centro de Defesa Interna (DOI-Codi) nos tempos da ditadura civil-militar de 1964.
A visita se dava por conta de trabalhos da Comissão Nacional da Verdade e da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro. Logo na entrada do Batalhão, Bolsonaro criou tumulto por querer participar da visita, mas ele, além de não fazer parte da Comissão é fervoroso defensor do golpe de Estado dos anos de 1960.
Não é a primeira vez que Bolsonaro agride defensores dos Direitos Humanos. Em outra ocasião agrediu verbalmente a ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário nos corredores do Congresso. Em entrevista à tevê Bandeirantes afirmou que seu filho jamais se casaria com uma pessoa negra. “Eu eduquei meu filho. Não corro esse risco”.
Mas truculência não se dá apenas com agressões físicas ou verbais explícitas, digamos assim. Negar direitos também é.
O “blogueiro” Reinaldo Azevedo do site de Veja é, sem dúvida alguma, um dos mais truculentos porta-vozes da direita – pastelão, por que não? – no país. Em recente artigo, condenou e atacou o novo Procurador-geral da República, Rodrigo Janot por causa de uma entrevista concedida ao jornal O Estado de São Paulo, o Estadão.
Na ocasião, Janot afirmou que “pau que dá em Chico, dá em Francisco” ao ser questionado sobre o processo do, assim chamado, mensalão do PSDB (a “grande imprensa” chama da mensalão mineiro tentando não vincular o caso aos tucanos). Nada mais correto. O Ministério Público não pode ser seletivo, principalmente nesse caso. Foi em Minas Gerais, sob a batuta do tucanato que o esquema de Marcos Valério surgiu com força na cena política.
Para quem não sabe, em Minas Gerais foi montado um esquema de caixa 2, com dinheiro público de, entre outras empresas públicas, Furnas – ao contrário da AP470, conforme documentos do inquérito 2474, tornado sigilosos pelo presidente do Supremo Tribunal Federal, Joaquim Barbosa. Agora o julgamento desse inquérito terá como relator Ricardo Lewandowski.
Azevedo defendeu que Janot age por motivações políticas por querer dar celeridade ao processo tucano. Chega a, arraigado de ironia, chamar o novo Procurador-geral de “companheiro”. O que ele quer é que o caso prescreva.
Ora, não se pode defender justiçamento para um e prevaricação para outro. Ainda mais em casos semelhantes e com personagens repetidos. No caso de Minas, se for feita Justiça, com jota maiúsculo, nem Gilmar Mendes escapa. Ele recebeu R$ 185 mil quando era da Advocacia Geral da União. Até FHC, príncipe dos vira-latas brasileiros recebeu uns “trocados”, perto de 500 mil reais. Tudo isso em 1998.
A truculência de Azevedo se dá ao negar que o Estado de Direito seja para todos. Quando cobra justiçamento para uns e “esquecimento” para outros, ele promove a injustiça, talvez a pior das truculências por que essa você não sente num primeiro momento, a não ser que seja o alvo em questão e, a reação é demorada, lenta a ponto de, por várias vezes, não ver resultado concreto.
Mas é assim que age a direita brasileira dita “granfina”. Com um sorriso nos lábios e com ironia escorrendo pelos cantos de suas bocas, do tipo que Reinaldo Azevedo pretende ser. Já a direita brucutu age como Bolsonaro, xinga e agride fisicamente. Mas em ambos os casos o deboche após seus atos está presente. (Do Blog do Cadu).

segunda-feira, 23 de setembro de 2013

Jornalista vale muito mais. Com certeza!

Tenho manifestado, através do faceboock, minha posição sobre a greve dos jornalistas. Não queria postar nada aqui porque os colegas jornalistas que lêem o Blog sabem da minha posição e até como participo dando apoio à greve. 
Para efeito de história, devo dizer que participei da maior greve da categoria que aconteceu em nosso Estado, há quase 20 anos. Fizemos piquetes nos três jornais e no O Liberal tivemos problemas diversos, porque lá foi onde apareceram os maiores "fura greves." . Colegas entraram para trabalhar e  chegaram até a discutir com os piqueteiros.
Hoje a greve está fortalecida, embora quem acompanhe de perto saiba que ainda é grande o número de furões. Às vezes até dá para entender a situação de colegas que talvez por medo de perder seu posto de trabalho, dão um jeitinho para entrar no emprego. No íntimo, sabemos que a maioria não adere indo às manifestações, tem consciência, sabe dos erros da empresa em que trabalham, mas a necessidade de garantir o emprego é maior. 
Por isso não sei se devemos crucificar a quem conhecemos e sabemos ser um bom companheiro e que não pode de maneira nenhuma perder seu trabalho. Agora aquele que critica os companheiros grevistas, que é um perfeito "fura greve", não pode ser poupado.
Aliás, sobre o assunto, uma companheira disse recentemente que "democraticamente tinha o direito de não grevar". Ter tem, mas que é chato é. Já imaginou,  só porque se recebe um salário maior, não se solidarizar com a companheirada que rala por um salário que muitas vezes não chega a ser nem o piso A? Paciência, não?
Os principais adversários do Sindicato são as empresas dos Barbalhos e do pastor Edir Macêdo, como também seu apresentador de programa policial que é bastante linguarudo. Malho neles, estamos juntos e fechados.
Hoje não estou ralando mais nos jornais. Tenho minha própria Editora de Comunicação. Mas meu compromisso com a categoria, com as liberdades democráticas e com o direito de greve, podem crer, nunca vou abandonar. 

Um estranho incentivo ao Paysandu

Não entendo o posicionamento de alguns nomes de nossa crônica esportiva em assumirem a função de babás do Paysandu. Por exemplo, quando colocam que "as derrotas de Asa e São Caetano foram excelentes para o Paysandu." Sem essa!
Futebol é vitória, bola na rede. O Paysandu, representante de nosso estado na Série B, não consegue vencer e nem empatar seus jogos fora de casa. E quando joga na Curuzu não vence. Quer dizer, não faz o dever de casa e a Imprensa ainda diz que "derrotas de tais times beneficiam o Paysandu."
Acho que os cronistas têm que incentivar de outra maneira. Cobrar mais empenho dos jogadores, melhor posicionamento por parte deles, chutes mais certeiros.
Cada equipe depende primeiro de sua competência para fazer resultados positivos, principalmente dentro de seus domínios. Se não está fazendo isso, deve receber criticas para ver se melhora a qualidade do passe, da posição da defesa, da pontaria nos chutes para fazer os gols que necessita.
O Paysandu jogou com o América (RN) e perdeu por 3 a 0. O América, na oportunidade, estava entre os quatro piores times da competição. Três dias depois, voltou a perder de 3 de novo, desta feita  para o Paraná. Como as partidas foram fora de casa, são até aceitáveis as derrotas, embora não se justifique sofrer seis gols em menos de uma semana. Alguma coisa não está bem já há algum tempo.
Agora, pega outra equipe que também está na ilharga da zona, o Atlético Goianiense, em plena Curuzu, e não consegue fazer um golzinho sequer e a Imprensa ainda" passa a mão." 
Ora, tenham dó!
Continuo achando que o Paysandu não vai escapar da degola. A diretoria tem culpa com certeza. Principalmente porque Vandick errou na demissão de Lecheva, depois do técnico ter empatado duas partidas fora de casa; contratou  um japonês como diretor de marketing  para agradar não sei a quem e as contratações de jogadores que foram feitas, na maioria foram erradas. Quer dizer, não conseguiu armar uma boa equipe que sequer garantisse bons resultados dentro de casa. Até o presente, em 24 jogos, só venceu seis partidas e empatou seis. Com 12 derrotas nas costas, tem que fazer contas todo final de jogo e cada vez mais as coisas vão ficando mais difíceis.
Trocando em miúdos: das 14 partidas que restam, se não ganhar sete ou pelo menos seis e empatar três, é certeza da equipe ir para o beleléu. E tenham consciência, senhores torcedores, conseguir isso é bem difícil.
Vou repetir: não torço contra. Mesmo porque sou tunante e insisto em dizer que torço pelo sucesso dos times paraenses. Mas gosto de falar o que vejo como realidade. Ela é dura. Mas podem crer. É o que eu acho. 

