segunda-feira, 30 de dezembro de 2013

FPF tem que urgentemente aumentar número de equipes que disputam o Parazão!

Um Campeonato Paraense sem uma das três principais equipes da capital não pode ser interessante. Isso não é somente este escriba que diz, mas a maioria dos amantes do futebol, que não aceitam mais o que a FPF está fazendo com o nosso combalido esporte bretão, organizando uma competição com apenas oito equipes onde estão somente dois times da capital.
Ora dirão: "mas a vaga tem que ser ganha dentro de campo e a Tuna não ganhou". Certo. Mas o ideal seria, já há alguns anos, que o Campeonato Paraense fosse composto de 12 equipes ou, de pelo menos 10.
A Federação Paraense de Futebol, através de seus "estrategistas" (que são os mesmos há pelo menos 15 anos) acham que um campeonato com 12 equipes dá prejuízo. Já pesquisei sobre o assunto e a conclusão que cheguei é que  maioria dos desportistas quer um campeonato com um maior número de equipes. Mesmo porque, no caso da Tuna, por exemplo, que este escriba é consciente que tem uma torcida não muito grande, mas que se formar um time competitivo, com bons jogadores, que consiga chegar bem colocada nas partidas finais, com certeza gerará boas rendas. Em 2007 nós conseguimos isso.
Defendo que seja feita urgentemente uma pressão nos que comandam o nosso sofrido futebol, e que não aceitam nem conversar sobre assunto do possível aumento do número de equipes participantes do Campeonato Paraense. É importante que desportistas, representantes de todas as equipes, assim como os que gostam e querem o melhor para o nosso futebol, provoquem uma discussão no sentido de abrir a possibilidade de já no próximo ano aumentar o número de clubes que disputam o Parazão. 
Se tiver que ser, que seja feito um estudo que mostre que sem clubes tradicionais como Tuna e Águia, principalmente, o Campeonato perde um pouco do seu brilho, como perdem também os desportistas. 
Hoje, equipes do interior como Gavião, Santa Cruz e Paragominas estão no Parazão. É positivo pelo direito conquistado de representar seus municípios. Mas se olharmos pela ótica do que fala a FPF, que usa sempre o critério de "que 10 equipes dá prejuízo", qual a torcida dessas três equipes para proporcionar  boas arrecadações? Afirmo com certeza que nenhuma delas tem torcida e proporcione renda maior que a Tuna!. 
A FPF tem que usar argumentos sólidos, que convençam  a não inclusão de mais quatro ou no mínimo duas equipes no Parazão, se não vai prevalecer  o que que realmente muitos pensam, que é a politicagem feita com ligas que sempre favorece aos times interioranos. 

Brasil, um país sem ídolos

A grande mobilização dos brasileiros interessados pela luta de Anderson Silva e Chris Weidman no sábado, mostra o quanto estamos carentes de ídolos. Somos hoje um país sem ídolos.
O lutador brasileiro, tido como o maior de MMA de todos os tempos, teve a infelicidade de no segundo round, que havia começado bem melhor que seu opositor, quebrar a tíbia, num lance de pura falta de sorte, frustrando milhões de brasileiros que ficaram até de madrugada loucos para gritar vitoriosos que o cinturão era novamente do Brasil e do grande Anderson Silva.
O Brasil está sem um grande ídolo no esporte já há algum tempo. Em épocas não muito distantes, podíamos nos vangloriar de termos ídolos no futebol, embora brilhando em outro país, na Fórmula , no tênis, no basquete e até maratonista.
Hoje a situação é de pura lamentação. Não temos mais grandes ídolos no futebol, pois já há algum tempo não temos um jogador de futebol brasileiro como o Melhor do Mundo. Neymar está aí, mas pelo menos por ora ainda vai ter que ralar para tomar a coroa de Messi ou de Cristiano Ronaldo.
Na Fórmula 1, onde já tivemos gênios campeoníssimos mundiais como Emerson Fittipaldi, Nelson Piquet e Airton Senna, nossa situação ainda é mais lamentável. Se temos pelo menos uma esperança no futebol com Neymar, no automobilismo ela já esmaeceu há tempos. Depois de Senna, aos poucos foi desaparecendo a "promessa" com Rubens Barrichello, que passou por grandes escuderias e terminou como um piloto comum, nem a sombra de Senna, que ainda é endeusado como um dos maiores da história do automobilismo.
O mesmo caminho tomou, ao que parece, a jovem promessa de alguns anos passados, Felipe Massa. Arrojado, mesmo assim não conseguiu deslanchar e a partir de 2014 cai de peso internacionalmente, saindo de uma grande escuderia para a pequena Williams.
No basquete masculino, onde já tivemos ídolos como Oscar, Marcel, Carioquinha, hoje estamos tentando refazer uma seleção. No feminino, depois do brilho da geração de Hortência, Marta, Paula, Janete, além de outras, hoje lutamos para fazer uma equipe competitiva, mas ainda muito carente, de pouca qualidade. O mesmo acontece com o vôlei, onde não temos ídolos depois da famosa geração de Bernard e companhia.
No tênis, também, depois de Gustavo Kuerten, que brilhou como campeão em três Roland Garros, estamos agora sem um representante de peso. Os que surgem neste elitizado esporte, que mesmo sendo de poucos entendedores, mas pelo amor á pátria conseguiu mobilizar o País, não conseguem figurar no ranking internacional.
Com o sério incidente com o lutador de MMA Anderson  Silva, que era o candidato mais serio a ser o nosso novo ídolo com um grande apelo internacional, o povo brasileiro vai ter que esperar que surja em qualquer esporte algum nome com forte apelo popular até a Copa do Mundo, que acontece em nosso País no meio do ano.
Fora de combate pelo menos por nove meses, Silva, se voltar a lutar, com certeza não será mais como antes. E mesmo se conseguir voltar à sua antiga forma, durante a longa espera, teremos que torcer por um bom resultado na Copa do Mundo e que apareça algum ídolo para suprir nossa necessidade e reverenciar sempre um brasileiro no esporte.

sexta-feira, 27 de dezembro de 2013

Portuguesa cai para a Série B no STJD

Sinceramente como acho esses julgamentos do STJD uma verdadeira palhaçada. Nunca ouvi falar de um julgamento em que um time pequeno ou pelo menos menor que um gigante de Rio, São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul levasse a melhor no superior tribunal do futebol.
Hoje foi a Portuguesa que mais uma vez levou a pior. O time paulista já havia perdido quatro pontos e feito o Fluminense subir, ou melhor, voltar para a Série A. Agora no STJD levou novamente a pior.
Acho que recorrer foi perda de tempo dos dirigentes da Lusa. Todos sabem que ali naquela "madrasta mais rica", os clubes mais fortes sempre levam vantagem. E o Fluminense, com todo respeito, tem "enorme feitos" lá dentro, já tendo conseguido "subir" da Série C para a A. É mole? Tem força, não é?
As perlengas no STJD continuam pela tarde e, a meu ver, a troco de nada. Nenhum resultado mudará mais nada. O Flamengo mesmo perdendo os quatro pontos (que acho também ilegal perder, porque se a partida foi pela Copa do Brasil, acho que ele não poderia perder pontos no Brasileiro) continuará na Série A. Quanto ao Vasco, penso que não conseguirá mudar a situação do jogo em que o  delegado "sargentão" Antonio Lopes, que é dirigente do Atlético paranaense,  quase bate no Roberto Dinamite e no delegado da partida. Prevaleceu o que ele queria: a partida continuou, mesmo com mais de uma hora de paralisação, e com três pessoas em estado grave sendo transportadas para um hospital.
Queria ver coragem era dos próceres do STJD peitar o delgado, dando os pontos para o Vasco ou anulando o jogo.
Duvido!

"Mais Médicos" já atendeu 1.4 milhão no Pará

Newton Pereira com os médicos cubanos em Belém
O ano está para terminar e o Governo Federal contabiliza como uma de suas maiores vitórias o Programa Mais Médicos. 
Na realidade nunca um programa social teve tanto sucesso e apoio quase unânime em todo o pais como o Mais Médicos da presidenta Dilma Rousseff.
É perfeitamente natural as críticas, principalmente as patrocinadas pela oposição, que nunca ajuda, e na maioria das vezes, só atrapalha. Mas o sucesso do programa em todo o país, com milhões de atendimentos em todos os estados, nos recantos de mais difícil acesso, mostrando que o Programa, em sua essência, é uma realidade que até os críticos do Partidos dos Trabalhadores, parabenizam.
No estado do Pará, o Programa Mais Médicos é o sétimo nacional em atendimento. Até o presente, cerca de 1 milhão e 400 mil habitantes foram atendidos pelos 408 profissionais, em sua maioria cubanos, que atuam em quase todos os municípios paraenses, desde a periferia de Belém até as mais longínquas aldeias indígenas.
Segundo o Ministério da Saúde, o Programa Mais Médicos atua em todos os estados da federação, sendo o estado que possui maior numero de profissionais e consequentemente o líder em atendimentos, a Bahia, com 2 milhões e 700 mil atendimentos.
Em todo o Brasil, o Programa Mais Médicos já atendeu em torno de 23  milhões de brasileiros, em sua maioria pessoas carentes. O Programa atua em áreas periféricas das capitais e em municípios do interior, inclusive os de difícil acesso, como aldeias indígenas no Pará, Acre, Amazonas e Roraima.
Iniciado em 8 de Julho, portanto com menos de seis meses de atuação, o Programa atingiu  a meta estabelecida pelo Ministério da Saúde, segundo o ministro Alexandre Padilha. "O Governo cumpriu três desafios:  garantir que os municípios das áreas mais empobrecidas tivessem ao menos um médico; aprovar mais de três mil novas vagas para formação de médicos; e definir as cidades que podem receber escolas de medicina", definiu o Ministro.
Um dado importante do "Mais Médicos" é que desde o início o Programa prioriza as localidades e populações em situação de maior vulnerabilidade. Exemplo: Roraima solicitou 88 para suprir suas necessidades. O Programa enviou 70  médicos e com isso o estado supriu em torno de 80% de sua necessidade.
Segundo a presidenta Dilma Rousseff em seu programa de rádio "Café com a Presidenta", até o momento já estão no país um total de 6.658 médicos, espalhados pela periferia das grandes cidades e pelo interior de 25 estados brasileiros. "Mas a meta", ainda de acordo com a Presidenta, "é chegar a 13 milhões de médicos, que atenderão à cerca de 45,5 milhões de brasileiros".

quinta-feira, 26 de dezembro de 2013

Anderson Silva diz que vai falar grosso Sábado

Silva diz que na revanche vai "falar grosso". De repente!

