sexta-feira, 29 de abril de 2011

Time feminino da Tuna se apresenta domingo contra o Bandeirantes, de Ananindeua

O time feminino a Tuna Luso Brasileira volta a se apresentar neste domingo, às 9 horas da manhã no estádio Francisco Vasques. O adversário das comandadas de Aline é a equipe do Bandeirantes, de Ananindeua, estreante no Campeonato feminino de 2011. Segundo a treinadora, que conversou com o escriba hoje, a equipe cruzmaltina vai entrar completa, esperando obter sua terceira vitória consecutiva. "Vencemos as duas primeiras por escores excelentes. Agora nessa apresentação de domingo o importante para nós é vencer. Se for por um escore elástico, tudo bem, mas já disse para as meninas que o mais importante e vencer para ficar bem no Campeonato", disse Aline. A entrada será cobrada ao preço único de 3 reais e é importante que a galera crumaltina se faça presente.

E se a Tuna vencer o Galo?

E se a Tuna vencer o jogo de amanhã? Eu não duvido. Principalmente porque o presidente (que era inimigo de vales) deu um valezinho para os atletas e com  mais esse incentivo, essa injeção de ânimo, a turma  traga a vitória para o Souza.
Sobre essa questão injeção de ânimo, certa feita fui recriminado por uma amigo dirigente que disse que os clubes não têm obrigação de dar "bicho" para os jogadores. Insisti com ele que jogador de futebol é pai de família, tem responsabilidade como todo mundo: compra comida, compra gás, paga luz e escola para os filhos. "E que uma injeçãozinha não faz mal a ninguém, é como se fosse uma vitamina", como disse certa feita Landu, numa entrevista.
O jogo é bem difícil para a Tuna. Mas volto a dizer o que disse há alguns das: A Tuna joga bem melhor fora de casa. Pelo menos está acontecendo assim nos últimos tempos. Longe da torcida, a Águia tem um comportamento mais aguerido, os jogadores parece querem trazer a vitória para o ninho da Águia. E vamos torcer para que seja assim. Como comentei ontem, é complicado ganhar as três partidas, mas se der a gente agradece, penhoradamente. Se não for possível, paciência, vamos fazer o que for possível. O importante é mostrar a garra cruzmaltina que sempre mostramos.

Um clássico com cara de azul escuro

Fininho tem vaga no time azulino.
Mesmo que seja uma partida em que o Paysandu esteja jogando todas as suas fichas, principalmente para limpar a imagem com sua torcida pela fraca campanha que vem fazendo no returno,tudo leva a crer que não poderá ter um bom resultado. Não é questão de estar torcendo contra o Paysandu (querem bem que eu torça por ele?, jamais!) mas é porque a equipe é fraca, envelhecida e sem comando tático. É isso.Uma equipe que tem jogadores do naipe de um Mendes, um Zé Augusto, Sandro e mais alguns tipos já bastante rodados não pode penar em futebol espetáculo, em exbição, em vitórias. Ganhar o título, até que pode, mesmo porque já ganhou o Primeiro Turno e já está com seu passaporte carimbado para a final. Mas para o jogo de domingo, a situação é bastante complicada para os bicolores. A começar pelo treinador. Sérgio Cosme ainda não conseguiu mandar a campo uma formação que agrade aos bicolores. Para boa parte dos torcedores, já era para ter ido embora, penso que só não foi porque a indenização é alta e, a essa altura do campeonato é literalmente melhor ficar com ele por aqui.
Já o Remo está bem. O treinador, embora teimoso ou preocupado em $alvar seus atleta$, insiste sempre em uma formação que não consegue desenvolver um sistema ofensivo, criando muitas dificuldades nas vitórias. Mas quem manja um pouquinho das quatro linhas enxerga que o time do Remo é o melhor elenco do Campeonato Paraense. Tem peças boas para fazer um grande time e tem excelentes para repor  na contusão de alguém ou mesmo no desejo de mudar o sistema tático da equipe. Quem não quer fazer direito é o Comeli.
Não é admissível que Comeli todas as partidas ensaie em tirar alguém do banco para salvar a pátria. Tem alguma coisa errada. Ao que parece, ele tem os jogadores do time e os "seus"  jogadores. Como pode um atleta como Thiago Marabá ficar na reserva no time do Remo? E Fininho? Tudo bem que o Jailton Paraíba  é rápido, dribla bem, tem potencial como velocista. Mas erra muito nas finalizações, obrigando a Ratinho se virar  de todas as maneiras para fazer o papel de homem de criação e de atacante. Se ele colocar o Fininho pelo meio, fazendo um terceiro homem avançado, com liberdade para chutar em gol, podera ter um time mais ofensivo, porque Thiago Marabá  consegue se mexer por toda a extensão do campo e é talvez mais atacante que meia. 
Não vejo futuro em Finazi. É um ex-jogador, em férias, que se fizer em sua estada pelo Pará três gols será milagre. Mas não fará fata ao Remo. O time é o melhor daqui. E em comparação com o Paysandu, o Remo é bem superior. Não vou dar palpite de quem sairá como vencedor porque clássico é clássico, mas que está mais para os azulinos, isso está.


Juiz autoriza quebra de sigilo dos Sete anões. E da Branca de Neve?

Quem é quem?
Santa mãe! Dessa vez o bichou pegou mesmo. E pegou pesado. O número 7 é cabalístico.Mas são justamente os seis últimos presidentes da Assembléia Legislativa e o atual, totalizando 7, que estão em maus lençóis com a Justiça, depois da decisão do Juiz Élder Lisboa da Costa, da 1a. Vara da Fazenda da Capital, que determinou a quebra do sigilo bancário dos últimos ex-presidentes da  Casa. Assim, figurinhas carimbadas de nossa politica como Bira Barbosa, Zenaldo Coutinho, Luis Otavio Campos, Martinho Carmona, o senador Mário Couto, o homem dos remédios de Altamira Domingos Juvenil e Manoel Pioneiro vão ter que mostrar onde fizeram suas fortunas à lei.
Parece até conto de fadas ou de  Carochinha, para não dizer "Branca de neve e os 7 anões", de tantas que são  as coincidências. Ou então musicas de Toquinho e Vinícius: "Tantas você fez...", ou para ser mais preciso, o clássico de Júlio Iglésias  "Ás vezes tu, às vezes eu":  Em todas as 7 últimas  gestões da nossa gloriosa Alepa,  só aparecem nomes do PMDB e PSDB, ou seja, tipo uma brincadeirinha de "eu e tú, tú e eu", fazendo a dobradinha que não é dos sonhos, pelo menos dos nossos, mas que está fazendo muita gente -mas muita mesmo!- ficar noites em claro à procura de sono, em vão. Agora não se sabe se será pedido a quebra do sigilo da Branca de neve, a "laranja" Mônica Pinto.
Zenaldo, agora na Casa Civil, já declarou que sua gestão foi limpeza, pautada pela responsabilidade. Não sei se Carmona, Pepeca, Mário Couto, Bira e Juvenil terão norrau para mostrar que fizeram como pregou  Spike Lee "a coisa certa". Pioneiro, não se sabe se mostrará algo, pois está pegando o bonde agora.
Toda a população paraense espera que a Justiça haja com bastante eficiência e rapidez, para que os engraçadinhos que engordaram suas contas bancárias com muito dinheiro e na compra de  mansões, carrões, campos de futebol, iates e viagens ao exterior dêem com os burros n'água e paguem pelos seus crimes.


quinta-feira, 28 de abril de 2011

Ainda resta um pouco de esperança...

Ao contrário de alguns urubus que só vivem a torcer contra, ainda tenho fé na Tuna. Confesso que remota porque tenho que pisar no chão e ser realista: É difícil. Muito difícil conseguir vencer as três partidas. Ma tenho esperança que a Águia vencerá duas ou uma das três  partidas e ficará tranquila pelo menos para jogar no próximo campeonato, que espero os descomprometidos com o futebol luso e a própria história da Tuna  já tenham selado seu cavalo. É lamentável ter que dizer isso, mas é o que vemos. Um descomprometimento, uma vaidade louca que infelizmente só faz prejudicar qualquer sonho...

Alexandre Pinho e a centopéia

Bem. O Alexandre Pinho já deu a dica que tem ou consegue uma grana para o Presidente da Tuna safar uma parte da dívida que o Clube tem com os jogadores. Como bom negociante e pé no chão, Pinho deu a dica de como quer receber. Lógicamente ele não é nenhum milionário de férias ou Papai Noel para não querer algum juro em cima disso. Está certíssimo, mesmo porque até os de lá de dentro quando arrumam alguma coisa, querem algo em troca. Isto é um fato, embora com raras excessões. 
Acho que é uma boa chance do presidente pelo menos tentar "salvar" alguma coisa de nosso futebol. O complicado é que ele não gosta de se coçar e tem sempre uma  centopéia dentro da carteira. Mas vamos esperar como ele vai agir.

