quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Ator Tony Curtis morre aos 85 anos


O ator ameri
Tony, com sua ex-mulher a atriz Marilyn Monroe
cano Tony Curtis morreu aos 85 anos em sua residência na cidade de Henderson, no estado americano de Nevada, informou nesta quinta-feira (30) sua filha, a atriz Jamie Lee Curtis.
Protagonista de várias comédias de Hollywood das décadas de 1950 e 1960, como Quanto Mais Quente Melhor (1959), Curtis foi hospitalizado em julho em Las Vegas (EUA) por conta de problemas respiratórios, mas as razões de sua morte ainda não foram divulgadas.
Tony Curtis tinha mais de 50 anos de carreira e pelo menos uma centena de filmes como protagonista. O ator,  cujo verdadeiro nome era Bernard Schwartz, nasceu em 3 de junho de 1925, em Nova York, em uma família de origem judaica.
Estudou interpretação na Academia de Arte Dramática de sua cidade natal e, em 1949, estreou em Hollywood com um papel de coadjuvante em Baixeza.
Sua popularidade no cinema começou dois anos depois com O Príncipe Ladrão e protagonizou depois títulos como Trapézio (1956), Acorrentados (1958) e Spartacus.
Uma de suas mais famosas interpretações seria Quanto Mais Quente Melhor, na qual Billy Wilder contracenou com  Marilyn Monroe e Jack Lemon.
Curtis se casou seis vezes, a primeira delas em 1951 com a atriz Janet Leigh, mãe de suas filhas Jamie Lee e Kelly Curtis, ambas atrizes.
Ele deixa a mulher, a modelo Jill Vandenberg, 45 anos mais nova do que ele.
Tony Curtis se despediu do cinema em 2005 com uma colaboração na série televisiva CSI. Nos últimos anos de vida, cultivou uma de suas grandes paixões, a pintura.
Em 2008, expôs uma coleção de 35 quadros nas lojas de departamento londrinas Harrods.
O ator sempre mostrou seu amor pelo cinema. "Continuo gostando do cinema porque é minha vida. Sou feito de celuloide", declarou, ao receber em 2000 um prêmio no Festival Internacional de Sitges.

Lula ataca os que usam baixarias na religião

video
As baixarias do PSDB, grupos serristas povoaram as duas últimas semanas na Internet. Foram coisas inimagináveis por uma cabeça sã. Infelizmente, os inconformados, os inimigos do povo, dos trabalhadores, da democracia, acham-se com o direito de entrar na vida das pessoas, denegrindo, desrespeitando as próprias famílias que por acaso acessam a vídeos tão  falsos, tendenciosos, pura armação da elite conservadora e reacionária. Maus cristãos, que usam até a religião com fins eleitorais e até para ferir, embora na própria Bíblia esteja escrito  que o Senhor é superior a tudo. Os inimigos dos pobres, a elite conservadora que tanto perseguiu Lula desde sua primeira disputa eleitoral em 1989, até 2002 e 2006, quando ele com apoio popular  venceu e fez o maior governo da história do Brasil, agora volta a carga com preconceito, com mentiras, uma verdadeira barbárie de invencionice contra Dilma e o PT. Foi preciso o Presidente Lula falar no programa da candidata Dilma e ela mesma dar entrevista à TV Record e mostrar que tudo é fantasia. Dilma é mãe, avó e como todos, brasileiros e brasileiras tem suas família, suas crenças, sua educação religiosa e jamais, nem Dilma, nem o PT, nem Lula, discriminarão nossos irmãos evangélicos, católicos, espíritas, etc. "Todos", diz Dilma, "são iguais perante a Lei dos homens e a Lei de Deus". Aqui, Lula dando seu recado e mostrando o Brasil que ele, Dilma e nós amamos e queremos.