 Essa história de lutador perder luta por nocaute e seu empresário marcar uma, duas ou mais lutar para que o campeão tente recuperar o cinturão, como fará amanhã o brasileiro Anderson Silva contra o atual campeão Cris Weidman, me faz lembrar de dois lutadores que sempre que perdiam, queriam revanche para tentar recuperar o $$ perdido, como Mike Tyson e nosso velho conhecido Maguila.
Maguila, aliás, chegou a se tornar chato, porque nas últimas lutas, ainda no chão, nocauteado, já gordo e envelhecido, verborizava "quero revanche". Uma tristeza!
Para a luta revanche de Sábado contra Cris Weidman, na tentativa de recuperar o cinturão dos médios do UFC, o brasileiro Anderson Silva, tido e havido como o melhor do mundo, diz que está preparado para vencer e que a pressão que está sofrendo faz parte, pois "sempre houve e sempre haverá".
Anderson diz, também, que ao contrário da luta de Julho, em que foi nocauteado por Weidman, quando sua própria equipe, segundo ele, muito grande, não se entendia, está agora com um staff menor, que analisou o que foi bom e o que não foi, sem muitos atritos na equipe.
Silva, que muitos garantem "entregou" a luta passada, garante que vai entrar firme, atacando os principais pontos nevrálgicos de Weidman, ou seja, vai entrar forte, inclusive falando grosso, se impondo, cobrando respeito do atual campeão dos médios.
Os amantes do UFC e do talento de Anderson Silva querem a vitória do pugilista brasileiro como presente de ano novo.
Que ele entre firme, e não seja mais um Maguila que, brincalhão e cheio de charme, quando entrou no período da derrocada, apanhou muito, até que seus próprios empresários resolveram desistir do folclórico pugilista. 

PT pode lançar candidatura própria no Pará

A pesquisa publicada pelo Instituto Acertar mostrou claramente que a eleição para governador do Estado está mais ou menos polarizada entre os dois principais possíveis postulantes: Helder Barbalho e Simão Jatene. Só que, talvez nem mesmo Jatene nem Helder imaginassem que, correndo pelas beiradas, fortemente apareceu o nome da ex-governadora Ana Júlia Carepa 
Para quem achava que a ex-governadora do Pará estava fora do páreo, a queda do cavalo foi enorme. Para este escriba, podem crer, não foi nenhuma surpresa o nome de Ana Júlia aparecer com 19% das intenções de votos, principalmente  porque na eleição de 2010, lembro perfeitamente, Ana Júlia chegou perto dos 45% no final, o que caracterizou que seu nome estava vivo e muito forte para disputar qualquer eleição no Estado do Pará.
Para os poucos petistas que insistem que o PT deve apoiar o nome do filho de Jader para governador pode ter sido um choque, já que a diferença das intenções de votos de Ana para os dois -Jatene e Helder-  em torno de 10%, é muito pequena, principalmente se levarmos em conta que o tucano e o peemedebista já lançaram seus nomes já há algum tempo e estão em plena campanha, o que não acontece com Ana Júlia, que foi praticamente descartada pela cúpula do PT, que ao que parece quer ser "muleta" para o filho de Jader.
O terceiro lugar nas pesquisas para governadora do estado e sem fazer nada de campanha dão a Ana Júlia o respaldo para ser a candidata do PT às eleições de Outubro próximo, o que vislumbra a realização do sonho, imagina este escriba, de quase 100% da militância petista.
É evidente que, como sofreu e sabemos que ainda sofrerá a presidenta Dilma, Ana Júlia vai ter que se submeter novamente a uma avalanche de preconceitos, alguns os mais bárbaros, simplesmente por ser mulher, petista e ser forte políticamente.
Afinal, apesar das grandes executivas que o Brasil tem apresentado em vários estados e até na presidência da República, ainda existem os conservadores que não aceitam ter uma mulher como presidenta ou governadora. Muitos, principalmente os que ainda não acordaram para entender que os tempos são outros, ainda vão chiar muito. 
Mas, vejo o preconceito como algo perfeitamente possível de se administrar. Presidenta Dilma que o diga!
Como um dos "dinos" do partido, confesso que sstou pronto, como certamente a grande maioria petista, para voltar às ruas e pedir votos para a reeleição da presidenta Dilma, para a eleição da governador Ana Júlia, e do senador Paulo Rocha.
E, podem crer,  sem medo nenhum de ser feliz!

segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

Presidente da Fepar reunirá com dirigentes

Semana que passou conversei com o presidente da Federação Paraense de Remo -FEPAR- Luizomar Costa, que falou dos muitos problemas que teve durante o ano. Costa disse que foi um ano que, infelizmente, o Campeonato Paraense teve alguns percalços, com poucos patrocinadores e problemas com clubes, que sempre cobraram uma organização melhor do campeonato de Remo.
Indaguei-lhe sobre a situação da Tuna, e ele foi taxativo que a Águia, além de ter feito em 2013 um dos piores Campeonato Paraense de Remo, está com dívidas com a Federação, alegando o presidente que nunca conseguiu sentar com o dirigente cruzmaltino que ora termina o mandato. "Isso só causou problemas inclusive para a própria Tuna", garante Luizomar.
Luizomar Costa com este escriba
A Tuna foi a última colocada no Campeonato Paraense de Remo de 2013. Fez uma de sua piores campanha na história de 40 títulos vencidos na Baía do Guajará. Passou três regatas sem vencer sequer um páreo, fato que o técnico Lindão atribui à falta de apoio da diretoria. 
Em 2014, com uma nova diretoria recém-eleita, os amantes do esporte náutico acreditam que a Tuna volte a ser a equipe competitiva que sempre foi orgulho de sua torcida. 
Na realidade, não será muito fácil para o novo presidente cruzmaltino o trabalho em recuperar o clube em quase todos os seus esportes e também no social. No esporte náutico, é visível que a Tuna necessita urgentemente de uma renovação, já que já há alguns anos não disputa algumas provas, como a exemplo a com estreantes, ou seja, não está formando novos valores. A Tuna também anda carente de atletas femininas de Remo, modalidade onde sempre se destacou, mas que neste ano foi um fracasso.
O presidente da Fepar falou também a este escriba que convocará os dirigentes de Tuna Paysandu e Remo para uma reunião na primeira quinzena de Janeiro, para discutir e formalizar detalhes para, a partir de então traçar o calendário de competições do ano.

quinta-feira, 19 de dezembro de 2013

Comunista cristão diz: Deus existe!

Ontem, após o expediente, fui ao bar onde encontro amigos há pelo menos 12 anos. É aquela conversa da quarta-feira, dia de futebol, embora sem futebol, que nos "obriga" a rever os três ou quatro amigos que antecipam a sexta-feira em um ou dois dias. Tipo a primeira gelada da semana.
Fato raro, ao me aproximar, notei um estranho entre os três amigos que me aguardavam. Parei, e de pé cumprimentei a todos, inclusive o desconhecido, que logo me foi apresentado. Do futebol, da música, da política, do cinema e outros papos parecidos que são contumazes nas nossas conversas etílicas, não ouvi nada. Ouvi sim, uma conversa já beirando a discussão sobre religião.
Confesso que até me espantei, pois se existe uma conversa que não gosto  muito é sobre religião. Sou cristão, aquele católico que quase nunca vai à Igreja, mas que, a princípio culturalmente e depois,  por decisão própria, teme e respeita um SerSuperior. Mas, também por decisão própria, tenho minhas convicções sobre o Velho e Novo Testamento e acho que esses assuntos são muito pessoais e não se deve "vender", principalmente quem não é profissional da Igreja como os malafaias, os vereadores e deputados que usam a Igreja e a religião para, a meu ver, se locupletarem. Posso ser, do que já até me chamaram, um "comunista cristão". Qual o problema? 
Não entrei na conversa, demonstrei toda minha antipatia sobre o assunto, mas fiz questão de fazer um leve comentário sobre o assunto, antes de me afastar até que o desconhecido se tocasse e saísse do meio de quem não é de discutir determinados temas.
-Sou de opinião que o cidadão ser ateu, agnóstico, religioso, papa hóstia ou qualquer coisa que seja, é de sua inteira autonomia e responsabilidade pessoal. Acho que por eu ser ateu ou cristão, não tenho que ficar propagando isso, principalmente em redes sociais. Tem coisas mais sérias e mais interessantes para se discutir ao vivo e pelas redes. 
A posição religiosa de cada um só interessa à própria pessoa. Penso que quando alguém fica a propagar que é ateu, falando mal das religiões, da figura dos santos, do papa,e principalmente de Cristo e de Deus, está querendo chocar as pessoas, mostrar que ser religioso, cristão, católico ou protestante, é idiotia.  E na realidade não é. Quase todos nós nascemos de uma família religiosa. Poucos nasceram de uma família agnóstica ou de ateus convictos. "Por isso" -concluí com o desconhecido e meus colegas-, "acho que esse papo de religião não vai bem nos nossos encontros etílicos".
Sobre o assunto religião, me estendo agora um pouco mais, reafirmando que a meu ver posição religiosa pouco importa. Se sou ateu, cristão, agnóstico, se gosto de imagens, se sou discípulo de algum santo ou santa, é algo pessoal, só a mim compete. Mais importante, na vida moderna, para qualquer cidadão, é sua opinião e posição política, pois a política está em todos os setores da nossa vida.
Sobre o comentado livro "Um polêmico ateu garante -Deus existe", de Anthony Flew, que foi um dos grandes intelectuais do século XX, que passou a ser ateu quando tinha somente 15 anos de idade, e durante mais de cinqüenta anos foi um ferrenho defensor do ateísmo, acho que sua obra cresceu mais em vendagem pelo fato da exploração comercial da editora sobre o seu próprio assunto. Em 2004 ele publicamente admitiu ter mudado sua opinião religiosa. Isso, partindo de um grande intelectual, é um fato de grande repercussão, embora de sua parte ele tenha tido muita coragem de publicamente afirmar que tinha mudado de opinião. Afinal, Flew, que é considerado um dos grandes filósofos dos últimos cem anos, com sua sua vasta obra filosófica e com profunda integridade intelectual, só poderia criar um grande burburinho na comunidade com sua radical mudança de pensamento. 