Kotscho se despede do "Balaio"

O escriba leu com tristeza hoje a matéria-despedida -pelo menos por hora- do Blog "Balaio do Kotscho", do querido jornalista Ricardo Kotscho, um dos baluartes da Imprensa brasileira que há três anos aderiu ao jornal cibernético. Kotscho já foi assessor de Lula, de quem é muito amigo, e seu Blog é um retrato da Imprensa independente brasileira, juntamente com outros bons parceiros como Paulo Henrique Amorim, Brizola Neto e o nobre camarada Miro.
Kotscho: Talento para criar belos textos
Sinceramente, para mim foi uma surpresa  triste,  e ao mesmo tempo alegre, pois sei que Ricardo, repito um dos grandes escribas deste país, vai trabalhar em um novo projeto, certamente melhor financeiramente e, certamente, politicamente dentro de suas convicções democráticas e .libertárias.
Ao camarada Ricardo Kotscho, que conheço de velhos carnavais pela imprensa brasileira, mesmo triste desejo que tenha sucesso, muito sucesso em sua nova empreitada. E torço deste modesto espaço, que ele ao voltar com seu Balaio -que espero seja logo!-  svolte com conteúdo do mesmo nível que ele presenteou o Brasil durante estes três anos de bom convívio.Aliás, disso eu tenho certeza, porque o Ricardo é o tipo do fera que está sempre pronto para lutar por seus ideais e sonhos. Boa sorte, companheiro!

quarta-feira, 27 de abril de 2011

Barcelona ganha de 2 a 0 com show de Messi

Messi fez os dois gols do Barça...
Só deu Barcelona. A equipe dirigida por Pep Guardiola não tomou conhecimento do Real Madri em seu próprio reduto, aplicando-lhe dois gols espetaculares do artilheiro Lionel Messi, realmente o Melhor do Mundo, agora com 11 gols em 11 partidas na Liga dos Campeões. O Barcelona calou literalmente o bocudo José Mourinho, que aloprou e foi expulso, passando a dirigir a equipe madrilena do banco com seu caderninho.
O Bacelona começou o jogo já partindo para cima do Real. Em nenhum momento o Madri conseguiu dominar  a partida, mostrando que todo o papo de alguns jogadores e do "Coach" Mourinho era para pressionar psicológicamente o time de Guardiola. Com a ausência de Iniesta, Busquets passou a fazer as jogadas do meio de campo para a frente com Messi, embora a defesa do Madri estivesse bem postada e batendo muito. 
O Brasileiro Pepe, do Real Madri,  foi expulso por jogo violento, prejudicando o time de Mourinho que sentiu a falta do jogador. Principalmente quando Guardiola resolveu tirar Pedro, batido, e colocou em campo o Holandês Ibrahim Afellay, que passou a fazer as vezes de um ponteiro avançado. Com Afellay descansado e dominado o jogo, não demorou saiu o primeiro gol da equipe catalã, numa jogada de linha de fundo, aos 31 do segundo tempo.  Afellay avançou pela direita, deixou o zagueiro perdido, cruzou e Messi entrou de primeira com bola e tudo.
...que cresceu com a entrada de Afellay
Daí em diante o Barcelona ensaiou ate olé em pleno Santiago Barnabéu, com jogadas de toque de bola pelo meio de campo, deixando o treinador José Mourinho e toda a sua equipe nervosos. Sentindo que o Real Madri  estava dominado,  o Barcelona foi á procura do segundo gol. E encontrou, aos 42 minutos, numa magistral jogada pelo meio Messi no meio de três defensores, driblou dois e chutou de pé direito quase sem ângulo. Fechou o caixão madrileno e abriu os festejos para os bascos em Barcelona.
O próximo jogo será na terça-feira, em Barcelona, no Camp Nou, e se quiser sonhar com alguma coisa o Real Madri terá que fazer três gols na equipe  catalã.Tá difícil. Muito difícil!

Santos faz nova proposta a Ganso, antes da decisão contra América do México

Santos quer segurar o Ganso
O presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, afirmou nesta quarta-feira que fez uma nova proposta para o meia-atacante Paulo Henrique Ganso renovar o seu contrato com o clube da Vila Belmiro.
"Fizemos uma proposta, mas ele ainda não respondeu. No entanto, não é o caso dele responder agora já que estamos em um momento decisivo. Tudo acontece no seu tempo e estamos esperando", disse Luis Álvaro em entrevista ao canal "Sportv".
Esta foi a segunda vez que o clube fala com o jogador antes de um confronto decisivo --enfrenta nesta quarta o América do México pelo jogo de ida das oitavas de final da Libertadores. No começo de Abril, o atleta reclamou da tentativa dos dirigentes antes do confronto contra o Colo Colo pela fase de grupos do torneio continental.

A imprensa italiana divulgou que representantes do jogador santista reuniram-se com dirigentes do Milan, embora o jogador negue qualquer contato com os italianos.



A sensualidade poética de Florbela Espanca

A bela Florbela Espanca
A poetisa Florbela Espanca nasceu  Flor Bela Lobo, em Vila de Viçosa, em Portugal, em 8 de Dezembro de 1894. Filha de Antônia da Conceição Lobo e de seu patrão, João Espanca, Florbela só recebeu o nome paterno quase 20 anos depois de sua morte, a pedido de seus amigos e fãs, os chamados "Florbelianos", que praticamente exigiram que ele desse seu nome à poetisa.
Florbela Espanca começou a escrever aos 9 anos. De vida polêmica,  casou-e muito cedo, aos 19 anos, período em que entrou para a Faculdade de Direito de Lisboa, curso que não chegou a concluir. Divorciou-se e logo depois casou novamente, divorciando-se de novo e voltando a casar-se. Florbela casou-se ainda  mais uma vez, desta feita com um médico.
A poesia de Florbela caracteriza-se pela recorrência dos temas do sofrimento, da solidão, do desencanto, aliados a uma imensa ternura e a um desejo de felicidade e plenitude que só poderão ser alcançados no absoluto, no infinito. A veemência passional da sua linguagem, marcadamente pessoal, centrada nas suas próprias frustrações e anseios, é de um sensualismo muitas vezes erótico. Simultâneamente, a paisagem da charneca alentejana está presente em muitas das suas imagens e poemas, transbordando a convulsão interior da poetisa para a natureza.Florbela Espanca não se ligou claramente a qualquer movimento literário. 
Está mais perto do neo-romantismo e de certos poetas de fim-de-século, portugueses e estrangeiros, que da revolução dos modernistas, a que foi alheia, embora tenha vivido o auge deste movimento na década de 20. Pelo caráter confessional, sentimental, da sua poesia, segue a linha de António Nobre, fato reconhecido pela poetisa. Por outro lado, a técnica do soneto, que a celebrizou, é, sobretudo, influência de Antero de Quental e, mais longinquamente, de Luis de Camões.
Florbela morreu jovem, em 1930, aos 36 anos, segundo os médicos de edema pulmonar.  A poetisa viveu os últimos anos de sua vida doente, principalmente afetada em seu psicológico desde que seu irmão Apeles Demóstenes Espanca, com quem  a poetisa tinha uma relação muito forte,  morreu em acidente de avião, em 1927.
Poetisa de excessos, cultivou exacerbadamente a paixão, com voz marcadamente feminina (em que alguns críticos encontram dom-joanismo no feminino). A sua poesia tem suscitado interesse contínuo de leitores e investigadores. É tida como a grande figura feminina das primeiras décadas da literatura portuguesa do século XX. Aos navegantes e seguidores deste Blog,  dois belos poemas em forma de sonetos: "Fanatismo" e "Amor que morre", onde Florbela Espanca pôe a sua sensibilidade e sensualidade quase erótica. Ah, o poema Fanatismo foi musicado na década de 80 pelo cantor e compositor Raimundo Fagner.

Fanatismo

Minhálma, de sonhar-te, anda perdida
Meus olhos andam cegos de te ver!
Não és se quer razão do meu viver,
Pois que tu és já toda a minha vida!

Não vejo nada assim enlouquecida...
Passo no mundo, meu amor, a ler
No misterioso livro do teu ser
A mesma história tantas vezes lida!

"Tudo no mundo é frágil, tudo passa..."
Quando me dizem isto, toda a graça
Duma boca divina fala em mim!

E, olhos postos em ti, digo de rastros:
"Ah! Podem voar mundos, morrer astros,
Que tu és como Deus: Princípio do Fim!..."
 
Amor que morre
 
O nosso amor morreu... Quem o diria!
Quem o pensara mesmo ao ver-me tonta,
Ceguinha de te ver, sem ver a conta
Do tempo que passava, que fugia!

Bem estava a sentir que ele morria...
E outro clarão, ao longe, já desponta!
Um engano que morre... e logo aponta
A luz doutra miragem fugidia...

Eu bem sei, meu Amor, que pra viver
São precisos amores, pra morrer,
E são precisos sonhos para partir.

E bem sei, meu Amor, que era preciso
Fazer do amor que parte o claro riso
De outro amor impossível que há-de vir

Na luta contra a onda do mau humor

Sei que é muito difícil remar contra a maré, mas podemos ao menos tentar, antes que não tenha mais jeito. De uns tempos para cá, não sei precisar exatamente o dia e a hora, mas começou a se formar uma onda de mau humor no país, um tsunami de coisa ruim e cara feia que vai atingindo todo mundo em todas as latitudes.
O vento virou de repente. Basta sair á rua, ver as notícias na banca de jornais, entrar no táxi, olhar para as pessoas nos pontos de ônibus, encarar uma fila no banco ou no supermercado. Parece que está todo mundo de cara amarrada, só esperando pelo pior.
Que se passa? Daqui a pouco as pessoas nem vão mais se perguntar se está “tudo bem”, já vão logo soltando os cachorros para mostrar que vai “tudo mal”. Em alguns ambientes, pega até mal dar risada ou querer fazer uma brincadeira. “Está rindo do quê”? São tantas tragédias, crises, desgraças e ameaças que estamos ficando proibidos de sorrir.
Fica difícil saber se o problema é individual ou coletivo ou as duas coisas juntas, mas a culpa certamente deve ser do governo, qualquer governo. O fato é que se tanta gente está insatisfeita, é preciso fazer alguma coisa, sei lá, trocar de roupa, de emprego, de namorado ou namorada, de boteco, de carro ou de prédio.
No meu caso, trocar de prédio já ajudaria muito porque vivo em meio a uma obra interminável de reforma da fachada, fora várias outras nos apartamentos, e com um vizinho de cima que parece estar de mudança todos os dias. O barulho é full-time.
Que fazer? Já estou usando tampão nos ouvidos, já fiz apelos aos sentimentos humanos dos vizinhos, só me resta pedir socorro à sociedade protetora dos animais, quem sabe ajuda.
Boa notícia é coisa tão rara ultimamente que já vão logo nos avisando, mas sempre com uma ressalva: “Boa notícia atrasada”, informa a Folha sobre a abertura da estação Pinheiros do Metrô de São Paulo, no próximo dia 16, mais de cinco anos após o início da obra.
Podem reparar: quando sai uma notícia boa, vem sempre acompanhada de um mas:
“Muito sol nesta quarta feira, mas pode chover à tarde…”.
“Inflação começa a cair, mas pode voltar a subir”.
“Cai o nível de desemprego, mas ainda faltam postos de trabalho”.
“País cresce, mas pode ter problemas nos aeroportos…”, e por aí vai.
Pegue qualquer noticiário de rádio ou TV e veja quanto tempo passa até que se fale de alguma coisa boa, divertida, prazerosa, engraçada ou bonita, que tenha acontecido em algum lugar do mundo.
Esta semana, ainda bem, pelo menos temos o casamento dos príncipes para espantar um pouco o mau humor do noticiário. Mas até disso já tem gente reclamando. “Que exagero!… E o que eu tenho a ver com isso? Nem fui convidado…”.
Ficamos assim, então: o Balaio convoca seus fiéis leitores para entrarmos todos na luta contra o mau humor. Não custa nada, e mal não vai fazer, garanto.
Alguém aí tem uma receita? 
(Do Balaio do Kotscho)