A estranha ligação de Serra para Gilmar Mendes

Vergonhoso o que José Serra tramou junto ao seu  "camarada" Gilmar Mendes, ontem. Depois da obrigatoriedade da apresentação de dois documentos para votar estar sendo "destruída" por sete votos a zero no STF, faltando somente o voto de Gilmar Mendes, este, após receber telefonema de Serra adiou seu voto para hoje e poderá, em atitude antedemocrática e para não dizer reacionária, fazer valer a lei que obriga o voto com dois documentos.  A votação foi suspensa e Mendes falou que "vai tentar" trazer seu voto hoje.
O fato foi testemunhado por vários jornalistas, inclusive da equipe do jornal serrista Folha de São Paulo, e hoje é denunciado em  vários jornais e blogs, embora Mendes e Serra neguem o "papo". O assunto da exigência dos dois documentos foi comentado pela relatora do processo, ministra Ellen Gracie, que disse que "a apresentação do título não é tão indispensável quanto à identificação com a fotografia. Cada urna conhece seus eleitores. Cada urna eleitoral tem no máximo 400 eleitores do distrito. Se qualquer outra pessoa for votar naquela urna o voto não é aceito. Além disso, o caderno de votação tem dados do eleitor, como data do nascimento e filiação. Essa análise é ofensiva ao princípio de razoabilidade, uma exigência desmedida", concluiu a ministra Ellen Gracie.

Nariz do tucano Jatene ficou igual ao do Pinóquio


Com certeza o nariz de tucano (já bastante crescido) de Simão Jatene, deve ter crescido muito mais, nos últimos dias,  mas muito mesmo.
Loroteiro, com orientação de seus marqueteiros a mostrar segurança no falar, o pescador se perdeu durante todo o debate da TV Liberal, e até nos números onde ele, como seu parceiro Serra, se acha o bom, perdeu feio, principalmente quando inquirido por Ana Júlia, Juvenil e Carneiro. Simão, mais uma vez muito nervoso, inclusive com uma equipe médica de plantão (por medo dele ter um “piripaque”, ja que o candidato é cheio de problemas cardiovasculares, pressão alta, etc.), abusou das mentiras, pegadinhas e de não mostrar nada, absolutamente nada de propostas para o Pará e para Belém. Mentiu na questão da escolha de Almir para a eleição de 2006, quando traiu o ex-governador, dando uma rasteira no homem que o lançou na vida pública. Mentiu também sobre o Projeto Alvorada, onde nada foi concluído e mais de 40 milhões de reais desapareceram. Jatene abusou de mentir, como mentiu no debate passado, quando falou que o dinheiro da venda da Celpa "construiu a Alça Viária". Todo mundo sabe que a Alça foi construída com dinheiro público federal, nada de dinheiro da Celpa, que como o do Projeto Alvorada, desapareceu. E Jatene não explicou nada. Absolutamente nada. Em todo o debate, Jatene, ao contrário, escondeu as mazelas dos 12 anos que seu partido governou o Pará. E, para provar que as pegadinhas e números que apresenta são lorotas, conversa pra boi dormir, não soube responder quanto seu governo gastou em publicidade com seu amigo da Agência Grifo. O candidato do Psol fez-lhe a pergunta, ele respondeu: "123 milhões". E o candidato Carneiro mostrou que suas contas apresentavam um gasto de 83 milhões. em publicidade. Quer dizer, os 50 milhões só o Jatene pode explicar onde colocou. Como também as perdas dos servidores públicos em seu governo. O candidato do PSDB diz que os servidores tiveram ganho, mas o Dieese mostrou que  as perdas no bolso dos servidores foi de "apenas" 76 por cento.
O debate da TV Liberal serviu para o eleitor avaliar quem é quem realmente. Quem é loroteiro, quem mente, quem é fruto de marqueteiroDilma. As indústrias, as siderúrgicas que o governo passado havia praticamente perdido e que Ana com o apoio de Lula reverteu e trouxe  de volta para nosso Estado. Pontes, estradas, reformas e construções de escolas, o Navega Pará, aparelhamento da Polícia, construção de hospitais,  Hidrelétrica de Belomonte, o viaduto da Dr. Freitas e o que está sendo inaugurado na Independência são obras reais, não são a ficção dos que só sabem privatizar e conversar bonito. Os números da governadora Ana Júlia são verdadeiros, de um Pará que mostrou sua cara.. Mas os números que Jatene apresenta, estes sim, são falsos, pura ficção. É por isso que Simão (que privatizou a Celpa por um terço do valor e que quer privatizar a Cosanpa),  candidato do FHC e do Serra, sente seu nariz crescer  diariamente de tanto mentir e já assusta até o próprio Pinóquio.

