terça-feira, 31 de janeiro de 2012

50 anos dos Rolling Stones em livro

Os quatro componentes dos Rolling Stones
Em 25 de maio próximo os Rolling Stones, a mais antiga banda de rock do mundo completará 50 anos de vida. Formado originalmente pelos cinco jovens ingleses Mick Jagger, Keith Richards, Charles Watts, Brian Jones e Bill Wyman, os Rolling Stones formaram com os Beatles,  desde a década de 60, a verdadeira invasão britânica em todos os países do mundo, conquistando sucessos em todas as paradas musicais, inclusive americanas, ganhando destaque nas principais publicações de música como a Bilboard, além de influenciar o comportamento de várias gerações de jovens com seu estilo de vida livre, mostrando a rebeldia desde o modo de vestir até a maneira de dançar e tocar guitarra.
Rolling Stones fez o diferencial sobre seus contemporâneos e principais rivais: os Beatles. Os jovens dos Stones, principalmente pelo seu estilo mais a bad boys, bem ao contrário dos bem comportados Beatles, sempre foram mais ousados em suas capas de discos e principalmente nos shows, com nuances provocativas que sempre causaram frisson e histerismos nos fãs.
Capa do livro sobre os 50 anos dos Stones
Da Banda original surgida em 1962, Brian Jones foi a primeira baixa. Após muitos atritos com o líder  Mick Jagger, Brian se desligou da banda e logo depois apareceu morto, em 1969, em circunstâncias estranhas, pois mesmo que o laudo aponte consumo exagerado de drogas e álcool, fontes da época apontaram que ele havia morrido afogado em uma piscina. Em seu lugar entrou o guitarristas Mick Tailor, que permaneceu até 1974, quando resolveu seguir carreira solo. 
Com a saída de Tailor, os dois líderes da banda, Mick Jagger e Keith Richards logo encontraram um substituto do mesmo nível, o guitarrista Ronnie Woods, que fazia parte da banda inglesa "The Faces", de Rod Stewart. Bill Wyman desligou-se dos Stones em 1993, e colocou um "Pub" em Londres.
Os 50 anos da banda Rolling Stones serão comemorados em grande estilo. Além de shows programados para vários partes do mundo em 2012, um livro contando as histórias, as brigas, a difícil convivência do grupo, os grandes problemas principalmente entre Mick Jagger e Keith Richards, que já declarou que "suporta" o cantor, os sucessos como "Wild horses", "Miss You", "Jack flash", "Angie" e a fantástica "Satisfaction", estão retratados na publicação intitulada "50 anos de rock -Rolling Stones".
O livro conta o inicio, meio e a atual formação da banda, que foi  fundada por cinco jovens mas que hoje, com a saida de Bill Wyman, é formada pelos fundadores Mick Jagger, Keit Richards, Charles Watts e Ronnie Woods, o quarro elemento que entrou em 1974. A publicação já está nas principais livrarias, e demonstra ser um "verdadeiro manual de sobrevivência" em grupo. Mostra, também, quem inventou o nome "Rolling Stones", o desenho original da língua e o seu autor, John Pasche e tem um acervo excepcional de pelo menos 150 ilustrações fotográficas da banda. Uma publicação histórica que vale a pena para fãs e pesquisadores sobre a mais antiga banda de rock em atividades.

Perguntas que não são respondidas

Qualquer perda é negativa e significa que algo não vai bem, e precisa de mudança. A Tuna tem perdido muitos jogadores, alguns que o diretor de futebol, Fernando Chipelo, já havia até garantido pela Imprensa que assinara com a equipe; outros abandonaram o Clube e fecharam com outro. Tem algo que não está 100 por cento no "front"  cruzmaltino que precisa ser e esclarecido.
Hoje os jornais anunciam que a Águia do Souza perdeu mais um jogador, no caso o ex-Paysandu Álvaro, que já havia assinado e até jogado. Não se sabe (também a Imprensa só sabe dizer que o cara se foi, não explica patavina).
Mesmo que não seja coisa boa quando o jogador por decisão própria se desliga do Clube, principalmente quando tem menos de 15 dias de contratado, o fato é que o tal e Álvaro "já vai tarde". Um jogador bastante comum, de qualidade técnica razoável para baixo que, como se diz na gíria: "não cheira nem fede". Com certeza o técnico Charles Guerreiro deve ter gente igual ou melhor até no sub-20.
Agora, cercado de diretores e  assessores é importante que a diretoria do Clube determine alguém para explicar o porquê de tantos jogadores abandonarem a Tuna, deixando visível não ter  interesse em ficar na equipe. Tem alguma coisa que não está legal. Não custa nada explicar ao torcedor, pois semana passada foi o Ciro e agora o Álvaro. O que na verdade, está acontecendo?

Aviso aos navegantes: 

Não tenho nada contra, a favor ou muito pelo contrário (fiquem imaginando mesmo!) ao Sr. Fernando Chipelo, o Chipelinho. Tanto que se hoje ele é Benemérito da Tuna conseguiu na minha gestão, porque nossa diretoria trabalhou para isso, já que na gestão anterior ele foi indicado à Benemerência pelo Sr. Álvaro Rodrigues e não passou,  segundo suas próprias palavras, porque foi traído. Perguntem a ele quem foi (ou foram os traidores).
Questiono algumas ações suas, porque sou cruzmaltino e acho bastante acanhadas. Mas respeito a ele e ao seu trabalho, pois sei que tem história no Clube, principalmente pelo seu grande feito nas categorias de base da Tuna, onde, quem conhece sabe quantos títulos ele ganhou e quantos bons atletas foram revelados no período que foi diretor. Agora na democracia (e eu sou adepto e defensor dela) é importante que se receba as criticas e procure ver onde estão os erros e tentar se corrigir. Quer se defender, me procura, posto a defesa no Blog, ou então me liga e fala comigo. 
Chipelinho, que conheço de muitos anos, me conhece bem e mesmo que não fechemos em todas as situações, nos respeitamos. Ele sabe que eu não gosto de mandar recado nem de falar por trás. Falo pela frente, sem arrogãncia, com bastante seriedade, respeito e para tentar melhorar a nossa Tuna. O resto (ah, o resto!) é pura -puríssima- perfumaria!

PT comemora, dia 10 de fevereiro, 32 anos de luta em defesa do povo brasileiro


Ato comemorativo será no dia 10 de fevereiro, no encerramento do Encontro Nacional de Prefeitos (as) e Deputados (as) Estaduais.
O Diretório Nacional do Partido dos Trabalhadores realiza no dia 10 de fevereiro, em Brasília, ato comemorativo dos seus 32 anos de fundação. A festividade ocorrerá durante o encerramento do Encontro Nacional de Prefeitos/as e Deputados/as Estaduais do PT. O evento, que será realizado no Centro de Eventos Brasil 21 (Plano Piloto), contará com a participação de dirigentes, militantes, ministros, parlamentares, prefeitos, lideranças sindicais e populares, além de representantes dos movimentos sociais e de partidos aliados.
Na comemoração do 32º aniversário de fundação, o presidente nacional do PT, Rui Falcão, reafirma a posição do PT na defesa intransigente do povo brasileiro. Aqui em Belém haverá também comemoração pelo aniversário do partido que desde sua criação luta em prol do povo. Do Blog da Dilma).

segunda-feira, 30 de janeiro de 2012

Paulinho, ex-lateral da Tuna, brilha no Botafogo de Ribeirão Preto

Paulinho (ex-Tuna) é titular do Botafogo paulista
Dois atletas jovens oriundos de nosso futebol, ganham a grande chance de despontar no competitivo futebol paulista. Paulinho, o Paulo Júnior, oriundo das categorias de base da Tuna Luso Brasileira e vice-campeão paraense em 2007, é titular da lateral esquerda da equipe do Botafogo de Ribeirão Preto. E Rafael Oliveira, que ano passado foi centro avante do Paysandu e um dos artilheiros do Brasil, está lutando para conseguir a camisa de titular da Portuguesa de Desportos, atual campeã da Série B.
Pelo que conheço de Paulinho, que adotou o nome de Paulo Júnior, ele tem futebol e capacidade física para ser titular do Botafogo e até aparecer para uma outra grande equipe brasileira. Técnicamente excelente, com um ótimo domínio de bola, canhoto, mas chutando também com a direita, Paulo Júnior é destaque também quando atua pelo meio de campo. Excelente batedor de faltas, Paulo Júnior além da Tuna onde começou atuou pelo no futebol alagoano, pelo Murici e Cururipe, sendo bicampeão estadual e o melhor lateral do ano. Atuou também  pelo América de Natal, sendo pretendido por Santa Cruz e Náutico e outras equipes do Nordeste. Sua ida para o Botafogo, no final do ano, segundo falou para o escriba, foi a grande oportunidade que ele sempre sonhou e que nunca teve no nosso futebol desde que despontou pela Tuna.
Rafael Oliveira é um centro avante rápido, com um excelente conhecimento do centro da área. Sabe se deslocar com perfeição e é também velocista. Pela juventude e força de vontade pode ganhar a posição e ser mais um dos destaques do pará no concorrido futebol paulista. O escriba deseja sorte aos dois valores de nossa terra.

Entre "mortos e feridos", uma esperança

A Rodada do Campeonato Paraense do final de semana, a 5ª, não foi totalmente ruim para a Tuna Luso Brasileira. A vitória por 3 a 1 frente ao São Francisco, no sábado pela manhã,  foi muito importante para a Águia do Souza, que ganhou moral perante a diretoria, Comissão Técnica e sua torcida e mesmo que tenha ficado somente um dia na quarta colocação do Parazão, ainda tem chances de figurar no Quadrangular final do Primeiro Turno.
Na realidade, para a Tuna, o resultado ideal seria o Independente vencer o São Raimundo, que com quatro pontos estaria praticamente fora de combate, e o Remo vencer o Paysandu, porque deixaria o time bicolor  sem chances de chegar ao Quadrangular.  Mas como aconteceu quase o inverso: o Paysandu venceu e o São Raimundo empatou, entre mortos e feridos, a Tuna ainda tem chances de figurar na elite dos quatro melhores. Para isso terá que vencer suas duas partidas restantes e torcer para o Paysandu não vencer assuas: perder ou pelo menos empatar uma.
Mas é importante que a torcida cruzmaltina tenha os pés no chão. Primeiro que além dos primeiros colocados que são Águia, Remo e Cametá, têm chances de chegar ao Quadrangular final Paysandu,  Tuna, São Francisco e São Raimundo, uma briga realmente generalizada.  E tem mais: Com relação à Tuna, seus dois jogos finais são bem difíceis. O primeiro será na quarta-feira, contra o Remo, que sabemos é uma equipe veloz, que mesmo tendo perdido o jogo de ontem para o Paysandu, vai jogar  em casa, com o apoio de sua torcida. Charles vai ter que conversar muito com os jogadores e explicar a importância desses três pontos. Terá, também, que escolher um bom substituto para o lateral Sinésio, que recebeu o terceiro cartão amarelo. O outro jogo será contra o Cametá. Equipe afinada, valente e que mesmo estando com um pé no Quadrangular, imagino que não se entregará com facilidade.
Serão dois jogos que a Tuna não poderá sequer empatar nenhum. E ainda tem dois poréns: a torcida cruzmaltina terá que fazer figa para o Paysandu perder ou empatar um dos jogos e o técnico Charles Guerreiro procurar urgentemente saber o que está acontecendo com o André Luiz, que está engolindo cada "frango"!