Dá-lhe, Mapará!

Embora com um pouquinho de atraso, o Blog publica a sensacional charge do companheiro dileto e irmão camarada Paulo Emmanuel, que além do grande caráter, é artista gráfico, chargista e cartunista de mão cheia. Emmanuel, demonstra sua imparcialidade decomforça neste belo trabalho, em que a equipe do Mapará -que não dá mole para ninguém- acerta  uma bela fisgada no pobre Papão. Como se nota, o peixe  cametaense também é eletrizante. Valeu, Paulo!

Real e Barcelona, pode ser um bom espetáculo!

Kaká, Messi e Ronaldo, três feras que estarão em campo hoje
Real Madri e Barcelona fazem o grande clássico europeu hoje às 15,45 (nosso horário). Sem dúvidas, duas equipes que são hoje  a fina flor do futebol europeu. Digo europeu, porque acho que temos no Brasil e na Argentina, principalmente, equipes comparáveis aos dois espanhóis (aliás, o Barcelona  é basco!), embora tenhamos a problemática de exportar nossos atletas jovens demais e nunca dá para se formar uma equipe que encha os olhos do mundo. Mas isso, podem crer,  é outro papo.
Vejo o jogo com olhos um pouco diferenciados da maioria. Apesar do talento de José Mourinho como treinador, não vejo o Real como favorito, mesmo no Santiago Bernabéu. Embora só trabalhe em equipes com grandes jogadores, Mourinho quando pega o Barcelona pela frente treme nas bases.
No jogo de hoje espero ver um espetáculo, patrocinado por grandes jogadores que atuam pelas duas equipes, como Cristiano Ronaldo, que reputo um bom jogador (se não se encher de frescuras para jogar), Kaká, Di Maria, Pepe e o sensacional goleiro Casillas, sem dúvidas um dos melhores do mundo, pelo lado da equipe madrilena. Já pela equipe basca, o fantástico Barcelona de Picasso, Dali, Miró e Johan Cruyff,  o "Coach" Guardiola poderá contar com os atletas Daniel Alves, Messi e Villa, além da aposta em Thiago Alcântara, filho do brasileiro Mazinho. O grande desfalque do Barça será o genial Andrés Iniesta, um dos maiores jogadores do mundo hoje.
Fora o espetáculo, o bom está sendo o bate-boca entre Pep Guardiola e José Mourinho. Arrogante, o treinador português, sem dúvidas um  vencedor em grandes equipes européias, tem na  provocação e no menosprezo, pratos favoritos de seu cardápio, por isso na vida pessoal tem um leque de inimigos. Agora mesmo numa entrevista ao site de seu clube tratou Guardiola como Pep, nome pelo qual o ex-meia espanhol não é conhecido e não gosta de ser tratado. Segundo o técnico do Barça, uma maneira de menosprezá-lo, talvez pela sua inexperiência como treinador. O troco Guardiola deu chamando Mourinho de "José",  tratamento que o técnico do Real  repudia com veemência.
Tudo leva a crer que será um belo espetáculo. Torço para que os craques das duas equipes façam sua parte. Vou fazer a minha assistindo, esperando que os companheiros Bascos levem a melhor. Podem crer!

terça-feira, 26 de abril de 2011

Enquanto vivemos à míngua, empresas paraenses apóiam equipes de outros estados.

Os clubes de futebol de nosso Estado passam por sérios problemas financeiros. É normal que equipes da capital e interior façam pequenos contratos,  a média de três meses, com seus atletas, por causa da problemática financeira.  Isso acontece principalmente pela falta de torcida da maioria das equipes e  também porque as empresas locais apóiam muito tímidamente os clubes. Somente Remo e Paysandu respiram com um tranquilidade maior, embora suas folhas de pagamento sejam  maiores, o que  faz com que eles fiquem na mesma situação dos demais.
Quando dirigente da Tuna Luso Brasileira, eu, acompanhado de outros diretores tivemos que sofrer chá de cadeira em várias empresas com o intuito de conseguir uma publicidade para as camisas e calções da equipe de futebol. Corríamos de um lado para outro, pedíamos apoio a amigos que conhecíamos  dirigentes de empresas, ligávamos  os empresários  não atendiam, uma batalha só. Sinceramente, um sofrimento que não desejo a ninguém. Até que um deles, dono de uma Escola Superior, me ajudou por um bom tempo, a quem até hoje sou muito agradecido. Porém, dirigentes de planos de saúde, que sempre apóiam as equipes de futebol,  nos davam homéricos chás de cadeira e muitas vezes nem o telefone atendiam. Uma humilhação, infelizmente que por sermos cruzmaltinos, por termos o compromisso de botar o time em campo, eu e os dirigentes que estavam comigo tivemos que passar.
Tuna e Big Ben: poderia dar certo.
Agora, de repente, não mais que de repente, vendo uma partida entre São Paulo e Náutico de Recife, vejo lá a propaganda das Farmácias Big Ben. Pois é. Nossa grande rede de farmácias apoiando uma equipe de futebol de Pernambuco! Negócio é o seguinte: Que eu saiba, não existe  nem Big Ben em Recife. Sei que aqui no Pará apóiam Remo e Paysandu. Mas ao Náutico foi uma grande e até triste surpresa. Aí u pergunto: Por que não apoiar outras clubes, como por exemplo, a Tuna Luso Brasileira, equipe centenária, com um histórico de dois campeonatos brasileiros, 10 campeonatos regionais, maior reveladora de craques do Norte e Nordeste do Brasil? Sinceramente não entendo o porquê.
Sei que alguém vai dizer: "o dinheiro é deles, eles apóiam quem eles
quiserem!".Certo. Mas em marketing existe a história da oferta e da procura, do interesse em atingir determinado público, de regionalizar até massificando uma marca, etc. A Big Ben é assim. É hoje uma marca forte, maciçamente forte em nosso estado. Por que então de ampliar essa fortaleza apoiando a Tuna? Tenho certeza que o presidente da Tuna toparia uma ajuda, mesmo  pequena por um espaço bom. É a história do pouco mais certo, da garantia de ter alguma coisa para fazer o planejamento.
Confesso que não sei qual foi o critério que a direção da Big Ben usou apostando na equipe Timbó. Não sei também se eles têm interesse de entrar no mercado pernambucano -ou se já não estão lá. Só sei de uma coisa. A Big Ben, a Unimed e outras grandes empresa do nosso estado poderiam muito bem olhar por esse filão que é o esporte, principalmente o futebol. A Tuna, por exemplo,  além das camisas e calções, tem um grande espaço na própria sede e no campo de futebol. 
O presidente da Tuna poderia criar um Departamento de Marketing profissional, com gente que seja da área, ou mesmo um Deprtamento de Mídia, para que entrassem em contato com agências ou com as próprias empresas para ver se consegue algo em termos de patrocínio que dê para tocar o barco sem perigo dele naufragar. 
Fiquei triste com o que ví, principalmente pela situação que a Tuna e outras equipes passam e, principalmente, por ver "o rato" ser o grande privilegiado em benesses publicitárias. Enquanto o pobre  do "gato" (ou da Águia) está aqui a lamentar pelo menos um pedacinho que seja para poder seguir feliz sua caminhada.

Senador Requião agride repórter. Mais abuso de poder!

Não é só a cara, ele é mau mesmo!
O senador  Roberto Requião ficou bastante irritado e mostrou toda a sua arrogância e prepotência diante da pergunta de um repórter de rádio sobre se abriria mão da fábula que recebe como ex-governador. Ele recebe R$ 25 mil mensais de aposentadoria que soma a outros R$ 25 mil de salário de Senador, fora as benesses, mordomias e sinecuras para os protegidos. E não quer que ninguém fale sobre isso, pois acredita que todo mundo ainda o vê como um pobre miserável do subúrbio. Caiu a máscara, sobrou irritação e maus bofes do valente senador, que é defendido por seu amigo do peito e de fé camarada José Sarney, que minimiza o fato como corriqueiro e normal. "Tem pessoas e tem pessoas. Ele não reagiu bem, mas vejo como um fato super normal", comentou o Presidente do senado. 
Hoje, Requião, que é conhecido por ter o pavio curto,  e de cabeça menos quente comentou que ontem não estava num dia legal. "Se a pergunta insistente tivesse sido feita hoje, talvez a reação fosse diferente". Quer dizer, para entrevistar o senador "cabeça quente" tem-se que sabe se ele está num dia bom ou ruim. 
O Comitê de Imprensa do Senado faz campanha para que o perigoso senador preste depoimento à Polícia Federal, já que o repórter  fez a denúncia ao órgão. Ao mesmo tempo exige que Requião peça desculpas ao vivo da agressão ao repórter  que foi impedido do direito de trabalhar com liberdade. 
Órgãos de imprensa nacional e internacional estão vendo o caso como uma censura típica dos tempos da Dita, pois Roberto Requião, além de tomar o gravador do repórter, o agrediu com palavrões e só devolveu o gravador horas depois, por intermédio de seu filho, com o material das entrevistas todos deletado, como ele prometeu. É legítimo abuso de poder, censura mesmo!