O dia em que Belém parou

Volto a abordar o assunto tecnologia Sem dúvida, a Internet é um dos maiores inventos e o maior avanço deste século 21, embora remonte do século passado. Mas também quando dá o famoso "bugue", valha-me Deus! E foi o que aconteceu ontem, quando quase toda Belém ficou sem a poderosa Internet, sem telefone celular. e sem funcionamento dos bancos. Belém praticamente parou ontem! O bicho pegou e o escriba mais uma vez sentiu saudades da velha olivetti. E que saudade! Mas hoje voltamos "decomforça" com pelo menos uma matéria que seria postada ontem. Desculpem!

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

Depois do Vox Populi, agora é o Ibope que desmente Folha: Dilma 50%,


Pesquisa CNI/Ibope divulgada há pouco em Brasília mostra que a 4 dias das eleições a candidata Dilma (PT) tem 50%, Serra (PSDB) 27% e Marina (PV) 13% das intenções dos votos.
Os demais candidatos não atingiram 1% . Votos brancos/nulos, não sabem, ou não responderam representam 8%.
Em comparação com a última pesquisa CNI/Ibope, divulgada em junho, Dilma subiu 12% e Marina 6%. Serra foi o único a registrar queda (5%).
Na pesquisa espontânea (em que não é indicado o nome do candidato), Dilma tem 44% contra 21% de Serra e 10% de Marina.  Branco/ nulo, não sabem ou não responderam representam 23%.
Na espontânea, Lula foi citado por 1% dos entrevistados.
Serra é o que tem o maior índice de rejeição. Segundo o levantamento, 34% dos entrevistados disseram que não votariam nele.
Nesse quesito, Marina tem 28% de rejeição e Dilma 27%.
Em um cenário de segundo turno, Dilma aparece com 55% contra 32% de Serra.
Em uma possível disputa entre Dilma e Marina, a candidata do PT tem 56% e a do PV 29%.
Quanto ao partido de preferência dos eleitores, o PT aparece na frente citado por 27% dos entrevistados, seguido pelo PMDB e PSDB com 5%, cada um.
Aqueles que não têm preferência por partido representam 48%.
A pesquisa foi aplicada entre os dias 25 a 27 de setembro. Foram feitas 3010 entrevistas em 191 municípios.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Juristas lançam manifesto defendendo Governo Lula

 Um grupo de renomados juristas divulgou nesta segunda-feira (27) manifesto intitulado “Carta ao Povo Brasileiro”, onde reafirmam o compromisso do governo Lula com a preservação e a consolidação da democracia no pais. Os juristas rebatem a tese do “autoritarismo e de ameaça à democracia” que setores da grande imprensa e a oposição vêm tentando imputar ao presidente Lula e ao seu governo, após o presidente ter feito críticas ao comportamento da mídia em relação à candidatura de Dilma Rousseff.
A iniciativa é uma resposta ao manifesto lançado por um outro grupo de juristas de direita, ligados ao PSDB e ao DEM, que lançaram texto a pedido dos empresários da mídia atacando o presidente Lula.
“Nos últimos anos, com vigor, a liberdade de manifestação de idéias fluiu no País. Não houve um ato sequer do governo que limitasse a expressão do pensamento em sua plenitude. Não se pode cunhar de autoritário um governo por fazer criticas a setores da imprensa ou a seus adversários, já que a própria crítica é direito de qualquer cidadão, inclusive do Presidente da República”, diz um trecho do documento, assinado por dezenas de personalidades do mundo jurídico, incluindo vários presidentes estaduais da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).
O documento registra ainda que é preciso deixar o povo “”tomar a decisão dentro de um processo eleitoral legítimo, dentro de um civilizado embate de idéias, sem desqualificações açodadas e superficiais, e com a participação de todos os brasileiros”.