Perigo ronda equipes de Flamengo e Vasco

Sinceramente, apesar dos recentes tropeços,  não acredito que Flamengo e Vasco caiam para a Série B.
A cada partida das duas equipes nota-se um desequilíbrio técnico e uma  avassaladora falta de criatividade e até de vontade dos jogadores dos times cariocas, que estão hoje um na ilharga da zona e o outro, o Vasco, em 18º lugar, já na zona de rebaixamento.
Acredito que ainda há tempo para as duas equipes se recuperarem e ressurgirem praticamente das cinzas.
Não que Flamengo tampouco Vasco estejam com equipes que possam dar esperanças às suas torcidas. Jamais! Os dois times estão muito mal, e a cada partida parece que as coisas pioram, pois Dorival Júnior pelo Vasco e o improvisado técnico Jaime de Almeida pelo Flamengo não conseguem alavancar nem animar as equipes, nem com os times que possuem nem com os respeitados nomes que ostentam no futebol brasileiro e mundial. Porém, pela força que são marcas como Vasco e Flamengo, acredito que ainda dê tempo para salvá-los da degola.
Penso que Dorival deveria entregar o cargo. Não está dando certo. O problema do Vasco não é técnico, é carência de bons jogadores, mas quando um técnico de respaldo dirige uma equipe e começa a perder jogos, isso é ruim tanto para o time, como para ele, o técnico, pois compromete seu futuro. Mesmo porque, como  já coloquei acima, tanto Vasco como Flamengo são equipes de respeito e de história no futebol.
O Campeonato Brasileiro é uma competição longa, dura mais de seis meses. Mas, o tempo não para, e hoje ele já está na 24ª rodada, restando apenas 15 partidas para finalizar. Isso em pontos corridos é pouco, porque a hora é de desespero. Não somente para Vasco e Flamengo. Mas para todos os clubes que estão na área vermelha: com até 30 pontos.

Bosco fala do talento de seu amigo Abel

O meu amigo Bosco, ex-meia da Tuna Luso Brasileira, me manda interessante documento onde fala sobre o zagueiro Abel, que morreu recentemente. Bosquinho, um  dos melhores jogadores de futebol que já passou pela Tuna, jogou com Abel e diz sem pestaneja que "Abel foi o melhor zagueiro que vi atuar no futebol paraense. Foi o grande capitão do time da Tuna que foi campeão paraense de 1970".
Abel: craque de bola e advogado
Para Bosco, Abel era um verdadeiro líder, dentro e fora de campo. "Sua liderança era baseada no seu talento como jogador, onde desenvolvia com maestria todos os fundamentos do futebol, e pela sua intelectualidade, pois era uma pessoa extremamente inteligente, uma das provas disso é que ainda como jogador, prestou vestibular para a faculdade de direito, passou, estudou e tornou-se advogado", diz Bosco.
Bosco destaca também uma peculariedade na carreira de Abel: "ele foi um dos poucos jogadores que foi campeão pelos três grandes times do Pará: Paysandu, Tuna e Remo."
Bosco, que atuou na Tuna com Abel, diz que o jogador tinha tanta categoria que, ao contrário dos demais, exercia sua função de zagueiro sem atingir o adversário, usando sempre o talento e a classe. "O mundo esportivo do Pará deve recordar, que na temporada do campeonato sempre era tempo de chuva. Ao final das partidas, todos os jogadores saiam enlameados, das quedas, das entradas que sofriam e davam nos adversários. Abel era diferente. Sempre ao término das partidas ele estava quase impecável."
Bosco lamenta o pouco destaque que foi dado a Abel em sua morte. "Era para ser melhor lembrado. Ele era diferenciado. Além do talento como jogador, era também um atleta responsável e comprometido com a equipe que jogava. Eu gostava de firulas, jogadas de efeitos durante o jogo. Com Abel em campo era complicado. Quando eu ensaiava uma jogada de efeito ele gritava: "Bosco para de frescura com a bola. Aqui não tem lugar para brincadeira. Passa essa bola, vamos jogar sério."
Abel atuou também no Paysandu por vários anos, e participou da famosa partida em que a equipe bicolor venceu o Peñarou do Uruguai por 3 a 0, na Curuzu. Abel teve uma grande atuação nesse dia. 
Finalizando, Bosco faz uma demonstração do grande respeito que tinha por Abel: "Eu guardo na minha memória os importantes momentos que passei com o jogador e a pessoa de Abel, um craque e um grande amigo. Obrigado Abel, por todos os ensinamentos não só para mim, mas para todo aquele time da Tuna que é considerado pelo mundo esportivo academia de futebol paraense", concluiu o ex-craque Bosco.

sexta-feira, 20 de setembro de 2013

Caem Mengo e Mano. Cenas de um velho filme

Não foi nenhuma novidade a queda de Mano Menezes da direção técnica do Flamengo, depois do resultado negativo de ontem frente o Atlético paranaense, em pleno Maracanã. No futebol, o que vale são os resultados e Mano conseguiu pouco em seus quatro meses de Flamengo: um aproveitamento de apenas 50%.em futebol, apenas regular.
Mas será que no caso do Flamengo, o técnico é o principal culpado? Claro que não. O Flamengo, que já experimentou este ano três técnicos (Dorival Júnior, Jorginho e demissionário Mano Menezes), não tem uma equipe de qualidade, que seja, digamos assim, competitiva,  ao ponto de poder sonhar com o titulo do Brasileirão ou pelo menos com uma vaga na Libertadores.
Já faz tempo que o Rubro negro da Gávea não revela um grande jogador, que não forma uma boa equipe que dê alegria ao seu torcedor. O time está numa maré ruim já há alguns anos, embora tenha sido campeão Brasileiro em 2009, sob a batuta de um ex-jogador, Andrade, e campeão carioca em 201l. Mas sempre com um time regular, venceu mais pela fragilidade dos adversários.
Aliás, a não formação de um time de qualidade, que lhe permitisse ter sucesso em competições à nível estadual e nacional,  foi o que fez com que a ex-presidente do clube, Patrícia Amorim, não conseguisse a reeleição. Saiu debaixo de muitas criticas, praticamente "queimada" e é porque tem história como ex-atleta da equipe. Particularmente, acho que Patrícia teve até boa intenção, não emplacou por uma série de situações. Uma delas: ser mulher dirigindo o clube mais popular do Brasil. Não podia errar em nada!
Mano foi ético e disse que milagre não é com ele
O novo presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Melo, assumiu em um momento de crise, quando a torcida exigia vitórias, títulos, sem querer saber pormenores da crise financeira que assola o clube. Com norrau de bom gestor, tem tentado acertar, mas os muitos problemas que herdou não lhe permitem fazer uma boa equipe. Como além de ter competência reconhecida é sério e torcedor do clube, ainda tem apoio da torcida, de conselheiros e associados, por isso pode ainda dar certo.
O Flamengo hoje, tem chances remotas de chegar pelo menos entre os quatro primeiros colocados. Amarga a 15ª colocação, com apenas 26 pontos em 22 partidas, praticamente na ilharga do Criciuma, que está com 24 e é o primeiro da zona de rebaixamento.
Os três técnicos que passaram recentemente pelo Flamengo fizeram o que lhes era possível. Como este escriba costuma falar, o problema não é ter um bom técnico, mas ter um elenco pelo menos regular. O do Flamengo não é . Está devendo muito.
Do elenco atual, são poucos os valores. O time não é competitivo, não possui um jogador diferenciado. É fraco, inclusive psicologicamente, pois, não é admissível, em casa, estar vencendo por 2 a 0 e perder a partida por 4 a 2. É humilhante. E, lembrando um caso semelhante em nosso estado, não adianta trazer o melhor técnico do mundo. Tem que ter time. Não se pode ganhar todas as partidas, mas tem-se que ganhar o máximo possível e em casa, toda equipe tem obrigação de pontuar. E quando perder , que seja com dignidade. Isso, infelizmente,. não está acontecendo com o Flamengo.

quinta-feira, 19 de setembro de 2013

Time feminino da Tuna vence por 2 a 1

Aline e as meninas da Tuna esperam levantar mais uma taça
A equipe feminina da Tuna estreou ontem no I Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino com o pé direito, vencendo a boa equipe do Iranduba (AM) por 2 a 1. Os tentos da equipe luso brasileira foram de Jeane e de Lauze.
A partida foi bem disputada, principalmente na segunda etapa, quando o sol baixou mais.  Mas o rendimento e a concatenação das meninas tunantes foi percebido. Fruto do trabalho antecipado da técnica Aline, que desde Julho vem treinando a equipe para o Parazão Feminino. Como o Campeonato Paraense foi postergado, a técnica colhe os resultados, já que a equipe mostrou está afiada e pronta para os próximos embates.
O próximo jogo das meninas da Tuna será no Maranhão, contra a excelente equipe do Viana, que, para quem não sabe, tem várias jogadoras da seleção brasileira de futebol feminino. Este jogo com o Viana está marcado para o próximo dia 25 e é importante que todos os cruzmaltinos colaborem com a técnica Aline, que tem que correr atrás para conseguir verba para cobrir as despesas de viagem, pois a CBF não paga a alimentação e para este jogo as meninas viajarão por terra.