Morre Leônidas, craque que surgiu e brilhou na Tuna

O ex- atacante Leônidas Castro, que na década de 70 defendeu Tuna , Remo e Pusandu,  morreu ontem  aos 61 anos, de ataque cardíaco.  Leônidas foi um dos grandes jogadores de futebol paraense, foi ídolo na Tuna onde foi campeão numa ds melhores formações da Águia de todos os tempos.  O atleta, que surgiu nas categorias de base da Tuna Luso Brasileira, era centroavante do tipo driblador e terror para as defesas.
Leônidas  possuía um estilo irreverente,  tanto como jogador polêmico que foi, como também como cidadão, brincalhão e sempre pronto para contar uma piada nova.
Leônidas após despontar  nas divisões de base da Tuna Luso Brasileira, como muitos atletas da época, sob a coordenação do treinador Aloísio Brasil, um dos grandes formadores de atletas na história da Águia, subiu para o profissional e foi logo guindado ao time titular da Lusa, tendo se sagrado  campeão paraense de 1970.
A equipe cruzmaltina na época  era constituída, em sua maioria, por jogadores vindos da categoria de base ou então genuinamente  paraenses.  O time-base era: Omar, Marinho, Abel, Carvalho e Acari; Antenor e Waltinho; Fefeu, Mesquita, Leônidas e Gonzaga (Ércio). Desses, boa parte brilhou no futebol paraense e brasileiro, como Marinho, Mesquita, Ercio e o próprio Leônida, que defendeu várias equipes do Norte e Nordeste. No Campeonato de 1970, Leônidas foi artilheiro da Tuna e do Campeonato Paraense, com  nove gols.  Na Águia do Souza ele permaneceu até 1975. Mesmo na Tuna, em 1973 ele foi emprestado ao Paysandu para o Campeonatro Brasileiro.  Logo na estréia da equipe bicolor, no dia 25 de agosto de 1973, no Baenão, contra o  Internacional de Porto Alegre,  o Paysandu venceu por 2 a 1. Leônidas fez um gol e Ivair, o outro.
Em 1976, Leônidas se transferiu para o Remo e, na temporada de 1977, sagrou-se novamente campeão. Leônidas também teve passagem pelo futebol cearense, jogando no Fortaleza, e passou por Anapolina-GO e River-PI, Fluminense de Feira de Santana,  entre outros.
Assim como a irreverência, a polêmica sempre andou de mãos dadas com ele. Nunca negou a predileção pela bebida, o que o fez largar o futebol com apenas 30 anos. "Não dava mais, não tinha vontade de continuar jogando", lembra. O ano era 1980 e ele ensaiava um retorno ao Souza.
Com os dirigentes, a relação era explosiva. Salários atrasados eram sinônimo de confusão. "Cansei de quebrar concentração por causa do meu dinheiro. Ia para cima, mesmo. No final, sempre pagavam."
Quem conviveu com Leônidas como jogador na época, garante que ele em campo era  um atacante impetuoso, que driblava em plena velocidade, e tinha  faro de goleador. O atacante  dava intenso trabalho às defensivas adversárias. Para a legião cruzmaltina, que viu o craque que foi Leônidas, fica a saudade...

segunda-feira, 25 de abril de 2011

Sem as bandeiras nodorrentas da vaidade!

Não sei se a situação da Tuna vai melhorar ou piorar de vez com a entrada de Mazinho. O treinador não tem muita experiência, mas nesse momento isso nem conta muito, porque a realidade é outra: não é falta de treinador nem de comando na equipe, mas de trabalhar com seriedade, saindo da perfumaria.
Uma parcela da  realidade é que jogador é pai de família e mesmo que alguns insistam que as derrotas não têm nada a ver com salários atrasados, todos sabem que tem. Felizmente a ética de Flávio  
Goiano é grande, e ele preferiu sofrer as consequências calado, na dele, como cidadão de grande índole que é. Talvez o melhor para o momento fosse o presidente fazer uma grande reunião com a Comissão Técnica e os jogadores, explicar a situação do Clube, conclamar os possíveis colaboradores e ele se mexer também e ver o que pode ser feito para aliviar a situação econômica de todo o elenco. Mas tem que falar a realidade, não é conversa mole,não. Tem que explicar o beabá, com respeito a todos e dando liberdade aos que estão ouvindo a se manifestarem e fazerem suas propostas.
A  situação da Tuna é delicada, muito delicada. Esse papo de garantir classificação é perfumaria e Mazinho não pode falar isso porque sabe que o buraco é bem mais embaixo! Ele é consciente de que a Lusa não pode perder mais nenhuma partida se quiser sonhar -eu falei sonhar!- com uma possível classificação. Se não vir a classificação a Águia terá que pelo menos vencer uma partida e empatar outra, para ficar entre as seis equipes que permanecerão no Campeonato de 2012, porque tanto o Castanhal como o Águia de Marabá, que estão no corredor da morte, super  ameaçados de ficarem de fora do campeonato do próximo ano, vão jogar todas as suas fichas para chegar aos 13 pontos e tirar a Tuna. Então é ganhar pelo menos uma e se possível empatar outra para ter o consolo de que no ano que vem estaremos com nosso time em campo.
Para isso, já falei, o presidente tem que jogar limpo,  falar a realidade a funcionários e jogadores. Explicar que a situação é  bastante precária, embora ele prefira tomar sopa e arrotar caviar.
O momento é de pé no chão. A história de pregar união e por trás sair dizendo que é o bam-bam-bam, que faz isso e aquilo, que "eu provei que isso era possível", quando na verdade ao vivo é muito pior, não cola , não dá certo mesmo. Todo mundo está até o talo de chateação, torcedores, conselheiros,  beneméritos, todos enfim decepcionados, principalmente quem sabe a verdade  verdadeira  e o que é papo furado, perfumaria..
Quando se quer trabalhar por um projeto, se quer colaboradores, gente que é séria de seu lado, apoiadores, se age  com seriedade em todos os pontos. Se discute, se ouve, faz propostas,  não age como se a verdade fosse só uma.
Não sou de chorar o leite derramado. Tenho fé na Tuna, porque sou cruzmaltino e sei que se houver uma verdadeira união, sem as vaidades naturais de quem é fraco de espírito (o vaidoso é fraco de espírito!), as coisas podem ate andar. Como já fui bem direto, as coisas estão difíceis para a Tuna. Se ficar entre as seis equipes para o próximo ano, já pode se dar por feliz, no lucro. Mas é importante que se lute, com os pés no chão e sem as velhas e nodorrentas bandeiras amareladas da vaidade.

Quadrangular do Segundo Turno praticamente definido

Sinomar: conhecimento e humildade
Estão praticamente definidos os quatro finalistas do Segundo Turno do Campeonato Paraense, versão 2011 Independente, Cametá,  Remo e São Raimundo, estão mais ou menos com suas vagas seladas. Brigam por uma chance, bem remota, Paysandu, que no caso teria todas as chances de ser o Campeão arrastão, se ganhasse o Segundo, e Tuna Luso Brasileira, cuja situação é pior, pois tem três jogos pra fazer, mas só um em seus domínios. 
Muito bonita as campanhas do Independente do técnico Sinomar Naves e do Cametá, de Fran Costa. Com equipes sem muitos medalhões, embora conhecidos porque já passaram por outras equipes e não foram valorizados como deveriam, as duas equipes fazem bem o dever de casa e quando atuam fora de seus redutos vencem, empatam ou dão um grande trabalho aos seus adversários. O Cametá já é finalista pela segunda vez, pois no Primeiro Turno chegou lá e quase leva a taça de campeão. É na verdade uma equipe bem azeitada, tem jogadores de grande talento como André Luiz, Paulo de Tárcio, Wilson,  Mocajuba, Balão, Romeu, Robinho e o artilheiro Leandro Cearense. A diretoria deve pagar salários em dia, porque a raça da equipe em campo é algo dignificante para quem gosta de futebol. Os caras lutam e só se entregam quando o juiz apita.
Fran Costa botou o bloco do Cametá na rua!
O Independente desde o início da Segunda Fase que vem mostrando que quer chegar lá, também. Com o espaço aberto pelas más atuações de Tuna e Paysandu o Independente reagiu e hoje, com 9 pontos e um saldo de gols superior a todas as outras equipes, desponta como o primeiríssimo lugar. É  uma das forças do futebol paraense. E o mais importante, com um investimento que tenho certeza não passa dos 100 mil reais mensais, pois tem um elenco simples e uma Comissão Técnica caseira, sendo o treinador o competente Sinomar Naves, que já treinou Tuna, Remo  e Paysandu com grande destaque.
Para acontecer diferente do que o escriba está imaginando, só se acontecer a zebra dos três primeiros colocados danarem-se a perder pontos, o milagre por parte da Tuna que venceria os três jogos que lhe restam, o Paysandu bater no Remo e ganhar mais duas partidas e o São Raimundo perder as três que lhe restam. Ficaria uma geléia geral, com Tuna e Paysandu voltando para disputar o sonhado Quadrangular. Mas ainda é cedo até para dormir. Quanto mais para sonhar...