Galo ficou "pra lá de Marrakesh"

Vergonhosa, essa é a verdade, a apresentação do Atlético Mineiro ontem em Marrakesh, contra o Raja Casablanca, equipe local, desconhecida à nível mundial, mas que em campo mostrou personalidade, não se intimidando com o Galo Mineiro e aplicando 3 a 1 no time mineiro, que frustrou sua torcida e a todos os brasileiros que viram a partida pela TV.
A partida valeu pela semifinal do Mundial de Clube e com a vitória o Raja ganhou o direito de enfrentar o Bayern de Munique na final do torneio, no próximo Sábado.
O Atlético começou o jogo logo meio nervoso e sendo pressionando pelo Raja Casablanca. O time brasileiro parecia estar sonolento, tenso, em nada correspondendo ao esperado entrosamento que os 15 mil torcedores que se deslocaram para o Marrocos esperavam  de Ronaldinhos e seus companheiros de equipe.
O Galo sofreu o primeiro gol e sentiu, mas conseguiu o empate numa cobrança de falta através de Ronaldinho, em alto estilo. Mas mesmo empatando, o time mineiro não conseguiu se impor em campo, deixando o Raja Casablanca dominar e nos minutos finais fazer mais dois gols, um de penalidade máxima e outro no finalzinho do jogo.
A derrota e desclassificação do Atlético Mineiro deixa caracterizado que não são todas as equipes que conseguem jogar bem fora de seus domínios. O Atlético Mineiro pelo menos deixou claro isso. Com uma atuação das mais pífias dos últimos anos, o Galo Mineiro decepcionou o Brasil e o mundo perdendo feio para o Raja Casablanca que, de ilustre desconhecido, pode ser o novo campeão mundial. É um feito difícil, mas depois do que este escriba viu ontem, não dar para duvidar muito, não. Os marroquinos jogam com uma vontade louca de vencer, vibrando e acreditando em todas as jogadas. Isso, infelizmente, não acontece muito com nossas equipes.

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013

Aécio vibra, mas Serra foge de seu palanque

Não estou no time dos que acreditam que José Serra estará logo, logo dando total apoio ao seu "colega" Aécio Neves na empreitada do neto de Tancredo à presidência da República.
José Serra deu sua palavra final de que não iria brigar com Aécio nem com os cardeais de seu partido pela vaga dos tucanos na disputa eleitoral, mas quem o conhece, sabe perfeitamente que ele não está muito satisfeito com isso, não. Mesmo porque, em, todas as pesquisas o dão como o candidato mais forte da oposição à Dilma.
O que a Imprensa tucana vem divulgando que os cardeais peessedebistas estão querendo os dois juntos no palanque já a partir do começo do ano, parece mais um sonho, pois Serra, rabugento como é, a princípio, vai dizer um "não" bem grande.
Enquanto isso, Aécio está todo empolgado. Já lançou sua campanha praticamente, embora negue com medo de um multazinha básica.
Desgastado, com duas derrotas à presidência, uma para Lula e outra para Dilma, Serra ainda perdeu a eleição para  prefeito de São Paulo para Fernando Haddad em 2012, o que o desnorteou, embora em seu discurso quando reconheceu a vitória do petista, tenha dito que estava" revigorado", o que até seus colegas  acharam estranho, depois de três derrotas para o PT.
Beirando os 72 anos, penso que Serra também não aceitará sair candidato ao Senado pelo partido tucano, embora um grupo esteja pregando isso, no sentido de deixar s dois "amigos" mais juntos.
É bem possível, que o veterano tucano que já confidenciou a amigos que acha a próxima eleição presidencial uma das mais difíceis, pendure as chuteiras, já cansado de peias e mais peias.
Afinal, com uma história que vem desde os tempos em que presidiu a UNE e se dizia de esquerda, Serra não quer arriscar passar pela humilhação de mais uma derrota. 

terça-feira, 17 de dezembro de 2013

Zenaldo brinca de governar Belém

Achei gozada a queda de José Maria Gonçalves,  Diretor do Pronto Socorro Municipal Mário Pinotti, o PSM da 14, depois da oração de "Boas idas".
José Maria, humorísticamente, tirou sarrro do prefeito de Belém, Zenaldo Coutinho, que assumiu a prefeitura há quase um ano e até o presente não diz ao que veio, principalmente em algumas áreas, dentre as quais a da Saúde.
A gozação de José Gonçalves foi mostrada para todo o país no programa "Globo Repórter", que apresentou o negativo cartão postal da Saúde em nossa cidade, e que Zenaldo insiste em dizer que está indo bem ou que "já melhorou muito para o que era".
Santa paciência! O prefeito Zenaldo até hoje não disse porque o PSM está um verdadeiro pardieiro. Com macas pelos corredores, camas sem lençóis, faltando médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem, remédios e até buscopan, que vende em qualquer boteco.
Será que Zenaldo tem o famoso "rabo preso" com o Duciomar que o impede de ter coragem de falar do tamanho do rombo que encontrou no município e principalmente na Saúde? Será que Zenaldo vai terminar seu primeiro ano sem prestar contas sobre a sujeira que foi o BRT de Duciomar, que investiu mais de 100 milhões, prometendo inaugurar tudo antes de sua saída,  e logo que assumiu o tucano Zenaldo teve que desmanchar tudo o que havia sido malfeito e jogar o nosso dinheiro na lata do lixo?
Zenaldo está empurrando com a barriga todos os problemas de Belém desde que assumiu, principalmente os  dois maiores problemas, que são o do BRT e do PSM.
O PSM já foi denunciado e cobrado pelo Ministério Público e agora mais uma vez mostrado ao vivo nacionalmente. Mas o prefeito de imediato ganha espaço na mesma TV, faz aquela cara de "Coringa", e diz que não sabia dos problemas da falta de lençóis, das macas nos corredores, da falta de remédios, dos banheiros imundos e outros sérios problemas mostrados diariamente pela mídia e assim vai pensando que engana o povo.
Na brincadeira do prefeito de governar Belém, entra secretário, sai secretário, entra diretor e sai diretor do PSM e agora, para completar a lambança, o Zenaldo põe como gestor interino do PSM da 14, o auditor geral do município, Sérgio Amorim.
Mas ao que tudo indica, com o novo gestor a situação do PSM vai ficar igual, isso se não piorar, pois em sua primeira entrevista Sérgio Amorim já foi dizendo que vai continuar o que já vem acontecendo", ou seja, não vai fazer nada, porque seus antecessores nada fizeram, já que verba que é bom a Prefeitura não libera.
Então, o novo gestor do PSM, o auditor Sérgio Amorim. já entra mostrando o carimbo do continuismo, que é o selo tucano, ou melhor, a maneira tucana de governar.

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Tuna 2014/2015: o que espera a nova diretoria

A Tuna que Charles Tuma vai herdar é uma Tuna com muitos problemas. O novo presidente, que deve ter conhecimento de pelo menos uma parte do que lhe espera, deve pegar uma Tuna que arrecada muito pouco com o pagamento de seus associados, o que certamente não cobre 50 por cento da folha de pagamento, e um pouco mais com as escolinhas, principalmente a de futebol e mais um pinguinho de dinheiro de uma aluguel aqui, outro ali, mas nada que possa encher os olhos do novo gestor, que uma hora dessas deve estar conversando com seu vice e dizendo: "e aí? ganhamos! E agora?
Pois é, senhor presidente, é muito complicado quando se herda uma gestão, seja de empresa que for, que está numa situação de quase penúria, como é o caso da Tuna Luso Brasileira. Mesmo que o presidente que entregará o clube no princípio de 2014 insista em dizer que  "a Tuna está bem", não se pode esperar que com salários atrasados que estima-se de dois a cinco meses, com pagamentos fixos de energia, acordos trabalhistas que certamente estão vencendo, além de outros problemas que remontam uma boa quantia, qualquer gestor vá começar a trabalhar "numa boa".
A Tuna, por não participar do Campeonato Paraense de 2014, vai perder uma boa receita mensal, que era de patrocinadores como Big Ben, Governo do Estado, Banpará e outros colaboradores menores que ajudavam a pagar salários de jogadores, funcionários, além de ajudar no alto pagamento da energia e outros itens que existem na gestão cruzmaltina.
É com todas essas perdas e querendo cumprir de imediato pelo menos parte do que prometeu na campanha, que deve ser o pagamento dos salários atrasados, o gestor Charles Tuma entrará em ação com sua equipe de trabalho que, certamente, já deve ter um planejamento para enfrentar essas questões.
Charles e João Rodrigues são cientes do que lhes aguarda e sabem perfeitamente que vão necessitar de muita capacidade administrativa, um corpo de competentes e leais colaboradores, para ter sucesso no biênio 2014/2015.
Pelo que mostraram no dia seguinte às eleições, penso que Charles Tuma e João Rodrigues vão ter uma postura bem adulta e democrática no seu mandato. Charles foi cavalheiro, educado quando se dirigiu ao grupo de companheiros do segundo colocado, Mário Mangas. Cumprimentou e falou com todos, apertou a mão do Mário, deste escriba e, confesso, senti honestidade e que o palanque estava realmente desarmado, e os novos gestores prontos para somar em prol da Tuna.
Defendo que devemos ter um pouco de paciência e a princípio não cobrar muito do novo presidente. Acho, inclusive,  que não se pode esperar muito avanço nos primeiros seis meses. Mesmo porque Charles e João vão receber, estudar e ver a real situação do clube, e isso demora um pouco.
Como cruzmaltino apaixonado, este escriba e todos os companheiros da Confraria torcem pela gestão Charles Tuma e João Rodrigues. Particularmente, não conheço a maior parte dos componentes da chapa vencedora. Mas sei que, pelo desafio que a dupla de gestores terá pela frente, a equipe formada deve ser competente e comprometida, capaz de entrar de cabeça, com muita coragem e responsabilidade para sanear os problemas da Tuna.
Boa sorte. E vamos torcer por uma boa sorte e por um bom futuro para a nossa Águia do Souza.