O milagre do santo caseiro

A garotada do Paysandu provou ontem que "Santo de casa faz milagre". Um time bem caseiro, com pelo menos 60 por cento dos jogadores oriundos da base bicolor e equipes paraenses, cantou de galo  e botou um combalido Leão dentro de sua jaula. Presinho da silva! 
O Paysandu entrou em campo disposto a desbancar seu maior rival, o líder Clube do Remo,  e desde o princípio da partida até o apito final do árbitro, jogou concatenado, disciplinado, atacando e defendendo com cautela e responsabilidade, mas sempre levando perigo para o gol adversário. Aliás o time do Paysandu fez com que o goleiro Jamilton do Remo se transformasse em uma das melhores figuras em campo, dado o trabalho que teve com os atacantes bicolores.
Para este escriba, que é defensor dos jogadores oriundos das categorias de base e de atletas de nossa região, a vitória do Paysandu só faz reforçar que importar "bondes" ou jogadores acima de 33 anos, é bobagem, tolice que o moderno dirigente não deve fazer, pois é certeza de críticas no futuro. Futebol é esporte para jovens, embora se possa mesclar uma equipe com jogadores experientes, mas de 34 anos para cima é esparro, porque numa partida de 90 minutos os quarentões não aguentam nem meio tempo...
Como admirador de futebol e acompanhando o Parazão, assisti pela TV a Remo e Paysandu. Confesso que só havia visto o Paysandu jogar uma vez, contra a Tuna, quando achei que a Águia do Souza não merecia ter sido derrotada. Culpo o árbitro pelo erro duplo: o pênalti marcado a favor do Paysandu e o não marcado em prol da Tuna. 
Voltando ao Paysandu: estranhava as derrotas da equipe bicolor, mesmo porque conheço e acompanho o trabalho de Nad, sei o quanto é aplicado, disciplinado e sabe trabalhar com atletas jovens. Quanto ao Remo, estava 100 por cento, mas não convencia muito, até no placar, sempre minguado.
Ontem não se sabe se por obra dos deuses do futebol (como falam alguns cronistas), a meninada do Paysandu aloprou de jogar bem. De Robinho, que sempre reputei _desde seus tempos de Cametá- como um grande jogador, mas que ontem deu um verdadeiro show,  passando pelo veterano Vânderson -ontem muito bem-,  até o Yago Picachu: todos muito bem em campo.
Parabenizo principalmente ao treinador Nad, que teve a coragem de por em campo garotos desde o goleiro Paulo Rafael até Héliton, que foi desprezado pelo Remo e ontem foi um dos melhores em campo.
Ah. Me penitencio quando postei no domingo que não acreditava em uma partida espetacular ontem. Não chegou a ser um espetáculo, mas foi um belo jogo de futebol, principalmente pela vontade dos jovens jogadores, que entusiasmados, esqueceram o adversário e preocuparam-se somente em  jogar bem e vencer a partida.

domingo, 29 de janeiro de 2012

Re-Pa não tem cara de espetáculo

Apesar da importância, não acredito em espetáculo no jogo de hoje entre Remo e Paysandu. Certo que é um clássico, envolvendo as duas maiores torcidas do Estado, porém, o negativo é a atual situação dos contendores: um com uma equipe bastante regular, que é o Clube do Remo, vencendo a trancos e barrancos; outro, uma equipe jovem que tenta acertar numa seara que nunca foi sua praia: a sua própria base.
Para quem está na galera à espera de um resultado que seja importante para seu futuro na competição, como a Tuna Luso Brasileira, uma vitória remista seria o melhor resultado, pois deixaria o Paysandu praticamente  no final da fila na luta classificatória neste Primeiro Turno.  Um empate entre as duas equipes também é um resultado excelente para a Águia do Souza, pois praticamente exclui as chances bicolores. Já a vitória do time da Curuzu é um resultado péssimo para a Tuna, que vê suas chances diminuírem sensivelmente.
A derrota hoje também é um resultado ruim para o Clube do Remo.  Além de estar invicto no Campeonato e ser derrotado pelo seu maior rival, que se encontra hoje na vice lanterna, depois do empate sem gols de ontem entre Cametá e Águia no Bacurau, resultado que deixou as duas equipes subirem um ponto e  praticamente garantirem suas vagas no Quadrangular final, o Remo vai ter que batalhar para ser o primeiro lugar e ter alguma vantagem no torneio. Se isso acontecer, os azulinos vão ter que ganhar os dois jogos que lhe restam, um deles contra a Tuna, além de torcer para que nem Cametá nem Águia vençam, o que é difícil porque as duas equipes estão muito bem. Detalhe: a Tuna vai entrar contra o Remo disposta a vencer para continuar viva na disputa.
Pelo que se desenha, sem ordem de classificação, Águia, Remo e Cametá estão praticamente garantidos no Quadrangular. Dependendo dos dois resultados de hoje, Paysandu, Tuna e São Raimundo brigam -que bronca feia!-  por uma vaga, a última.
Uma das máximas do futebol diz: "quem joga em casa tem obrigação de vencer". A Tuna não ganhou do Águia no Souza e agora sofre dependendo de resultados para figurar entre os quatro. Mas nem tudo está perdido: É torcer para Independente e Remo vencerem hoje e arranjar um susbtituto bom para Sinésio, que recebeu o terceiro cartão amarelo e não joga na quarta, contra o time de Antonio Baena. O resto, podem anotar -e se quiserem passar adiante: É pura perfumaria.

Para onde vão os tucanos?

Completamente perdido no governo do estado de São Paulo, depois dos problemas da USP, da Cracolândia e agora de Pinheirinho, onde milhares de pessoas entre crianças, adultos e idosos foram escurraçadas de suas casas e lançadas para o meio da rua, como se fossem verdadeiros animais pela polícia do PSDB, além da severa disputa entre os grupos aecista e o serrista -cena que lembra qualquer coisa de uma peça de Plínio Marcos-, o tucanato vê suas chances como partido de oposição serem devastadas por um verdadeiro tsunami interno. 
Como iminência parda dos tucanos, FHC, aos 80 anos, mostra seu voto e seu apoio quase que incondicional ao plaiboy Aécio, esquecendo até -segundo fontes serristas- quem foi seu fiel escudeiro e batedor do martelo em tantas jornadas de privatizações acontecidas neste Brasil varonil durante
os anos 90.
O outrora partido da burguesia, hoje bastante borolento talvez pela ganância que sempre o dominou, como também pela falta de trânsito entre os mais humildes, somando com a arrogância deslavada e tecnocrata notadamente falida, posta em prática sempre que chega ao poder, vai assim a cada dia perdendo terreno na política, dando espaços cada vez maiores àqueles que têm verdadeiro e compromisso com o povo.
A recente pesquisa que colocou a presidenta Dilma com o índice mais alto da história política nacional e por isso cacifada a vencer qualquer eleição se acontecesse hoje, além da cada vez mais viva força do ex-presidente Lula como ficou demonstrada na sua aparição no meio da semana com Dilma e ministros, reforçam a máxima popular de que a "Voz do Povo é a Voz de Deus". E quem se afasta do povo, senta na cadeira antes da vitória, só tende a sucumbir políticamente.

Apoio de Jader a Alfredo pode ser "gol contra"

Puty vai pela base do PT
Na tentativa de botar "sujeira no ventilador" o senador do PMDB paraense Jader Barbalho, por debaixo dos panos, está apoiando o vereador Alfredo Costa na disputa com Cláudio Puty nas prévias que indicará o candidato do PT às eleições para a Prefeitura de Belém. Segundo publicou na sexta-feira a coluna de Luis Carlos Azedo, no Correio Braziliense, Jader colocou  abertamente seu grupo de comunicação à disposição do vereador petista, que ficou bem atrás de Puty no primeiro turno das prévias. 
Cláudio Puty, deputado federal pelo PT, tem apoio de vários grupos petistas,  que vê o jovem deputado com o referencial positivo para governar a abandonada Belém. Quando secretário de Ana Júlia, Puty foi um dos mais aguerridos combatentes contra qualquer aliança com o PMDB e o próprio Jader, hoje um político que trabalha mais na calada da noite, na popular "surdina", já que sua outrora forte liderança, pelas muitas denúncias envolvendo seu nome, hoje está tacanha.
Por outro lado, Cláudio Puty se mobiliza trabalhando com toda a base petista que, em sua maioria, entende que aceitando o "apoio" de Jader, Alfredo marca um gol contra até com seus próprios companheiros de tendência: um contraponto na história política do professor jurunense.
Já o deputado Puty sente que a investida de Jader poderá até ajudar sua caminhada à vitória no segundo turno das prévias,  dia 5.

sábado, 28 de janeiro de 2012

Tuna vence e melhora posição

A vitória por 3 a 1 sobre o São Francisco hoje pela manhã no estádio Francisco Vasques deu um novo fôlego à Tuna Luso Brasileira, que voltou à quarta colocação do Parazão, embora ainda falte o complemento da Rodada. O resultado, embora ainda não não garanta a Águia do Souza no Quadrangular final que decidirá o campeão do Primeiro Turno, pelo menos afasta o fantasma da derrota que afligia a equipe Lusa há três rodadas seguidas.
O time cruzmaltino apresentou-se bem melhor hoje que na partida anterior. Mesmo tendo demonstrado um cansaço natural a partir dos 30 do primeiro empo, Fábio Oliveira deu uma melhor mobilidade ao ataque da equipe comandada por Charles Guerreiro. Beá soltou-se mais e por um bom tempo a Tuna comandou a partida.
Para terminar o final de semana a excelente posição de quarta colocada, a Tuna vai torcer por uma derrota do São Raimundo, hoje contra o Independente, e do Paysandu, amanhã contra o Remo. Se isso acontecer as chances de classificação serão mais claras, embora a Águia do Souza ainda dependa de duas vitórias nas próximas rodadas.