A vergonha desumana de Guantánamo

 

É frequente vermos acusações sobre a violação de direitos humanos em Cuba. E, hoje, os principais jornais do mundo trazem descrições minuciosas sobre elas. Mas não na Cuba castrista, mas no pedaço de Cuba que é ilegalmente controlado pelos Estados Unidos: Guantánamo.
“Guantanamo criou um sistema policial e penal, sem qualquer garantia, que só se preocupa com dois temas: quanta informação é obtida a partir de prisioneiros, embora eles sejam inocentes, e se poderiam ser perigosos no futuro. ” , diz o El País. “Idosos com demência, jovens, pacientes psiquiátricos graves e professores ou agricultores sem conexão com a Jihad ( guerra santa, em árabe) foram levados para a cadeia e misturados com verdadeiros terroristas, como os responsáveis pelo 11 de setembro.
O El País teve acesso -  juntamente com outros meios de comunicação internacionais – e através da Wikileaks, aos registros secretos militares de 759 dos 779 prisioneiros que passaram na prisão, dos quais aproximadamente 170 continuam detidos.  A revelação dos segredos de Guantanamo, transformada em prisão por George W. Bush em 2002, à margem das leis nacionais e internacionais, vem em um momento ruim para o presidente Barack Obama. Fechar a prisão foi a sua primeira promessa depois de tomar posse em janeiro de 2009. O anúncio, um mês atrás, que iria retomar os julgamentos da comissão militar foi o reconhecimento de seu fracasso.
Os relatórios, datados entre 2002 e 2009, que na maioria dos casos são destinados a recomendar se o preso deva permanecer na prisão, ser libertado ou transferido para outro país, documentado pela primeira vez como os EUA no valor de cada internamente e o que sabia deles, revelam um sistema baseado em acusações de outros detentos, sem regras claras, baseadas na desconfiança e conjecturas, que não necessita de provas: 143 pessoas ficaram presas mais de nove anos sem acusação formal.
Entre os presos, estavam um velho de 89 anos com demência e depressão, um pai que foi à procura de seu filho entre os  talebans, um comerciante que viajava sem documentos e um homem que estava pedindo carona para comprar remédios. Pelo menos 150 dos presos em Guantánamo eram afegãos e paquistaneses inocentes, incluindo motoristas, agricultores e cozinheiros, que foram detidos durante operações de inteligência em zonas de guerra.
Muitas vezes, o único crime de que as autoridades os culpam é de de ter um primo, amigo ou irmão relacionadas com a Jihad, viver em uma cidade onde haja guerrilheiros, ou andar em  vias de circulação utilizadas por terroristas e portanto, conhecê-los bem.
A reação da Casa Branca foi lamentar que o El País, o The New York Times e o Washington Post tenham publicado dos documentos divulgados “de forma ilegal” pelo Wikileaks.
Não se pode deixar de reconhecer que o Governo americano, responsável pelo campo de concentração, entende bem o que é “de forma ilegal”. (Do Tijolaço)

Luxemburgo, o cara!

O Fluminense até que ensaiou vencer o Flamengo ontem, na partida que definiu o segundo finalista da Copa Rio de Janeiro. Começou muito melhor. O Rubronegro carioca ganhou a partir do segundo tempo. E definiu a partida nos pênaltes. Mas ficou confirmada mais uma vez a qualidade técnica do treinador Wanderlei Luxemburgo, que está a um passo de ser campeão carioca de 2011  e invicto.
Luxemburgo: a competência faz a diferença
Desde que chegou para o Flamengo, vindo do Atlético Mineiro, Wanderley tem feito um trabalho de base, lançando jogadores novos, aproveitando parte do elenco que já havia no Fla e com poucas conratações de peso. Ma está conseguindo levar o Mengão ao pedestal carioca. O Rubronegro carioca, com Wanderley como técnico,  está invicto há 24 jogos.
E sem muitos craques. Os maiores medalhões são Ronaldinho Gaúcho e Thiago Neves. Na verdade, Gaúcho é um medalhão só no nome. Ainda não conseguiu encantar a galera rubronegra com seu antigo futebol.  Mas dá moral à equipe. Já Thiago Neves vem crescendo dia-a-dia, mostrando que brevemente o futebol que apresentou em sua época de Fluminense logo, logo estará a encantar a torcida do mais querido do Brasil.
O time do Flamengo não é melhor do Brasil nem do Rio de Janeiro. Mas Wanderley é o cara. Não adianta ficar enraivecido, xingar, tentar desmoralizar o Wanderley  quando o time não joga bem, e ter qualquer atitude, fato normal para o torcedor irritado que quer ter sempre razão. Wanderley é bom, é competente e mostrou ontem isso. O Flamengo foi praticamente dominado no primeiro tempo do jogo de ontem. Mas com s substituições que fez, o mago rubrongro empatou e nos pênaltes ganhou. Agora é questão de tempo para o Mais Querido do Brasil levar  caneco e talvez direto e... invicto.
É por isso que dizem sempre em coro. Wanderley pode ter todos os defeitos. Mas é o melhor técnico do Brasil. Concordo!

domingo, 24 de abril de 2011

À Mônica o que é de Mônica

Na entrevista que deu à Imprensa  no final de semana, a principal envolvida no esquemão de corrupção na Assembléia Legislativa, Mônica Pinto, declarou, entre outras coisas, que foi namorada de Robgol, ex-deputado e ex-jogador do Paysandu, embora pouco conversasse com ele sobre os assuntos da Alepa. Mônica demonstrou segurança em suas palavras e procurou deixar bem claro que mesmo sendo uma das envolvidas no esquemão, foi a única crucificada porque não quis ajudar ao ex-deputado e ex-presidente da Alepa, Domingos Juvenil , em dezembro passado, quando do "fechamento" das contas da patifaria que o ex-deputado fez quando exercia a presidência da  Casa.  Mas foi incisiva em dizer que "felizmente  o ex-jogador bicolor não foi reeleito". Por que será que Mônica, que não demonstrou ter raiva do ex-atleta falou isso? Será que ela sabe como foi a real atuação de Robson como parlamentar? Saberá, a ex-funcionária Mônica que no esquemão de desvio de dinheiro e vales refeições além do popular Robgol outros deputados (ou ex) estão envolvidos? Mônica Pinto é um grande arquivo. Pode ser que em suas colocações sobre o parlamentar ela esteja querendo dizer que outros que não foram (ou foram) eleitos, como Robgol, não tinham compromisso, eram (ou são) demasiados demagogos e traidores do povo, que só querem a vida parlamentar para se locupletarem.
Tive o privilégio de trabalhar com um parlamentar que infelizmente já se foi. Sou defensor de que o parlamento é importante para a democracia e que existem muitos parlamentares, executivos (prefeitos e governadores) sérios e realmente comprometidos com o sonho de trabalhar pelos mais necessitados. Porém, temos que reconhecer que infelizmente é uma minoria. Quando alguém que trabalhou com um parlamentar e diz que "felizmente ele não foi reeleito" é porque deve, certamente, saber que ele e talvez outros têm mais de uma cara. Ou talvez uma cara e uma máscara. A cara de bonzinho e a máscara da maldade, da traquinagem, da corrupção. 
O deputado Edmilson Rodrigues do Psol, já conseguiu um número de nomes de parlamentares quase suficientes para fazer a CPI. Edmilson conta com o apoio dos deputados do PT e do PSB. Embora se saiba que  Mônica não é nenhuma santinha, a ex-servidora talvez tenha "pano para as mangas" para colocar alguns juvenis e adultos no lugar onde eles merecem. E podem ter certeza que não é no Parlamento.

A verdade dos fatos na Tuna Luso Brasileira

Este informe me foi passado, tentei segurar mas não dá. Não dá mesmo, tenho que postar. Negócio o seguinte: parte dos atletas e Comissão Técnica da Tuna Luso Brasileira souberam de entrevista que o presidente do Clube, Fabiano Bastos deu  a um programa que acontece toda segunda feira. Nesse programa, o presidente fez várias declarações, dentre elas que a Tuna arrecadava tanto por mês (prefiro não falar os valores que ele descreveu), que tinha feito isso, aquilo, colocado a Tuna na mídia, que o Clube estava muito bem, pagando salários em dia, que existia um movimento para ele continuar como presidente por mais um período, que o Conselho Deliberativo e os portugueses estavam do seu lado, os associados também, porque sua gestão estava maravilhosa, e mais um bocado de pavulagens que quem conhece a Tuna sabe que é papo furado, furadíssimo. Como se di\z popularmente, "conversa para boi dormir".
A repercussão foi ruim, ao contrário do que o presidente pensava, pois como os salários dos jogadores e dos funcionários do Clube estão atrasados, comentam que três meses, houve uma certa constranngimento por parte  principalmente de alguns jogadores, que são pais de famílias e necessitam de seus salários,  e mesmo com a liderança que Flávio Goiano exercia sobre seus comandados, muitos se chatearam e jogador chateado é como qualquer outro profissional, não rende bem. O primeiro baque foi no jogo contra o Paysandu, que o presidente imaginava seria uma renda récorde e que daria para pagar todo mundo. Como não deu, veio a pancada fatal (ou quase), contra o São Raimundo. 
Ético, bem educado e grande caráter, penso que Flávio Goiano não vai entrar naquela de briguinhas que não levarão a nada, nem vai comentar a veracidade desse informe, embora eu próprio tenha  ouvido parte do programa e tenha me decepcionado com as palavras do presidente, que demonstrou excessiva vaidade e peocupação apenas em se auto-elogiar, o que avaliei que não foi uma postrura correta, principalmente para quem  na realidade enfrenta grandes problemas na sede social do Clube, prestação de contas de sua gestão atrasadas e os outros problemas citados acima.
Agora, com o time de futebol numa sinuca de bico: com pouquíssimas chances de classificação e necessitando ganhar pelo menos uma das três partidas que faltam e ainda torcer pela derrota de Castanhal e Águia para não ter que disputar no próximo ano a seletiva, não sei o que passa pela cabeça o sr. Presidente.
Ainda sobre Flávio Goiano: Para mim saiu com a cabeça erguida, como entrou. Embora uma vez ou outra conversássemos, jamais me comentou que seus salários e dos jogadores estavam atrasados. Como gosto dele, torço para que seu trabalho frutifique, pois mostrou qualidades na Tuna, e como é jovem, tem futuro, muito futuro.