Chapa 3 vence e palanques são desmontados

Venceu a democracia nas eleições da Tuna Luso Brasileira. Venceu a Chapa 3, do candidato Charles Tuma que foi, na realidade, quem mais trabalhou, quem mais se estruturou. Como previamente combinado democraticamente, os candidatos desmontaram os palanques e na paz esperam conviver nos dois anos de mandato da chapa vencedora.
Quem esperava uma disputa acirrada, com confusão, com possíveis agressões, quebrou a cara. Tanto Charles como Mário Mangas e o benemérito Raimundo Barata estavam tranquilos, com suas equipes trabalhando e mostrando que na realidade o que todos queriam era somente ajudar a salvar a Tuna.
Foi uma eleição legal e legal, mas não foi fácil. Charles Tuma começou a trabalhar muito cedo, tipo com seis meses de antecedência. Organizado, formou uma equipe de trabalho ávida para conseguir o objetivo, que era vencer as eleições.
Raimundo Barata, idem. Começou praticamente no mesmo período de Charles, e este escriba, que conheço Barata há mais de 30 anos, nunca o tinha visto tão irredutível em uma candidatura e campanha. "É a minha vez", dizia. Não venceu mas foi até o fim,  e os que pensavam que o velho Barata iria desistir, como de outras vezes,  quebraram a cara.
Mário Mangas foi o último a lançar chapa. Na verdade, o grupo de amigos de Mangas queria uma chapa de consenso, só que infelizmente na Tuna há ainda muita competitividade entre grupos, o que é democrático mas não muito sadio, principalmente na situação em que o clube se encontra.
Com a vitória da Chapa 3, de Charles e João Rodrigues, os cruzmaltinos, associados e torcedores da gloriosa Tuna Luso Brasileira esperam que os problemas da Águia do Souza sejam solucionados, e a empolgação da vitória seja transformada em muito trabalho. Sinceros votos de sucesso à chapa vencedora!

sexta-feira, 13 de dezembro de 2013

O professor Leonardo, eu e a amizade

Amizade é uma coisa boa, mas também é uma coisa difícil, complicada, principalmente para os que valorizam muito as coisas materiais e esquecem que uma amizade pode durar toda a vida.
Os tempos hoje, lamentavelmente, estão mais que bicudos para uma boa amizade. A gente já confia nas pessoas, desconfiando, principalmente quando a amizade é um pouco nova.
Um antigo professor, de idade superior a 70 anos, mas que gostava de uma boa vida, um bom papo, amigos, uma cervejinha, reunião aos finais de semana, etc., certa feita conversando comigo me falou:
-Meu filho sou uma pessoa de muitos amigos. Aliás, de poucos, mas bons amigos. Com 71 anos, tenho somente 23 amigos. Mas são meus amigos mesmo. Pessoas que sempre estou encontrando, ou me ligam duas vezes por semana, e vice versa. Nos preocupamos c[uns com os outros.
Perguntei ao professor porque ele só tinha 23 amigos, não eram 30, 40, pois com uma idade já um pouco avançada e professor, poderia ter uma turma nova de amigos todos os anos.
Ele voltou a filosofar:
-Todos estes meus 23 amigos, meu filho, têm mais ou menos a minha idade. São pessoas que eu conheço de pelo menos 30 ou 40 anos. Não tenho nem um amigo que fiz de três, quatro ou cinco anos pra cá. Meus amigos são todos, como eu, veteranos. E lhe digo mais uma coisa: se você já passou dos 40, 50 anos, muito cuidado com os novos amigos. Normalmente, se ele anda atrás de uma amizade nova nessa idade, é porque já mostrou para alguns ex-amigos, que não é nada amigo de ninguém. Afaste-se dele!
Meu velho professor tinha razão. Amigo mesmo não trai. Amigo é camarada, companheiro, na sorte, na alegria, na saúde, na doença, na desdita. Amigo, como bem falou o poeta, é coisa para se guardar no lado esquerdo do peito. Debaixo de sete chaves. Dentro do coração.
O verdadeiro amigo não pensa somente em si, mas em todos os amigos, no grupo.
O amigo verdadeiro, pode ter certeza, você poderá sempre contar com ele. Pro que der e vier. 
Uma boa amizade jamais pode ser destruída por interesses, sejam pessoas, financeiros. A amizade tem que vir sempre em primeiro lugar. A reciprocidade é fundamental numa boa amizade.
Sou uma pessoa feliz porque tenho bons amigos. Não são 23, como meu velho professor Leonardo, de Literatura. Acho que chega aos 40. Mas bato no peito. Os que são meus amigos, são "rocha".
Tenho amigos de mais de 30 anos de amizade. Uns aqui em Belém, outros em Brasília. Mas são amigos firmes, que sofrem, que sonham, que lutam juntos e sempre quando podem, estão confabulando, se ajudando, interagindo, para usar um termo do momento.
Alguns amigos, infelizmente, já se foram. Mas ficou a lembrança feliz de uma grande amizade.
(Dedicado a todos os meus verdadeiros e leais amigos)

Eleições na Tuna hoje. Vote na Chapa 1


Hoje é o dia das eleições na Tuna Luso Brasileira. O pleito começa exatamente às 18h e vai até às 22h.
Pelas redes sociais, pela Imprensa e pelos "tit,tit,tis" que se ouve pela cidade, nota-se uma visceral baixa de nível de alguns componentes de chapas. Poderia até ser natural, pois em todas as campanhas aparecem os que só entram para fazer bagunça, detratar, falar o que não deveriam.
Defendo a democracia e defendo a eleição da forma que está sendo feita, com chapas disputando votos com propostas.
Como já adiantei neste espaço, não estou em nenhuma chapa. Mas reafirmo que todos três candidatos são excelentes nomes, com histórias com o clube que só podem obrigar o vencedor a ter um comprometimento bem maior que o atual presidente. Mas vejo também que em determinadas chapas, existem componentes sem o compromisso de cruzmaltinismo que a Tuna tanto precisa. Mas isso, no decorrer do mandato, a chapa que vencer certamente mudará.
Votarei na Chapa 1, do companheiro Mário Mangas como presidente e o GB João Rito vice. São nomes que vejo com um grande comprometimento com as causas da Tuna. Vão resgatar as nossas categorias de Base, com isso formando uma equipe de futebol por um preço baixo, pois aproveitarão a prata da casa; vão trabalhar por um Social totalmente voltado para o associado, ouvindo esse associado. Trabalharão para resgatar nosso orgulho náutico, que hoje está tão distante de nossa realidade de "Rainha do Mar". Imaginem que até nesse esporte, a regata, em que fomos campeões 40 vezes, este ano fomos lanterna, e com uma enorme diferença de pontos para o segundo colocado!
Mário e Rito são pessoas que tenho plena certeza vestirão literalmente a camisa da Águia querida nos próximos dois anos. E o mais importante:  com a responsabilidade que a Nação Cruzmaltina tanto necessita.
s tempos são muito bicudos para a Águia do Souza. Tem carência que vão de salários atrasados a queda nos esportes amadores e
NO Futebol profissional tivemos um duros golpe: a não classificação para o Parazão e a queda para a Segundinha. Doeu até na alma, podem crer ! 
Por isso que acho que para dirigir a Tuna só com muito comprometimento; com aventuras, egocentrismo, vamos continuar remando contra a maré.
Dessa forma, peço aos senhores associados remidos e os proprietários que estão com suas obrigações em dia, que por um futuro melhor para a Tuna, em todos os setores,  a opção é votar na Chapa 1, do Mário Mangas e João Rito.
É a Chapa 1 -Mário Mangas e João Rito- que pode trabalhar com competência e amor, por ambos serem cruzmaltinos; é a Chapa 1 que pode sanear os problemas da Tuna e que pode fazer a nossa querida Águia do Souza volta a ser a Elite do Norte.

quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

2013: ano ruim para equipes luso brasileiras

Um ano dos piores para o futebol das equipes luso brasileiras. Primeiro a Tuna Luso Brasileira, entidade com 110 anos, pela primeira vez caiu para a Segunda Divisão do campeonato paraense. Com 25 anos sem ganhar um campeonato regional e 21 sem ganhar um título (o último foi o Campeonato Brasileiro da Série C, em 1992), a Tuna vai amargar praticamente um ano sem futebol, pois disputará a Segundinha somente a partir do mês de Setembro do próximo ano.
Outra agremiação Luso Brasileira, o Clube de Regatas Vasco da Gama, também não foi bem, e caiu para a Segunda Divisão do Brasileiro. Com a derrota para o Atlético Paranaense no jogo tumultuado do último domingo, a equipe carioca caiu, embora tenha chances de voltar, se o Atlético Paranense for punido. O clube carioca vive um ano de dificuldades, pois além das dívidas que remontam de antigas gestões, sem futebol ficará sem mídia e com poucos patrocinadores. Crise maior à vista.
A outra equipe luso brasileira que também está em situação ruim e acaba de entrar numa saia justa, é a Portuguesa de Desportos, de São Paulo. Uma falha cometida pela equipe na última rodada do Brasileiro, colocando um jogador irregular, ameaça mudar mais uma vez a história do Campeonato Brasileiro Série A, 
encerrado no fim de semana. 
O Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) confirmou que receberá hoje (quarta-feira) um comunicado por parte da CBF notificando uma possível escalação irregular do meia Heverton, da Lusa, que resultaria, em caso de comprovação, na perda de quatro pontos do clube paulista e salvaria o Fluminense do rebaixamento.
O atleta da Lusa foi suspenso pelo STJD na sexta-feira por dois jogos após ser expulso contra o Bahia, mas acabou entrando em campo diante do Grêmio, no domingo - havia cumprido uma partida contra a Ponte Preta antes. Dessa forma, caso o tribunal aceite e julgue procedente a denúncia, a Portuguesa perderia três pontos pelo erro e mais o ponto somado no duelo. O confronto com os gremistas acabou empatado em 0 a 0.
Heverton foi julgado pelo STJD na sexta-feira, com a presença do advogado da Portuguesa Oswaldo Sestario Filho, mas o resultado foi publicado no site da CBF somente na segunda-feira. A suposta 'demora' no anúncio do veredito não muda em nada a infração possivelmente cometida pela Portuguesa.
"Não tem nada a ver. A decisão passa a valer a partir do dia em que é tomada, entrando útil ou a segunda-feira", diz Paulo Schmitt.
Não existe isso de que tem que aguardar até o primeiro dia útil para que a punição seja válida. A partir do resultado do julgamento já entra a validade, dizem os advogados e dirigente do Fluminense, que seria o principal beneficiado no caso, embora fontes ligadas ao clube das laranjeiras garanta que o tricolor não pretende tomar nenhuma atitude neste momento pelo passado do clube ligado ao "tapetão". Não está descartada, ainda assim, a mudança de postura.
Segundo o procurador do STJD, a ideia é resolver a situação o mais rápido possível, mas ele faz a ressalva de que existem outras demandas também acumuladas. Acrescenta ainda não ser possível comparar o caso envolvendo a Portuguesa com o do Vasco, que entrará hoje no tribunal pedindo os pontos da goleada de 5 a 1 sofrida para o Atlético-PR no fim de semana, após a briga generalizada entre as torcidas.
Diante do cenário, a Portuguesa despencaria para os 44 pontos, entrando na zona de rebaixamento, na 17ª posição. O Fluminense, 46, se livraria da queda e ultrapassaria o rival carioca, 45.
Se configurando a queda das três equipes -Tuna, Vasco e Portuguesa- o ano de 2013 deve ser riscado do mapa das equipes de futebol luso brasileiras. Um ano que os torcedores cruzmaltinos devem esquecer. E sonhar que 2014 seja bem melhor. Com vitórias que façam os amantes das equipes luso brasileiras riscarem definitivamente 2013, ano tão negativo, do mapa.