Veja abaixo a íntegra do manifesto:

Em uma democracia, todo poder emana do povo, que o exerce diretamente ou pela mediação de seus representantes eleitos por um processo eleitoral justo e representativo. Em uma democracia, a manifestação do pensamento é livre. Em uma democracia as decisões populares são preservadas por instituições republicanas e isentas como o Judiciário, o Ministério Público, a imprensa livre, os movimentos populares, as organizações da sociedade civil, os sindicatos, dentre outras.
Estes valores democráticos, consagrados na Constituição da República de 1988, foram preservados e consolidados pelo atual governo.

Governo que jamais transigiu com o autoritarismo. Governo que não se deixou seduzir pela popularidade a ponto de macular as instituições democráticas. Governo cujo Presidente deixa seu cargo com 80% de aprovação popular sem tentar alterar casuisticamente a Constituição para buscar um novo mandato. Governo que sempre escolheu para Chefe do Ministério Público Federal o primeiro de uma lista tríplice elaborada pela categoria e não alguém de seu convívio ou conveniência. Governo que estruturou a polícia federal, a Defensoria Pública, que apoiou a criação do Conselho Nacional de Justiça e a ampliação da democratização das instituições judiciais.

Nos últimos anos, com vigor, a liberdade de manifestação de idéias fluiu no País. Não houve um ato sequer do governo que limitasse a expressão do pensamento em sua plenitude.

Não se pode cunhar de autoritário um governo por fazer criticas a setores da imprensa ou a seus adversários, já que a própria crítica é direito de qualquer cidadão, inclusive do Presidente da República.

Estamos às vésperas das eleições para Presidente da República, dentre outros cargos. Eleições que concretizam os preceitos da democracia, sendo salutar que o processo eleitoral conte com a participação de todos.

Mas é lamentável que se queira negar ao Presidente da República o direito de, como cidadão, opinar, apoiar, manifestar-se sobre as próximas eleições. O direito de expressão é sagrado para todos – imprensa, oposição, e qualquer cidadão. O Presidente da República, como qualquer cidadão, possui o direito de participar do processo político-eleitoral e, igualmente como qualquer cidadão, encontra-se submetido à jurisdição eleitoral. Não se vêem atentados à Constituição, tampouco às instituições, que exercem com liberdade a plenitude de suas atribuições.

Como disse Goffredo em sua célebre Carta: “Ao povo é que compete tomar a decisão política fundamental, que irá determinar os lineamentos da paisagem jurídica que se deseja viver”. (http://www.goffredotellesjr.adv.br/carta.htm#um

Deixemos, pois, o povo tomar a decisão dentro de um processo eleitoral legítimo, dentro de um civilizado embate de idéias, sem desqualificações açodadas e superficiais, e com a participação de todos os brasileiros. 

ADRIANO PILATTI – Professor da PUC-Rio

 AIRTON SEELAENDER – Professor da UFSC

ALESSANDRO OCTAVIANI – Professor da USP

ALEXANDRE DA MAIA – Professor da UFPE

ALYSSON LEANDRO MASCARO – Professor da USP

ARTUR STAMFORD – Professor da UFPE

CELSO ANTONIO BANDEIRA DE MELLO – Professor Emérito da PUC-SP

CEZAR BRITTO – Advogado e ex-Presidente do Conselho Federal da OAB

CELSO SANCHEZ VILARDI – Advogado

CLÁUDIO PEREIRA DE SOUZA NETO – Advogado, Conselheiro Federal da OAB eProfessor da UFF