Enquanto engoma a calça...

Colunistas sociais gostavam de expressões tipo "Vou mergulhar, afastem-se, tubarões" ou "Hoje é sábado, e amanhã é biquini", em alusão ao descanso semanal. Não sou colunista, tampouco social, mas tirei três dias para um descanso natural, porque afinal (outra dos colunistas) "ninguém é de ferro". Mas já estou de volta ao batente (eles falavam assim também!) com algumas novidades. Estou aguardando tirar o "cansaço do descanso" para postar algumas notas. Mas aproveito para agradecer à mais nova seguidora do Blog, Maria de Lourdes, que vem da belíssimna Juiz de Fora, nas Minas Gerais. Meu sincero agradecimento pela Maria seguir os escritos deste escriba. Valeu, querida Maria de Lourdes!

quarta-feira, 20 de abril de 2011

Para não dizer que não falei de dores!

 Por Marcos Moraes

Sinceramente, hoje estou aos pedaços. Não suportei sequer ver o final do jogo desta manhã.  Não consigo entender o que realmente está acontecendo. Insisto em dizer que o time não é ruim, o treinador é competente e sabe escalar a equipe, embora reconheça que faltam algumas peças, pois de onde se retira, automaticamente tem-se que repor. E na Tuna foram retiradas muitas peças desde a fase primeira do Campeonato. E nada foi reposto.
Quem ver as partidas da Tuna até fica embasbacado com a troca de passes e a concatenação do time, que é objetiva, embora  somente até a boca da área, na marca do pênalte. Dali em diante a chegada, o chute fatal quando sai é torto, fraco, prensado. São poucos gols para uma equipe que sonha ser campeã. E a Tuna e os cruzmaltinos sonham ser campeões. Nosso grito está  preso há mais de 20 anos louco, louco para sair mas não sai nunca!
No início do jogo de hoje a Tuna  começou bem, foi para cima. Aliás, me perdoe o Flávio Goiano, mas não entendi a não escalação dos jogadores titulares em tão importnte partida. A Tuna não poderia deixar de entrar com Fabinho e Adriano Miranda no ataque, Maraú  na lateral e Negreti no meio, pois esse time já vinha jogando, era o titular. Tudo bem que o Negreti não foi muito bem na última partida, mas ele é o titular, o cara já está acostumado a jogar com seus parceiros de meio de campo.
Confesso que não entendí  mesmo, pois se foi para poupar, compreendo menos ainda, uma vez que o São Raimundo foi o time que bateu no Remo e no Paysandu, os dois maiores do estado, merece todo o respeito. Que foi que houve, afinal? É preciso que algo seja explicado, muito bem explicado.
Murmúrios, bochichos, conversinhas no Souza davam conta de que muitos jogadores estavam insatisfeitos com a diretoria, principalmente por causa do atraso de salários. Chegaram a me relatar, embora sem me dar veracidade das palavras, que o goleiro Adriano estava sem receber há três meses. Se o Adriano não recebe, quem recebe? Outro falou que os jogadores estão treinando porque o treinador Flávio Goiano pede, pois pela diretoria não treinavam. Se o clima está assim, a coisa está feia mesmo.
Tem um dito popular que fala que "onde há fumaça, há fogo". Outro que diz que "tofdo boato tem um fundo de verdade". Então é preciso que se fale a  verdade do que está acontecendo na Tuna. O problema real tem que vir à tona, pois se não for mostrado nada, vão aparecer culpados, talvez até sem ter a devida culpa, ou seja, inocentes.
Não venho gostando do Felipe Mamão. Nos dois últimos jogos está mais para boleiro de que para jogador profissional. Cai por brincadeira e não vai fundo. Mas também não acredito que ele esteja fazendo corpo mole, como falaram. Pode ser fase do jogador ou mesmo falta de estímulo, de um parceiro mais adequado, mas não gosto de julgar, principalmente mexer com a dignidade das pessoas.
Adriano hoje foi horrível. Falhou nos dois primeiros gols. Jogador de seu nível não bate roupa num chutinho daqueles. Também aquela saída furada que deu deixando o jogador do São Raimundo livre para chutar, foi brincadeira!
Já comentei neste Blog dos jogadores que a Tuna perdeu, todos importantes na equipe e que infelizmente não tiveram substitutos na equipe. Quem substituiu Fininho? O Charles, Analdo? E o Whélton, o Geovane? Quando estou postando esta matéria, recebo um telefonema em que me informam que o treinador Flávio Goiano colocou seu cargo à disposição. Será que isso é importante, no momento?  Vou esperar novidades, mas acho que a diretoria e a Comissão Técnica devem alguns esclarecimentos à nação cruzmaltina.

Esquemão da Alepa envolve até Robgol, ex-jogador do Paysandu

Não tinha muito sentido a funcionária Mônica Pinto ser a única responsável por todas as falcatruas que vêm acontecendo de outros carnavais na Alepa. Com certeza havia interesses de grupos de funcionários, ex-funcionários e até de ex-parlamentares no sentido encontrar um "laranja"  e depois colocar debaixo do tapete a sujeira que foi a gestão de Domingos Juvenil. Lógico que é bem mais fácil o pau quebrar na cabeça do menor. Só que Mônica Pinto quando se viu na arapuca, tratou de levar alguns "amigos" com ela.
Com a entrada do Ministério Público e da Polícia Civil nas investigações o circo, que pensavam estava muito bem armado, caiu e foi para o beleléu um esquemão que fraudava mensalmente  pelo menos um milhão de reais dos cofres da Alepa, na verdade nosso dinheiro. Funcionários fantasmas,  servidores  com salários milionários, superfauramentos, folhas de pagamento adulteradas e mais uma porção de falcatruas que o atual presidente da Alepa já havia decidido que não iria mexer com o caso, foram mostrados à população paraense que viu estarrecida documentos apreendidos, funcionários presos e consequetemente a  face real de parte de seus representantes na. Assembléia Legislativa.
E da política, para onde?
Na residência do ex-deputado Domingos Juvenil, ex-presidente da Assembléia Legislativa, que foi o candidato do PMDB ao Governo, e que é considerado o mentor do esquema, hoje reside um filho seu. Ele se encontra viajando. Mas na residência do ex-jogador do Paysandu e ex-deputado Robgol, que alguns já chamam de "Roubegol", foram encontrados a bagatela de 500 mil reais (isso mesmo, meio milhão!),  e mais 40 mil reais em ticketes refeição pertencentes à Alepa. Em maus lençóis, o ex-jogador vai ter que explicar onde conseguiu tão vultosa soma e o por quê de ter tantos tickets da Alepa em seu poder, já que pertence aos funcionários da casa. "Roubegol" além de ter que dizer a origem da grana, vai ter que explicar por que o dinheiro estava em sua casa e por que não foi declarado no Imposto de Renda. Bronca feia que talvez o ex-goleador, acostumado a se livrar dos zagueiros,  não consiga se safar com facilidade. A ex-servidora Mônica Pinto, que está em liberdade garças a um "habeas corpus", sempre disse que tinha muita gente envolvida no esquema. "E gente grande!", garantiu.

São Raimundo goleia Tuna desmotivada

Uma Tuna parecendo desmotivada, com um ataque cada vez mais apático,  indecisão de jogadas e cometendo vacilos infantis a Tuna foi goleada pelo São Raimundo por 4 a 1, hoje pela manhã no Estádio do Souza.. Foi um escore justo pelo volume de jogo apresentado pela equipe santarena e pelos erros cometidos pela Tuna, que entrou sem cinco titulares, poupados pelo treinador  Flávio Goiano e sem um banco de reservas à altura a Águia foi humilhada em seu próprio reduto.
O jogo já começou errado pelo horário, pois todos esperavam que fosse à tarde, a partir das 16 horas. Segundo informes, a pedido do São Raimundo a Tuna antecipou para as 9,30 da manhã, de acordo com a diretoria e Comissão Técnica, horário bom para a Tuna pegar um time mais envelhecido como o São Raimundo. Só que o plano deu errado.
A Tuna até que não começou mal. Sempre à frente, dominando as principais jogadas e chegando com certa facilidade ao gol de Labilá. Mas como vem acontecendo nos últimos jogos, o gol não saia. Depois de várias investidas, Charles ordenou para o ala direito Sató avançar o máximo, fazendo papel de ponteiro e explorasse a inexperiência do lateral  Hadson. Mas foi numa jogada de ataque da Tuna em que o desmotivado Felipe Mamão caiu de maduro esperando marcação do árbitro, fazendo com que o São Raimundo partisse rápido  da defesa  e num contra ataque eficiente, depois de uma cabeçada que  fez o goleiro Adriano bater roupa, fez o primeiro gol. O segundo gol veio logo em seguida, num lance de oportunidade  numa falha da defesa cruzmaltina.
No segundo tempo, já sem Felipe Mamão, que deu lugar a Adriano Miranda,  Flávio tirou o lateral Hadson e colocou Alexandre Pinho no meio, deslocando Japonês para a lateral. Vale salientar, que Japonês era o melhor jogador da Tuna, com lançamentos precisos e muitos desarmes.  A Tuna não melhorou em nada, e com o São Raimundo dominando o jogo, onde Sató era o nome da partida, sem dificuldades  os santarenos fizeram o terceiro gol.
A Tuna continuou brigando, num excesso de toques sem finalidades, pois  não conseguia finalizar.  Também o cansaço esperado do São Raimundo não acontecia.  Até que a Águia sofreu o quarto e decisivo gol. A equipe cruzmaltina aiinda conseguiu fazer um gol, mas já era tarde e a diferença muito grande.
A Tuna ainda está em sexto lugar, mas dependendo do final da quarta rodada poderá ficar em sétimo. Restam ainda três jogos para a equipe lusa, só que dos três só um será em casa. Um será contra o Independente em Tucuruí e o outro com o Remo, no Mangueirão. O último jogo da Águia será contra o Cametá, no Souza.
A equipe cruzmaltina tem poucas chances de classificação. Dos 9 pontos que disputará, para sonhar com a classificação terá que ganhar todos, ou pelo menos dois, empatar um e esperar por resultados. Estão difíceis as coisas para a Tuna!

terça-feira, 19 de abril de 2011

Nelson é e será sempre Nelson!