Cenas deprimentes e arrogância do Lopes

O Vasco luta para voltar à Série A com toda razão. Os episódios acontecidos no domingo foram não somente lamentáveis, mas estarrecedores. Confesso que fiquei tão indignado, que preferi ver outro jogo, só voltando para o canal da partida no intervalo do jogo do São paulo.
Sou a favor da volta do Vasco ou que pelo menos seja julgado o mérito da questão, porque a meu ver, os episódios que paralisaram a partida por mais de uma hora, com certeza prejudicaram a equipe vascaína, que era quem necessitava vencer. Com os nervos à flor da pele, necessitando vencer de qualquer maneira para permanecer na Série A, o Vasco perdeu o ritmo do jogo com a para paralisação, esfriou a equipe, enfraquecendo o time que teve que permanecer em campo e testemunhar os atos de vandalismos proporcionados por torcedores "doentes" das duas equipes.
Lopes: educação zero; arrogância, 10
Pior de toda a situação, é que no momento da paralisação, os jogadores de ambas as equipes nervosos com o que presenciavam, tiveram que aguentar a arrogância, a ignorância e o destempero do diretor de futebol do Atlético, Antônio Lopes, que aos gritos, nervoso e enervando a todos, dizia que a partida tinha que continuar.
Antonio Lopes, que já foi técnico do Vasco, como homem que ocupa uma função de responsabilidade em uma equipe do nível do Atlético Paranaense, jamais poderia ter agido de maneira tão insensível. Não ouvia ninguém, esbravejava às alturas, dizendo que a partida tinha que recomeçar, esquecendo que naquele momento o helicóptero pousava no campo e que poderia ter até vítimas fatais das arquibancadas.
Mostrou que seu nível intelectual está mais para feitor de fazenda (com todo respeito pelos  feitores!) do que para gerente ou diretor de futebol. Também sua adrenalina estava semelhante a dos brigões das arquibancadas, pois deveria reconhecer que as falhas da segurança tinham um único culpado: o Atlético.
Nem mesmo um dirigente de time de várzea agiria como o delegado Lopes agiu. Aliás, penso que Lopes imaginou que ainda era delegado e estava tratando presidiários ou no mínimo com subordinados seus, dada a arrogância com que falou com Roberto Dinamite e com o delegado da partida, o ex-árbitro José Serapião (quem lembra dele, hein?), que ficou caladinho com os gritos do prepotente dirigente atleticano.
A meu ver, a CBF deveria apreciar o resumo do delegado da partida e a súmula do jogo pelo árbitro, dando assim uma chance de que os pontos da partida sejam transferidos para o Vasco da Gama ou que, no minimo, seja marcada uma nova partida entre as duas equipes num campo mais neutro ainda.
É preciso que se moralize o futebol. Sem arrogância, sem prepotência. Mas com segurança e respeito elos torcedores e até mesmo aos que assistem ao espetáculo pela TV. 

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Tuna empata em 1 a 1 e cai para a Segunda Divisão. Tristeza, revolta e decepção no Souza


Pouca coisa tenho para falar da triste, dramática e vergonhosa situação da Tuna Luso Brasileira no futebol paraense. O empate em 1 a 1 de sábado com uma das mais fracas equipes do estado, o Castanhal, jogou de vez a equipe cruzmaltina para a Segunda Divisão, um fato -repito- vergonhoso, para  o clube mais antigo do Pará e um dos mais tradicionais do país.
O mais lamentável de toda a questão é que, como no Primeiro Turno do Parazão deste ano, a Tuna no Seletivo cometeu os mesmos erros, não fazer planejamento para o sufoco que teria pela frente que era um "Campeonato" de apenas sete jogos: demorando na contratação de um técnico e consequentemente na formação da equipe e ainda por cima não aproveitando nenhum dos jogadores da base, o que culminou com um péssimo aproveitamento de apenas três pontos numa disputa de 21, com três empates e quatro derrotas.
É duro, complicado para os cruzmaltinos que sofrem já há 21 anos sem ganhar um título, ano a ano ver a equipe do coração despencar humilhantemente nas posições do campeonato paraense e agora, cair para a sofrida, vergonhosa, Segunda Divisão.
Este escriba esteve no jogo. Eram poucos os cruzmaltinos presentes. Acho que a maioria já havia "jogado a toalha". Mas os torcedores fervorosos estavam lá, fiéis, sofrendo com a equipe. Tentando, com fé e as forças que nos restavam, escapar da degola.
Ao final, os poucos cruzmaltinos que estiveram no Souza saíram revoltados e frustrados. Houve choro de revolta e de tristeza, por parte de torcedores que não acreditavam no que estava acontecendo: a Tuna na 2ª Divisão. 
Um outro fato que revoltou muitos torcedores e que mostra a situação em que a Tuna se encontra,  é que houve comentário de que o presidente do clube estava viajando e na sua ausência nem um membro de sua diretoria esteve presente no Francisco Vasques para a última partida do time -apesar de dois, dos três candidatos à presidência, ainda constarem como diretores da atual gestão.
Como diria o famoso detetive Sherlock Holmes: elementar, meu caro Watson!

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

Chapa "Novos tempos virão"

No próximo dia 13 a Tuna Luso Brasileira estará realizando eleições para renovação de sua diretoria para o Biênio 2014/2015.
Será uma das eleições mais concorridas dos últimos anos, já que três chapas foram inscritas, todas encabeçadas por sócios históricos da Tuna e por isso todos competentes e habilitados a ser o novo mandatário cruzmaltino nos próximos dois anos.
Este ano não estou em nenhuma chapa. Acontecimentos internos na Tuna que retardaram a montagem de uma chapa que poderia ser de consenso, me fizeram desistir e não tomar parte em nenhuma delas.
A Chapa do Mangas e Rito
Quero deixar claro que por não fazer parte de nenhuma das chapas, não estou em cima do muro, que não estou ao largo da história da Tuna nesta eleição. Como associado há exatos 31 anos, votarei democraticamente, mesmo porque fui um dos signatários do Estatuto que permite que todo associado, Remido ou Proprietário, tenham direito a votar legitimamente.
Mesmo não estando em nenhuma das chapas, tenho a minha preferida, aquela que acredito seja a mais coerente com o futuro do clube e que a meu ver tem pessoas que acredito que por serem realmente comprometidas com a história da Tuna Luso Brasileira, poderão trabalhar ao máximo para iniciar a salvação do nosso clube.
Todos os candidatos, tanto Charles Tuma, Raimundo Barata e Mário Mangas são pessoas que respeito muito e acredito que o que vencer trabalhará com o máximo empenho para o soerguimento da nossa Tuna.
Mas pela proximidade que tenho de Mário Mangas, grande companheiro e amigo da Confraria, e pelos muitos companheiros como João Rito,  Ismar Araújo, Jorge Luis, Miltoniel, Mangabeira e outros que compõem a diretoria, votarei na Chapa "Luso Brasileira - Novos tempos virão", a Chapa 1, e também recomendo o voto na citada Chapa, no sentido de que sua vitória significará um novo tempo para a nossa querida Tuna Luso Brasileira.

Tuna em jogo de vida ou morte

Coração na mão, tensão, muita preocupação aguardam os cruzmaltinos amanhã, a partir das 15h30, quando a Tuna Luso Brasileira enfrentará o Castanhal na última partida do Seletivo que classificará duas equipes para a Segunda Fase do Campeonato Paraense de 2014 e rebaixará também duas equipes à Segundinha..
A tensão é grande porque a Tuna não depende somente de uma vitória, que até o presente não aconteceu nos seis jogos realizados, mas porque mesmo que vença, vai ter que torcer uma vitória vitória do Águia de Marabá em cima do Time Negra.
Se acontecer os dois resultados -vitória da Tuna e do Águia a Tuna escapa da Segunda Divisão, jogando pra lá o castanhal e o Time Negra, pois, com a vitória chegará aos cinco pontos, um a mais que as duas equipes.
É tarefa fácil? acho que não, pois quem não venceu sequer uma partida até o presente não tem como passar confiança aos seus torcedores. Porém, o Castanhal é uma das mais fracas equipes, e jogando fora de casa é mais fraco ainda. Então é só a Tuna focar nessa partida e dá o jeito de vencer.
O interessante dessa última rodada é que para evitar qualquer possível "jogada" a FPF marcou os jogos todos pra o mesmo horário, 15h30. Assim, a briga será tipo de vida ou morte para os três times que estão na área de risco -Tuna, Castanhal e Time Negra. 
Da mesma forma os dois que estão na ilharga para conseguir a classificação -Águia de Marabá e Gavião- vão ter que dar tudo nesse último jogo e o time dos índios, mesmo estando na frente do Águia, a meu ver está numa situação mais delicada, já que tem que vencer o líder Independente, porque se perder, o Águia de Marabá vencendo o Time Negra entra na segunda vaga.
Um final de Primeira Fase decisivo. Pode ser bom para alguns, os classificados. Mas também pode ser triste e até melancólico para os que não conseguiram a classificação e ainda foram rebaixados.

Remo que vaga da Tuna na marra. Mas assim...