DALMO DE ABREU DALLARI – Professor Emérito da USP

DAVI DE PAIVA COSTA TANGERINO – Professor da UFRJ

DIOGO R. COUTINHO – Professor da USP

ENZO BELLO – Professor da UFF

FÁBIO LEITE – Professor da PUC-Rio

FELIPE SANTA CRUZ – Advogado e Presidente da CAARJ

FERNANDO FACURY SCAFF – Professor da UFPA e da USP

FLÁVIO CROCCE CAETANO – Professor da PUC-SP

FRANCISCO GUIMARAENS – Professor da PUC-Rio

GILBERTO BERCOVICI – Professor Titular da USP

GISELE CITTADINO – Professora da PUC-Rio

GUSTAVO FERREIRA SANTOS – Professor da UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco

GUSTAVO JUST – Professor da UFPE

HENRIQUE MAUES – Advogado e ex-Presidente do IABHOMERO JUNGER MAFRA – Advogado e Presidente da OAB-ES

IGOR TAMASAUSKAS – Advogado

JARBAS VASCONCELOS – Advogado e Presidente da OAB-PA

JAYME BENVENUTO – Professor e Diretor do Centro de Ciências Jurídicas da

Universidade Católica de Pernambuco

JOÃO MAURÍCIO ADEODATO – Professor Titular da UFPE

JOÃO PAULO ALLAIN TEIXEIRA – Professor da UFPE e da Universidade Católica de Pernambuco

JOSÉ DIOGO BASTOS NETO – Advogado e ex-Presidente da Associação dos

Advogados de São Paulo

JOSÉ FRANCISCO SIQUEIRA NETO – Professor Titular do Mackenzie

LENIO LUIZ STRECK – Professor Titular da UNISINOS

LUCIANA GRASSANO – Professora e Diretora da Faculdade de Direito da UFPE

LUÍS FERNANDO MASSONETTO – Professor da USP

LUÍS GUILHERME VIEIRA – Advogado

LUIZ ARMANDO BADIN – Advogado, Doutor pela USP e ex-Secretário de Assuntos

Legislativos do Ministério da Justiça

LUIZ EDSON FACHIN – Professor Titular da UFPR

MARCELLO OLIVEIRA – Professor da PUC-Rio

MARCELO CATTONI – Professor da UFMG
MARCELO LABANCA – Professor da Universidade Católica de Pernambuco 

MÁRCIA NINA BERNARDES – Professora da PUC-Rio

MARCIO THOMAZ BASTOS – Advogado

MARCIO VASCONCELLOS DINIZ – Professor e Vice-Diretor da Faculdade de

Direito da UFC

MARCOS CHIAPARINI – Advogado

MARIO DE ANDRADE MACIEIRA – Advogado e Presidente da OAB-MA

MÁRIO G. SCHAPIRO – Mestre e Doutor pela USP e Professor Universitário

MARTONIO MONT’ALVERNE BARRETO LIMA – Procurador-Geral do Município de

Fortaleza e Professor da UNIFOR

MILTON JORDÃO – Advogado e Conselheiro do Conselho Nacional de Política Criminal e Penitenciária

NEWTON DE MENEZES ALBUQUERQUE – Professor da UFC e da UNIFOR

PAULO DE MENEZES ALBUQUERQUE – Professor da UFC e da UNIFOR

PIERPAOLO CRUZ BOTTINI – Professor da USP
RAYMUNDO JULIANO FEITOSA – Professor da UFPE

REGINA COELI SOARES – Professora da PUC-Rio

RICARDO MARCELO FONSECA – Professor e Diretor da Faculdade de Direito da

UFPR

RICARDO PEREIRA LIRA – Professor Emérito da UERJ

ROBERTO CALDAS – Advogado

ROGÉRIO FAVRETO – ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça

RONALDO CRAMER – Professor da PUC-Rio

SERGIO RENAULT – Advogado e ex-Secretário da Reforma do Judiciário do Ministério da Justiça

SÉRGIO SALOMÃO SHECAIRA – Professor Titular da USP

THULA RAFAELLA PIRES – Professora da PUC-Rio

WADIH NEMER DAMOUS FILHO – Advogado e Presidente da OAB-RJ

WALBER MOURA AGRA – Professor da Universidade Católica de Pernambuco

(Do Portal Vermelho).