 

Ontem fez 13 anos do falecimento de Nelson Gonçalves.Não postei matéria sobre ele ontem por falta de tempo, pois como tinha muitos assuntos, as horas foram passando e deixei para fechar o dia de hoje. Nelson foi para muitos, o Frank Sinatra brasileiro. Acho pouco. Nelson, penso, tinha um significado bem maior. Para o brasileiro é eterno. Frank Sinatra, que não deixa de ser também um ícone da música internacional, é considerado o maior para os filhos de Tio Sam. Talvez o Nelson Gonçalves americano, que tal? Aqui  para nós, não. Nelson reinará sempre e sempre. Aliás, no meu perfil do Blog, escrevi que era mais Nelson Gonçalves que Sinatra. E podem crer, é verdade.
Tenho na mente algumas histórias sobre Nelson Gonçalves, aliás, sobre amantes da música deste grande cantor natural do Rio Grande do Sul, que na juventude foi lutador de boxe. A primeira é sobre um violonista destes que andavam de bar em bar, violão nas costas, cantando por uma dose de cachaça. Seu apelido: Zé do Violão. Tocava bem, o cara. Ele tinha um amigo, Peba, iniciante da prática de tocar violão e beber. Os dois tiravam dias e dias pelas ruas da cidade tocando, falando da vida e bebendo nos bares.  Zé era fissurado por Nelson Gonçalves, enquanto Peba era fan de carteirinha de Altemar Dutra. No repertório desses dois boêmios podia faltar qualquer música, mas  a "Marcha dos Marinheiros", de Dilermando Reis, "Sentimental", de Altemar Dutra  e "A volta do Boêmio", de Adelino Moreira e Nelson Gonçalves eram certas. Confesso que crescí e não sei o que deu da vida deles. Mas nunca esqueci.
Ainda sobre o grande boêmio Nelson Gonçalves: Certa feita fui a um show seu no Carrossel. Sinceramente, o cara era magérrimo, elegante e de uma voz realmente fantástica. Foi uma realização para mim, pois conheci a obra de Nelson desde garoto, inclusive sei dezenas de músicas de cor, mesmo que só tenha um disco seu, talvez o seu último trabalho, onde interpreta canções de Marisa Monte, Lulu Santos e se não me engano Lobão. Mas Nelson, podem crer, era genial. E o Blog homenageia seus fans (todos nossos pais, tios, etc) com um DVD inédito seu. Ao vivo, Nelson cantando a Volta do Boêmio. Curtam Nelson Gonçalves, ele é cult!

Ciúmes de você!

Fernando Henrique Cardoso parece  estar passando por uma crise de senilidade ou no mínimo, de idade. Não, não, de idade não é, porque ontem a Imprensa publicou que um danado de 87 anos vai ser pai de novo! Mas falando de FHC, o ex-presidente tem feito últimamente declarações estapafúrdias  e depois da repercussão negativa, tenta se fazer por não entendido, mal julgado, etc. Foi assim no caso do texto que ele escreveu onde diz que seu partido deve evitar entrar na seara do PT, que é o povão. "Devemos passar a trabalhar para trazer a classe média para nosso lado", disse FHC. A frase deixou até seus pares tucanos descontentes. Alguns foram mais severos e disseram que o ex-presidente está com problemas, pois já está com 80 anos. Acho que a idade não tem nada a ver.
Vejo o caso de FHC muito parecido com um problema freudiano. Fernando deve estar apenas passando por uma crise pessoal, existencial, talvez pela falta de holofotes, pelo esquecimento que a mídia faz de seus livros, de seu governo. Então começa a vociferar aleivosias, tolices, desafios banais na tentativa de chamar de volta para si os holofotes da mídia. Extremamente vaidoso, não aceita, o velho político, que um ex-metalúrgico, sem o conhecimento que ele tem, com escolaridade mínima seja hoje um senhor do mundo, respeitado por todos os rincões, da Amércia à Europa, da África à Ásia. Tem ciúmes porLula ser convidado para fazer palestras no mundo inteiro, ganhando bons cachês e ele, parado, talvez na praça sentando, no máximo dando  milho aos pombos.
Então FHC começa a tentar fazer comparações  sem nexo e até criar briguinhas típicas de adolescentes na escola. Agora, sua úlima arenga, foi desafiar Lula a disputar as eleições de 2014 com ele. Ou o ex-presidente tucano necessita mesmo de médico, como asseguram alguns íntimos seus, ou então seu partido necessita urgentemente chamá-lo para uma conversa mais séria. Esse garoto de 80 anos, até  para alguns tucanos, já está indo longe demais.

Do crime para o preconceito, a fuga mais fácil

A coluna de Monica Bergamo, na Folha de hoje, antecipa o suposto veredito do corregedor da Câmara, deputado Eduardo da Fonte, que deixaria o deputado Jair Bolsonaro livre até mesmo de uma advertência pelo episódio de racismo em que se envolveu com a apresentadora Preta Gil no programa CQC, da Band.
Espero que isso não venha a se concretizar.
Mas seria o coroamento da tática do deputado de fugir daquilo que praticou, o racismo – que é crime – para dizer que foi apenas um erro, dizendo que ouviu “gay” em lugar de negra.
E, também, o coroamento do preconceito, da grosseria e da falta de respeito às pessoas, que deve independer de credo, cor ou opção sexual.
Todos devemos responder por nossos atos, deputados ou não.
E quando se trata de respeitar a lei, os homens públicos têm mais dever de fazê-lo do que qualquer cidadão.
Usar o artifício de “mudar de preconceito” para escapar deste dever é, sim, indecoroso.

(Do Tijolaço)

Contra o São Raimundo Tuna não pode nem empatar!

A partida que a Tuna fará amanhã às 9,30 no Souza não será muito fácil. Mesmo que esteja com a mesma pontuação da Águia, o São Raimundo é sempre uma equipe forte, com atacantes velozes e, o principal, tem um banco de reservas formado por jogadores com as mesmas características e qualidades dos titulares. Não se pode, sob hipótese alguma, pensar sequer em empatar com o Raimundão amanhã. O resultado para a Tuna, se quiser almejar a classificação, é vitória e vitória.
Apesar de não comentar o assunto, sinto que o treinador Flávio Goiano enfrenta um grande quebra-cabeças quando o assunto é substituição. A Tuna tem um banco muito limitado, os únicos atacantes que possui para substituir os titulares Felipe Mamão e Fabinho são  Kanu e  Izaias, também conhecido por Zazá. Não são atacantes genuínos, são mais armadores e, penso, se os atacantes não estão conseguindo fazer gols, imaginemos os reservas!
Aliás, gol é outro grande problema da Tuna. Embora tenha uma defesa boa, que sofreu somente três glos, a Tuna não consegue desatolar e chegar ao gol adversário. Em três partidas fez somente 2 gols, o que é pouco para quem quer ser campeã.  Para termos uma idéia da fragilidade de nosso ataque, só estamos na frente do Águia de Marabá,  que fez apenas um gol e está na lanterna; e empatados com o Castanhal, que fez dois e está na vice lanterna.
A situação me preocupa, porque se formos analisar equipe por equipe, a Tuna foi a única que não contratou ninguém para Segunda Fase e no Campeonato contratou muito pouco, quase ninguém. E o pior: perdemos vários jogadores importantes, que tenho certeza estavam nos planos do treinador, como Fininho, Whélton, Geovane e Analdo e Charles, que voltaram para o Águia. Quem contratamos para substituí-los? É importante que isso seja discutido agora, saber o material humano que a Tuna tem, pois se conseguir a classificação para o quadrangular, como é que vai enfrentar times com meio de campo e ataques fortes como Cametá, Remo, Independente e São Raimundo, que são os que brigam com a Águia para  chegar lá?
Flávio Goiano tem que observar bem seu elenco e talvez até improvisar alguém para o ataque. A Tuna tem uma necessidade urgente de  fazer gols. É sua única salvação!