A sina triste do Paysandu

Quando uma coisa começa errada, a tendência é continuar errada até o fim. A não ser que aconteça de surgir uma mão salvadora e evite o pior. Infelizmente, essa mão não chegou ao Paysandu. Chegar agora já é tarde demais.
Por isso, caríssimos amigos que torcem pelo Paysandu, é que venho insistindo em dizer que já há algum tempo é tarde demais para consertar o monte de lambadas, todas a la Beto Barbosa, que fizeram no pobre time do Paysandu e sempre tentam consertar da maneira mais turrona: contratam um técnico que tenha um certo nome e acham que ele vai resolver o problema. E aí o buraco vai aumentando, aumentando..
Do jeito que a coisa está, nem Luxemburgo (que acho o mais competente) ou Pep Guardiola (que alguns acham) resolveria o problema do time bicolor. 
A situação chega a ser desesperadora porque à essa altura do campeonato, literalmente não dá mais para fazer nada. Explico: quem chegar, vai querer reforços. E não vai adiantar trazer mais "bondes", porque já não existem jogadores de Série B no mercado. Os atletas que hoje estão parados, podem até ter tido um passado -eu disse passado!- de glórias, mas no presente não dão mais conta de muita coisa, não.
E é aí que mora o problema. O Paysandu tem carência de bons jogadores, em várias posições. Os que tem no elenco para Rogerinho ou o novo técnico que virá, não são de muita qualidade, e além do mais boa parte só vive no estaleiro. Quer dizer, é se conformar com a realidade da quase  impossibilidade de ganhar sete ou oito partidas em 15 que serão disputadas ou, na outra hipótese, ganhar seis e empatar de três a cinco jogos. É possível?, é sim,  mas foge à lógica de qualquer matemático.
Mas, de qualquer maneira, "entregar a espingarda" ou "jogar a tolha" é covardia. Tem que haver uma mudança, e daí dar uma mexida  que motive os atletas. E que o novo técnico saiba escalar os jogadores em suas reais posições. Improvisar novamente à essa altura do campeonato é antecipar a queda à Série C.

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Seis gols em três dias derrubam Arturzinho

Como este escriba cantou a pedra na postagem de ontem: Arturzinho não aguentou mais uma derrota do Paysandu e foi demitido hoje à tarde.
Já no segundo jogo, já deu para sentir que Arturzinho não teria vida longa na Curuzu. Tentou inventar muito, e sempre tinha como desculpa um discurso antigo, já batido, coisa que o torcedor já consciente não engole mais.
Arturzinho permaneceu no Paysandu um mês e meio, onde comandou a equipe bicolor em 11 partidas, conseguindo apenas três vitórias, dois empates e seis derrotas, resultados que deixaram o time na vice lanterna  e com pouquíssimas chances de permanecer na Série B.
A história do comando técnico do Paysandu volta a se repetir: o auxiliar técnico Rogerinho Gameleira, que foi levado por Lecheva para a Curuzu, volta a dirigir a equipe, pelo menos por ora.
O próximo jogo do Paysandu será na Curuzu e será uma partida de seis pontos, pois pegará o Atlético Goianiense, que como o time bicolor, tem 23 pontos.
A bruxa está solta mais uma vez na Curuzu. O novo técnico que substituirá Arturzinho vai ter que se rebolar para garantir a permanência da equipe na Série B. Certamente o novo "Coach" vai ter que conversar muito, mas já se sabe que as críticas ao trabalho que a diretoria de futebol e o próprio presidente fizeram, principalmente as fracas contratações, serão o mote das cobranças da sofrida  torcida  bicolor, que já não sabe para quem apelar para a equipe sobreviver na Série B.

Tuna estréia no Futebol Feminino

A Tuna Luso Brasileira estréia no I Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino logo mais, precisamente às 15 horas,  contra o Iranduba (AM) no Estádio Francisco Vasques.
O Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, é uma realização da CBF, com patrocínio da Caixa Econômica Federal e conta com as 20 melhores equipes do país, ranqueadas este ano. A novidade é que as 20 equipes usarão a logomarca da CEF em seus uniformes.
A alegria da vitória tem que se repetir logo mais
O Brasileirão feminino será uma grande oportunidade para que equipes e principalmente atletas de Norte a Sul do país mostrem seus talentos e consigam voos mais altos no esporte que abraçaram.
A Tuna já vem se preparando desde Julho, por isso a técnica Aline Costa já tem uma base para a estréia. O time est´[a definido co. Rosane, France, Drieli; Elaine e Kekê; Talita, Lause, Jeane e Cíntia. Cássia e Priscila.
Apesar do hor[ario, 15 horas, é importante a presença de todos os cruzmaltinos nessa partida, afim de incentivar nossas atletas à conquista de um título nacional. Vamos todos ao Souza daqui a pouco, para dar apoio às meninas cruzmaltinas.

Paysandu perde em campo, mas manda na FPF

Aviso aos navegantes (e aos seguidores):

Conforme seus amigos da Imprensa, o Coronel Nunes já está praticamente reeleito (ufa!) para um novo mandato na Federação Paraense de Futebol. Segundo ainda seus caríssimos amigos da Imprensa, Nunes detém o voto da maioria das Ligas do interior, já que ajuda os boleiros filiados com bolas, redes e (quem sabe?) "otras cositas mas".
O adversário do coronel Nunes é o ex-presidente do Paysandu, Luiz Omar Pinheiro, que tem como candidato a vice o atual presidente da Tuna Luso Brasileira.
Nessa história toda de sucessão da FPF, que todos dizem vai dar de novo o coronel Nunes, fica evidente o continuísmo e a força do Paysandu, embora o candidato a vice do coronel Nunes seja Maurício Bororó, remista, exigência de Zeca Pirão que quer seu ex-assessor na FPF.
Pelo quadro que se vê na FPF, ganhe uma ou outra chapa, o Paysandu vai ficar sempre mandando na "Casa da Madrasta" . Primeiro que o coronel Nunes é Paysandu desde criancinha, já tendo sido até diretor da equipe bicolor. Seu atual vice, Zé Ângelo Miranda, mesmo que seu pai (o grande Miranda Sobrinho) tenha tido uma belíssima história na Tuna, é também bicolor desde que se entende gente. Na nova chapa do coronel Zé Ângelo sai e entra Bororó, que é remista, mas pouco terá voz de comando, já que o "rei" coronel é quem dita as ordens, esteja ou não em Belém.
Na história da outra chapa, se der a "zebra" de vencer,Bastos, seu vice, vai se dedicar, apaixonadamente, pelo time de seu coração.
Enquanto isso, a Tuna ficará mais uma vez a ver navios, pois ninguém puxará para o lado luso brasileiro.
Como diria Paulinho da Viola: "coisas da vida, minha nega".

terça-feira, 17 de setembro de 2013

Tuna anuncia Lecheva. É para sofrer de novo?