Não entendi essa do diretor das categorias de base do Remo, André Bahia, em criticar o presidente da Tuna, acusando o gestor cruzmaltino de fata de ética ao impedir que o Clube do Remo ocupasse a vaga da Tuna na Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2014.
André Bahia mostrou em suas palavras que no minimo é meio aloprado. Como ele pode querer ocupar um espaço que não lhe pertence e ainda acusar alguém de aético por isso? 
A vaga da Copa São Paulo pertence à Tuna de fato e de direito, já que a Águia do Souza foi a vice campeã de futebol Sub-17 de 2012,  conquistando assim a segunda vaga de nosso estado para disputar o importante torneio. 
Se o presidente da Tuna pagou ou não pagou os custos da disputa, é outro assunto que não cabe ao dirigente remista se intrometer, embora esteja interessado na vaga da Águia..
Outra coisa que André Bahia errou foi em bisbilhotar, através da Federação Paraense de Futebol, se a Tuna pagou ou não a taxa para participação da Copinha e, abelhudamente, garantir que a Águia não pagou. 
Tem coisa errada. Será que ele tem "informantes" na FPF? Isso é perigoso para o nosso futebol.
Faltou ética de sua parte, porque se havia já procurado o presidente da Tuna e este havia garantido que o Clube estaria na Copa, deveria primeiro dar um tempo e depois fazer uma nova procuração com  a diretoria tunante, saber a situação da equipe, se realmente havia interesse de participar ou não, mas não querer ganhar a vaga na marra, alegando que a "Tuna não pagou a taxa e não tem jogadores suficientes para disputar a competição".  
Mostrou o dirigente que, como em outras ocasiões, o Remo não ganha no campo, mas quer ganhar na marra, no famoso "jeitinho brasileiro".  
Soube, há pelo menos dois meses, que a Tuna iria participar da competição e  que a taxa estava paga. Se não tiver veracidade, é outra coisa. Mas, a meu ver, a Tuna deve participar da competição, pois existem muitos jovens jogadores nas categorias de base do clube, e apresentá-los numa competição de alto nível como a Copa São Paulo.    

Morre Mandela. Povo africano perdeu seu pai e a humanidade um de seus grandes líderes

                              Nelson Mandela, líder maior do povo africano e senhor do mundo

Morreu Mandela. O mundo está de luto. Mandela não era somente um líder da África do Sul, era, na realidade, um líder da humanidade.
Mandela passou 27 anos preso incomunicável. Sua esposa na época, Winnie Mandela, lutou denunciando a todos os órgãos de defesa de direitos humanos o sofrimento de seu marido. Livre, Mandela voltou ao seu país como um verdadeiro herói e na disputa presidencial foi eleito o primeiro presidente negro, realmente africano, da África do Sul. Carismático, sensível e um político de extrema habilidade, Mandela morreu aos 95 anos, em Pretória, de uma insuficiência pulmonar. Sua morte foi em casa, embora tenha passado quase quatro meses internado.
A nação africana está de luto. Com a morte de "Madiba", como era conhecido Mandela por seus irmãos africanos, a humanidade sofreu uma grande perda. 
Mandela foi eleito presidente da África do Sul em 1994 e foi o principal responsável pelo fim do "apartheid", regime racista  que predominou em seu país de 1948 até 1993.
O mundo mudou com a libertação de Mandela e o fim do regime racista da África do Sul.  Amado por todos os africanos, Nelson Mandela visitou vários países do mundo e recebeu em seu país líderes de todas as nações do mundo, mostrando que é possível uma convivência em paz entre as nações.
Sobre sua morte, pranteada em todo mundo, o presidente da África do Sul, Jacob Zuma  afirmou: "Ele partiu, ele se foi pacificamente na companhia de sua família. Ele agora está em paz.Nossa nação perdeu seu maior filho. Nosso povo perdeu seu pai".

quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

No nosso futebol, a história se repete

Parece mentira, mas todos os anos as coisas no nosso futebol se repetem. Principalmente os erros. 
O Paysandu, que acaba de cair para a Série C, vai contratar um novo técnico, que é obvio, porque Rogerinho Gameleira é da terra e para os dirigentes daqui "santo de casa não faz milagres".
O time bicolor também trouxe o executivo de futebol Sérgio Papellin, que já passou pelo Remo e agora vai ser o "contratador" do Paysandu.
É interessante quando uma equipe tem condições econômicas de ter em seu departamento de futebol executivos que somem para o sucesso da equipe. Papellin é conhecido pela sua competência, embora não tenha tido sucesso no Remo.
Papellin: diz que vai apostar na base. Jura?
Mas no Paysandu, a meu ver, Papellin já começou pisando na bola. Em entrevista à Imprensa, Papellin disse que não ria contratar "vovôs", referência aos veteranos que o Paysandu trouxe e que não deram verto na Série B, como o também cerense Iarley.
Mas em "cima das buchas" o Paysandu de Papellin  anuncia que está chegando o centro avante Lima, que jogou no Joinville e que já tem 31 anos.
Não sei mais o que os dirigentes consideram o que é ser jovem para o futebol, tampouco o que é velho. Mesmo porque, assim como Papellin contrata um veterano de 31 anos, embora tenha declarado que iria "apostar na base" do Paysandu para formar uma boa equipe profissional, o Remo faz a mesma coisa: vai emprestar Jayme, jovem valor oriundo de sua base, e trazer o meia Thiago Potiguar, que já beira os 30 ans e já passou aqui pelo Paysandu.
Um lembrete: Jayme é um jogador de qualidade, já jogou várias vezes no time principal, mas não se firma por falta de oportunidades. 
Mas vai agora ser emprestado, como muitos colegas seus, também jovens, foram para outras equipes ao logo deste ano. Em contra partida,  muitos vieram e ainda virão, em detrimento dos valores que o clube possui em casa...
Para se fazer futebol e ter sucesso, diz a regra, é necessário investir nas categorias de base. O que os nosso clubes não fazem: enquanto os jovens valores de Remo, Paysandu e Tuna brilham por este Brasil afora e pelo mundo, os três montam equipes sem qualidade. Inclusive um deles, a Tuna, além de ficar fora do Parazão 2014, pode perfeitamente cair para a Segunda Divisão.
Pelo que se vê, em termos de avanços, não teremos muitas novidades em 2014, não.

quarta-feira, 4 de dezembro de 2013

Ministros do STF e a vergonha da Globo

Gostaria de saber o que o ministros do STF Marco Aurélio Mello, pensa do Mensalão tucano, aquele do Azeredo, que seu colega e presidente do mesmo STF faz de conta que não existe. E também o que o mesmo Marco Aurélio -o ministro que para falar na TV emposta a voz como locutor de rádio do passado-, acha do Trensalão paulista, que envolve uma gaiola lotada de tucanos e até o falecido governador Mário Covas.
Marco Aurélio Mello é sempre a "bola da vez" quando é para atacar qualquer quadro do PT, fazendo inclusive pose e empostando ainda mais a voz (parece que tudo é antecipadamente gravado, combinado, para ele aparecer bem).
Tenho, também, a maior curiosidade em saber o que o tal ministro Marco Aurélio, o presidente do STF, Joaquim Barbosa, aliás todos os seu pares de Supremo, acham da apreensão do helicóptero com quase 500 quilos de cocaína, pertencente a dois deputados mineiros -pai e filho-, o pai compadre de Aécio Neves, possível candidato tucano à presidência.

Nunca matam minha curiosidade, pois "nunca no Brasil"  nenhum deles se manifesta sobre tais assuntos, mas adoram opinar em matérias requentadas sobre José Genoíno e José Dirceu.
É muito fácil os famigerado da Rede Globo esconderem a nojeira que os tucanos fazem, principalmente a corrupção em todos os níveis, coisas antigas e mais recentes, como o Trensalão paulista e o envolvimento dos parlamentares do PSDB com o transporte de cocaína, que pode se chamar popularmente de tráfico de drogas -só a Globo que não!
O povo brasileiro precisa acordar e ver que a Globo e os ministros do STF embalam uma campanha negativa contra o Partido dos Trabalhadores. É vergonhoso uma emissora mandar um repórter para outro país para chafurdar a vida de um empresário só para desmoralizar ainda mais José Dirceu. Que interesse há nisso, comparando com as falcatruas do tucanato acontecida recentemente?
Tantas matérias interessantes que a empresa dos Marinhos poderia fazer; matérias de utilidade pública, como a cobrança por parte do STF do Mensalão mineiro, do paulista, do brasiliense. Mas prefere requentar matérias, no intuito único de chamar a atenção das camadas menos esclarecidas, que consomem as idiotias de uma *míriam leitão, de um arnaldo jabor e de apresentadores comprometidos até a medula com o golpismo, com a desinformação por parte  de uma emissora que só nos envergonha.
canalhão chamado
*os nomes próprios em letra minúscula é porque eles só  merecem isso. 

Paulo Fontelles lança livro hoje na Fox



O livro "Araguaianas - As histórias que não podem ser esquecidas", do companheiro e amigo Paulo Fontelles Filho, será lançado hoje, às 19h, na Livraria Fox (Travessa Dr. Moraes, 584). O livro tem ilustrações de Paulo Emmanuel, um dos mais criativos cartunistas e ilustradores de nosso estado. A publicação foi editada pela Fundação Mauricio Grabois e Editora Anita Garibaldi. 
O livro é de fundamental importância para jornalistas, estudantes, militantes políticos e aqueles que se interessam por um dos mais importantes fatos ocorridos em nosso Estado, a guerrilha do Araguaia, movimento coordenado por militantes do PC do B nas regiões sul e sudeste do Pará, na década de 70. 
Paulo Fontelles Filho em "Araguaianas ..." relata importantes histórias, algumas inéditas, dos conflitos acontecidos entre militantes de esquerda e a repressão militar em municípios como Xambioá e São Geraldo do Araguaia. Um excelente programa para esta quarta.

segunda-feira, 2 de dezembro de 2013

Remo é campeão de regatas. Tuna é 3º lugar

Ontem terminou mais um capítulo de tristeza no ano de 2013 para a Tuna Luso Brasileira. O Clube do Remo ganhou o Campeonato de Regatas do ano, vencendo mais uma prova e totalizando 162 pontos, sagrando-se tri campeão de Regatas.
Para os amantes deste belo e tradicional esporte, onde a Tuna possui 40 títulos, o momento é de muita reflexão, pois foi no esporte náutico que a Águia do Souza surgiu, no princípio do século passado. Também foi na náutica onde a Tuna conseguiu suas maiores vitórias e o maior feito da história do remo em nosso estado, ganhando sucessivamente por 10 anos  o Campeonato Paraense de Regatas (de 1948 a 1957), feito nunca igualado pelos principais adversários da Lusa.
Além do Decacampeonato, a Tuna venceu também um Hepta (73,74,75,76,77,78); um Penta (94,95,96,97,98) e três Bi (39/40), 64/65) e 88/89.
Por todos esses feitos a  história do remo em nosso estado se confunde com a própria história da Tuna. 
Há pelo menos quatro anos sem apresentar nada de novo nesse esporte onde com todas as honras ganhou o título de "Rainha do Mar", e convivendo com sérios problemas de gestão na sede náutica, onde o técnico acumula também a função de diretor náutico, a Tuna fez neste 2013 uma de suas piores campanhas de seus 110 anos. 
Enquanto o campeão Clube do Remo somou nas cinco regatas do ano 162 pontos, o Paysandu, segundo colocado, chegou aos 121, a Tuna não passou de humilhantes 41 pontos, o que preocupa  torcedores cruzmaltinos e todos os que amam o esporte náutico.
A Tuna necessita de novos barcos, formar um escola para que surjam novos atletas, reforma na sede e um olhar mais carinhos da diretoria na questão das necessidades da garagem e, principalmente, um apoio dos que torcem e amam o esporte náutico, pois precisa se reorganizar e voltar a ser grande no esporte onde por muitos anos foi a "Rainha do Mar".