Camarilha de golpistas volta a atacar!

O desespero bate à porta da extrema direita. Dos conservadores que não aceitam o Brasil que deu certo. Dos ratos que torcem a favor do subdesenvolvimento, que querem a miséria, a fome, a ignorância, pois o homem ignorante é mais fácil de ser manipulado. Outrora o quarto poder, a Imprensa hoje perde sua grande qualidade que era de informar a verdade. Trocou a verdadeira, a boa informação pelas calúnias, pela torcida contra, pela volta da fome, da miséria. Não gosta, a imprensa conservadora e a burguesia que mandou por 500 anos neste pais, que o pobre melhore de vida, que mude de classe, e como isto aconteceu  e agora se vê ameaçada pela legitimidade de uma administração voltada ao povo, aos mais humildes, quer tumultuar, botar sujeira no ventilador. Uma burguesia que é menos de 5 por cento da população, mas que quer a volta da escravidão, da época da  senzala, que Lula trabalhou para mudar e conseguiu reverter em 8 anos.
O povo não vai aceitar a tentativa de virada de mesa da direita canalha, repressora, que odeia pobre, que acha que quem recebe Bolsa Escola tem é que passar fome mesmo; Dos golpistas que não gostam de Lula, de Dilma, de Ana Júlia porque o povo está com eles e para os ricos, os burgueses, os reacionários, os fascistas, "o povo tem que sofrer". Mas Lula, Dilma e Ana vão vencer, o povo vai vencer a camarilha que quer voltar à época da roubalheira, das privatizações, das concorrências de cartas marcadas vencidas pelo "senador" biônico, dono de construtora que oprime operários  e que a Polícia Federal conhece muito bem.
Contra estes reacionários, inimigos do povo trabalhador, do povo que mudou de classe em 8 anos graças a competência de um  governo de um trabalhador, 13 neles. O povo é o poder. O poder é o povo!

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

Chico e Zizi cantam "Pedaço de mim"

video
"Pedaço de mim" é uma das mais bonitas canções de Chico Buarque de Hollanda. A interpretação original da música, na belíssima voz de Zizi Possi com o autor Chico, é um deslumbramento só, capaz de fazer chorar, sorrir e de arrepiar até os corações mais insensíveis. O tema da música é a suadade, palavra que só existe  na língua portuguêsa. Alguns versos da canção podem até fazer chorar de tão belos e fortes. Cheia de figuras de linguagem, principalmente metáforas, "Pedaço de mim" diz que "a saudade é o revés de um parto", numa bela e até intrigante comparação e é mais forte ainda quando  diz que ela, a saudade "é arrumar o quarto do filho que já morreu". Detalhe especialíssimo: a beleza fulgaz de Zizi e sua fantástica expressão  facial ao intepretar. Curtam Zizi e Chico em "Pedaço de mim".

