terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A privataria tucana: só lendo para crer!


Livro decreta o fim do serrismo, porque FHC já era
Recebi de meu filho, o jornalista Marcos Urupá Moraes, que reside em Brasília e veio a Belém para as festas de final de ano, o livro do jornalista Amaury Ribeiro Júnior "A privataria tucana". Embora já conhecesse alguns tópicos do livro, através dos Blog do Azenha e do Paulo Henrique Amorim, não aguentei a curiosidade, resolvi começar a ler imediatamente.
Fantástico! "A privataria tucana" não é um livro qualquer. Ele nos traz, de maneira chocante e até decepcionante, a dura realidade dos bastidores da política posta em prática desde o início do governo Fernando Henrique, que, em conluio com o empresariado brasileiro, armou-se para roubar dinheiro público. Faz uma denúncia vigorosa do que foi a chamada Era das Privatizações, instaurada pelo governo de FHC, cujo homem-chave, criador e incentivador das privatizações era seu ministro do Planejamento e eterno candidato a presidente tucano José Serra, auxiliado por outros ministros e altos funcionários. Nomes imprevistos, até agora blindados pela aura da honestidade, surgirão manchados pela imprevista descoberta de seus malfeitos. Uma leitura em que a farta documentação apresentada mostra que o PSDB, nos oito anos de FHC, quase leva o país às bancarrota, acabando com as empresas públicas, que foram vendidas por moeda podre e o pouco metal valioso que entrou fora para os paraísos fiscais.
O livro, editado por Luiz Fernando Emeditao, mostra também as travessuras da filha de Serra, de seus colegas que sempre estão no esquema, ou em São Paulo ou espalhados pelo país, e denuncia até o presidente da CBF e seu sogro, Ricardo Teixeira e João Havelange.
O autor, jornalista investigativo, que trabalhou em vários grandes jornais e revistas, faz um trabalho minucioso que teve início de maneira assustadora, quando, em 2007, trabalhava no Correio Brasiliense e fazia matéria mostrando a realidade do tráfico de drogas e do assassinato de adolescentes no entorno de Brasília. Amaury leva um tiro quando se encontrava esperando um informante em um bar, em companhia de outro repórter.
Depois do trauma sofrido, refugia-se em sua cidade natal em Minas e começa a investigar uma rede de espionagem que tinha o objetivo de desacreditar um possível candidato do PSDB, o ex-governador mineiro Aécio Neves. Ao puxar o fio da meada, mergulha num novelo de proporções espantosas.
O livro tem quase 350 páginas, 160 delas somente de documentos irrefutáveis, mostrando contas no exterior, cópias de cheques e contratos, além de fotos dos locais onde os políticos guardaram dinheiro para enriquecerem e financiarem campanhas eleitorais. Uma leitura que até o presente, quase um terço do livro que já devorei, mostram que o Brasil na era FHC, mesmo que a imprensa comprometida com os erros que aconteceram de 1995 até 2002 ainda tente escamotear a verdade, pode desnudar, principalmente aos conservadores e preconceituosos que acreditaram um dia nas palavras bonitas e enganadoras de FHC e Serra. Agpra, se forem coerente, vão cair na real. E verão que agora sim, o Brasil, como 6ª economia do mundo, anda para a frente. Com nossas empresas estatais cada vez mais sólidas e uma economia que realmene cresce,  e que o "modernismo" das privatizações além de ter sido um engodo, foi também uma maneira de muitos enriquecerem ilicitamente. "A provataria tucana" é uma leitura que este escriba recomenda com embasamento, pelo que já leu deu para sentir a veracidade do que Amaury Ribeiro Júnior pesquisou e escreveu.

6 comentários:

  1. onde se descola este livro ?

    ResponderExcluir
  2. Parece que já está nas livrarias de Belém.

    ResponderExcluir
  3. Estão denunciando alguns membros do atual governo serem denunciados de corrupção. Os fatos e casos estão sendo apurados e os envolvidos afastados para investigação, isso todos estão vendo. Agora, será que no governo anterior não existia podres? Se existiam, apenas agora começaram a ser descobertos. Se os fatos desse livro forem todos ou até parcialmente verdadeiros, o problema parece ser mais grave do que se pensava. A pergunta que não quer calar: Nesse caso, quem será punido?

    ResponderExcluir
  4. A podridão é tão grande que até a Imprensa se cala, demonstrando o seu total comprometimento com o tucanato. A máxima de nossos avós de que "quem cala consente" mais uma vez está valendo.

    ResponderExcluir
  5. Quantos ministros foram afastados por corrupção no passado e quantos foram afastados e comprovados desde 2002??? É fato.

    ResponderExcluir
  6. No governo democrático do PT, errou tá fora. S´[o que a imprensa tucanadeucnia mas num prova nada. Mesmo assim, a presidenta exonera. Ao contrario do tucanao, que colocou para baixo do tapete e foi
    privatizando até que deu no queu: quase quebra o país. Eisso está documentado.

    ResponderExcluir