sexta-feira, 27 de janeiro de 2012

Lupicínio: dor de cotovelo e felicidade


Ontem à noite, ouví uma canção que me fez viajar e lembrar muito de um irmão meu,  Ezequiel, residente em Brasília, que nós aprendemos a chamar carinhosamente de "Profeta". Ezequiel ou Profeta, é um cara boa gente e às vezes engraçado pelas suas manias. Simpático, calmo, adora um papo, principalmente se for acompanhado de cerveja. Lembro que quando nos reuníamos para papear, muitas vezes com um som mecânico ou um dos "muitos curiosos" de violão, quando alguém queria uma música, tipo um samba do João Nogueira ou do Paulinho da Viola, ele atacava de "Felicidade", de mestre Lupicínio Rodrigues. Lembrei do Profeta porque ouví, ontem, a belíssima "Cadeira Vazia", também de Lupicínio, na voz eterna de Elza Soares.
Lupicínio Rodrigues  era gaúcho de Porto Alegre. Nasceu em um bairro pobre da cidade, em 1914. Como era natural na época, seus pais tiveram 21 filhos. Lupicínio foi o quarto.
Desde cedo sentiu inclinação para a música. Aos 14 anos compôs sua primeira canção: "Carnaval", para um cordão do bairro.
Lupi, como era chamado pelos amigos, sofreu influência de importantes artistas da época, como o cantor Mário Reis e o compositor e cantor Noel Rosa, que ele chegou a conhecer em 1932.
Em 1935, aos 21 anos, Lupicínio Rodrigues, que havia entrado no Exército, deu baixa e continuou sua vida de boêmio em Porto Alegre. Nesse período, venceu um concurso musical da prefeitura, em comemoração ao centenário da Revolução Farroupilha. A canção foi  "Triste história", uma parceria com Alcides Gonçalves, gravada em 1936.
O início do sucesso veio em 1938, com "Se acaso você chegasse", até hoje um de seus maiores sucessos, e que revelou também a voz do grande cantor Ciro Monteiro, que tinha a mania de cantar batendo numa caixa de fósforo. O samba estabeleceu a parceria com o compositor e pianista Felisberto Martins. Como ele morava no Rio e trabalhava na gravadora Odeon,  Lupicínio Rodrigues o incumbiu de divulgar músicas  em troca de parceria. Esse tipo de negócio era comum antigamente.
Apaixonado por sua terra, Lupicínio jamais deixou Porto Alegre, cidade que ele viveu, curtiu e amou por toda a vida. Somente por algumas ocasiões, como em 1939, passou uma temporada no Rio. Cantou, então, para Francisco Alves, que gostou e passou a gravá-lo, tornando-se um dos seus principais intérpretes. Chamado de Rei da Voz, Chico Viola transformou em sucessos canções como "Nervos de aço",  "Esses moços", "Quem há de dizer"  e "Cadeira vazia".
Outro grande intérprete da época, Orlando Silva, o cantor apelidado de  "Nº 1",  também gravou Lupicínio e fez sucesso com as músicas "Brasa" e "Zé Ponte". Nesse mesmo período, Lupi obteve projeção nacional com "Felicidade", gravada pelo conjunto "Quitandinha Serenaders".
No início da década de 1950 Lupicínio já era um nome famosos nacionalmente. A cantora Linda Batista, 1951, estourou com o samba-canção "Vingança", um dos maiores sucessos do compositor. 
Apaixonado por futebol, Lupicinio era torcedor fanático do Grêmio. Em 1959, compôs o hino oficial foi premiado ganhando o direito de compor o hino oficial da equipe gaúcha. 
Depois de Linda Batista, o outro maior intérprete de Lupicínio foi o cantor Jamelão, que durante décadas foi puxador de samba da Mangueira. Jamelão estreou com a canção "Ela disse-me assim", grande com sucesso, o que o fez gravar uma série de canções das músicas de Lupi.
Outra que imortalizou, com sua voz , a música de Lupicínio foi a carioca Elza Soares. Em pleno período da relação com o jogador Mané Garrincha, Elza regravou "Se Acaso Você Chegasse" e  transformou a música em um sucesso novamente.
Lupicínio Rodrigues, mesmo sendo considerado um dos cantores e compositores da antiga, pois seu período de sucesso foi dos anos 40 aos 60, nunca foi esquecido pelos grandes intérpretes brasileiros. Além de Jamelão, que quando fazia seus shows reverenciava o artista gaúcho, de tempos em tempos, contudo, Lupicínio Rodrigues é gravado ou homenageado.
Nas décadas de 70 e 80 artistas como Paulinho da Viola ("Nervos de aço"); Caetano Veloso ("Felicidade"; Zizi Possi ("Nunca"); Maria Betânia ("Loucura"), além de artistas mais novos como Arnaldo Antunes e Adriana Calcanhoto, que em seus shows cantam Lupicínio. 
Lupicínio é considerado um dos compositores mais originais da música popular brasileira. Criador da música  "dor-de-cotovelo", Lupi sempre é sinônimo de uma história de amor, que deu certo ou não. A expressão, graças à sua música, passou a designar um estilo de canção que trata das desventuras amorosas.
Ao contrário do que possam julgar alguns críticos, as músicas de Lupicínio,  "mesmo que falem de temas banais, na verdade não são banais", como escreveu o poeta Augusto de Campos sobre o compositor gaúcho. Como compositor, Lupicínio expressou um grande sentimento poético nos temas mais comuns de nosso dia a dia, mas com a sutileza e a perspicácia pouco vistas no âmbito da história da MPB.
Aprendi a gostar de Lupicínio ouvindo Paulinho da Viola, Caetano, Elza Soares e Maria Betânia cantando seus sucessos. Depois, ouví um disco inteiro de Lupicínio, inclusive ele cantando a belíssima "Esses moços", onde interpreta com precisão e contundência versos que tudo indica são autobiogáficos.
Homenageado meu mano e os amantes da boa música (inclusive a dor de cotovelo), Caetano Veloso interpreta o clássico "Felicidade", a preferida do Ezequeiel (e minha, também). Detalhe desta gravação: O gitarra portuguesa solitária por trás da interpretação de Caetano, solando a linda "Luar do Sertão", do maranhense Catulo da Paixão Cearense. É de presente do Blog, nesta sexta sem chuva.

quinta-feira, 26 de janeiro de 2012

Dia da Bossa Nova com exposição da obra de Sérgio Ricardo




Sérgio lançou o violão na platéia no FIC de 1967
A exposição "Sergio Ricardo – 80 anos – Um buscador", aberta ontem no Instituto Cultural Cravo Albin (ICCA), na Urca, zona sul do Rio, lança um olhar sobre as múltiplas facetas artísticas do cantor, compositor e instrumentista, que também se destacou como cineasta e artista plástico. Paulista da cidade de Marília, nascido em 1932, filho de imigrantes sírios, João Lutfi adotou o nome artístico de Sergio Ricardo por causa de um a dessas facetas, a de ator, ao ser contratado pela TV Tupi em meados da década de 50. A carreira musical começou alguns anos antes, quando, já vivendo no Rio de Janeiro, começou a atuar como pianista em casas noturnas da então capital federal. Em uma delas, substituiu Antonio Carlos Jobim que tinha acabado de arrumar um emprego de arranjador na gravadora Continental.
Em 1952, começou a cantar e a compor, e no decorrer da década foi se aproximou de nomes como Johnny Alf, João Gilberto, João Donato e Sylvinha Telles, que viriam a se protagonistas da Bossa Nova. O histórico show de 1958, em um clube universitário hebraico, na zona sul do Rio, que marcou o lançamento do gênero, contou com a participação de Sergio Ricardo.
“Minha preocupação fundamental dentro do que faço na arte sempre foi a busca, e não o sucesso. Busca de caminhos, novidades e de colocar o povo dentro do meu trabalho”, disse Sergio Ricardo, que se diz muito comovido com a homenagem pelos seus 80 anos. “Eu já andava meio esquecido pela mídia, entregue às minhas baratas”, disse, bem humorado.
Autor de canções como Folha de Papel, Pernas e Zelão, em que já demonstrava a sua preocupação com a temática social, Sergio Ricardo ficou marcado nos anos 60 por sua participação no festival da TV Record, em 1967, quando, vaiado pelo público, que não gostou de sua música Beto Bom de Bola, quebrou o violão e atirou o instrumento contra a platéia

No cinema, além de compor e interpretar trilhas sonoras para filmes, como os de Glauber Rocha, dirigiu quatro filmes: O Menino da Calça Branca, Esse Mundo é Meu, Juliana do Amor Perdido e A Noite do Espantalho. Todos os filmes receberam prêmios em festivais no Brasil e no exterior.
A exposição de fotos, letras de músicas e vídeos no ICCA não é a única homenagem ao artista programada para este ano. De 6 a 8 de março, será apresentada em Brasília, com a Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional, o concerto Estória de João Joana, o único cordel escrito pelo poeta Carlos Drummond de Andrade, e que foi musicado por Sergio Ricardo.
Em junho, o mesmo concerto terá uma outra apresentação a céu aberto em junho, mês de aniversário do artista, na comunidade do Vidigal, na zona sul do Rio. Há 30 anos, Sergio Ricardo vive na comunidade, onde vem desenvolvendo um trabalho de incentivo aos artistas locais. Ainda como parte das comemorações, com datas a confirmar, estão previstas uma mostra dos filmes e uma exposição das pinturas de Sergio Ricardo.
A mostra no ICCA, que fica na Avenida São Sebastião, 2, na Urca, pode ser visitada até 25 de fevereiro, das 10h as 17h, mediante agendamento prévio, pelo telefone (21) 2542-0848.

(Do Vermelho).