A Imprensa e as "famiglias"

O jornal O Estado de São Paulo, em editorial, declarou apoiar (deslavadamente, vale salientar), a candidatura do tucano Serra à Presidência. Hoje, pela manhã, a candidata verde Marina Silva declarou que Serra intimida a Imprensa. Inquirida sobre como o tucano intimidava a imprensa, Marina disse:  "Ele ao que parece está sempre com raiva, sempre nervoso e quando alguém faz uma pergunta que ele não gosta ele lança aquele olhar de raiva, de intimidação, parecendo que quer brigar com o repórter", disse a candidata do PV.
O que o Estadão declarou em editorial foi, como diria Nelson Rodrigues, o "óbvio ululante". Desde o  começo da campanha à Presidência a Folha de São Paulo, O Globo, Veja e Estadão estão escancaradamente defendendo a candidatura tucana. A Veja vergonhosamente, está sendo distribuída gratuitamente todas as semanas, criando factoides e com capas sensacionalistas, mostrando o quanto a tradicional revista dos Civita se prostituiu nos últimos anos. Para os neófitos, essa posição pode até refletir positivamente, mas para os que têm consciência a emenda pode sair pior que o soneto, já que é notório que esse "puxamento de saco" é eleitoreiro, ou seja, os grandes veículos da imprensa defendem o tucano porque querem, em uma possível eleição de Serra, o "pagamento" de benesses em forma de publicidade.
Tudo leva a crer que a candidata petista Dilma Rousseff ganha em primeiro turno. Pesquisas mostram que no Sul, Centro Oeste, Norte e Nordeste a candidata do presidente Lula ganha com muitos furos acima dos dois oposicionistas juntos. Para Os dois candidatos não será vergonha, porque eleição ou se ganha ou se perde. Mas para a Grande Imprensa será vergonhoso. Fazer jornalismo de botequim, com matérias requentadas e de cunho jornalístico pior do que duvidoso, chulo mesmo, vai ficar difícil mesmo que as "famiglias", como disse Leonardo Boff, tenham muito dinheiro. mas, certamente, boa parte da força elas (as famiglias) vão perder.

Sono, mentiras e falso moralismo

Se continuar assim, sem nenhuma novidade na sua construção, os debates tendem a cair na mesmice e no desinteresse do eleitor. Ontem o que se viu foi uma Marina disposta a pisar até no pescoço da própria mãe para ver se ganha uns pontinhos. Um Serra sem propostas, sem discurso e até sem responder as perguntas que lhe foram feitas, preocupado somente em atacar o PT e dizer que é "o bom, o melhor e que sabe fazer". Já o veterano Plínio, saiu-se como sempre mais ou menos, apesar de cochilar, esquecer as perguntas e preocupar-se principalmente em dizer que vai estatizar tudo. Pelo que ficou caracterizado, Dilma está bastante escolada e mesmo sendo bastante "perseguida" pelos seus três adversários conseguiu manter-se firme e coerente em suas respostas.
O bom foram as intervenções dos jornalistas da Record, independentes e bem claras, sem usar nada de  pegadinhas ou perguntas capciosas. Plínio foi brilhante quando Serra tentou envolvê-lo criticando a política externa de Lul, que segundo o tucano, tem negócios com Irã, etc. Plínio, bastante consciente, disse que ditadura e a dos EUA, que nesse ponto aplaude a política externa de Lula. Já Serra gaguejou quando inquirido dos problemas do mensalão do DEM, seu parceiro e do envolvimento de Arruda, que foi cotado para ser seu vice. Teminou por recohecer que o ex-governador do DEM foi o chefe da máfia do DF. Na questão de números, como seu parceito no Pará, mente demais.
Marina ficou quietinha quando Dilma lembrou-lhe que quando foi ministra do Meio Ambiente, aconteceram escândalos, fato natural. "E você é testemunha que eu mesma orientei você e a Polícia Federal para apurar tudo. E tudo foi apurado", esclareceu a candidata petista.
O próximo debate, o global, talvez seja insosso como o da Record. Só esperamos que o ex-petista e milionário Plínio, que tem o "pequeno" patrimônio de quase três milhões de reais, boa parte aplicado no sistema financeiro, ofereça para dividir um pouco com os mais pobres, como este escriba. E que Marina, que é contra o aborto em qualquer circunstância, chama os adversários de "demonizados", fale a verdade e reconheça que é o que é  hoje graças ao PT. Cuspir no prato que comeu, com um falso surpermoralismo, não vale!