A anunciada  contratação do técnico Lecheva pela Tuna,  segundo informaram a televisão e uma coluna de jornal, pelo menos para este escriba, é mais uma surpresa. 
Surpresa porque, mais uma vez, a diretoria da Tuna é a última a começar os trabalhos de formação da equipe para o Seletivo, ou melhor, Primeira Fase do Parazão 2014, e quando diz que vai começar, ainda é de forma errada.
Ano passado, parece que para castigar os cruzmaltinos, a Tuna também foi a última equipe a começar a formar do time, quando o presidente, depois de dispensar "sem contratar" o técnico Carlos Lucena, trouxe Samuel Cândido, que havia saído do Parauapebas. O detalhe, na ocasião, é que Samuel havia feito uma campanha irrisória no Parauapebas, simplesmente por que a equipe interiorana não contratou jogadores de qualidade para a disputa; e na Tuna, o "Coach" sofreu o mesmo problema, já que a equipe luso brasileira tinha poucos jogadores, além de não ter nenhum homem de área, o que fez com que a Águia fizesse uma de suas piores  campanhas de todos os tempos: só conseguindo fazer um ponto e um gol em todo o primeiro turno.
Acho que a Tuna já está começando a trabalhar atrasada, pois vários times já estão literalmente em campo há muito tempo. Mas, de qualquer maneira,  é uma boa contratar Lecheva. Só queria saber o que é que ele vai fazer se o time não tem jogadores, pelo menos não se sabe de nenhuma contratação. 
Não seria melhor contratar logo alguns jogadores e depois pensar no nome de um bom técnico? Na realidade, se a Tuna for fazer um time baseado somente no que ainda resta do Sub-20, o ideal era ficar com um dos técnicos que são funcionários do Clube, como o Joaci, por exemplo, ou trazer de volta o velho Lucena.
Se é para sofrer, que a gente pelo menos sofra sabendo. Agora repetir o fiasco do ano passaado, é dose para mamute!

Dilma não vai para os EUA. Toma-te, Obama!

Dilma não vai mais para os EUA
Dilma decidiu: não vai mais para os Estados Unidos em Outubro, como estava agendado. Ontem, o presidente americano Barack Obama telefonou para a presidenta Dilma e durante meia hora conversaram, principalmente sobre o vazamento da espionagem americana no Brasil e na vida da própria presidenta. Não deram em nada as justificativas de Obama. Embora a conversa entre o presidente americano e a presidenta do Brasil tenha sido amistosa, Obama não conseguiu convencer Dilma da traquinagem que os EUA fizeram com o Brasil e com o povo brasileiro, daí recebendo a certeza de que a viagem foi definitivamente cancelada.
A decisão da Presidenta foi acertada. O Brasil e a presidenta Dilma não poderiam aceitar  a abelhudice dos americanos sem tomar uma posição forte.
Com a decisão, Dilma marca mais um ponto com o povo brasileiro, mostrando que defende a austeridade e cobra respeito ao Brasil de qualquer outra nação. E os americanos, mais uma vez, ficam envergonhados  por não terem como mostrar justificativa perante a ousadia em bisbilhotar a vida das outras nações.
Quem quiser que se abaixe para os americanos. Mas o Brasil, não. 
Toma-te, Obama!
Valeu, presidenta Dilma! 

Jornais dos Maioranas reconhecem que os "S" dos tucanos não existem, são pura lorota

Aviso aso navegantes:

A edição de hoje dos dois jornais da família Maiorana estamparam em sua primeira página extenso editorial onde trata da insegurança em Belém. Com o título "Temos medo", os jornais criticam veementemente o sistema de segurança da capital,que está cada vez pior e que é  função do Estado e do Município. Mostra, em um dos trechos do editorial, que as execuções "não acontecem mais apenas às escuras, nos mais remotos locais da cidade, com policiamento precário", maneira simples de dizer que não são mais nos bairros longínquos, nas favelas, que a bandidagem está agindo. "Ao contrário", continua o editorial, "pessoas são mortas nas áreas mais centrais de Belém", maneira que os jornais encontraram para repudiar a ousadia da bandidagem que matou um advogado e feriu outro, no caso pai e filho, no final da semana que passou, em sua residência, no bairro de Nazaré..
Ora, o que os dirigentes dos dois jornais com certeza já sabiam, embora só tenham se manifestado agora, é que a violência  que ultrapassa as fronteiras dos bairros e municípios que compõem a Grande Belém, existe por culpa única e exclusivamente dos governantes do Estado e do Município, que  foram eleitos patrocinados por eles, os Maioranas. 
O Governo do Estado, que ontem esteve na TV dos Maiorana falando um monte de inverdades, fazendo propaganda da sua gestão que não sai do lugar, insiste em dizer que a segurança no estado do pará e em belém diminuiu. Pura lorota. Aumentou tanto, que chegou agora nos bairros da elite, em Batista Campos, em Nazaré onde a burguesia agora está passando o que os mais pobres provam anos a fio.
Assim como o Estado, os  municípios de Belém e Ananindeua são governados por tucanos, o que mostra que o tucanato na verdade de gestão pouco entende. Aliás, entende muito bem é de propaganda, como a de ontem quando o governador Simão Jatene mostrou a nova Santa Casa, que a governadora Ana Júlia fez 90% e ele fez 10%, mas que ele ontem, ao vivo na TV, fez  uma propaganda enorme, apesar do início do funcionamento do hospital estar  previsto para somente daqui  a um  mês.
Zenaldo Coutinho, o prefeito de Belém, que foi eleito com apoio do Grupo Liberal -dono dos jornais que agora repudiam a insegurança em Belém- em sua campanha prometeu três "S". Um deles é o da Segurança. Como acontece sempre com os tucanos, até o presente nenhum dos S a população viu. O do Saneamento em oito meses de governo municipal o prefeito postergou ninguém sabe para quando. O S da saúde, muito pior. Dois secretários já pediram exoneração e hoje Belém não tem Secretário de Saúde. O S da Segurança os dois jornais do Grupo Liberal mostram a realidade na primeira página de hoje.
Definitivamente, os tucanos não entendem mesmo nada de gestão. Só quem parece que não sabia eram os donos do Grupo Liberal.

segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Desmotivado, Paysandu pode voltar à Série C

Se existe uma coisa que que não consigo ser é falso ou hipócrita.  Todos sabem que eu sou torcedor somente da Tuna Luso Brasileira. Qualquer competição regional eu posso até prestigiar, assistir pela TV, mas não torço por nenhuma outra equipe, a não ser a Tuna. Não adianta: mesmo se meu time não disputar o Parazão do próximo ano, não torcerei por outra equipe, muito menos Remo ou Paysandu. Cruz Credo!
Mas se a competição é nacional, como agora disputam Paysandu e Águia de Marabá e disputou também o Paragominas, sempre vou torcer pelas equipes paraenses. É meu jeito de ser, não sei torcer contra, quero sempre o sucesso dos times locais, dos jogadores locais, dos técnicos locais. Mas só com equipes de outros estados.
A introdução foi para esclarecer que tenho que ser honesto para repetir o que venho dizendo desde a 15ª rodada da Série B, quando postei  no Blog que pelo fraco futebol que estava aporesentando, o Paysdandu iria ter que rebolar muito para não voltar para a Série C. OPu melhor, o Paysandu tem mais chances de cair do que permanecer.
É chato, mas vou enumerar porque  penso isso do Paysandu. O time é mal escalado, não tem posicionamento tático dentro de campo. Arturzinho é um técnico, como alguns outros que já passaram por aqui, que tem muita conversa, mas na hora H não consegue posicionar seus atletas dentro de campo.
E essa história de saber escalar, definir as posições dentro de campo, o jogador certo para cada posição, como também saber substituir o atleta certo  e na hora certa, é por demais importante em qualquer partida, em qualquer equipe. Muitos técnicos pecam e acabam perdendo partidas e até o emprego por não se definirem corretamente por jogador A ou B. Se arrebentam na substituição do meia, do atacante, do goleiro, exemplo do Vasco da Gama ontem, que praticamente sofreu o segundo gol pela inexperiência de seu jovem goleiro.  O principal culpado é na verdade o técnico, mas o diretor de futebol, o presidente, o treinador de goleiros, enfim,  todos são malhados pelo torcedor. Mas quem termina sofrendo a punição é sempre o atleta, neste caso, que por ser jovem paga o pato.
Outro grande problema do paysandu, já alertei há algumas semanas aqui, é a questão física. O time praticamente poara logo no início do segundo tempo. Será que ninguém ainda viu isso?
O grande erro do Paysandu, volto a dizer, foi se apressar em tirar Lecheva, que levou o time para a Série B e após sofrer duas derrota foi para o olho da rua humilhantemente. Acho que a diretoria errou, porque a meu ver, Lecheva tinha tudo para ajeitar a equipe, porque conhecia os jogadores e trazendo mais alguns reforços, o que já aconteceu, poderia ter dado um rumo melhor ao time bicolor.
Depois dele vieram Rogerinho, Givanildo,  Artiurzinho e ninguém acerta o time do Paysandu, que certamente (não precisa ter bola de cristal) vai levar uma nova derrota hoje á noite, e dependendo dos resultados, ficará na vice lanterna.
Uma situação bem difícil, essa do Paysandu. E que este escriba acha que não terá solução. Nem mesmo que Arturzinho (que poderá deixar a Curuzu brevemente) saia já amanhã. Quem chegar não conhece os atletas, vai pedir reforços, vai querer tempo para ver resultados (como pediu Arturzinho) e como o tempo é curto, a tendência é o time bicolor ir para o beleléu.
Trocando em miúdos, a situação é dramática. Então bicolores, é se conformar com os erros que a diretoria cometeu, tirar algo de positivo e trabalhar para a Série C no próximo ano.
E se eu fosse o Vandick traria o Lecheva.