Solidariedade às vítimas do Rio

O Brasil amanheceu o  dia de luto, chocado. Numa das maiores capitais do país, em pleno centro do Rio de Janeiro, três prédios desabaram.  Ao todo, somam 32 andares. O que dizer, o que pensar de situação tão dramática? Procurar culpados, quem errou? Não é o momento para isso.
São milhares de quilos de escombros, de ferro retorcido. Uma inacreditável cena na noite carioca e no amanhecer do Rio. Centenas de brasileiros,  entre bombeiros, pessoas comuns, parentes de possíveis vítimas, estão em solidariedade lutando na tentativa de encontrar sobreviventes entre os escombros.
Uma cena que causa tristeza e ao mesmo tempo indignação. Comentários variados, de sobreviventes, de trabalhadores que haviam saído de um dos prédios há poucos minutos. Choro de parentes que sabem seu ente querido pode estar entre as montanhas  de ferro, tijolos e cimento.
Uns comentam: "pelo tamanho da tragédia, a lógica seria de milhares de vítimas". 
Felizmente -temos que usar essa palavra-  os prédios não eram residenciais, se o fossem teríamos que contabilizar bem mais mortos e feridos. Também seria bem maior o número de vítimas se o fatídico acontecimento, mesmo os prédios sendo de escritórios e lojas,  fosse em pleno horário de expediente.
Nos solidarizamos com os parentes das vítimas dos prédios e torcemos para que apareçam pessoas vivas, que mesmo sofrendo com a tristeza de ter vivido tão triste episódio, pelo menos terão a felicidade de ter escapado com vida...

Enquanto engoma a calça, eu vou lhe contar...

Um dos assuntos que mais gosto de postar neste Blog, depois de futebol, é sobre cultura, principalmente sobre música. Talvez -repito pela enésima vez- seja herança de meu querido pai, que divertia-se tocando violão, gaita, ou "arranhando" um piano, sempre cantando canções que se imortalizaram em minha cabeça. 
Vez por outra me pego numa peleja com algum amigo, seguidor ou navegante, sobre assunto cultural, notadamente o musical. Há alguns dias venho debatendo com uma pessoa que quero muito bem, um jovem amigo, ele defendendo um lado e eu às vezes concordando e em outras discordando. Explico: ainda não consegui digerir alguns ritmos que perseguem nossos ouvidos, como sertanejo, brega, aché e outros mais, que vejo como produção ruim, além de alienante, fabricados pela mídia e no máximo dançante, que não tem nada a ver com o fantástico arsenal que temos, além de grandes e competentes artistas: compositores, músicos e cantores, que mesmo com talento reconhecido vivem praticamente no ostracismo, escondidos por uma mídia cruel e desumana que despreza o que é bom, preferindo mostrar  o  de sucesso rápido e efêmero que, na verdade, é o que dá dinheiro.
Isso, é importante que fique claro, não é só questão de opinião. Na verdade  é o sentimento de quem acompanha o trabalho de muitos talentos que vivem apagados por falta de apoio, falta de mídia. Artistas que são obrigados a entrar no esquemão do popularesco até pela lei da sobreviência. Lamentavelmente, conheço muitos assim. E você, que neste momento está lendo esta postagem, deve conhecer também dezenas, entre compositores, cantores e músicos. Muitos, infelizmente, até desistem da profissão por falta de apoio.
Acompanho o movimento cultural brasileiro há pelo menos três décadas e meia. Já fui pesquisador, dirigi programas, editei jornais, revistas e páginas de Segundo Caderno, que tratavam específicamente de Cultura, seja Cinematográfica, Musical, Plástica, Teatro, Letras, enfim, o mundo das artes. Vimos o surgimento de muitos talentos em todos os setores. Alguns avançaram, outros perderam o trem da história, mas, a verdade é que o celeiro de gente que faze artes no Brasil sempre foi muito vasto, muito bom.
Hoje vivemos um momento um pouco complicado, com pouca criatividade, pouca novidade. Gosto até de usar o trecho de uma canção de Belchior, onde ele diz:

"Nossos ídolos ainda são os mesmos.
 E as aparências não enganam, não. 
Você pode até dizer que depois dele, não apareceu mais ninguém. 
Você pode ate dizer que estou por fora ou então que estou inventando.
Mas é você que ama o passado e que não vê.
É você que ama o pasado e que não vê que o novo sempre vem".

E vem mesmo. Eu acredito na cultura de uma maneira que ela não é obrigada a ter idade. Pode ser ou de hoje, chamada de antiga, mas pode ser bem moderna. Também não acredito que inventar seja o mesmo que criar. 
Picasso: moderníssimo, mesmo com 130 aninhos...
Bach ou Beethoven dois gênios da música até hoje, varando séculos, são clássicos, imortais. Tenho muitos amigos que só gostam desse estilo de musica. Ou se gosta ou não se gosta, não podemos entrar no modismo ou "ser por ser" para agradar a alguém, forçando nossa sensibilidade. Eles, inegavelmente gênios musicais, se eternizaram pleo talento, se não fossem bons não resistiriam tanto tempo. Também não vale dizer que Picasso é maravilhoso só porque é até hoje super moderno, mesmo tento morrido com mais de 90 anos de idade e já há quase 40. Arte, insisto, não tem idade. Tem ou não tem qualidade.
Um novo modo interpretativo, com uma leitura diferente que não seja só invencionice, que tenha criatividade, vale. Algo que possa agradar a gregos, troianos e baianos.  E desagradar também aos mais exigentes e talvez até mais chatos. O importante é que seja um produto de qualidade, fruto do talento, da competência, não "fabricado" por uma mídia obcecada apenas pelo dinheiro. Se o produto é bom,  com certeza pode durar anos e anos, até séculos...

A festa para a Tuna -praticamente- acabou!

E agora José? A festa (praticamente) acabou. Como o Paysandu, as chances da Tuna são remotíssimas. No quadrangular é praticamente impossível chegar. Terá que ganhar as três partidas restantes -uma delas fora, contra o Remo- e torcer para que as equipes que estão em melhor situação não ganhem de ninguém. Bem difícil, não?
Sem querer ser bam-bam- bam-, cantei a pedra. E Logo depois que a equipe da Primeira Fase foi desfeita.
Agora a situação está para ser resolvida. Pelo que conheço, Charles Guerreiro não está nada satisfeito. Também não poderia. Quatro partidas, três derrotas, uma delas dentro de casa...
Agora, tudo leva a crer, vai sobrar para alguém. Se for para o treinador, acho injustiça, apesar de achar que ele deveria ter alertado a diretoria logo no início, tipo assim: "Vamos fazer o possível. O tempo é curto, talvez não dê para montar um time competitivo". Não fez isso, então agora seja o que Deus quiser.
Hoje mesmo, conversei com alguns companheiros torcedores  da Tuna, que como este escriba estavam tristes e com muitas interrogações na cabeça. E este torcedor faz a seguinte pergunta: por que a Tuna não fez contratações a partir do dia 14, logo após as eleições? O presidente, dois dias antes do pleito em que se reelegeu, declarou na Imprensa (no rádio e na TV) que tinha 80 mil reais a partir de janeiro para montar um time bom. Lamentavelmente, não fez um time bom. A equipe da Tuna não é ruim, mas também não é boa. Para começar, não tem banco de reservas e os titulares, boa parte, deixam muito a desejar.
Semana passada, a Tuna contratou cinco jogadores. Três ninguém conhece e dois deles bem conhecidos: Álvaro, que não conseguiu ser sequer reserva no Paysandu (e olhe que o Paysandu está bem mal!) e Fábio Oliveira, esse um jogador veterano, já rodado, que todos sabem conhece bem, mas não é atleta mais para jogar dois tempos. Pode até ser um bom reserva, para entrar faltando 30 ou até 40 minutos para acabar o jogo. A Tuna precisa de jogadores para a equipe titular, para entrar e jogar os dois tempos, ou seja,  gente jovem. Eu disse gente jovem, como a Tuna sempre teve. Para a Tuna, Fábio não serve. , principalmente, porque deve ganhar muito  bem, muitos furos acima dos demais.
Agora não adianta chorar. A diretoria deve ter suas desculpas, que sabemos, são esfarrapadas. Não vai falar do dinheiro que os seus apoiadores prometeram e ele garantiu que teria. Também não vai falar do futuro da Tuna. Certamente ele vai prometer melhorar a equipe para o Segundo Turno.
Aviso aos navegantes: Uma saída para o presidente talvez seja tirar o técnico Charles Guerreiro e  dispensar alguns  jogadores. Espera-se que Zé Carlos, que sempre é a bola da vez, seja o substituto. 
Pobre Tuna Luso Brasileira!

Campanha arrecada doações às famílias do Pinheirinho

As famílias que foram violentamente expulsas do Pinheirinho pelo governo de Saõ Paulo, estão vivendo em condições precárias, em abrigos improvisados pela Prefeitura. Faltam materiais de higiene, água, medicamentos, roupas (principalmente infantis), fraldas descartáveis e uma série de outros produtos que poderiam melhorar, mesmo que de forma emergencial, as condições de vida dessas pessoas, a maioria crianças. O Sindicato, a CSP-Conlutas e as demais entidades que apóiam os moradores do Pinheirinho não vão abrir mão de exigir dos governos que garantam condições dignas para as famílias desalojadas do Pinheirinho.
Entretanto, temos acompanhado a situação dramática em que se encontram os moradores. As casas dessas pessoas estão sendo demolidas com seus pertences dentro, num ato de total vandalismo e irresponsabilidade por parte do governo do PSDB.
Nos abrigos, centenas de pessoas dividem espaços sem qualquer estrutura. A Prefeitura trata os moradores como animais. Portanto, neste momento eles têm de contar com a solidariedade da população.
Diante dos fatos, as entidades estão lançando uma Campanha de Solidariedade Urgente ao Povo do Pinheirinho. A campanha consiste na arrecadação de alimentos, roupas, remédios e material de higiene.
As entregas podem ser feitas na sede do Sindicato, à Rua Maurício Diamante, 65, ou na CSP-Conlutas, na mesma rua, número 68.
Medicamentos Um dos grandes problemas enfrentados pelos moradores é a falta de medicamentos e outros produtos farmacêuticos. Veja os produtos que mais faltam nos abrigos:

- Sufadiasina de prata
- Nebacetim
- Atenolol 25
- AS adulto
- Diclofenaco sódico
- Diclofenaco de potássio
- Losartana
- Paracetamol
- Dipirona sódica
- Propanolol 25
- Captopril 25
- Hidrocolotiasida 25
- Buscopan simples e composto
- Metildopa 250
- Nifedipina 10mg
- Furosemida
- Hidroclorotiasida 25
- Antisséptico de uso tópico em spray
- Álcool 90 e 70
- Gaze Estéril
- Algodão
- Espátula
- Esparadrapo
- Micropore
- Soro fisiológico
- Luva de procedimento
- Aparelho de barbear
- Luva Estéril
- Termômetro
- Estetoscópio
- Aparelho de pressão (Do Blog da Dilma)

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Paysandu e Águia na TV. Jogo de São Raimundo e Tuna só no rádio. E olhe lá!