Tuna e Castanhal será teste para cardíaco

Ainda não foi ontem que a Tuna conseguiu sua primeira vitória na Primeira Fase do Campeonato Paraense de 2014. Com mais esta derrota, desta feita por 1 a 0 para o Independente de Tucuruí a Águia do Souza segue sua "via crucis"  no Seletivo, completando seis jogos, com quatro derrotas, dois empates, com apenas dois pontos, continuando na lanterna.
A Tuna só fez dois gols no Seletivo. O time comandado por Lecheva, talqual a equipe que jogou do Primeiro Turno do Campeonato Paraense do corrente, não tem atacantes e quando acontece de tomar gols ou pelo menos um gol que seja, nunca empata e assim vai caminhando para o desastre total.
Não vou ficar aqui mais a enumerar de quem é a culpa. Todos sabem que a culpa é de toda a diretoria. De todos que permaneceram juntos do princípio do mandato até agora, apoiando erros e acertos (mais erros que acertos) num conluio vergonhoso que quem é cruzmaltino e acompanha a história do clube sabe que nunca aconteceu situação tão degradante.
Cinco anos de uma gestão (em dois mandatos: um de três outro de dois anos) que se formos enumerar o que escapa de positivo encontraremos muito pouco, a ponto de ficarmos chocados com tantos erros, tanto desrespeito a uma agremiação centenária, que merecia uma melhor sorte em todos os seus setores, tanto no desportivo como no Social.
A Tuna no futebol profissional para não cair para a Segunda Divisão vai ter que rebolar. É. Vai ter que rebolar porque se até o presente não venceu uma partida das seis que disputou, tranquilamente pode perder a última, pois não se sabe o que está acontecendo nas entrelinhas do Clube, porque além do time ser fraco, não se tem conhecimento se os jogadores estão recebendo seus salários, e se não tiverem, podem contar que será mais uma peia que levaremos. 
A situação fica crítica, porque além de ter obrigação de vencer o também fraco Castanhal -que possui quatro pontos- dentro do Souza, a Tuna vai ter que torcer para o Águia de Marabá bater no Time Negra,
que também tem quatro pontos. Com os dois que tem,  a Tuna completa cinco pontos, escapará do rebaixamento e deixará a Segunda Divisão para Time Negra e Castanhal.
Mas, mais um lembrete: para  isso acontecer, a Tuna vai ter que vencer o Castanhal e o Águia ganhar do Time Negra. 
Será que vai dar? É teste para cardíaco, mas eu espero, porque cair para a Segunda Divisão nunca jamais esteve nos planos e tenho certeza de  nenhum cruzmaltino.

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Que nosso sofrimento franciscano seja aliviado

O verdadeiro cruzmaltino nunca te abandonará, Águia querida!
A Tuna faz neste domingo, contra o Independente de Tucuruí,  o seu sexto jogo pela Primeira Fase do Paraense 2014. A Águia do Souza já não tem mais chances de classificação, mas necessita pontuar para, pelo menos, escapar da degola para a Segundinha.
Lecheva está numa sinuca de bico. Em cinco partidas ainda não conseguiu vencer nem uma, empatou duas e só conseguiu fazer dois gols. Triste, para quem seria o salvador da pátria!
Uma campanha triste, lamentável, que demonstra que a Tuna Luso Brasileira, que já passará o Campeonato de 2014 a ver navios, poderá ter que disputar a Segunda Divisão, lutar pela classificação entre os dois primeiros colocados, e se conseguir, fazer a mesma "via crucis" que faz agora na Primeira Fase para tentar conseguir uma vaga para 2015.
Um sofrimento franciscano para nós cruzmaltinos. Uma situação que esperamos não aconteça, por isso a importância de vencer essas duas partidas restantes e torcer para que os últimos colocados não pontuem.
Já postei isso aqui, mas vou repetir. Nunca vi a Tuna, em meus 31 anos de associado do Clube, numa situação tão vexatória, tão humilhante.
É necessário que os postulantes à presidência tenham uma preocupação e um comprometimento com o futuro do nosso Clube em todos o seus setores. 
Olhar com carinho como está nosso futebol profissional e nossa Sede Náutica, também, que neste 2013, está vivendo um de seus piores momentos.
O comprometimento, a seriedade, o respeito pela nossa Instituição de 110 anos devem ser colocados na pauta de propostas dos postulantes.
É necessário que em setores de maior importância do Clube sejam colocadas pessoas de responsabilidade,
que tenham respeito -repito- e amor ao Clube.
E, no domingo, que os jogadores ponham o coração no bico da chuteira, que livrem  nossa heróica Águia do Souza do rebaixamento. 
Uma vitória contra o Independente poderá, pelo menos por alguns instantes, encher nossos sofridos corações de felicidade.

Nunes pode ser reconduzido hoje à FPF

A eleição à presidência da Federação Paraense de Futebol, que se realizará hoje, na sede do Pará Clube, é diferente de todas as anteriores,  pelo ineditismo de três candidatos estarem concorrendo, todos desportistas conhecidos e, pelo que têm declarado, com chances de ganhar o pleito.
O atual presidente, coronel Antonio Carlos Nunes, está à frente da "madrasta", desde 199, portanto já há 15 anos comandando o futebol paraense.
Pesam contra o  coronel Nunes, que disputa a reeleição na chapa situacionista,  acusações as mais diversas, a principal delas de desvio de verbas, feita pelo senador tucano Mário Couto. O senador paraense fez vários pronunciamentos denunciando desmandos por parte do coronel Nunes no plenário do Senado Federal, e embora não tenha tido a repercussão que esperava, deixou muita coisa no ar, já que Nunes nunca se manifestou sobre o assunto.
Nunes, mesmo com as acusações de Mário Couto e dos candidatos oposicionistas Luiz Omar Pinheiro, da chapa "Renovaçao", e Ulisses Sereni, da chapa "Futebol de Primeira", é o candidato com maiores chances de vencer e continuar no cargo, ao que parece, quase já vitalício em sua vida.
Apesar do que vaticina este escriba, é bom que fique bem claro que acho realmente necessário uma mudança na Federação. Não que ache o coronel desonesto ou outra coisa qualquer.Nada a ver. Apenas sou a favor de uma renovação, mudança em alguns setores da Casa de nosso futebol, como o aumento da quantidade de clubes de oito para pelo menos 10 no Campeonato Paraense,  um incentivo maior às equipes da capital, como Tuna, Paysandu, Remo, Sport Belém e Ananindeua, principalmente, e um confisco menor por parte da Federação nos jogos do Parazão, que hoje é 10% sobre a renda bruta, o que lhe dá uma renda de aproximadamente 6 milhões de reais anualmente.
Como postei acima, penso que, se não surgir uma surpresa de última hora, vai dar o coronel Nunes na cabeça, a meu ver, pelo trabalho que tem nos Clubes Amadores da capital e do interior e nas Ligas Municipais.
Esta eleição é muito importante para o futebol paraense. Seja  pelo exercício da democracia, pelo perfil dos candidatos, nomes importantes do esporte paraense, a eleição que escolherá hoje o novo mandatário da FPF já vale como ponto positivo e, mesmo que seja o coronel Nunes reeleito presidente ele, agora com uma pulga atrás da orelha, pensará duas vezes sobre as atitudes que tomará neste seu novo mandato, uma vez que os "fiscais" vão estar de olho e já visando como agir nas próximas eleições.  

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Perrela abasteceu helicóptero da "coca" com dinheiro da Assembléia de Minas

(Deu no UOL)

O deputado estadual Gustavo Perrella (Solidariedade-MG) gastou R$ 14 mil de verba indenizatória da Assembleia Legislativa de Minas Gerais neste ano para abastecer o helicóptero que foi apreendido pela Polícia Federal carregando 445 kg de pasta base de cocaína no último domingo, no Espírito Santo. O parlamentar disse que não sabia que a aeronave iria transportar drogas. 
Parrela, parceiro de Aécio, está empoeirado
Em entrevista ao UOL por telefone, Perrella confirmou o uso do dinheiro para este fim, mas afirmou que o combustível utilizado nesse voo foi pago "em dinheiro pelo piloto no aeroporto" e que não foi utilizado dinheiro público. A reportagem não consegui falar com o advogado Nicácio Antunes, que representa o piloto. 
"A verba indenizatória não foi paga esse mês ainda. Não passei os gastos para a Assembleia, não tem como [dinheiro público ter pago o voo]". A aeronave pertence à empresa Limeira Agropecuária, da qual o parlamentar é sócio.
A Assembleia ainda pagava, desde abril, o salário de R$ 1.700 para o piloto que dirigia a aeronave, Rogério Almeida, exonerado na terça-feira segundo o "Diário Oficial".
Em junho, o valor gasto pelo parlamentar com querosene chegou a R$ 3.483, e em julho, durante o recesso parlamentar, o deputado gastou R$ 1.547 em combustível para o helicóptero. Perrella afirmou que "continua trabalhando mesmo durante o recesso".
O Ministério Público de Minas Gerais afirmou que vai investigar o fato. "Nós vamos apurar. Se trata de um recurso público, e nos interessa saber se foi gasto no exercício da atividade parlamentar. Vamos pedir as prestações de conta da Assembleia, e depois ouviremos o deputado", afirmou o promotor Eduardo Nepomuceno. (Transcrito do UOL-SP))