Que venham "Mais médicos" cubanos

Linda a recepção feita para os médicos estrangeiros nos aeroportos de todo o país. No Pará foi algo assim especial, fantástica. Mas o Pará é assim, pelo próprio jeito de nossa gente, que sabe receber, sabe agradecer, sabe acarinhar. Os médicos e médicas de Cuba, principalmente, se surpreenderam com a belíssima recepção. Ficaram agradecidos e felizes com as boas vindas. Uma grande e sincera demostração antecipada de que estamos agradecidos pelo serviço que eles prestarão aos nossos irmãos dos municípios mais longínquos.
Nota-se, nos olhos brilhantes dos médicos estrangeiros e até no brasileiro que estudou na Argentina e que veio servir no seu país, uma sinceridade fantástica; uma vontade louca de trabalhar solidariamente com o intuito único de salvar vidas. 
Espero que os apressados que julgaram e até destrataram os médicos estrangeiros que se prontificaram a vir trabalhar no Brasil no programa "Mais Médicos", façam uma mea culpa, pensem melhor, reflitam e em futuro, passem a também fazer parte desse grupo de grandes seres humanos que são os médicos estrangeiros, que em todo o Brasil não pouparam palavras de felicidade, inclusive agradecendo a oportunidade de exercerem a bela profissão de médico em nosso país.
"Não é a primeira vez que saio de meu país para trabalhar. Já "servi" na Venezuela, Portugal, em vários países", disse um dos médicos cubanos à Imprensa em Val de Cães. Era notória a felicidade, a honestidade e a alegria em suas palavras.
O programa "Mais Médicos" é pleno sucesso. O povo brasileiro agradece, principalmente o mais humilde, aquele que não tem plano de saúde e que quando necessita de um tratamento qualquer tem que sofrer nas filas do PSM, dormindo no chão ou em macas improvisadas, principalmente agora que em nosso município nem secretário de Saúde tem.
O governo federal mais uma vez acertou. Pensou primeiro no povo. E o povo agradece.

Tuna futebol feminino estréia 4ª no Brasileiro

Quarta vamos todos ao Souza para prestigiar nossa equipe feminina
Adiado por três vezes, finalmente na sexta-feira saiu a tabela do I Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino. A Tuna Luso Brasileira, uma das representantes do Pará, juntamente com o Pinheirense, estréia na próxima Quarta-feira, dia 18, contra o Iranduba do Amazonas,  às 15 horas, no Estádio Francisco Vasques.
O Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, é uma realização da CBF e conta com as 20 melhores equipes do país, ranqueadas este ano, e será uma grande oportunidade para que equipes e principalmente atletas de Norte a Sul do país mostrem seus talentos e consigam voos mais altos no esporte que abraçaram.
A Tuna já vem treinando desde Julho, já que se preparava para disputar o Campeonato Paraense de Futebol Feminino, que deveria ter iniciado em Agosto passado. Porém, com a notícia, em meados de Julho, que a CBF realizaria o Campeonato Brasileiro de Futebol Feminino, as expectativas passaram para a competição nacional e a própria FPF resolveu também dar um tempo no Paraense, que só acontecerá após o fim do Brasileiro.
Aline Costa, técnica da Tuna, já tem a equipe definida para a partida inicial contra a conhecida equipe do Iranduba-AM. Rosane, France, Drieli; Elaine e Kek
ê. Talita, Lause, Jeane e Cíntia. Cássia e Priscila.
É importante a presença de todos os cruzmaltinos nessa partida, afim de incentivar nossas atletas. Uma vitória contra o Iranduba já será o início de um possível título nacional, mesmo que seja no futebol feminino, e com certeza para nós cruzmaltinos será muito importante. Então, quarta, 15 horas, todos no Souza para dar apoio às meninas cruzmaltinas.

PT tem tudo para lançar candidatura própria

Sabendo, através da Imprensa, da ameaça por parte do governador Jatene em cortar do deputado peemedebista Martinho Carmona sua cota no governo tucano, volto a reafirmar minha posição com relação à sucessão governamental no estado. Defendo que o Partido dos Trabalhadores lance candidato próprio,  e corte, de vez, o cordão umbilical que liga o partido ao senador Jader Barbalho. Explico: não é inteligentemente entendível essa ruptura do governador Jatene com Jader  Barbalho. Para todos os efeitos, quando exonerou os secretários que faziam parte da cota do PMDB, Jatene automaticamente romperia com o PMDB, inclusive com seu amigo Jader Barbalho. Só que isso só aconteceu para inglês ver pois, embora os secretários tenham saído da gestão do tucano, os deputados peemedebistas continuam na base do governador e com suas cotas, o que para Jatene é garantia de apoio sempre e sempre, o que mostra que o rompimento entre os dois grupos é de araque.
Enquanto isso, embora os dois jornalões continuem passando para os leitores do estado que a briga entre si está cada vez mais acirrada, é visível que a situação  não passa, na verdade, de um jogo de interesses, cada um defendendo "a parte que lhe cabe neste latifúndio" e, principalmente, suas bandeiras, que são o PMDB e o PSDB.
Entendo que, antes do apito final da contenda, a tendência é Jader Barbalho passar declaradamente para o lado que mais lhe convém, que é o do governador Jatene pois, perspicaz como é, sabe também que seu filho não tem chance alguma de chegar a governador. 
Enquanto engoma a calça, vejo também enormes possibilidade dos dois jornalões, de repente -não mais que de repente-, darem uma trégua nos beicinhos e trabalharem o candidato que lhes interessa, que deve ser, certamente, um tucano com o aval de Jader e de seu partido.
Por essas deduções, defendo plenamente uma candidatura própria do PT, sem dar nada e nem contar com o senador Barbalho. Mostrar força, personalidade e trabalhar um nome dentro do partido democraticamente que possa mexer com a militância petista.

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Herê, ex- Tuna, já está no Real Madri

Herê já incorporado ao elenco do Real Madri

Herê, ou Walace Lima, jogador que começou nas categorias de base da Tuna, já se encontra na Espanha, com seu empresário Flávio Goiano. Herê (não adianta, vai ser Herê mesmo!) vai jogar no Real Madri B, que é uma equipe que forma jogadores para o time principal do Real Madri.
Com o ex-jogador Bebeto, na época de Fluminense

Herê sempre foi um jogador de qualidade. Aos 14 anos, foi o artilheiro do Sub-15 da Tuna Luso Brasileira com mais de 30 gols. O fato gerou até polêmica, porque pelo tamanho e pela musculatura do jovem atleta, alguns técnicos e dirigentes de equipes concorrentes chegaram a insinuar que ele tinha mais idade. É a genética de Herê, pois hoje, aos 19 anos, o atleta se destaca pela excelente altura, além da boa forma física e técnica.
Há exatos três anos publicamos uma matéria com Herê, quando ele assinou seu primeiro contrato com o Fluminense. Na época, ainda garotão, Herê surpreendia aos próceres do tricolor carioca pela força de vontade. Conseguiu carinho e respeito, além de grandes amigos no Fluminenses, sendo querido pelos jogadores profissionais que sempre apoiaram o atleta paraense.
No Real Madri todos esperam que Herê tenha sucesso. Flávio Goiano, em conversa com este escriba, garantiu que tem muita fé no futuro de Herê, que está focado em trabalhar para ser um grande jogador internacional.
O companheiro Ismar Araújo, um dos responsáveis pelo descobrimento de Herê, e que sempre esteve incentivando o atleta para se focar na profissão que lhe garantiria o futuro, está de parabéns pelo sucesso do jovem atleta paraense.