Como a política da FPF é igual a do Governo do Estado -discriminadora- com certeza o jogo que será mostrado hoje pela TV será o do Paysandu e Águia. É uma coisa que não dá para entender, porque ao que parece só os dois -Paysandu e Remo- têm torcida. Os outros não passam -pelo menos para os patrocinadores- de pobres mortais. Égua!
Como quem gosta de futebol vai ter que ver Águia e Paysandu, esperamos que esse jogo seja um espetáculo, pois como já postei no Blog, acho que o Águia tem uma das melhores equipes deste Parazão. E a tendência é a equipe ir crescendo a cada jogo. Com um goleiro muito bom, que é o Alan, uma defesa equilibrada, com destaque para o zagueiro Chales e o lateral Júnior Ferrari; um meio de campo dos mais cometentes, onde Analdo e Flamel unem a experiência cm a juventude de Marquinho; um ataque com Valdames e Branco, acho que o Paysandu vai ter que se rebolar para conseguir um bom resultado com os aguianos em Marabá. Isso pode engrandecer o espetáculo.
Já nós cruzmaltinos vamos ter que nos satisfazer em ouvir o jogo da Tuna  no radinho -isso se transmitirem, porque também é possível que não transmitam e tenhamos que esperar só os resultados que dão de 15 em 5 minutos. Uma política realmente conservadora e discriminadora, que não deveria acontecer com as equipes de futebol, principalmente as mais tradicionais, como a Tuna.

Vagner Love no Flamengo até 2014

Assim que assinou contrato, Love posou com manto
Assim que assinou Love posou com a camisa do Mengão
A Nação Rubro-negra pode comemorar. O Flamengo divulgou hoje em seu site oficial que acertou nesta segunda-feira (23.01) a contratação do atacante Vagner Love. O atleta assinou contrato até dezembro de 2014 com o clube e voltará a vestir novamente a camisa rubro-negra, que envergou com propriedade em 2010. No Fla, o "Artilheiro do amor" fez 29 jogos e anotou 23 gols.
Para ter novamente o "Artilheiro do Amor", houve um grande empenho na contratação da diretoria do Flamengo, que não mediu esforços e enviou o vice-presidente de finanças Michel Levy à Rússia para negociar a compra do atacante junto ao CSKA. Após duas reuniões com o clube russo, o dirigente acertou o retorno do ídolo rubro-negro.
"Nós sempre mostramos um carinho enorme pelo Vagner Love. Ele é rubro-negro e tem o perfil do jogador que queremos no Flamengo. É apaixonado pelo clube e vestirá o manto sagrado com muita propriedade. No Flamengo joga quem quer e ele sempre mostrou que queria. Estamos muito felizes com seu retorno e esperamos que a Nação comemore muitos gols dele", afirmou a presidente do Flamengo Patrícia Amorim. (Do site oficial do Flamengo).

Hoje é "ou calça de veludo ou..."

Sinceramente como estou torcendo para errar em meus prognósticos e Fábio Oliveira dá certo na Tuna. Já falei e repito que não confio nos "reforços" que chegaram. Para mim, um monte de sobras que os outros times não querem.
Fico pensando por que a Tuna deixou tantos jogadores bons irem par outras equipes se o Chipelinho já declarou que o teto salarial do Clube é 3 mil reais? Será que os jogadores de qualidade que estão no Águia, no Cametá, no São Raimundo ganham muito mais que isso? Penso que não. O Remo, segundo a Imprensa, tem um teto de pouco mais que isso e está cheio de jogadores.
Agora mesmo a Imprensa noticiou que o jogador Ciro, que estava na Tuna, diziam que já havia até assinado, foi para o Cametá. É um bom jogador, todos conhecem o potencial do Ciro. Mas a Tuna já perdeu. Como também deixou de contratar jogadores como Soares, Souza, Paulo de Tárcio, Jailson, Ricardo Capanema, Rafael Paty, Cassiano, Wilson, Fininho,  Preto Barcarena, Marçal, Hálace e muitos outros, que sabemos são atletas de potencial bom, conhecidos, que tenho certeza não ganham essa fortuna toda. Se tivesse sido feito um bom trabalho, contatando com eles, desde que a equipe passada foi desfeita, com certeza eles iriam preferir jogar na Tuna que em outras equipes. Todos eles, a maioria que citei, já passaram pela Águia do Souza e sabem que a Tuna é uma vitrine bem maior que essas equipes onde eles estão.
Mas os dirigentes cruzmaltinos preferiram pensar em Túlio Maravilha e trazer Fábio Oliveira,  Álvaro e outros desconhecidos. Fico pensando é no Charles, tão competente e com uma equipe que nem banco de reservas tem.
Sobre a partida de hoje, contra o São Raimundo, como postei ontem: é tudo ou nada. Se não vencer, é trabalhar para não cair, porque entre os quatro primeiros nem matemáticamente dá mais.

Arbitragens prejudicam Campeonato

Não consigo entender como a Imprensa tem coragem de elogiar os nossos árbitros. Parece mentira, mas  eles, quase sem excessão, são tendenciosos quando apitam jogos de Remo e Paysandu com outras equipes. No jogo da Tuna com o Paysandu, escandalosamente o árbitro meteu a mão na Tuna, marcando várias faltas favoráveis ao time bicolor e dando uma quantidade bem menor para a equipe Lusa. Marcou um pênalti no mínimo esquisito, logo no início da partida, que a própria Imprensa viu que não foi, mas preferiu botar um durex na boca e não falar nada. Ao final da partida, visivelmente um zagueiro bicolor afastou a bola que vinha do escanteio com a mão e ele nada marcou. Se marca o pênali, certamente a partida seria empate. Ninguém chiou sobre a situação.
Ontem, no jogo entre Cametá e Remo, o árbitro, também, para variar deu uma de azulino. A expulsão do jogador Soares segundo o árbitro por simular uma falta gerou um mal estar entre os cametaenses com justíssima razão. Coincidentemente, Soares era um dos jogadores mais perigosos do Cametá e em todos os momentos em que pegou na bola levou perigo para o time da Antonio Baena.
O juiz por uma jogada simples daquelas, expulsar porque o jogador simulou uma falta é brincadeira. Soares já tinha um cartão amarelo, e ele quando viu o jogador -que realmente sofreu falta- caído tratou logo de expulsar. Acho que uma conversinha conscientizado o jogador cametaense seria de mais valia.
Já estou prevendo na segunda-feira Remo ou Paysandu acusar o juiz de tendencioso. Um ou outro vai acusar.  Aí podem es´perar, no próximo jogo entre eles o árbitro sera de fora. Quem manda!

terça-feira, 24 de janeiro de 2012

A "titia" Rita Lee anuncia aposentadoria

O melhor disco de Rita Lee e Os Mutantes
Este escriba recebeu triste a notícia da aposentadoria da roqueira brasileira Rita Lee  (Rita Lee Jones). Natural da cidade paulista de Americana, Rita foi uma as precursoras do moderno rock brasileiro, ao lado dos irmãos Arnaldo Batista e Sérgio Dias na inesquecível Banda Os Mutantes.
Rita começou muito cedo. Enquanto os jovens da época preocupavam-se com o alienante iê-iê-iê Rita e seus amigos dos Mutantes faziam uma música de vanguarda, completamente diferente, tanto nas letras como nos sons meio psicodélicos e principalmente nos solos de guitarras elétricas, que faziam a festa entre os tropicalistas e os jovens roqueiros nacionais. Os Mutantes com Rita participaram até do histórico Festival da Canção de 1967, ao lado de Gil defendendo "Domingo no Parque".
Rita passou mais ou menos seis anos com os Mutantes, separando-se de Arnaldo, com quem falam foi casada para poder emancipar-se, já que era de menor idade 17 anos- e não poderia fazer parte da banda. Com Os Mutantes fez três belos álbuns, sendo o melhor deles "Panis et Circenses", cuja capa originalíssima retrata o grupo tropicalista (Caetano, Gal Costa, Gil, maestro Rogério Duprat) e Os Mutantes, com a lindíssima e loiríssima jovem Rita Lee. O Penico na capa do disco, nas mãos do maestro Duprat foi a coisa.
A carreira solo de Rita Lee foi um sucesso. Primeiro criou o grupo Tutti Frutti, no início dos anos 70, quando emplacou centenas de sucessos, cantados por toda uma geração, que antecedeu as famosas bandas de Brasília que só  chegaram nos aos 80. Dessa época é o sucesso "Ovelha negra", cantado em prosa e verso por toda uma geração do pop rock nacional.
Mas foi com o guitarrista e também roqueiro Roberto de Carvalho que Rita disparou sucessos em quase todos os LPs e CDs da carreira. Virou mania nacional. No início dos anos 80, este escriba dirigiu um programa sobre música brasileira cujo apresentador Zuca Melo fechava sempre o programa com meia hora só de Rita Lee. Realmente uma grande artista, de uma performance no palco fantástica, originalíssima.
Um de seus discos que guardo com carinho é o CD em que Rita Lee interpreta várias canções dos  Beatles. Um disco intimista, cheio de pureza interpretativa para quem -como este escriba- gosta dos Beatles e da grande roqueira Rita Lee.

Indicados ao Oscar: filme mudo em preto e branco, Carlinhos Brown e Sérgio Mendes

Sem grandes surpresas, com exceção do filme Tão forte e tão perto, a Academia de Artes e Ciências Cinematográficas de Hollywood seguiu a tendência do Globo de Ouro e revelou hoje os indicados da premiação deste ano. Cavalo de guerra, Os descendentes, Histórias cruzadas, O artista, Árvore da vida, A invenção de Hugo Cabret, O homem que mudou o jogo e Meia-Noite em Paris completam a lista. O grande favorito é O artista (10 indicações), que ganhou o Globo de Ouro e as principais prévias já anunciadas.
O filme com mais indicações é A invenção de Hugo Cabret, primeira obra infantil de Martin Scorsese, lançado em 3D, que concorre em 11 categorias.
O artista, filme francês mudo e em preto & branco, já levou troféus como o Globo de Ouro e o Prêmio dos Sindicato dos Produtores da América, além de melhor ator no Festival de Cannes para Jean Dujardin. Os descendentes também venceu o Globo de Ouro, mas não concorria com O artista, pois o prêmio separa os dramas das comédias e musicais.
Cena de O Artista em PB e mudo
Outra indicação inesperada é A árvore da vida, que ganhou a Palma de Ouro em Cannes mas não foi tão bem aceito pelos norte-americanos e ficou fora da maioria dos prêmios de Hollywood. Tudo pelo poder e Os homens que não amavam as mulheres, ao contrário das expectativas, não estão entre os finalistas na categoria principal.
Os brasileiros Sérgio Mendes e Carlinhos Brown concorrem ao prêmio de melhor canção pela música Real in Rio, do filme Rio, que não foi indicado em outras categorias. Curiosamente, eles só têm um concorrente: Man os muppet, do filme Os Muppets. Como melhor animação, concorrem Kung Fu Panda 2, Rango, Um gato em Paris (França), Choco & Rita (Espanha) e Gato de Botas.
Em 2012, há nove indicados a melhor filme. Nos últimos anos, eram dez. A redução ocorreu porque a Academia mudou os critérios. A partir de agora, só entram candidatos que alcançarem um número mínimo de votos.