segunda-feira, 18 de abril de 2011

Geovane, que classificou a Tuna, brilha no Ceará

Geovane é titular no Ceará
Um dos maiores problemas do time da Tuna hoje é banco de reservas. O treinador Flávio Goiano tem poucos jogadores à altura dos titulares para as laterais. No meio de campo a situação também é complicada. São poucos os meias, tanto esquerda como direita. A presença mais constante é de volantes de desarme tipo Negreti e  Pit Bul e até Alexandre Pinho,  este último um bom jogador mas como já é veterano o técnico prefere lhe  poupar numa partida completa
No ataque a situação é mais triste. Fora Felipe Mamão e Fabinho o que se tem é Kanu e Zazá, que não é nem puramente atacante, mas um meia avançado.
Vejo a Tuna como bem servida de goleiros, já que Adriano é um goleiro muito bom e experiente e seu reserva eventual é Kleber, bom goleiro, de boa postura e bastante seguro.
Com sérios problemas de elenco,mesmo assim a Tuna se desfez de bons jogadores, todos jovens e até o presente inexplicavelmente. Nem o presidente, nem os diretores, tampouco o treinador dão explicações sobre jogadores que saíram do Clube recentemente. Não se sabe se foram vendidos, emprestados, se a Tuna ganhou alguma, se foram para testes, se são jogadores de empresários, enfim, é um quebra-cabeça que está entre os que comandam o Clube e ninguém sabe de nada. Nem a Imprensa, que sempre cobra alguma coisa,  fala nada.
Saíram da Tuna recentemente Alexandre Melul, que foi para o Figueirense, Whélton, que foi para Atletico Goianiense,  João Victor, que a princípio foi para o Corintians, depois mudaram para o Palmeiras. Os três são atletas jovens e de futuro, sendo que Whélton, que foi para o Atlético  Goianiense, era titular e o próprio treinador Flávio Goiano quando lançou o garoto, em conversa com o escriba comentou: "Você viu o potencial deste garoto Whélton?" , ao que respondí: "Excelente!".
Mas teve um caso que não foi falado nem comentado nem por emissoras -pelo menos eu não ouví. É o do jogador Geovane.  O atleta estreou na partida final da Tuna, a da classificação contra o Santa Rosa,  tendo feito o gol decisivo assim que entrou. Com 20 anos de idade,  craque de bola, Geovane de repente estreou, botou a Tuna no Campeonato e desapareceu. Agora aparece no Ceará Sporting Clube como titular absoluto como segundo meia, aquele que parte para o ataque. Jovem e vigoroso, Geovane em sua ficha aparece como paraense de Castanhal e ex-jogador da Tuna Luso Brasileira. Como já tem 20 anos, é claro que para jogar teria que ter contrato. E aí? Será que foi rescindido? Será que Geovane foi dispensado? Será que foi emprestado. Negociado, será? 
São perguntas que num momento em que a Tuna está carente de meia atacantes e atacantes propriamente ditos e que  os atletas surgem e desaparecem assim tão de repente e quando ressurgem já é em uma grande,  todos ficam a se perguntar.E outras perguntas: E se ele foi vendido? por quanto foi?
Quem fala em transparência, em "site transparência", e em outras grandezas, deveria preocupar-se em prestar contas do que acontece com o Clube aos conselheiros e associados. São pelo menos quatro jogadores que saíram da Tuna este ano, atletas novos, que certamente vão brilhar em grandes equipes, como Geovane que já brilha no Ceará Sporting e ninguém sabe de nada, ninguém explica nada.
Este escriba não tem nada, nadica de nada contra a diretoria, tampouco contra o presidente da Tuna, ao contrário, ajudei até a ele permanecer mais um ano à frente da Águia. Mas é importante que ele tome ciência do que tem que ser feito.Falar menos e trabalhar mais com a equipe, pois se nãopuder saber de tudo, alguém saberá e falará. Só que ao que parece, não está existindo muito entendimento, não. Ou é briga de vaidades, ou de poder. das duas uma.
Explicar, principalmente, a saída desses jogadores  e outras situações no Clube. Não adianta falar muito para quem não sabe, para quem não vivencia nem vislumbra o que acontece no Clube. Transparência é transparência. O resto- tenho dito- é perfumaria!

Playboy Aécio Neves detido por dirigir bêbado e com carteira de habilitação vencida

O playboy Aécio Neves, senador por Minas  Gerais mas com larga vivência pelas noites cariocas, foi detido às três da madrugada deste domingo dirigindo embriagado e com  carteira de habilitação vencida, e segundo o policial que o deteve, seu  teor etílico era tão alto, que temeroso ele preferiu se negar a fazer o teste do bafômetro.
Aécio estava com a namorada
 O senador mineiro, que estava com sua namorada,  teve sua carteira de motorista apreendida e para sair teve que ligar para um amigo para conduzir seu veículo, já que agora é um sem carteira. O senador vai ter que pagar uma multa de mais de mil reais, além de ter vários pontos em sua carteira.
Aécio Neves é hoje o maior nome da oposição do País. Há poucos dias fez veemente discurso no Senado, elogiado por todos os setores de seu partido, o PSDB e por membros do DEM, parceiro maior do tucanato.
O senador, que é ex-governador de Minas Gerais e neto de Tancredo Neves, é conhecido por ser um playboy rico e namorador. Frequentemente está em noitadas por boates do Rio de Janeiro e sua detenção, no momento que setores de seu partido tentam levantar sua imagem e sepultar o nome de José Serra, seu principal inimigo como futuro candidato à presidência, é segundo estudiosos políticos, prejudicial à imagem de bom moço que ele sempre quis mostrar, embora ele seja um playboy solteirão e bom de copo.
O senador há poucos anos deu um depoimento em que prega que não se deve dirigir  em alta velocidade,  alcoolizado e que os documentos em dia são fatores primordiais para quem quer mostrar que é um bom motorista. Pelo visto foi propaganda  enganosa!

MUC proibida de colocar suas bandeiras e faixas em pleno Estádio do Souza

Jovens cruzmaltinos da MUC foram desprestigiados ontem no Souza.
No jogo de ontem entre Tuna e Paysandu torcedores cruzmaltinos  notaram a ausência de bandeiras e faixas, adereços tradicionais no Estádio Francisco Vasques, organizados pela torcida organizada MUC (Movimento Uniformizado Cruzmaltino). Formado por jovens torcedores ferrenhos da Águia do Souza, os membros da MUC  já demonstravam no sábado à noite, toda sua insatisfação e até revolta,  por culpa do que havia sido definido pela diretoria da Tuna Luso Brasileira. Aliás, segundo um  dos diretores da MUC, não propriamente da diretoria, mas do coronel Joaquim Souza, que já foi da Ctbel mas que agora, ao que nos foi repassado,  é Diretor de Segurança da Tuna. Pois é, o coronel Joaquim, que no momento é quem dá as cartas para qualquer assunto que seja futebol no estádio do Souza, resolveu ceder a parte principal das arquibancadas do estádio Francisco Vasques, a gigante que fica atrás da trave à direita de quem entra, total mente para a torcida do Paysandu. E é justamente naquele local onde fica a torcida  Movimento Uniformizado Cruzmaltino (MUC) com suas bandeiras e faixas gigantes, que dão um colorido especial, um sentimento de alegria e brilhantismo aos espetáculos de futebol no Francisco Vasques.
Rogério e Claudionor, diretores da MUC ainda conversaram com o presidente Fabiano Bastos, na sexta-feira,  mas este não fez nada, por que o coronel Joaquim já havia definido que o espaço era todo para a torcida do Paysandu.
Sinceramente, além de ser desrespeito  é uma barbaridade o que fizeram com a torcida organizada da Tuna, que fica dias e noites confeccionando camisas, faixas, bandeiras com a marca da Tuna, com fotos de antigos ídolos, simplesmente pelo amor às cores da Águia, e depois não poder hastear seus coloridos adereços de torcedores  em seu próprio estádio. Quem mostrou bandeiras e faixas gigantes em pleno Souza foi o Paysandu. A  revolta dos jovens cruzmaltinos era visível, principalmente porque foram impedidos de incentivar a Tuna em partida tão importante. Alguns chegaram a dizer que o coronel é torcedor fanático do Paysandu.
De tudo isso, o mais estranho é que no estatuto da Tuna,  que define a diretoria  em número de 15 diretores, não tem esse cargo de Diretor de Segurança, que os membro da MUC garantem que é exercido pelo coronel Joaquim. Só se sabe que o cononel Joaquim é velho amigo de Fabiano Bastos.
Mais uma explicação que o presidente deve aos seus 14 diretores, aos membros da MUC, aos  associados e torcedores da Tuna Luso Brasileira.

Renda decepcionou. E agora, Presidente?

O jogo entre Tuna e Paysandu deve ter deixado o presidente cruzmaltino nervoso, nervoso. Ele insistiu em que o jogo fosse no Souza. Como cruzmaltino e sabendo o quanto Paysandu e Remo são espertos em escamotear as rendas em seus redutos, apoiei, pois, como ele falou: "vamos organizar  com competência  e para ganhar dinheiro. Se der prejuízo a gente segura". 
Agora, particularmente, eu não entendí o que aconteceu ontem no Souza em termos de renda. Sinceramente acho que tinha pelo menos 3.500 pessoas no estádio. Só o que estava mais ou menos vazio era a arquibancada principal. O resto estava lotado, com muitas pessoas em pé perto dos alambrados. No final, o que se viu foi uma vergonhosa renda de 26 mil reais e um público de 1500 pessoas. Sei não, mas é muito difícil de entender.
No sábado, final da tarde, falei com o presidente e perguntei-lhe das expectativas para o jogo. "Acho que vamos vender tudo. Já foram vendidos mais de mil ingressos, então acho que amanhã a gente vende pelo menos mais três mil", falou Fabiano. O planejamento feito pela diretoria até que foi bem. Entrada pela lateral para associados guardarem seus carros com um diretor organizando; diretor de plantão na parte dos fundos do clube, impedindo a entrada de penetras e diretor na escada que dá acesso à Imprensa. só permitindo a entrada de credenciado da CLEP. O negócio foi realmente bem organizado, o que significa dizer que a diretoria fez o possível para que Não houvesse reclamação. O problema foi o resultado final: uma renda medíocre, um público que supõe-se foi maior que o declarado e um prejuízo enorme para a Tuna. Ou seja: a festa foi bonita, não aconteceram problemas, mas dinheiro para a Tuna que é bom, neca, neca. A Águia, penso, pagou para jogar.