Fã de Hitler discrimina Norte e Nordeste

Quando vejo uma cena como a aprontada pelo advogado paranaense Gustavo Zanelli que, usando as redes sociais discriminou com textos racistas maranhenses e todos os norte/nordestinos, fico imaginando como pode, com todos os avanços, tecnologias, ainda existirem pessoas vazias, insensíveis, desumanas e... idiotas.
Sim, como diria meu falecido amigo Ronaldo Bandeira, é pura idiotia a discriminação, o racismo, a insensibilidade.
Em suas insanas postagens no faceboock, o advogado nazifascista Gustavo Zanelli Ferreira quer separar o Norte e o Nordeste do resto do País e  completa um de seus racistas textos dizendo que "se houvesse essa possibilidade, o Brasil seria um lugar de primeiro mundo". 
Zanelli, deveria ter vivido na Alemanha de Hitler
O Ministério Público entrou com uma representação ontem contra o advogado racista, que mesmo morando em São Luis, não poupou vizinho estado nordestino, o restante da região e também o Norte.
No documento encaminhado à seção maranhense da OAB (Ordem dos Advogados do Brasil), a procuradora-geral de Justiça, Regina Lúcia de Almeida Rocha, disse que Gustavo Zanelli  "violou seus deveres éticos e disciplinares, ofendendo a toda a coletividade da localidade em que atua, e perpetrando, em tese, infração penal a merecer a devida apuração e responsabilização"
Já a denúncia-crime protocolada no Ministério Público Federal informa que o advogado, "por meio de seu perfil social no 'facebook', fez violentas críticas, de caráter eminentemente raciais e discriminatórias, contra a cultura e população maranhense e nordestina, fazendo apreciações depreciativas e ofensas a estes".
Nas redes sociais os comentários do advogado paranaense vêm causando revolta desde a noite de quarta-feira, dia 11.  Em postagem publicada no dia 9 de setembro, Gustavo Zanelli diz que "não adianta querer misturar as culturas norte/nordeste X sul/ sudeste. É por isso que há tão poucos sulistas no nordeste (nós não aguentamos isso aqui)".
Em outra mensagem, postada na quarta-feira, o advogado sugere a separação das regiões Norte e Nordeste do resto do país, declarando que "seria o primeiro a iniciar uma guerra para a devida separação", e completa: "se houvesse essa possibilidade nós aí do Brasil seríamos um país de primeiro mundo".
Zanelli quando viu a repercussão de suas mensagens racistas e discriminatórias nas redes socais, tratou de tirar tudo o que postou de seu perfil no faceboock,  em atitude que mostra muito bem quem ele é: racista, nazista e covarde, pois, denunciado, tratou de inventar uma mentira, dizendo que haviam entrado em seu perfil e postado as mensagens.
Não é a primeira vez que elementos -certamente discípulos do nazi fascismo- do sul e sudeste discriminam estados, capitais, culturas e a própria população do Norte e do Nordeste. Mas estaremos sempre prontos para denunciar esses  discípulos de Hitler, que  desrespeitam e tentam denigrir as duas Regiões, que são irmãs, vizinhas e com culturas parecidas. O Norte e o Nordeste, através de seu povo, honrado e trabalhador, exige punição para pessoas como Zanelli, que mesmo morando no Nordeste, desrespeitam seu povo.

Marco Aurélio Mello joga para a platéia; mas Celso e Barroso respeitam a Constituição

A democracia é o mais moderno, mais belo e mais inteligente sistema político que existe. Os que questionam a democracia, é porque possuem algum ranço de regimes de força, ditaduras que abalaram vários países do mundo e, no nosso caso de sul americanos, quase todos os países.
No julgamento da AP 470, chamada pela imprensa conservadora e antedemocrátrica de mensalão, mesmo sem provas contra alguns réus, que foram julgados à revelia pelo STF quando deveriam passar primeiro por um processo primário e depois é que poderiam chegar ao STF, a Imprensa televisiva, principalmente, que domina a cabeça de parte da população com novelas fajutas e imbecis, tratou de dar espaço exagerado a alguns ministros como Gilmar Mendes, Marco Aurélio (Collor) de Mello e, principalmente, ao presidente Joaquim Barbosa.
Loucos por uma mídia televisiva, fissurados por um holofote global, alguns ministros votaram contra um novo julgamento dos envolvidos da AP 470. No final da votação de ontem, deu empate, 5 a 5. Beleza, bem democráticos, apesar dos "holofoteiros". Mas a decisão, que será na quarta-feira, com o voto do ministro Celso de Mello, o decano do STF, já se sabe mais ou menos qual será: apoiar o recurso por um novo julgamento. 
Celso de Mello já se manifestou em várias oportunidades que é a favos dos recursos, pois, segundo o ministro, "o processo penal, no contexto do Estado Democrático de Direito, rege-se por determinadas prerrogativas e garantias que a Constituição da República estabelece, impondo limites à ação do Estado e fixando direitos básicos em favor das pessoas que sofrem acusações criminais".
Ontem, o ministro Marco Aurélio Mello,  criticou a posição do ministro Luiz Roberto Barroso, sobre a fala do ministro,  que disse que pediu a palavra quando falava Gilmar Mendes,outro louco por holofote, e disse: "Como quase tudo que faço na vida , faço o que considero certo, correto. O que vai sair na Imprensa no outro dia na fão diferença para mim".  Marco Aurélio Mello, esboçando um sorriso debochado, partiu para o ataque a Barroso, que é o mais novo membro do STF:
"Vejo que o novato parte para a crítica ao próprio colegiado, como partiu em votos anteriores. Disse, inclusive, que se estivesse a julgar não decidiria da forma com que decidimos". E depois foi mais longe:  "Eu me preocupo com o que sai na Imprensa, sim", deixando claro que seu voto é mais para a platéia, para agradar a seus amigos da Imprensa.
Barroso então voltou a falar:
"Não tenho nenhum direito de polemizar com essa Corte. O fato de eventualmente divergir não significa crítica ou que os outros ministros estejam errados e eu, certo.  No geral, acompanhei as decisões e disse, mais de uma vez, que considerei extraordinário o trabalho que desenvolveu (referindo-se ao ministro Joaquim Barbosa), e a coragem do revisor (Ricardo Lewandowski) de defender suas ideias. Se alguém do tribunal se sentiu ofendido, não era a intenção. Votei de acordo com minha consciência" - concluiu.
Quarta-feira termos o voto de do decano Celso de Mello e a certeza de que a democracia no STF existe pelo menos na cabeça de alguns ministros. E que nem todos que estão lá jogam para a platéia, para o que a Imprensa vai publicar nos jornais e mostrar na TV. Alguns, pelo menos 60%, estão imbuídos de preservar a democracia e respeitar a Constituição.

quinta-feira, 12 de setembro de 2013

Barbosa vai levar uma surra no STF

Joaquim Barbosa se prepara para levar uma surra de seus pares no STF. O presidente do STF, que a cada dia vem  mostrando que gosta mesmo é de jogar para a platéia, só conseguiu até agora o apoio do ministro Luiz Fux, enquanto os ministros Luiz Roberto Barroso, Teori Zavascki, Rosa Weber e Dias Toffoli foram favoráveis a um novo julgamento, ou seja, os quatro acham que continuam plenamente válidos os embargos infringentes, que são previstos no regimento interno do STF.
Ainda faltam votar os ministros Celso de Mello, Carmen Lúcia, Marco Aurélio Mello, Ricardo Lewandowski e Gilmar Mendes. Dos cinco, sabe se que pelo menos dois defendem um novo julgamento para os réus da AP 470, o que significa que a decisão por um novo julgamento vencerá por pelo menos 6 a 4.
Não adianta Barbosa espernear. É bom que ele vai aproveitar para descansar de sua coluna na casa que comprou por milhões de dólares nos Estados Unidos. Quando retornar ele poderia perfeitamente pensar no mensalão verdadeiro, o mineiro, que ele toda vida tenta desconversar sobre o assunto.

Como vovô já dizia...