Confira os indicados
Melhor Filme
    "O Artista"
    "Os descendentes"
    "Tão forte e tão perto"
    "Histórias Cruzadas"
    "A Invenção de Hugo Cabret"
    "Meia-Noite em Paris"
    "O Homem que Mudou o Jogo"
    "A Árvore da Vida"
    "Cavalo de Guerra"
Ator
    Demián Bichir em "A Better Life"
    George Clooney em "Os descendentes"
    Jean Dujardin em "O Artista"
    Gary Oldman em "O Espião que Sabia Demais"
    Brad Pitt em "O Homem que Mudou o Jogo"

Atriz
    Glenn Close em "Albert Nobbs"
    Viola Davis em "Histórias Cruzadas"
    Rooney Mara em "Os Homens que Não Amavam as Mulheres"
    Meryl Streep em "A Dama de Ferro"
    Michelle Williams em "A Minha Semana com Marilyn

Direção
    "O Artista" Michel Hazanavicius
    "Os descendentes" Alexander Payne
    "A Invenção de Hugo Cabret" Martin Scorsese
    "Meia-Noite em Paris" Woody Allen
    "A Árvore da Vida" Terrence Malic

Aprovação de Dilma supera de Collor a Lula

Não foi nenhuma surpresa para este escriba a performance da Presidenta Dilma em seu primeiro ano de governo. Competente, séria, experiente,  grande gestora e com projetos que mostraram que Lula estava certo quando a indicou para sucedê-lo, Dilma superou todas as espectativas das oligarquias e da chamada Grande Imprensa.
Pesquisa realizada pelo Instituto Data Folha, revelou que 59% dos brasileiros avaliam como ótima ou boa sua gestão nos primeiros 12 meses. Trata-se de índice de aprovação que supera o primeiro ano de governo de todos os presidentes que a antecederam desde 1989, ano do retorno das eleições diretas.
Dilma superou até ao mestre, o ex-presidente Lula. Ao fim de seu primeiro ano de mandato, a presidenta Dilma Rousseff obteve aprovação recorde entre cidadãos entrevistados pela pesquisa Data Folha, realizada na última semana. Segundo o instituto, 59% dos brasileiros consultados avaliaram como ótima ou boa a gestão Dilma nos primeiros 12 meses, 10 pontos percentuais a mais do que o registro feito há seis meses pelo mesmo Data Folha. Trata-se de um índice de aprovação que supera o primeiro ano de governo de todos os presidentes que antecederam Dilma desde 1989, retorno das eleições diretas. Inclusive Lula, o eleitor  número um da presidenta.
No primeiro ano do primeiro mandato (2003-2006), Lula chegou a 42% de aprovação. No primeiro ano do segundo mandato (2007-2010), esse percentual foi de 50%. Já seu antecessor, Fernando Henrique Cardoso (1995-2002), obteve aprovação, respectivamente, de 41% e 16%. Ao fim do primeiro ano de mandato, Fernando Collor chegou a 23% de aprovação, enquanto seu sucessor e vice, Itamar Franco, registrou 12% de avaliação positiva.
Segundo o Data Folha, a nota média do governo Dilma até agora é 7,2%. Em tendência decrescente, 33% consideram regular a gestão Dilma no primeiro ano, enquanto 6% a consideram ruim ou péssima – 5% a menos do que o total registrados em agosto.
Dilma superou até a Lula
A imagem pessoal da presidenta também está em viés de alta. Para 72% dos cidadãos entrevistados, Dilma é considerada “decidida”. Outros 80% a consideram “muito inteligente", enquanto 70% a classificam como “sincera”. A avaliação positiva de Dilma aumentou entre homens (56% de aprovação) e mulheres (62%) de todas as faixas etárias, em qualquer nível de renda familiar, e de todos os graus de escolaridade.
A aprovação majoritária do governo Dilma, segundo o diretor-geral do Data Folha, Mauro Paulino, pode ser explicada pela percepção da população sobre os indicadores da economia nos últimos meses, mesmo diante do cenário de crise internacional no setor. Também favorece Dilma, segundo o especialista, o fato da Presidenta ter demonstrado firmeza diante de contextos negativos e ter tomado decisões com rapidez, sem hesitar em demitir suspeitos de praticar “malfeitos”, como ela gosta de se referir à corrupção.
O Data Folha entrevistou 2.575 pessoas nos dias 18 e 19 de janeiro. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais, para mais ou para menos.

Tuna vence amanhã ou não chega à final

Os erros que vínhamos mostrando -e divulgando- da Tuna que aconteceram desde que a equipe vencedora da Primeira Fase foi praticamente desfeita, escancararam-se bem antes de que a própria Imprensa prevesse. Primeiro foi o problema das poucas, más  além de tardias contratações, que a diretoria alegou por falta de verba. Segundo a falta de tempo para o técnico Charles Guerreiro arrumar o time com os poucos jogadores que tinha, pois quem vive ou viveu futebol sabe que todas as equipes têm que ter um grupo com no mínimo 25 atletas e uma preparação de pelo menos dois meses ou no minimo um mês antencipado ao Campeonato. É o que se chama de pré-temporada. 
Na Tuna a coisa aconteceu totalmente errada. A equipe estreou no Campeonato com pouco mais de 20 jogadores e, -lamentavelmente mais uma vez!- boa parte dos contratados sem a condição física e técnica de envergar a jaqueta cruzmaltina.
Por exemplo:  o Clube do Remo, que hoje é o líder do Campeonato com 9 pontos, começou a se preparar  com vários meses de anecipação. Pode até ter feito algumas tolices (contratar o velho Marciano é a maior delas pois ele era reserva no Icasa de Juazeiro do Norte, Ceará), mas formatou um grupo de jovens e hoje tem a base da equipe com atletas que têm futuro e todo o potencial para acontecerem no time principal ou em outras equipes. 
O Águia agiu mais ou menos do mesmo jeito que o Remo. Mesmo que tenha emprestado alguns atletas -até à própria Tuna-, tem,  a meu ver, a melhor equipe do Campeonato, bem jovem (o mais velho é Analdo, com 32 anos) e tem no jovem-veterano Flamel, juntamente com o carequinha Analdo, um meio de campo fantástico. Penso que é sério candidato a ficar entre os quatro finalistas  e até ao título do Primeiro Turno.
É bom deixar bem explícito para os meus companheiros cruzmatinos que não estou jogando a toalha, não. Também não vale dizer que é preciso que tenhamos calma, pois  "o Campeonato está apenas começando". Claro que não. Faltam "só" quatro jogos para as equipes e para a Tuna dois deles são fora de casa, o primeiro já amanhã, frente a um São Raimundo "doido" para vencer em casa -além de estar precisando muito- perante sua torcida.Tem que vencer o jogo, pois se perder já era estar na semifinal.
Repito o que postei na semana passada: não acredito nos reforços que chegaram para o Clube. A maioria é "loteria" e loteria é coisa de sorte. A Tuna necessita é de vencer e vencer. Insisto em dizer que se houvesse organização na  preparação da equipe não teríamos agora que ficar no impasse de ficar fazendo contas.
Aliás nossa situação é mais uma vez dramática. Temos hoje pouquíssimas chances de figurar entre os quatro primeiros. Principalmente porque tem algumas equipes que pontuaram bem e têm uma chance bem maior que a Águia do Souza, que tem apenas 3 pontinhos, na 6ª colocação. Para ficar enre os quatro primeiros tem que vencer pelo menos três partidas e torcer por resultados dos outros. É triste.
Sobre o jogo de sexta passada, que por estar um pouco doente nem sequer fui, vi pela TV, devo dizer que gostei da postura da equipe em campo. Charles, mesmo com pouco material humano, postou bem a equipe, que entrou em campo ofensivamente e fez uma boa partida, principalmente na segunda etapa, quando levou perigo várias vezes para o gol adversário. Sobre o pênalti do início do jogo, não houve. A falta aconteceu fora da área. Aliás, é bm que se diga: o árbitro mostrou que das duas uma: ou é incompetente ou entrou em campo com a jaqueta do time da Curuzu embaixo da de juiz, porque marcou um pênalti ilegal a favor da equipe azul celeste e não marcou um clamoroso no final do jogo a favor da Tuna. Aí é que era para o presidente da Tuna protestar com o coronel da FPF, pois a Imprensa ficou caladinha da silva!

segunda-feira, 23 de janeiro de 2012

Prévias do PT: Puty e Alfredo no 2º Turno

Como este escriba antecipou em postagem na semana passada, deu Cláudio Puty em primeiro lugar nas Prévias do Partido dos Trabalhadores, para saber quem será o candidato do Partido à Prefeitura de Belém,  acontecidas ontem. O deputado federal  Puty conseguiu fazer um trabalho através de sua militância e disparou com mais de set pontos percentuais acima do segundo colocado, o vereador Alfredo Costa.Com o resultado, acontecerá o 2º turno entre o Deputado Puty e o Vereador Alfredo Costa
Eis a votação em percentuais dos três candidatos:
Puty: 1535 votos  - 41,68%, 
Alfredo Costa: 1274 votos - 34,59%.
Bordalo: 774 votos - 21,02%,

sexta-feira, 20 de janeiro de 2012

Contra as ameaças, a Lei!