Lecheva, o maior perdedor do ano

Ricardo Lecheva é o grande perdedor do ano de 2013 do futebol paraense.
Lecheva chegou em Belém e se firmou como jogador da Tuna. Depois foi para o Paysandu onde como jogador foi campeão brasileiro da Série B.
Jogou profissionalmente até 2009, quando aposentado passou a trabalhar no Departeamento de futebol do Paysandu. 
Foi guindado a técnico do time profissional na maior "fogueira", quando o Paysandu estava quase sem chances. de subir para a Série B. Com trabalho, dedicação e muito conhecimento da equipe, conseguiu a classificação do Paysandu para a Série B. Depois, para o Campeonato Paraense, Lecheva continuou como técnico do time bicolor e foi Campeão do ano de 2013.
Mesmo com alguns questionamentos, principalmente de torcedores, que acham que "santo de casa não faz milagres", Lecheva foi efetivado no Paysandu para a Segundona. Na estréia em Paragominas, o Paysandu empatou, como também no segundo jogo. Começaram então as excessivas cobranças e especulações sobre a possível saída do técnico campeão.
No terceiro jogo da Série B, contra o Ceará Sporting, em Fortaleza, o Paysandu perdeu, numa partida cheia de erros da arbitragem.  Três gols foram anulados, os goleiros das duas equipes foram substituídos, e depois de muitas reclamações por parte da equipe paraense, o Ceará saiu com a vitória, por 1 a 0, gol do veterano Mota.
A partida, a terceira do Paysandu  na Série B, uma derrota depois de dois empates, foi a gota d'água para a queda de Lecheva.
Tudo que o jovem técnico de 39 anos havia conseguido foi esquecido. A classificação para a Série B, depois de seis anos de sofrimento, e o título de campeão paraense de 2013, não valera. Tudo foi para o beleléu.
Lecheva, o maior perdedor do ano
Lecheva foi mandado embora. Decepcionado, o técnico começou a se planejar para mudar sua vida, agora como ex-jogador e como o mais novo técnico da praça.
Foi para sua terra, Mogi Mirim, descansou, viu seu nome ser especulado como técnico do CRB de Alagoas, não deu certo, e continuou se preparando para voltar a trabalhar, embora sem se desligar do Pará, terra que escolheu para viver.
Preparando-se para disputar o Seletivo para o Parazão 2014, a Tuna, em finais de Setembro, anunciou Lecheva como técnico. O ex-técnico bicolor aceitou, pediu reforços, a diretoria prometeu mas segundo ele, não cumpriu e o resultado final todos já sabem.
A Tuna com Lecheva  faz uma de suas piores campanhas na Primeira Fase do Paraense. Em cinco partidas, não venceu nem uma, conseguiu dois empates e corre sério perigo de cair para a Segundinha, fato nunca acontecido na história da Águia do Souza.
Por sua vez, Lecheva, que todos achavam que seria o "salvador da pátria" cruzmaltina, pode ser considerado o grande perdedor do ano, pois saiu do Paysandu, perdendo a grande oportunidade de fazer seu nome como técnico, apostou na Tuna, que classificaria o time para a Primeira Fase, e como fracasso da Águia vai ter que rebolar muito para ganhar mais uma oportunidade.
Vida de técnico é complicada. Ganhando uma chance e conseguindo vitórias pode conseguir a rápida ascensão, como Jayme de Almeida, no Flamengo. Mas se de repente uma oportunidade não for aproveitada ou mesmo desperdiçada por algum motivo, pode ser a derrocada total. Como foi agora Lecheva, na Tuna.

Mengão é tri e manda "tabu" pra bem longe

Alegria de jogadores e dirigentes do Mais Querido por mais um título
Flamengo campeão (aliás, Tri campeão!) da Copa do Brasil. Uma vitória bonita, empolgante, de 2 a 0 contra o quase imbatível Atlético paranaense, numa Maracanã com 70 mil  torcedores, quase todos rubro negros,  fanáticos e felizes, que têm o Mais Querido do Brasil como uma religião, e que o sacrifício de pagar 250 reais -quantia que este escriba acha exagerada- pouco significou para a contagiante alegria dos flamenguistas.
Foi um jogo tenso, em que o Flamengo procurou o gol desde o princípio, mas encontrava uma barreira no forte esquema defensivo do Atlético. 
O time paranaense mais se defendia do que atacava, não queria tomar o gol que seria a gota d'água para o
título do Mais Querido do Brasil.
A primeira etapa terminou no 0 a 0, resultado que daria o título ao Flamengo. 
No segundo tempo, o Atlético viu que a única solução seria botar o time mais à frente, pressionar o Flamengo para conseguir o gol fora de casa, que se acontecesse deixaria o Mais Querido numa terrível situação, pois a derrota e até o empate a partir de 1 a 1 seria favorável à equipe paranaense.
Jayme de Almeida demonstrava uma tensão de final de campeonato, mas mantinha-se calmo. Pouco gesticulava, mas sentia que era possível ganhar o título com seus comandados, apesar do centro avante Hernane ter pouco chutado com perigo ao gol adversário.
O primeiro gol só saiu aos 42 de uma segunda etapa tensa e desesperadora para as duas equipes, através de Elias, que recebeu de Paulinho, depois de um chute de Hernane. O golaço do meia Elias levantou os 70 mil torcedores num grito só de felicidade. 
Bastaria somente um gol, mas o árbitro da partida da partida leandro Pedro Vuaden (FIFA) levou o jogo até aos 50 minutos e permitiu que aos 49 Hernane, o artilheiro da Copa do Brasil, estufasse mais uma vez as redes do goleiro Weverton, do Atlético, fazendo o segundo gol e repetindo o já tradicional gesto do português Cristiano Ronaldo: "Eu tô aqui", apontando com o dedo para si.
A campanha do Flamengo foi bonita e pode ser chamada até de espetacular.Depois de um início ruim, sem chances, o Mais Querido teve que enfrentar as melhores posicionadas equipes do País e vencê-las como Cruzeiro, Botafogo, Goiás e por último Atlético Paranaense.
O título do Flamengo foi histórico, o terceiro da Copa do Brasil, e que lhe deu o direito de estar na Libertadores de 2014. 
Serviu também para mostrar que quando se tem em uma equipe comprometida, azares, mandingas e o velho tabu vão tudo para o beleléu. 
Parabéns, Mengão!!!

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

Flamengo a um passo do tri da Copa do Brasil

O clássico rubro negro que decidirá a Copa do Brasil hoje, no Maracanã, a meu ver, está mais para o Flamengo.
Explico: primeiro que não acredito nessa história de "tabu", que a Imprensa insiste em colocar em todas as decisões em que o Mengão joga no Maracanã. Acham que porque a equipe carioca perdeu o título, quando caiu por 2 a 0 em 2004 para Santo André dentro de casa, o rubro negro carioca "treme" sempre que essa decisão acontece no Maracanã. 
Esquecem, os que gostam de citar o tal "tabu", que o time do Flamengo passa por uma fase muito boa. Depois de um período de derrotas com Dorival Júnior, o time carioca, sob o comando do técnico "caseiro" Jayme de Almeida, que evitou a queda da equipe à Série B, que estava rondando a Gávea, tem hoje uma equipe simples, mas bem centrada, e que não é por acaso que está na final da Copa do Brasil com a vantagem de ser campeã até com um empate em 0 a 0.
Sou de opinião que o Flamengo vence a partida. Sem querer desmerecer a força do Atlético Paranaense, que com a chegada de Vagner Mancini acertou está com o time "azeitado" e além de estar na final da Copa do Brasil hoje, está também em segundo lugar do Brasileirão e já com a vaga garantida na Libertadores, vejo o rubro negro carioca muito focado na partida de hoje que, se vitoriosa, pode ser a certeza da permanência de Jaiyme no comanda da equipe em 2014.
Se o título ficar na Gávea hoje significará o terceiro do Flamengo e a garantia de uma vaga na Libertadores.
O Flamengo está precisando desse título. Para a torcida rubro negra voltar a sorrir e para acabar de vez com a história do tabu.

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Seedorf e Muricy pedem Ganso na Seleção

É muito discutível a posição do técnico da Seleção Brasileira, Luiz Felipe Scolari, quando ele diz que já tem definido os nomes dos jogadores que estarão na Copa de 2014. 
Tudo bem que ele já tenha a base da Seleção, isso é por demais importante. Mas isso a ter os nomes já certos, é desmotivar os craques brasileiros que estão jogando e se esforçando para chegarem em 2014 aptos a vestir a Amarelinha na Copa.
O mestre João Saldanha, um dos grandes cronistas brasileiros, costumava dizer que a cada seis meses parecia uma craque no Brasil. E se formos olhar pelo lado real da coisa, é pura verdade.
Até o presente o Brasil tem carência de um bom homem de área. Os grandes e famosos centro avantes nacionais não está numa boa. Fred está batido, Luis Fabiano não está rendendo bem e o centro avante do Internacional, Leandro Damião, não passou de fogo de palha.
Mas Felipão, com seu habitual orgulho, já fechou e deve levar o botinador Hulk. Não seria mais lógico deixar cinco ou seis vagas no meio de campo e ataque, principalmente, para futuros jogadores que certamente aparecerão?
No meio de campo também Felipão garante que seu grupo já está fechado.
É lamentável a ignorância e insensibilidade do técnico com os jogadores que estão brilhando e fazendo a diferença, principalmente no Brasil.
Se observarmos, não temos em nossa Seleção um bom lançador, o camisa 10, que é quem trabalha distribuindo bola no meio de campo. 
Ganso, que eu venho já há algum tempo observando -não somente por ser paraense e ter aparecido para o futebol no meu time, a Tuna- está jogando cada vez melhor. 
Ganso talento que merece respeito de Scolari
Teve poucas chances na seleção e por ter sofrido uma contusão parou um bom tempo. Na época, chegaram até a dizer que o paraense estava "acabado".
Ganso voltou, foi contratado pelo São Paulo e está dando a resposta em campo, é o maior articulador de jogadas do tricolor paulista, sendo elogiado por grandes jogadores, como Seedorf, e pelo técnico Muricy Ramalho.
Mesmo assim  Felipão dá as costas pra o talento de Paulo Henrique.  
Muricy, um dos mais conceituados técnicos do país, no jogo de domingo entre São Paulo e Botafogo, fez um comentário: "tomara que o Felipão tenha visto essa jogada do Ganso. O que o Paulo Henrique fez é brincadeira. Poucos sabem fazer. É coisa de quem sabe. Não temos mais número 10, é só correira".
Felipão, coberto de orgulho, respondeu taxativo: "eu vejo tudo, mas a escolha é minha. Não escalo time dos outros".
Tomara que essa Copa no Brasil fique no Brasil. Mas se der errado, o soberbo Felipão, vai sofrer muito. Podem anotar.