Aviso aos navegantes (e seguidores):

Sem funcionar desde março de 2009, três meses depois da posse do atual presidente -que vale salientar, o encontrou funcionando, com a escadinha toda recuperada- o Toboágua da Tuna parece que entrou em obras.Mas agora? Três meses antes das eleições? Por que não resolveram o problema, que todos sabem ser o minimo, de custo muito baixo, há quase cinco atrás?
São perguntas que associados e cruzmaltinos fazem e que, infelizmente,  não obtêm respostas.
Agora, com certeza, o presidente vai mandar passar uma cal nas paredes do clube, o Eduardo vai pintar meio apapagaiado o que ela acha que deve pintar, e os senhores gestores vão dizer que a Tuna está linda.
Uma tristeza, misturada com vergonha e decepção com uma gestão que pode ser considerada a maior da historia da Tuna, porque são três anos e mais dois -cinco no total- só com um presidente.
Lamentável dessa situação toda é que até o presente os nomes que se lançaram candidatos, todos fazem parte da atual administração.
Eduardo Gonçalves, Charles Tuma e Raimundo Barata. Todos são de fato e de direito diretores da Tuna. Mas nenhum deles, lamentavelmente, tem coragem de deixar o pobre do presidente "mais só ainda".
Aos associado, aos tunantes, aos simpatizantes com a bela história do passado da Tuna, é este o quadro que temos hoje de nosso clube. Um quadro de tristeza. 
P.S.: dos três candidatos, o presidente só descarta apoiar o Barata, porque quando se encontram arengam muito. Mas já teve cochicho do presidente com os outros dois: Eduardo e Charles.
Todos descomprometidos. Como dizia meu avô: tudo farinha do mesmo saco...

São Paulo vai crescer com a volta de Muricy

Mesmo que nunca tenha acreditado que técnico tenha poder de recuperar uma equipe 100%, penso que a mudança de um treinador pode sim influir positivamente. É o que penso acontecerá agora com o São Paulo, com a volta do técnico Muricy Ramalho.
O São Paulo não tem lá esse timão, mas possui uma equipe competitiva. São atletas com boa rodagem por várias equipes nacionais e internacionais;  alguns inclusive com passagem pela Seleção Brasileira, portanto o time tem todas as condições de sair da zona de rebaixamento.
Acredito que Paulo Autuori é um bom técnico, mas por ter passado muitos anos fora do Brasil, perdeu um pouco o estilo de jogar das equipes brasileiras, talvez por isso não tenha feito o São Paulo deslanchar. 
Muricy: de volta ao ninho antigo
Já Muricy, mesmo que tenha aquele estilo carrancudo, de pouca conversa, quase nenhum sorriso, é um cara que todos sabem seu potencial como técnico. Além do mais tem a cara do São Paulo, uma empatia inegável com o tricolor paulista.
Ajustando cada jogador em sua posição, cobrando empenho dos atletas e se for o caso colocando na "cerca" os mais espevitados, acredito numa rápida recuperação do São Paulo. Tem muitos garotos bons, que mesclando com os veteranos, ele pode formar uma boa equipe. Exemplo disso é o que Osvaldo de Oliveira, um técnico moderno, educado e que conversa com os jogadores como amigo,  vem conseguindo com o Botafogo. Outro exemplo é Luxemburgo no Fluminense, que com um elenco reduzido, cheio de garotos da base, está conseguindo recuperar o Fluminense.
Não acredito que o São Paulo e também o Fluminense, avancem ao ponto de sonhar com o título. Mas sou de opinião que os dois ficarão na Série A. E folgados.. 

quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Erê já está na Espanha no Real Madri B

Me chega a informação que o jogador Erê, que foi das categorias de base da Tuna, chegou hoje na Espanha, para apresentar-se no Real Madri B.
Erê tem 19 anos, jogou nas categorias de base da Tuna dos 10 até os 14 anos, sendo artilheiro em todas as categorias e com uma grande soma de gols. Este escriba era o presidente e pagava para Erê meo salário mínimo, que ajudava sua mãe, que era doméstica em Santa Isabel. Como era menor de idade, sua mãe autorizou sua transferência para a base do Fluminense do Rio de Janeiro. Jogador humilde, passou uma boa temporada no Pó de Arroz, quando foi contratado pelo Gama, onde foi um dos artilheiros ano passado.
Quando jogava pela Tuna Erê, no campeonato de 2008, quase foi lançado pelo técnico Reginaldo Mesquita. Não entrou no profissional da Tuna com 14 anos porque a Justiça impediu.
No Real Madri,  mesmo no Time B inicialmente, já é muita coisa para o humilde garoto de Santa Isabel do Pará.
Este escriba parabeniza Erê, sua família e torce pelo seu sucesso.

Tuna ameaçada de ficar fora do Parazão 2014

A Tuna Luso Brasileira poderá ficar de fora do Parazão. Por determinação da CBF, os campeonatos estaduais terão que começar antecipadamente por causa da Copa do Mundo. Assim, a Primeira Fase do Parazão 2014 terá início no próximo dia 27 de outubro, ou seja, dentro de pouco mais de um mês. Como a Tuna terá que participar dessa Primeira Fase, o chamado Seletivo, e até o presente não tem equipe formada, tampouco Comissão Técnica ou mesmo um simples técnico, tudo indica que a Águia do Souza ficar´[a de fora ou, se participar, será somente para fazer número, pois terá poucas chances de classificação.
É triste, lamentável e até vergonhoso para nós cruzmaltinos que isso esteja acontecendo com a Tuna. Dos seis times que participarão da Primeira Fase do Parazão 2014, a Tuna é a única equipe que ainda não está se preparando. Parauapebas, Castanhal, Independente, São Raimundo e Águia de Marabá, estão todos com suas equipes em formação, algumas equipes até já fazendo amistosos. Ninguém quer deixar para a última hora pois, como a maioria tem um orçamento baixo, tem que correr atrás dos melhores jogadores regionais que estão parados.
Raimundo Barata, que aparece como diretor de futebol da Tuna, mas que diz que está "esperando que o presidente lhe exonere", não está  sabendo de nenhuma movimentação para contratações de jogadores ou técnico. Ele diz que há muito tempo que não está a diretoria, embora seu nome permaneça como diretor de futebol.
Embora falte pouco mais de um mês para o início, ainda dá para a Tuna se organizar. Para se ter uma idéia de como será a briga pela vaga, a Segundinha, que escolherá as duas outras vagas que irão compor as oito que farão parte da Primeira Fase, já começa no próximo Sábado, 13, e terminará dia 20 de Outubro. Todas as equipes estão afiadas, pois começaram a se armar muito cedo. Time Negra, que jogou com o Remo na Segunda-Feira, é uma das melhores, com jogadores de categoria, como Fininho, que já brilhou pela Tuna, e que últimamente estava no Santa Cruz. Isabelense e Tiradentes também estão com seus times definidos.
A Primeira Fase do Parazão, que na verdade não deveria ser chamado de Campeonato, mas sim de torneio, pois conforma tabela terá a duração de somente 10 dias, começando dia 27 de outubro e terminando em 7 de Novembro, classificará os dois últimos times que farão parte da segunda Fase do Parazão, que começa em 12 de Janeiro.