Existem pessoas, que por viverem fora da realidade política, cultural, jurídica e social do mundo, acham que são as donas da lei,  que prendem e arrebentam. Que podem mandar qualquer um calar, não tendo, ao que parece, conhecimento de que existe uma Lei de Imprensa que protege os jornalistas; que existem as leis que democratizaram os veículos de comunicação, que assim como dão direito à critica dão também de resposta.
Este escriba se considera uma pessoa livre e defensor das liberdades, principalmente da liberdade de expressão. 
Neste Blog, existente há pouco mais de dois anos, tenho recebido elogios e críticas. Venha de onde vier, chegue de onde chegar,  mesmo as mais fortes tenho absorvido todas democraticamente. Sei que não sou o dono da  verdade, mas como jornalista e blogueiro tenho o direito de livre me expressar, obviamente respeitando as pessoas. E respeito a todos.
Costumo dizer que não atinjo a honra de ninguém. Quando falo do presidente da Tuna, falo da gestão, nunca usei palavras negativas ou ferinas sobre sua honra, sua dignidade, sua honestidade. Mesmo porque convivi com ele muitos anos e não tenho porque afirmar que ele não é uma pessoa honrada. Acho que mesmo que ele não goste -e sei que ele não gosta, porque adora ser bajulado!-   sabe que procuro falar com objetividade e com o devido respeito. Mas é bom que ele, seus assessores, seus amigos, seus diretores tomem conhecimento que quem critica alguma coisa de sua gestão não é o ex-diretor, ex-presidente ou o associado. É o jornalista e o torcedor da Tuna, que tem todo o direito profissional e o direito como cidadão de falar o que achar que deve falar, logico que respeitando. Mesmo porque, não ofendo, falo a verdade. 
É bom que fique claro, que não me interessa quem levou Tourinho para a Tuna ou quem não levou; Minha opinião é que ele pode ser bom para o Paysandu, para a Tuna não. E fim de papo. É o que penso e tenho dito. Se ele me provar ao contrário, darei a mão à palmatória. Mas nesse momento é o que penso.
Não fica bem um assessor afamado como homem briguento e criador de casos fazer ameaças. Mesmo porque para os que ameaçam existe a lei. 
Não tenho porque ficar polemizando com determinadas pessoas que não respeitam a democracia e a liberdade de expressão. Aprendi na minha vida, como citei acima, a exercer a democracia e vou exercê-la sempre. Sou militante político desde minha adolescência, habituado com os elementos conservadores e fascistas,  e não me calarei contra os inimigos da democracia. A época do coronelismo, dos generais que prendiam e arrebentava já é passado. Quem não quer receber críticas, saia do poder, fique em casa trancado.
No mais quem quiser ler o Blog leia, quem quiser criticar que critique, mas não vai adiantar me ligar e fazer ameaças.  Quem fez parte de uma geração que foi perseguida certamente é acostumado com os "filhotes da ditadura" que parece não entenderem que estamos no Século 21, que a Presidenta é uma mulher (por sinal, do meu partido). No mais, é tocar a bola e entender que nosso propósito não é derrubar ninguém, é simplesmente mostrar que as coisas não são como se pensa, que não se pode empurrar com a barriga e achar que todos são f´áceis de ser manobrados. Sem essa!
Nosso proposito é ajudar a Tuna. E diariamente damos provas que somos cruzmaltinos (apesar de isso não interessar a ninguém) e não vamos parar mesmo, com a ameaça do senhor assessor.

Tuna hoje tem que entrar para vencer

Estou muito preocupado com o jogo de hoje entre Tuna e Paysandu. Não é a questão de ter medo do Paysandu ou coisa parecida. A questão é que a própria Tuna não está preparada para a partida. Depois da fraca exibição frente ao Águia de Marabá, na quarta-feira, não sei não, mas ficou notório que é preciso reforços de qualidade para a equipe, para que Charles mude o time urgentemente.
Sei que muitos vão dizer que o Paysandu está horrível, perdeu as duas partidas que disputou fora e pode ser um adversário fácil para a Águia do Souza. Não concordo. O time do Paysandu tem muitas falhas, isso é visível,  mas em compensação tem banco de reservas, coisa que a Tuna infelizmente não tem. Inclusive, é bom lembrar que o gol do Paysandu frente o São Francisco, foi feito por um jogador que saiu do banco de reservas, o de nome estranho: Bartola.
Para a difícil partida de hoje à noite, Charles Guerreiro parece já conta com o lateral esquerdo Maraú. Uma boa. É bem melhor que o garoto Lineker, que ganhou vaga no meio de campo.  O time entra com uma  formação bem melhor que a dos dois últimos jogos. O ataque ainda é um dos pontos mais fracos. Saiu Edilson mas ficou André Mensalão fazendo dupla de área com Beá.  (Não sei o que acontece com Rodrigo que não joga. Será que sua contusão foi tão séria ou ele já debandou?).
Agora é esperar que a Tuna entre em campo jogando para a frente, sem temer o Paysandu, que não tem nada de bicho papão. Tudo bem que o time bicolor joga em casa, conhece bem o campo, está com total apoio de sua torcida e não é uma equipe assim tão ruim, apesar dos dois resultados negativos.
Mas é bom que se deixe bem claro: se Charles entrar com um sistema  4-5-1, totalmente defensivo, como entrou contra o Águia de Marabá, poderá ser surpreendido, porque o Paysandu tem dois jogadores bem velozes e com muita habilidade, que são Robinho e Héliton.
O ideal é o técnico cruzmaltino entrar com um sistema 4-4-2, com Beá e Mensalão no ataque, o segundo mais ou menos fixo na frente, tentando descolar o gol. E correr para o abraço, pois é importante ter consciência de que ambas as equipes não estão muito bem, mas com personalidade dá para encarar. 
Mas, podem anotar. O jogo é preocupante, principalmente porque o elenco da Tuna ainda anão é dos melhores e Charles continua sem banco de reservas.

História invertida: Fábio Oliveira na Tuna

É brincadeira. Olha o "time" que a Tuna está contratando. Como prometeu Tourinho depois da derrota para o Águia, cinco jogadores. Só que atletas sem nenhum respaldo para defender as cores da Tuna, que necessita de jogadores jovens, competentes e não sobras que não serviram para nenhuma equipe e agora contratam como se fossem reforços.
O jogador Álvaro já demonstrou que não tem qualidades para defender nenhum time da capital, principalmente se a equipe quer chegar às finais do Campeonato, pois quando esteve aqui em Belém contratado pelo Paysandu a equipe bicolor logo rescindiu o seu contrato por deficiência técnica. É até perigoso para o técnico Charles Guerreiro por um jogador sem qualidades diante das boas equipes que estão disputando o Parazão. Se não tem lateral esquerdo, se Maraú  não pode ir, é melhor improvisar um outro jogador. Álvaro é roubada!
Fábio Oliveira. Deus do céu! O que deu na Tuna? Depois de ser a maior escola de jogadores do Norte do país, a Águia do Souza agora quer virar asilo. Já ventilaram os nomes de Viola, Túlio Maravilha, até Zé  Augusto e Sandro. De repente trazem o "vovô" Fábio Oliveira. Por que não trazem logo Ageu Sabiá, o Edil narigudo e o "jovem" Trindade? Se é para fazer o time do asilo faz logo de vez!
Cadê os 80 mil para fazer um time bom? Por que não chegam as contratações para formar um time competitivo? É assim que "os apoiadores" vão ajudar a Tuna? Trazendo ex-atletas que não têm vaga nem em equipes da segunda divisão estadual?
Dessa maneira a Tuna não vai chegar a lugar nenhum. Pode até ganhar algumas partidas, ate hoje mesmo, pode vencer o Paysandu. Mas por demérito da outra  equipe, que também é notadamente fraca.
A política de contratações da Tuna hoje é completamente inversa à sua história. A Águia do Souza sempre foi uma equipe formadora de jogadores, criando e revelando atletas que alimentaram históricamente Remo, Paysandu e outras equipes. Agora só fala em contratar jogadores veteranos. Que estranho!
Hoje vamos torcer, como fazemos sempre, pois a torcida cruzmaltina não é a maior mas é vibrante. Mas as contratações anunciadas com certeza não atendem aos anseios de Charles Guerreiro nem dos torcedores, que estão querendo uma equipe de qualidade, que faça bonito no Campeonato

P.S.: Quando jogava no Remo, em 2007, Fábio Oliveira já tinha 35 ou 36 anos. Agora, virou "gato" e só tem 38, o que também não é mais idade para atacante de futebol. Lugar de jogador velho não é na Tuna!

quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

Para sempre Elis Regina

Nunca escondi que sou apaixonado por música. E, principalmente, quando é interpretada por mulheres. Calma que não tem aí nada de machismo ou discriminação com os cantores. É que acho que as mulheres quando interpretam dão um algo mais à música. Talvez a sensualidade, a ternura da voz, a doçura e mais um monte de coisas que poucos homens, mesmo os grandes cantores, sejam nacionais ou internacionas, não conseguem dar.
Das cantoras que aprendi a admirar pelo talento vocal, performance musical, repertório e principalmente pela personalidade artística, destaco Elis Regina como uma das principais. E foi justamente num dia de hoje, há exatos 30 anos,  que Elis nos deixou. As circunstâncias que resultaram na morte de Elis pouco importam.  O ruim é que ela se foi em pleno auge, aos 36 anos.
Lembro que recebi a notícia em um restaurante em Brasília. Para mim, um admirador da obra de Elis Regina, foi um choque. Explico: A gaúcha apelidada por Vinícius de Moraes de "Pimentinha", dado seu tamanho "mignon" mas sua espetacular presença de palco e voz inconfundível, foi quem lançou no mercado musical brasileiro grandes nomes que até hoje estão aí, como Renato Teixeira ("Romaria"); Raimundo Fagner ("Mucuripe"); Ivan Lins ("Somos todos iguais esta noite" e muitos outros sucessos), Belchior ("Como nossos Pais" e muitas outras) e mais alavancou a carreira de Milton nascimento, Chico Buarque e outros importantes nomes da Música Popular Brasileira.
Elis foi a cantora brasileira que quando fez turnê pela Europa arrancou elogios e aplausos da critica e do público, fazendo grande sucesso nos principais países europeus. Apresentou-se nos principais palcos norte americanos, sempre ganhando elogios por sua bela voz e sua força interpretativa. Foi, também, a grande musa de compositores como Vinícius de Moraes e Tom Jobim.
Nas décadas de 70 e início da de 80, considerado um dos mais importantes períodos para a música brasileira, Elis Regina, juntamente com Gal Costa, Maria Betânia, Simone, Fafá de Belém, Joana, Rita Lee, Alcione além de outras cantoras fizeram a linha de frente do mercado fonográfico nacional, com canções que até hoje, quase 40 anos depois ainda são diariamente lembradas  nas principais emissoras do país. Isso mostra que elas fizeram o grande diferencial artístico feminino da MPB das duas décadas e de todos os tempos.
Se estivesse ainda entre nós a Pimentinha Elis Regina, mãe de Maria Rita, sua grande representante e que dá continuidade ao seu trabalho, certamente anda estaria cantando. E fazendo sucesso, porque Elis era a Midas da música, o que cantava era sucesso, por isso todos os compositores queriam lhe dar músicas.
Certamente esses 30 anos não passarão em branco. Fora o show que Maria Rita está fazendo e que esperamos chegue por essas nossas bandas, a televisão deve apresentar especiais sobre o fantástico trabalho da grande Elis Regina. E este escriba que teve a felicidade de viver momentos maravilhosos ao som de Elis Regina, com certeza vai curtir a voz, a sensibilidade e a performance de Elis Regina.
O Blog poderia dar muitos presentes musicais para seguidores e navegantes na voz da inesquecível Elis Regina. Mas "Como Nossos Pais", um das obras primas de Belchior foi a escolhida.  Curtam a beleza de ser o que foi -e continua sendo- o talento de Elis Regina.

Luxa x Ronaldinho: trocando em miúdos é melhor o Flamengo optar pelo técnico

Não sou favorável a esse tipo de procedimento que a diretoria do Flamengo acaba de dispensar ao jogador Ronaldinho Gaúcho no episódio envolvendo  o atleta e a "Loura do hotel", acontecido em Londrina. Tirar a autoridade do técnico sobre a responsabilidade e autoridade que ele exerce sobre  os jogadores é jogar na lata do lixo o futuro disciplinar de todo o elenco. E ao que parece a diretoria do Fla já deixou claro que entre os dois amores, prefere o de Ronaldinho ao de Wanderley.
Deduzo isso depois que tomei conhecimento da decisão da diretoria do Flamengo em dar uma simples advertência a Ronaldinho Gaúcho. A atitude, a meu ver impensada da diretoria do Flamengo, com certeza mexeu com os brios do competente, disciplinador mas também super-vaidoso Wanderley Luxemburgo que, se sentir que está sendo desprestigiado e perdendo qualquer "round" na disputa da disciplina e das vaidades, vai entregar o boné no Flamengo, com certeza.
Ronaldinho e Luxemburgo: "muy amigos"
Afirmo isso porque, conheço pelo que acompanho a carreira de Wanderley Luxemburgo, que tem um histórico no "Mais Querido" desde a época de jogador, ele não hesitará em repetir a história acontecida há 16 anos com o baixinho Romário, que após retornar da Copa do Mundo de 1994, achou de ser o dono da bola no Flamengo. Entrou em atrito com o técnico Luxemburgo, que também quis fazer pirraça, mas que ao final acabou levando a pior. 
Só que na época Wandelerley mesmo já tendo um cacife alto, não era o Wanderley de hoje. A presidente do Fla já deve estar imaginando: se for rescindir contrato de Luxa com o Flamengo hoje, com certeza quem vai levar a pior é a equipe da Gávea. Quanto a Ronaldinho, o melhor mesmo é ele ir embora, pois apesar de não receber já há alguns meses, também há tempos não está jogando nada. Então, trocando em miúdos, é bem melhor Luxemburgo ficar.

quarta-feira, 18 de janeiro de 2012

Sobre Chipelinho, Tourinho e Freud

Aviso aos Navegantes:
Sigmund Freud: nem ele explica
Suado, transparecendo um ar de cansaço, com uma barriga bastante proeminente, o diretor de futebol da Tuna, ontem, durante a partida, corria de um lado para outro no Estádio Francisco Vasques. Fernando Chipelo, o Chipelinho, parecia muito preocupado com o rendimento da Tuna frente o Águia de Marabá. Profundo conhecedor de futebol, Chipelinho foi ganhador de vários títulos pelas categorias de base de Tuna. Deve ser cruzmaltino (seu pai foi dos maiores), mas tudo indica está para ser fritado. Por que? Explico: Fontes das mais fidedignas garantem que o ex-presidente do Paysandu, Artur Tourinho, agora homem forte do futebol luso, depois do jogo de ontem garantiu que estão chegando três jogadores para a Águia do Souza. "Um meio de campo, um zagueiro e um atacante", teria dito ontem Tourinho. 
Engraçado, para não dizer estranho, é que quem contrata é o Diretor de Futebol ou o Presidente do Clube. E sempre quem dava os "furos" de contratações era Chipelinho. Porém, depois da chegada de Tourinho, o diretor Chipelo parou de falar mais e agora é Tourinho quem "manda recados". 
Pelo sim, pelo não. Vamos esperar para conferir.
Aliás, aproveitando o gancho: Artur Tourinho e seu filho Marcos Tourinho, ambos agora travestidos de cruzmaltinos roxíssimos, eram presenças ontem na Tribuna de Honra da Tuna. Coisas que nem ele, Freud, conseguiria explicar. Eu? Tampouco!

Tuna derrotada em casa. Assim não dá!

A derrota dentro de casa por 1 a 0 ontem para o Águia pode custar muito caro para a Tuna Luso Brasileira. Diz a máxima do futebol que "quem joga em casa tem obrigação de ganhar". Só que para ganhar tem que ter time. E time bom. O da Tuna, infelizmente, ainda está longe de ser uma equipe competitiva. Assim, essa derrota para um Águia que vinha de um jogo no sol escaldante das 11 da manhã 24 horas antes contra o Clube do Remo, poderá trazer sérios prejuízos para a equipe dirigida por Charles Guerreiro.
Só quem não quis enxergar não viu que o time da Tuna, apesar do voluntarismo e da força de vontade, os jogdores, é carente. Mas é carente não por culpa do treinador, que sabemos não tem peças para escalar uma equipe titular de qualidade e tampouco tem jogadores para a reserva.
A começar pela defesa, o time luso é fraco no miolo de zaga e na lateral esquerda. Bruno Oliveira e Max Melo são muito eficientes nas bolas livres. Mas na disputa homem a homem, sempre perdem. Não têm o traquejo, a experiência de zagueiros. Sinésio é quem escapa, por sua experiência e por saber bater muito bem na bola. A Tuna levou sorte não tomar mais gols pelo seu miolo de zaga. 
O jovem Lineker, que a princípio seria o lateral esquerdo, é voluntarioso, tem saúde e pique para correr, mas não sabe marcar por não conhecer "patavina" da posição. Sempre está se embolando pelo meio de campo, numa correria excessiva, na tentativa de acertar. Mas tudo em vão. 
Charles deveria repensar seu caso. Se falta jogador para a posição, seria melhor improvisar um outro na lateral esquerda e lançá-lo como meio campista. Certamente renderia muito mais. É o que penso.
O meio de campo da Tuna ontem foi completamente dominado. Euler, Diogo e André Mensalão foram completamente dominados em boa parte do primeiro tempo e durante pelo menos 30 minutos do segundo. Mensalão foi fraco, sem a devida qualidade técnica para vestir a jaqueta da Lusa. Pelo menos ontem ele demonstrou isso. Espero até errar nessa minha avaliação e que ele faça um bom campeonato. Mas ontem não rendeu nada.
No ataque o melhorzinho é Beá. Mas o que pode fazer um jogador completamente sózinho na frente? Seu companheiro de ataque foi Edilson, muito devagar, sem qualidade técnica para acompanhar um jogador que mesmo não estando em sua melhor forma física, foi a referência do ataque cruzmaltino. 
Dizer que o time da Tuna é ruim, seria maldade. O time é fraco comparando com outras equipes, como o Águia, que este escriba avisou no Blog ontem que é bom, jovem, rápido e tem banco de reservas.
Rodrigo pode voltar contra o Paysandu
vale lembrar,  que o Águia foi quase perfeito. Somente a defesa que é meio vacilante, talvez pela idade de Edkleber e pelas muitas faltas cometidas por Charles. Mas os dois laterais são bons, sendo que Júlio Ferrari é o melhor homem defensor. Um lateral moderno, que apóia  e  até chuta a gol. No meio de campo o destaque para a dupla Analdo e Flamel. Este ´último, impecável ontem. Fez tudo em campo. No ataque Branco muito bem e Valdanes marcou o gol da partida.
Havia pensado que Rodrigo voltaria ontem. Parece que nem no banco foi. Aliás, banco de reservas é uma lástima na Tuna. O tal Maninho que entrou no lugar de Edilson não disse para que veio. E Menezes, ah o Menezes. Ajudou o Maninho!
O Paysandu vem mal no Campeonato, com duas derrotas. O compromisso de sexta da Tuna será contra a equipe bicolor . Os dois não estão bem. Mas o jogo será na Curuzu, a casa bicolor...
Charles vai ter que se mexer para botar um time melhor em campo. Com um ou dois homens melhores no meio e na frente. E com um lateral de verdade. É hora de pedir reforços. E que cheguem. Urgente.

Estupro pode ser "arrumação" por Ibope

Já não é segredo que o modelo de reality show adotado pela Globo está ultrapassado e não desperta o interesse do grande público que antes bombava os BBB passados.
O caso do suposto “estupro” pode muito bem ser uma tentativa desesperada de alavancar os números do IBOPE, uma vez que os patrocinadores estão insatisfeitos. Então o “estupro” seria um golpe? A Globo estaria disposta a apelar a um caso de polícia para melhorar os índices de audiência? Pode ser que sim.
Vamos raciocinar. Todos os jornalistas especializados em realities shows são unânimes em apontar a atual edição do BBB, como a de participantes mais sem graça e dispostos a apelar para cenas de sexo explicito, ou não, na ânsia de galgar os penosos degraus da fama instantânea e efêmera.
A questão mais relevante seria saber quem são os participantes protagonistas do incidente e o quê ganhariam com uma exposição tão infame. Pelo andar da carruagem os dois seriam “premiados” com contratos medianamente bem pagos para pousar peladões, além das tais presenças Vips em eventos sociais. É pouco? Para quem não tem nada e nem perspectiva é muito, ou pelo menos, o suficiente.
É no mínimo estranho que a direção do programa só tenha tomado a atitude de excluir o rapaz, depois que a questão gerou revolta e manifestações nas redes sociais. Seria este o objetivo? Bem ou mal, a audiência depois do “estupro” subiu para 80%, quando estava alcançando antes a média de 20%.
Precisamos pensar. A Globo plantou o caso “estupro” para alavancar a pífia audiência do BBB 12, ou se rendeu às redes sociais?
Cabe a nós, blogueiros progressistas raciocinar e nunca, nunca mesmo, tomar a Globo por boba, ao contrário, a Globo é igual a banco: nunca perde dinheiro. O slogam: “O povo não é bobo, fora Rede Globo”, pode estar sendo mudado por ela própria e seria: Quem é bobo, continua ligado na Globo”. (Do Blog da Dilma).