Paysandu mesmo no sufoco, sai da zona

Os mais aficionados por futebol ou por times, costumam dizer que "o que importa é vencer. Nem que seja de meio a zero".
Para o Paysandu ontem a coisa funcionou mais ou menos assim. Na zona de rebaixamento já há 11 rodadas, a equipe bicolor saiu ontem depois da suladíssima vitória contra o Ceará, por 2 a 1, numa partida em que Arturzinho comemorou e com certeza prometeu ir à Igreja hoje, rezar e agradecer o despretensioso chute de Héliton que resultou no segundo gol da equipe e que salvou o técnico das inúmeras críticas que receberia, tanto da Imprensa como da torcida, logo após o apito final do árbitro O time alviceleste mais uma vez apresentou um futebol só regular no primeiro tempo e fraquíssimo no segundo.
O Paysandu começou até bem a partida contra o alvinegro cearense. Como já postei anteriormente, Aleilson foi bem encaixado no ataque bicolor e ontem, com  o empenho de toda a equipe e apoio de quase 10 mil torcedores, tudo indicava que a história seria diferente das rodadas anteriores em que o Paysandu ensaiava sair da zona, mas no final entregava de bandeja para o adversário.
O primeiro gol do Paysandu aconteceu num chute em que o "montinho artilheiro" ajudou nas preces dos bicolores e atrapalhou o goleiro Fernando Henrique. A jogada de Eduardo Ramos foi perfeita, mas a bola seria facilmente agarrada por FH se não bate no montinho.
Depois do gol o Ceará não se entregou. Foi em frente e por pouco a partida não termina empatada, embora o Paysandu tenha reclamado com razão um pênalte em Aleilson, que só quem não viu foi o árbitro Ronan Marques Rosa. O penal foi claríssimo!
No segundo tempo, quase que Arturzinho assina seu atestado de óbito. Nos primeiros minutos, mexeu errado, tirando Aleilson e colocando Héliton, deixando o veterano e cansado Iarley em campo, mesmo que todos notassem o atleta esbaforido.
O técnico do alvinegro cearense Sérgio Soares, ao contrário de Arturzinho, fez a coisa certa. Sentindo que o Ceará só atacava por um lado, e vendo a fragilidade de Pikachu em marcar, inverteu os laterais, triou o meia Lulinha e colocou mais um atacante, o grandalhão Leo Gamalho. Foi o suficiente para o Paysandu, que já perdia no meio de campo, se comprometer com o compressor cearense formado por Ricardinho, Mota, Leo Gamalho e Magno Alves.
Assim, o Ceará que pressionava muito o Paysandu, conseguiu empatar o jogo aos 20 minutos, numa jogada em que a defesa bicolor bateu cabeça e terminou sofrendo um gol de Ricardinho, de costas. Aliás Ricardinho foi um dos melhores jogadores do Ceará.
Recuado e pressionado, o Paysandu pagava pelo erro de Arturzinho, que só resolveu tirar Iarley aos 34 minutos. Djalma, prata da casa e bom jogador, entrou bem no jogo e melhorou o sistema de ataque do time, embora o Ceará continuasse melhor. Mas numa jogada pela esquerda, a bola sobrou para Héliton, que pouco estava rendendo. O meia atacante driblou, limpou e chutou despretensiosamente. Fernando Henrique estava adiantado e só viu a bola praticamente morrer na trave e entrar para o fundo das redes.
Tinham se passado 39 minutos e restava pouco para o Vovô cearense conseguir o empate.
Mesmo com a vitória, apertadíssima e sem convencer, o Paysandu deixou claro que tem que melhorar o seu sistema defensivo e o meio de campo. No ataque, Arturzinho tem que analisar melhor como trabalhar com o pouco material humano que tem. Errou deixando o cansado Iarley e jovem Héliton juntos, embora este que tenha salvado a pátria. Se deixasse Aleilson e Héliton e mais Djalma, certamente o ataque funcionaria melhor e o time não teria sofrido tanta pressão, podendo ter até uma vitória mais tranquila.
O Paysandu, pelo que se observa, está jogando somente um tempo. No outro, recua, se defende como pode, e sempre "entrega o ouro". Ontem foi um caso isolado. Mas nas últimas partidas foi visível que o time cansa ou então entra no conformismo de achar que um ou dois gols é vitória garantida. 
O time bicolor saiu da zona, mas São Caetano e América RN estão batendo na porta da equipe paraense, com apenas um pontinho a menos. Todo cuidado é pouco. Principalmente porque virão agora duas partidas fora de casa.

Os últimos instantes de Allende, há 40 anos

Foto: LUIZ ORLANDO MARQUES
Allende se defende durante ataques ao Palácio La Moneda

No dia 11 de Setembro de 1973, a história do Chile foi modificada.Há exatos 40 anos, um golpe militar resultou na morte do então presidente Salvador Allende. O regime militar do hile durou quase 17 anos e foi até 1990. O Portal EBC relembra tudo o que aconteceu naqele fatídico dia.

6h30 – O presidente Allende foi acordado naquele dia em sua residência por volta das 06h30 da manhã com um telefonema urgente do general Jorge Urrutia dos Carabinerios (Força Nacional da Polícia Militar chilena). Urrutia informou que os fuzileiros navais da Marinha chilena haviam ocupado a costa da cidade portuária de Valparaíso e interrompido as comunicações da cidade com o restante do país.
Poucos minutos após o aviso de Urrutia, as linhas telefônicas da residência presidencial (localizada em Santiago) também foram cortadas. Allende pegou uma AK-47 (Rifle Kalashnikov) que havia ganhou de presente do presidente cubano Fidel Castro e se dirigiu para a sede presidencial do Chile, o palácio La Moneda.
O general do exército Sergio Arellano e o almirante Patricio Carvajal, estavam em um posto de comunicações do Ministério da Defesa, que também ficava na capital chilena. De lá, os militares tomavam as principais decisões de como seria dado o golpe. 
7h55 – Já no palácio do governo, Allende fez um discurso por rádio à população do Chile. O presidente informou que os oficiais da Marinha tinham se rebelado em Valparaíso, mas declarou que a situação em Santiago era normal. Allende falou para as pessoas que trabalham “assumirem seus postos, irem para suas fábricas e permanecerem calmos e serenos”.
8h42 - Duas estações de rádio ligadas aos militares, a Minería e a Agricultura, tocaram o hino nacional do Chile e passaram uma mensagem oficial comunicando que as Forças Armadas haviam criado uma Junta Militar. Os membros da Junta eram o comandante do Exército, Augusto Pinochet, o comandante da Força Aérea, Gustavo Leight, o almirante José Torbirio Merino e o general Cézar Mendoza. Naquele momento, os militares exigiam que Allende renunciasse imediatamente.
Em novo pronunciamento ao país, Allende anunciou não largaria o posto de presidente. “Eu não renunciarei. Vou permanecer e informar a nação sobre a atitude absurda de soldados que se recusam a honrar seu juramento”, disse o presidente no pronunciamento.
Após o pronunciamento, os militares fizeram uma ameaça de invasão ao palácio presidencial. “Se o La Moneda não for evacuado antes das 11 horas, será atacado por terra e pelo ar”.
9h15 – Allende estava tentando um acordo com os militares. Ele tentou telefonemar para o ministro da Defesa, mas só conseguiu falar com o general Ernesto Baeza. Allende sugeriu que os comandantes do golpe de encontrassem fossem ao palácio para se encontrar com ele.
A resposta veio em um telefonema de Carvajal, afirmando que Allende deveria renunciar. O almirante garantiu que um avião particular transportaria Allende e a família até um país de sua escolha. Gravações reveladas anos mais tarde mostram que o plano de Pinochet era derrubar o avião em pleno vôo.
10h10 - O presidente fez seu último discurso pela rádio Magallanes (última estação pró-governo que ainda estava no ar). Allende falou que não renunciaria. O presidente estava se despedindo do povo do país. Em sua última frase, Allende disse “Estas são minhas últimas palavras e tenho a certeza de que meu sacrifício não será em vão. Tenho a certeza de que, pelo menos, será uma lição moral que castigará a perfídia, a covardia e a traição”.
11h15 – Sem a renúncia de Allende, o ataque começou. Foguetes disparados de dois aviões de guerra Hawker Hunter (de fabricação inglesa) penetraram o segundo andar do La Moneda. Allende e as mais de 70 pessoas que estavam no palácio, entre sua guarda e colaboradores. 
13h15 - O tiroteio no La Moneda continuava. Quando soube que os militares tinham tomado conta de todo o país, Allende determinou a rendição do pessoal que resistia no La Moneda. No momento em que os militares entraram no palácio e teve início a evacuação, ouviu-se dois tiros. Salvador Allende, o presidente do Chile, estava morto. E o país está sob novo poder. Allende foi inicialmente enterrado numa cova comum, num caixão com as iniciais "NN". Com o término da ditadura de Pinochet, Allende teve um funeral com honras militares, em 1990 no Cemitério Geral de Santiago.
Os restos mortais do ex-presidente do Chile Salvador Allende foram exumados em 23 de Maio de 2011 para determinar a causa da morte. A exumação foi ordenada pelo juiz Mário Carroza, na sequência de um pedido feito em representação dos familiares pela senadora Isabel Allende, filha do ex-presidente chileno, para determinar com "certeza jurídica as causas da sua morte". No dia 19 de Julho de 2011, a perícia realizada nos restos mortais do ex-presidente confirmou que sua morte fora ocasionada "por ferimento de projétil" e de "forma corresponde a suicídio". Envolta em muitas contradições, a investigação sobre a morte de Allende dada por encerrada pela Justiça chilena este ano, que determinou a causa como suicídio. (Do Portal EBC).